Igre­ja dos EUA es­cra­vi­zou cen­te­nas de bra­si­lei­ros

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Quan­do An­dré aten­deu ao convite pa­ra dei­xar sua con­gre­ga­ção da Word of Faith Fel­lowship no Bra­sil e se trans­fe­rir à Ca­ro­li­na do Nor­te.

Quan­do An­dré Oli­vei­ra aten­deu ao convite pa­ra dei­xar sua con­gre­ga­ção da Word of Faith Fel­lowship no Bra­sil e se trans­fe­rir à se­de da Igre­ja na Ca­ro­li­na do Nor­te, aos 18, seu pas­sa­por­te e di­nhei­ro fo­ram con­fis­ca­dos pe­los lí­de­res da igre­ja —pa­ra pro­te­ção, ele diz ter si­do in­for­ma­do.

Apri­si­o­na­do em ou­tro país, ele dis­se ter si­do for­ça­do a tra­ba­lhar 15 ho­ras por dia, usu­al­men­te sem pa­ga­men­to, pri­mei­ro lim­pan­do ar­ma­zéns con­tro­la­dos pe­la igre­ja, mui­to ape­ga­da ao si­gi­lo, e mais tar­de em em­pre­sas con­tro­la­das pe­los prin­ci­pais pas­to­res da ins­ti­tui­ção. Qual­quer vi­o­la­ção das re­gras po­dia cau­sar ira da par­te dos lí­de­res da igre­ja, e pu­ni­ções que va­ri­a­vam de sur­ras a hu­mi­lha­ção pú­bli­ca, do púl­pi­to.

“Tra­zer-nos pa­ra cá foi trá­fi­co de pes­so­as. Eles sa­bi­am o que es­ta­vam fa­zen­do. Pre­ci­sa­vam de mão de obra e nós éra­mos mão de obra ba­ra­ta - pi­or, gra­tui­ta”, dis­se Oli­vei­ra.

Uma in­ves­ti­ga­ção da As­so­ci­a­ted Press des­co­briu que a Word of Faith Fel­lowship usou du­as de su­as igre­jas su­bor­di­na­das no mai­or país da Amé­ri­ca La­ti­na pa­ra ca­na­li­zar um flu­xo cons­tan­te de jo­vens tra­ba­lha­do­res, vi­a­jan­do com vis­tos de tu­ris­mo e estudo, pa­ra o com­ple­xo de 14 hec­ta­res que a igre­ja man­tém na re­gião ru­ral de Spin­da­le, na Ca­ro­li­na de Nor­te.

A lei dos Es­ta­dos Uni­dos dis­põe que vi­si­tan­tes que en­trem no país com vis­tos de tu­ris­mo não po­dem re­a­li­zar tra­ba­lhos pe­los qu­ais as pes­so­as nor­mal­men­te se­ri­am re­nu­me­ra­das. Os que en­tram com vis­tos de estudo po­dem re­a­li­zar al­guns tra­ba­lhos, sob cir­cuns­tân­ci­as que não exis­ti­am na Word of Faith Fel­lowship, cons­ta­tou a As­so­ci­a­ted Press.

Em pe­lo me­nos uma oca­sião, an­ti­gos mem­bros da igre­ja aler­ta­ram as au­to­ri­da­des qu­an­to à ques­tão. Em 2014, três an­ti­gos in­te­gran­tes in­for­ma­ram a uma pro­cu­ra­do­ra as­sis­ten­te da justiça fe­de­ral nor­te-ame­ri­ca­na que os bra­si­lei­ros es­ta­vam sen­do for­ça­dos a tra­ba­lhar de gra­ça, de acor­do com uma gra­va­ção ob­ti­da pe­la As­so­ci­a­ted Press.

