INDÍGENAS PARAM OBRA DE HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA EM BUS­CA DE RESTOS DE ANCESTRAIS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

A enor­me es­tru­tu­ra de con­cre­to da usi­na hidrelétrica Te­les Pi­res, na fron­tei­ra do Ma­to gros­so com o Pa­rá, na amazônia bra­si­lei­ra, foi er­gui­da on­de, há cen­te­nas de anos, os ancestrais do po­vo mun­du­ru­ku fo­ram en­ter­ra­dos. Os os­sos, de­po­si­ta­dos em ur­nas de bar­ro co­mo pre­vê a tra­di­ção mun­du­ru­ku, fo­ram re­ti­ra­dos do lo­cal e, por mui­to tem­po, os indígenas não sa­bi­am on­de ha­vi­am ido pa­rar.

Ae­nor­me es­tru­tu­ra de con­cre­to da usi­na hidrelétrica Te­les Pi­res, na fron­tei­ra do Ma­to gros­so com o Pa­rá, na amazônia bra­si­lei­ra, foi er­gui­da on­de, há cen­te­nas de anos, os ancestrais do po­vo mun­du­ru­ku fo­ram en­ter­ra­dos. Os os­sos, de­po­si­ta­dos em ur­nas de bar­ro co­mo pre­vê a tra­di­ção mun­du­ru­ku, fo­ram re­ti­ra­dos do lo­cal e, por mui­to tem­po, os indígenas não sa­bi­am on­de ha­vi­am ido pa­rar. É por is­so, afir­mam, que seus pa­ren­tes es­tão tris­tes, que seu po­vo vem ado­e­cen­do.

a de­vo­lu­ção das ur­nas, pa­ra que se­jam en­ter­ra­das em um lo­cal on­de o “ho­mem bran­co” não te­nha aces­so, é uma das rei­vin­di­ca­ções dos cer­ca de 200 mun­du­ru­ku que des­de a ma­dru­ga­da do úl­ti­mo do­min­go acam­pam no can­tei­ro de obras de ou­tra usi­na, a são Ma­no­el. a hidrelétrica es­tá sen­do cons­truí­da no en­tor­no de su­as al­dei­as e em meio a seus lo­cais sa­gra­dos, as­sim co­mo a Te­les Pi­res já es­tá em fun­ci­o­na­men­to. a são Ma­no­el fi­ca bem no Mor­ro do Ma­ca­co e em áre­as de ca­cho­ei­ras em que, pa­ra os mun­du­ru­ku, vi­vem es­pí­ri­tos dos ani­mais.

além de ocu­par lo­cais im­por­tan­tes pa­ra a et­nia, os indígenas acu­sam as du­as hi­dre­lé­tri­cas de cau­sa­rem im­pac­to no vo­lu­me de água do rio, pre­ju­di­can­do a cir­cu­la­ção de­les pe­las 130 al­dei­as que se es­pa­lham na flo­res­ta, de cau­sar a mor­te de pei­xes, afu­gen­tar a ca­ça e pre­ju­di­car a de­mar­ca­ção de su­as ter­ras, pa­ra­li­sa­da já há uma dé­ca­da. “Tu­do de ruim acon­te­ceu. Uma sé­rie de vi­o­la­ção dos nos­sos di­rei­tos. rou­ba­ram nos­sas ur­nas fu­ne­rá­ri­as, des­truí­ram nos­sos pei­xes e ani­mais. Es­sa é a nossa re­vol­ta”, ex­pli­ca Val­de­nir Mun­du­ru­ku, uma das li­de­ran­ças da ocu­pa­ção. “Nós, em ne­nhum mo­men­to, for­mos con­sul­ta­dos so­bre es­sas obras”, des­ta­ca ele, que acu­sa as em­pre­sas de des­cum­pri­rem re­qui­si­tos de com­pen­sa­ção am­bi­en­tal exi­gi­dos pe­lo go­ver­no. Os indígenas tam­bém afir­mam que as usi­nas têm po­luí­do os ri­os e cau­sa­dos co­cei­ras e pro­ble­mas de pe­le, es­pe­ci­al­men­te den­tre as cri­an­ças.

