Uru­guai co­me­ça a ven­der ma­co­nha em far­má­ci­as

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O ca­pí­tu­lo mais am­bi­ci­o­so da le­ga­li­za­ção da ma­co­nha no Uru­guai, a ven­da em far­má­ci­as pa­ra seu con­su­mo com fins re­cre­a­ti­vos.

Oca­pí­tu­lo mais am­bi­ci­o­so da le­ga­li­za­ção da ma­co­nha no Uru­guai, a ven­da em far­má­ci­as de uma pro­du­ção con­tro­la­da pe­lo Es­ta­do pa­ra seu con­su­mo com fins re­cre­a­ti­vos, se tor­na re­a­li­da­de nes­ta quar­ta­fei­ra. É o pas­so fi­nal pa­ra im­ple­men­tar uma lei iné­di­ta que re­gu­la­men­tou o mer­ca­do da ma­co­nha no país sul-ame­ri­ca­no há quase qua­tro anos e foi apre­sen­ta­da co­mo uma es­tra­té­gia de lu­ta con­tra as dro­gas in­tro­du­zi­das ile­gal­men­te. Os ou­tros dois ca­pí­tu­los da lei, o cul­ti­vo pró­prio de no má­xi­mo seis plan­tas e os clu­bes ca­ná­bi­cos, fun­ci­o­nam nor­mal­men­te e sem in­ci­den­tes a se des­ta­car. Pa­ra com­prar, o con­su­mi­dor de­ve se re­gis­trar an­tes e pa­ra is­so é pre­ci­so re­si­dir le­gal­men­te no país, o que eli­mi­na a pos­si­bi­li­da­de de ven­da a tu­ris­tas.

A ven­da de ma­co­nha de uso me­di­ci­nal, pro­du­zi­da por em­pre­sas pri­va­das em ter­re­nos pú­bli­cos sob vi­gi­lân­cia e fis­ca­li­za­ção es­ta­tal, es­ta­va há anos em um lim­bo. A lei foi apro­va­da em 2013 e des­de en­tão o Go­ver­no es­ta­va em­per­ra­do no pas­so se­guin­te, o re­gis­tro pa­ra con­su­mi­do­res, que ocor­reu em maio após vá­ri­os anún­ci­os mal­su­ce­di­dos. As au­to­ri­da­des atri­buí­ram o con­tí­nuo atra­so da ven­da nas far- má­ci­as à ne­ces­si­da­de de me­di­das de se­gu­ran­ça. Mas tam­bém se sa­be que o atu­al pre­si­den­te, Ta­ba­ré Váz­quez (elei­to em 2014), não é fa­vo­rá­vel à lei vo­ta­da du­ran­te a ad­mi­nis­tra­ção de Jo­sé Mu­ji­ca.

Na semana pas­sa­da, o Go­ver­no anun­ci­ou que em 19 de ju­lho co­me­ça­ria a co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­co­nha em far­má­ci­as. Mas ain­da não in­for­mou quais se­rão os pon­tos de ven­da, uma in­for­ma­ção que o Ins­ti­tu­to de Re­gu­la­men­ta­ção e Con­tro­le de Can­na­bis (Irc­ca) da­rá na quar­ta-fei­ra. Até o mo­men­to, o que se sa­be é que se­rão 16 lo­cais de co­mér­cio que dis­tri­bui­rão a ma­co­nha em to­do o país, de 3,4 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e di­vi­di­dos em 19 de­par­ta­men­tos ou dis­tri­tos.

O Go­ver­no não fez acor- dos com as gran­des re­des far­ma­cêu­ti­cas que ga­ran­tem a che­ga­da do pro­du­to a to­do o ter­ri­tó­rio de mo­do que o es­pí­ri­to da lei se­ja cum­pri­do. No to­tal 4.959 pes­so­as, de acor­do com os úl­ti­mos da­dos do Irc­ca, se ins­cre­ve­ram pa­ra com­prar a ma­co­nha.

A dro­ga, pro­du­zi­da por du­as com­pa­nhi­as pri­va­das que fo­ram es­co­lhi­das num pro­ces­so de li­ci­ta­ção pú­bli­ca, se­rá dis­tri­buí­da em em­ba­la­gens de cin­co gra­mas, in­for­mou em abril o se­cre­tá­rio da Jun­ta Na­ci­o­nal de Dro­gas (JND), Di­e­go Oli­ve­ra, ao anun­ci­ar a aber­tu­ra do re­gis­tro de con­su­mi­do­res le­gais de can­na­bis. O Irc­ca es­cla­re­ce que se tra­ta das flo­res de ma­co­nha em­ba­la­das em es­ta­do na­tu­ral, se­cas, sem mo­er nem pren­sar, e que du­as va­ri­e­da­des se­rão dis­tri­buí­das.

Na se­gun­da-fei­ra, a JND pu­bli­cou no Twit­ter fo­tos das em­ba­la­gens, de cor bran­ca e azul, se­gun­do o ti­po. “Can­na­bis va­ri­e­da­de Al­fa I. Hí­bri­do com pre­do­mi­nân­cia in­di­ca” e “Can­na­bis va­ri­e­da­de Be­ta I, com pre­do­mi­nân­cia sa­ti­va”, di­zem os res­pec­ti­vos ró­tu­los, jun­to com os per­cen­tu­ais de THC, a subs­tân­cia psi­co­a­ti­va da ma­co­nha. Se­gun­do o Irc­ca, “atri­bu­em-se às va­ri­e­da­des ín­di­cas da can­na­bis efei­tos psi­co­a­ti­vos que se ma­ni­fes­tam prin­ci­pal­men­te em ní­vel fí­si­co”, ao pas­so que as sa­ti­vas agem “em ní­vel ce­re­bral”. A em­ba­la­gem tam­bém in­clui um qua­dro com ad­ver­tên­ci­as so­bre o ris­co do con­su­mo de ma­co­nha e re­co­men­da­ções pa­ra seu uso.

Na se­gun­da-fei­ra, o Irc­ca in­for­mou que o pre­ço de ven­da de cada em­ba­la­gem de cin­co gra­mas se­rá de 187 pe­sos (20,60 re­ais), o que equi­va­le ao pre­ço pre­vi­a­men­te anun­ci­a­do em tor­no de 4 re­ais por gra­ma. Os con­su­mi­do­res ins­cri­tos po­dem com­prar um má­xi­mo de 10 gra­mas por semana e 40 por mês, sem ne­ces­si­da­de de re­ve­lar ne­nhum ti­po de in­for­ma­ção pes­so­al, já que só pre­ci­sa­rão dei­xar uma impressão di­gi­tal. Se­gun­do da­dos ofi­ci­ais, há 63 clu­bes ca­ná­bi­cos em fun­ci­o­na­men­to no Uru­guai, 6.948 au­to­cul­ti­va­do­res e quase 5.000 con­su­mi­do­res em far­má­ci­as. O país sul-ame­ri­ca­no se tor­na a par­tir de ho­je o pri­mei­ro do mun­do a re­gu­lar do prin­cí­pio ao fi­ma­vend ade­ma­co­nha pa­raus o re­cre­a­ti­vo.

P PHOTO/MATILDE CAMPODONICO

Lui­si­na Mez­qui­ta abre pa­co­te de ma­co­nha com­pra­do em far­má­cia de Mo­te­vi­déu, no Uru­guai, na quar­ta (19)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.