Ba­leia Azul: Pe­do­fi­lia e ri­tu­ais em ce­mi­té­ri­os

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Mo­ra­dor do Rio, era o al­vo prin­ci­pal de uma ope­ra­ção que pro­cu­ra­va os res­pon­sá­veis do Ba­leia Azul, um ma­ca­bro jo­go vir­tu­al.

Mateus, de 23 anos, foi acor­da­do pe­la po­lí­cia na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra às seis da ma­nhã. Mo­ra­dor de uma co­mu­ni­da­de da Bai­xa­da Flu­mi­nen­se, po­bre re­gião na área me­tro­po­li­ta­na do Rio, era o al­vo prin­ci­pal de uma ope­ra­ção que pro­cu­ra­va os res­pon­sá­veis do Ba­leia Azul, um ma­ca­bro jo­go vir­tu­al que, em 50 de­sa­fi­os, in­ci­ta jo­vens à au­to­mu­ti­la­ção e o sui­cí­dio. No mes­mo dia, mais qua­tro jo­vens fo­ram pre­sos em São pau­lo, San­ta Ca­ta­ri­na e Rio Gran­de do Sul. A ope­ra­ção, co­man­da­da pe­la De­le­ga­cia de Re­pres­são a Cri­mes de In­for­má­ti­ca do Rio, re­ve­lou ain­da as som­bras dos su­pos­tos líderes do jo­go. Além de gui­ar jo­vens vul­ne­rá­veis em pro­ces­sos au­to­des­tru­ti­vos e co­brar ima­gens que pro­vas­sem a su­pe­ra­ção de ca­da eta­pa, al­guns dos cu­ra­do­res es­ta­ri­am usan­do o ma­te­ri­al com fins pe­dó­fi­los.

Os pre­sos, que po­dem res­pon­der por for­ma­ção de qua­dri­lha, le­são cor­po­ral ou até por homicídio, são con­si­de­ra­dos cu­ra­do­res, fi­gu­ra cha­ve no jo­go vir­tu­al, cu­ja ori­gem, cheia de len­das e mei­as ver­da­des, foi iden­ti­fi­ca­da na Rús­sia. São os cu­ra­do­res quem pro­põem à ví­ti­ma o uso de ob­je­tos cor­tan­tes pa­ra es­cre­ver có­di­gos, cor­tar os lá­bi­os ou de­se­nhar uma ba­leia no an­te­bra­ço usan­do uma gi­le­te co­mo pin­cel pa­ra, de­pois, exi­gir o en­vio de fo­tos que pro­vem a re- ali­za­ção dos ob­je­ti­vos. No ca­so das me­ni­nas, ain­da, eram pe­di­dos re­gis­tros de­las em su­as rou­pas ín­ti­mas mos­tran­do as le­sões. São os cu­ra­do­res quem mar­cam a da­ta e a for­ma com a qual o jo­vem ter­mi­na­rá com sua vi­da, às ve­zes se ati­ran­do de al­gum lu­gar, ou­tras in­ge­rin­do quan­ti­da­des ab­sur­das de re­mé­di­os.

Ain­da so­no­len­to, Mateus des­cre­veu-se an­te os po­li­ci­ais que en­tra­ram na sua ca­sa co­mo “um dos cu­ra­do­res mais co­nhe­ci­do do Rio”. “Sem­pre acon­se­lhei eles a não se ma­ta­rem” dis­se, ain­da sen­ta­do na ca­ma. “Mas uma vez que en­tra­vam no jo­go não ti­nham al­ter­na­ti­va”. Ca­bia ao cu­ra­dor tam­bém ame­a­çar às ví­ti­mas, in­du­zi­am elas a acre­di­tar que sa­bi­am tu­do so­bre sua vi­da após hac­ke­ar seus com­pu­ta­do­res, em­bo­ra não ti­ves­sem ne­nhu­ma in­ten­ção ou po­der de ata­cá-las. Jo­vens que par­ti­ci­pa­ram do jo­go re­la­ta­ram que fo­ram ame­a­ça­dos pe­los or­ga­ni­za­do­res qu­an­do qui­se­ram sair. “Eu sei co­mo fa­zer vo­cê vol­tar a jo­gar, e as pes­so­as a sua vol­ta é que vão so­frer”, re­ce­beu uma das ví­ti­mas no Rio, cu­jo cu­ra­dor ain­da não foi pre­so.

O jo­go, que es­tou­rou em Bra­sil em abril com vá­ri­as ten­ta­ti­vas de sui­cí­dio, con­ver­teu os dra­mas de saú­de dos jo­vens em ca­sos de po­lí­cia, trou­xe pâ­ni­co aos pais e dis­pa­rou aler­tas nos hos­pi­tais bra­si­lei­ros, que nos úl­ti­mos anos já têm pre­sen­ci­a­do um au­men­to de ca­sos de sui­cí­di­os en­tre ado­les­cen­tes. O Ba­leia Azul, com su­pos­tas ví­ti­mas es­pa­lha­das pe­lo país to­do, es­can­ca­ra­va as­sim a ne­ces­si­da­de de se dis­cu­tir um ta­bu: o do sui­cí­dio en­tre jo­vens, um fenô­me­no que cres­ce no mun­do in­tei­ro, de acor­do com in­for­ma­ções da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS).