a em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­la usi­na das obras ocu- pa­das re­ba­te. Diz que es­tão em cur­so tra­ta­ti­vas com o po­vo mun­du­ru­ku e com os ór­gãos com­pe­ten­tes e afir­ma, em no­ta, es­tar “com­pro­me­ti­da em en­con­trar uma so­lu­ção que ga­ran­ta a se­gu­ran­ça das co­mu­ni­da­des lo­cais, co­la­bo­ra­do­res e do em­pre­en­di­men­to”, além de cum­prir to­das as con­di­ci­o­nan­tes am­bi­en­tais le­gais exi­gi­das em lei. Qu­an­to às ur­nas fu­ne­rá­ri­as, a con­tro­la­do­ra de Te­les Pi­res não ha­via en­vi­a­do, até a pu­bli­ca­ção des­ta re­por­ta­gem, ne­nhu­ma res­pos­ta pa­ra os ques­ti­o­na­men­tos so­bre o pa­ra­dei­ro dos os­sos que os mun­du­ru­ku afir­mam es­tá em seu po­der.

Em meio ao im­pas­se, a Fu­nai afir­ma que o pre­si­den­te do ór­gão, Fran­klim­berg de Frei­tas, irá ao lo- cal nes­ta quar­ta-fei­ra pa­ra ava­li­ar a si­tu­a­ção que co­me­çou no do­min­go, quan­do os mun­du­ru­ku de di­ver­sas al­dei­as che­ga­ram ao can­tei­ro de obras de bar­co. lá, fa­zem ri­tu­ais e re­zas, à es­pe­ra dos re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no, que de­vem co­me­çar a che­gar na pró­xi­ma quar­ta-fei­ra pa­ra a ne­go­ci­a­ção. Eles afir­mam que só dei­xa­rão o lo­cal quan­do su­as rei­vin­di­ca­ções fo­rem aten­di­das. Há uma lis­ta, com 12 pon­tos. O pri­mei­ro é a vi­si­ta às ur­nas fu­ne­rá­ri­as que fo­ram re­ti­ra­das da área da Te­les Pi­res, e seu pos­te­ri­or en­ter­ro em “uma ter­ra em que ne­nhum Pa­riwat (bran­co) te­nha aces­so”. Há ain­da pe­di­dos co­mo a cri­a­ção de um fun­do com re­cur­sos pa­ra a cons­tru­ção de uma uni­ver­si­da­de

in­dí­ge­na e pa­ra pro­te­ção dos lu­ga­res sa­gra­dos, uma au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra que as em­pre­sas pres­tem es­cla­re­ci­men­tos so­bre os im­pac­tos cau­sa­dos e um pe­di­do for­mal de des­cul­pas pe­la des­trui­ção dos lo­cais on­de es­tão su­as di­vin­da­des, além da cri­a­ção de um mu­seu em que se pos­sa re­lem­brar des­ses lo­cais per­di­dos pe­las obras.

Eles que­rem ain­da o fim da cons­tru­ção de no­vas hi­dre­lé­tri­cas na amazônia, uma pre­o­cu­pa­ção glo­bal. Um es­tu­do pu­bli­ca­do na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Na­tu­re no mês pas­sa­do mos­tra que ao lon­go da flo­res­ta, nos di­ver­sos paí­ses que a di­vi­dem, exis­tem 428 bar­ra­gens pla­ne­ja­das, que se saí­rem do pa­pel po­de­rão ter um im­pac­to “de­sas­tro­so” so­bre os ri­os amazô­ni­cos. Os mun­du­ru­ku con­vi­vem com o me­do da cons­tru­ção de uma ter­cei­ra usi­na pró­xi­ma, a de são luiz do Ta­pa­jós, que por ora não de­ve sair do pa­pel, já que sua li­cen­ça foi ne­ga­da pe­lo ins­ti­tu­to brasileiro do Meio am­bi­en­te e dos re­cur­sos Na­tu­rais re­no­vá­veis (ibaMa), em 2016.