Mateus, pe­drei­ro de­sem­pre­ga­do, dis­se ter acom­pa­nha­do os de­sa­fi­os de cer­ca de 30 jo­vens, mas in­sis­tiu, sem­pre sem per­der a cal­ma, não ter ma­ta­do nin­guém. Aman- te do rock, é con­si­de­ra­do “um ca­ra tran­qui­lo” pe­lo seu ad­vo­ga­do. Com a res­sal­va, se­gun­do a po­lí­cia, de que ti­nha uma ca­vei­ra em­bai­xo da ca­ma e gos­ta­va vi­si­tar os ce­mi­té­ri­os à noi­te e fa­zer ri­tu­ais que in­cluíam ca­var os tú­mu­los e ti­rar te­ci­dos hu­ma­nos pa­ra fa­zer chás.

En­quan­to Mateus re­la­ta­va que pa­ra ele já foi nor­mal a von­ta­de de se ma­tar, as­sim co­mo seus apa­dri­nha­dos, um ca­sal, com quem o jo­vem con­ver­sa­va pe­la re­de so­ci­al, era pre­so na ca­sa que di­vi­dia em São pau­lo. Ro­dri­go e Le­tí­cia, aju­dan­te de um mer­ca­do e uma ma­qui­a­do­ra de 23 e 21 anos, eram ad­mi­nis­tra­do­res de um gru­po em Fa­ce­bo­ok cha­ma­do “Es­tou bem tris­te”, com mais de 9.000 mem­bros. De­le, se­gun­do os in­ves­ti­ga­do­res, in­ci­ta­vam aos in­te­gran­tes a par­ti­ci­par do jo­go. Eles ne­ga­ram sua vin­cu­la­ção com o Ba­leia Azul, mas Ro­dri­go se ocu­pa­va do te­ma no seu per­fil: “Eu achei que era men­ti­ra mas re­al­men­te tem gen­te que pas­sa ho­ras as­sis­tin­do ou­tras pes­so­as jo­gar um jo­go em vez de jo­gar [...] Des­car­tem su­as vi­das lo­go”. Ou :“Es­sas pes­so­as co­lo­can­do fo­to de ba­leia azul no Fa­ce­bo­ok in­si­nu­an­do que vão se ma­tar mas só que­rem aten­ção mes­mo. Se elas se ma­tas­sem de ver­da­de, a gen­te iria se li­vrar de uma es­có­ria de gen­te re­tar­da­da na in­ter­net. Se­ria óti­mo”.

Mas os pro­ble­mas le­gais de Ro­dri­go não se li- mi­tam às pos­ta­gens so­bre jo­go vir­tu­al. No seu ce­lu­lar foi en­con­tra­da a fo­to de um pú­bis com uma suás­ti­ca de­se­nha­da a gol­pe de gi­le­te e, se­gun­do os agen­tes e o pró­prio depoimento do sus­pei­to, é in­ves­ti­ga­do pe­la po­lí­cia Fe­de­ral por man­ter um si­te de pe­do­fi­lia. Não é o úni­co. No Rio Gran­de do Sul, um me­nor de 15 anos, tam­bém iden­ti­fi­ca­do pe­la po­lí­cia do Rio co­mo cu­ra­dor, guar­da­va far­to ma­te­ri­al por­no­grá­fi­co de me­no­res no com­pu­ta­dor. Con­si­de­ra­do um ado­les­cen­te “apa­ren­te­men­te nor­mal” pe­los po­li­ci­ais que o pren­de­ram, há in­dí­ci­os de que usa­va di­ver­sos per­fis fal­sos nas re­des so­ci­ais evo­luin­do do seu per­fil de hac­ker ao de es­te­li­o­na­tá­rio.

por fim, em San­ta Ca­ta­ri­na, era pre­sa a quin­ta sus­pei­ta, que sur­pre­en­deu os in­ves­ti­ga­do­res por sua fri­e­za, mas ne­gou ter exer­ci­do co­mo cu­ra­do­ra. Emily, de­sem­pre­ga­da de 21 anos, con­ver­sa­va pe­la re­de so­ci­al com Mateus e pos­ta­va fre­quen­te­men­te no gru­po de Fa­ce­bo­ok “Es­tou bem tris­te” ad­mi­nis­tra­do pe­lo ca­sal de São pau­lo. “Sou uma cu­ra­do­ra e te­nho até apro­xi­ma­da­men­te 40 ba­lei­as [ví­ti­mas]”, di­zia nu­ma das pos­ta­gens. “É egoís­mo que­rer que al­guém per­ma­ne­ça vi­vo con­tra sua von­ta­de, só por agra­dar a pró­pria fa­mí­lia [...] Que­ria di­zer que sim, o jo­go é re­al. E sim, mui­ta gen­te irá mor­rer. Agra­de­çam a mim e ou­tros cu­ra­do­res”.

GETTYIMAGES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.