Com­pen­sa­ções pe­la obra e ge­ra­ção de ener­gia

Um re­la­tó­rio pro­du­zi­do pe­lo Fó­rum Te­les Pi­res, que reú­ne mo­vi­men­tos so­ci­ais lo­cais e é ci­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral em su­as pe­ti­ções, res­sal­ta que os pro­ces­sos de pla­ne­ja­men­to, li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal e im­plan­ta­ção das du­as usi­nas sub­di­men- si­o­nou os im­pac­tos e ris­cos so­ci­o­am­bi­en­tais, que hou­ve au­sên­cia de qual­quer pro­ces­so de con­sul­ta aos po­vos indígenas im­pac­ta­dos e fo­ram da­das con­ces­sões de li­cen­ças pré­vi­as pe­lo go­ver­no con­tra­ri­an­do pa­re­ce­res téc­ni­cos da pró­pria Fun­da­ção Na­ci­o­nal do Ín­dio (Fu­nai). se­gun­do o re­la­tó­rio, tam­bém fo­ram da­das li­cen­ças sem o cum­pri­men­to de con­di­ci­o­nan­tes com­pen­sa­tó­ri­as pe­la obra, es­pe­ci­al­men­te no que se re­fe­re ao com­po­nen­te que afe­ta os indígenas.

O re­la­tó­rio tam­bém des­ta­ca os efei­tos da des­trui­ção dos lo­cais sa­gra­dos pa­ra a et­nia. “Os po­vos indígenas en­xer­gam o ter­ri­tó­rio em cons­tan­te in­ter­re­la­ção en­tre o mun­do es­pi­ri­tu­al e o ma­te­ri­al, afir­man­do que as al­te­ra­ções que es­tão sen­do re­a­li­za­das pe­los em­pre­en­di­men­tos os afe­tam na vi­da co­ti­di­a­na, pois há re­ta­li­a­ções do mun­do es­pi­ri­tu­al pa­ra aque­les que de­vem guar­dar os lo­cais sa­gra­dos; no ca­so, os indígenas são cas­ti­ga­dos com aci­den­tes, do­en­ças e pi­ca­das de ani­mais, em de­cor­rên­cia da cons­tru­ção das usi­nas”, res­sal­ta o tex­to.”ima­gi­ne se ti­vés­se­mos nossa igre­ja de cul­to inun­da­da e nos­sos fi­lhos vo­mi­tas­sem em nossa fren­te chei­os de man­chas na pe­le, e is­so fos­se to­tal ou par­ci­al­men­te cau­sa­do pe­la ação de uma con­ces­si­o­ná­ria de ener­gia hi­dráu­li­ca que não quis nos ou­vir pa­ra im­por me­di­das de mi­ti­ga­ção e com­pen­sa­ção com as quais não ti­ve­mos opor­tu­ni­da­de de re­fle­tir”, ques­ti­o­nou o pro­cu­ra­dor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, Ma­lê ara­gão Fra­zão, em um de seus do­cu­men­tos en­vi­a­dos ao Ju­di­ciá­rio.

O ibama, res­pon­sá­vel pe­la área am­bi­en­tal na ad­mi­nis­tra­ção fe­de­ral, afir­ma que a Fu­nai vem mo­ni­to­ran­do o aten­di­men­to do Pla­no bá­si­co am­bi­en­tal in­dí­ge­na (Pbai) de com­pen­sa­ção das hi­dre­lé­tri­cas e que aguar­da o po­si­ci­o­na­men­to do ór­gão em re­la­ção ao pe­di­do de emis­são da li­cen­ça de ope­ra­ção pa­ra a usi­na de são Ma­no­el, cu­ja con­tro­la­do­ra pre­vê que já es­te­ja ge­ran­do 700 me­gawatts de ener­gia no ano que vem. Te­les Pi­res, inau­gu­ra­da em 2015, tem po­tên­cia ins­ta­la­da de 1.820 me­gawatts, su­fi­ci­en­te pa­ra abas­te­cer 5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

Ag.bra­sil

Indígenas mun­du­ru­ku na hi­dre­lét tri­ca São Ma­no­el, no Ma­to Gros­so

LUNAE PARRACHO/REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.