“E es­ses bra­si­lei­ros são es­pan­ca­dos?”, per­gun­tou Jill Ro­se, hoje pro­cu­ra­do­ra da justiça fe­de­ral nor­te-ame­ri­ca­na em Char­lot­te. “Com certeza”, dis­se um dos an­ti­gos in­te­gran­tes. Os pas­to­res “cer­ta­men­te os tra­zem pa­ra cá pa­ra que tra­ba­lhem de gra­ça”.

A gra­va­ção mostra Ro­se pro­me- ten­do que es­tu­da­ria a ques­tão, mas os an­ti­gos mem­bros da igre­ja dizem que ela nun­ca res­pon­deu quan­do ten­ta­ram re­pe­ti­da­men­te con­ta­tá-la nos me­ses pos­te­ri­o­res ao en­con­tro.

Ro­se recusou um pe­di­do de co­men­tá­rio da As­so­ci­a­ted Press, afir­man­do que há uma in­ves­ti­ga­ção em cur­so.

Oli­vei­ra, que fu­giu da igre­ja no ano pas­sa­do, é um dos 16 an­ti­gos in­te­gran­tes bra­si­lei­ros que con­ta­ram à As­so­ci­a­ted Press so­bre te­rem si­do for­ça­dos a tra­ba­lhar, sem pa­ga­men­to, e so­bre as agres­sões fí­si­cas e ver­bais que so­fre­ram. A As­so­ci­a­ted Press tam­bém es­tu­dou de­ze­nas de re­la­tó­ri­os po­li­ci­ais e quei­xas for­mais, no Bra­sil, so­bre as con­di­ções cruéis im­pos­tas pe­la Igre­ja.

“Eles nos man­ti­nham co­mo es­cra­vos”, dis­se Oli­vei­ra, se de­ten­do oca­si­o­nal­men­te em su­as de­cla­ra­ções pa­ra en­xu­gar as lá­gri­mas. “Éra­mos des­car­tá­veis. Não sig­ni­fi­cá­va­mos coi­sa al­gu­ma pa­ra eles. Na­da. Co­mo é pos­sí­vel fa­zer al­go as­sim a ou­tras pes­so­as - di­zer amá-las e em se­gui­da sur­rá-las em no­me de Deus?”

Era fre­quen­te que os bra­si­lei­ros não fa­las­sem bem in­glês ao che­gar ao país, e mui­tos ti­ve­ram seus pas­sa­por­tes con­fis­ca­dos. mui­tos dos ho­mens tra­ba­lha­vam em cons­tru­ção ci­vil; mui­tas das mu­lhe­res tra­ba­lha­vam co­mo ba­bás e na es­co­la da igre­ja, dis­se­ram os an­ti­gos in­te­gran­tes. Uma ex-in­te­gran­te, bra­si­lei­ra, dis­se à As­so­ci­a­ted Press que ti­nha ape­nas 12 anos quan­do co­me­çou a ser for­ça­da a tra­ba­lhar.

Ain­da que as au­to­ri­da­des de imi­gra­ção de am­bos os paí­ses afir­mem que é im­pos­sí­vel cal­cu­lar o número de pes­so­as que pas­sa­ram por es­se ca­nal de imi­gra­ção, no mí­ni­mo al­gu­mas cen­te­nas de jo­vens bra­si­lei­ros emi­gra­ram pa­ra a Ca­ro­li­na do Nor­te nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das, com base em en­tre­vis­tas com an­ti­gos mem­bros da igre­ja.

As revelações so­bre tra­ba­lho for­ça­do são as mais re­cen­tes em uma in­ves­ti­ga­ção cor­ren­te da As­so­ci­a­ted Press ex­pon­do anos de abu­sos na Word of Faith Fel­lowship. Ten­do por base en­tre­vis­tas ex­clu­si­vas com 13 an­ti­gos mem­bros, documentos e gravações fei­tas em se­gre­do, a As­so­ci­a­ted Press re­por­tou em fe­ve­rei­ro que os in­te­gran­tes le­va­vam so­cos e bo­fe­ta­das, e eram su­fo­ca­dos, re­gu­lar­men­te, em um es­for­ço pa­ra “pu­ri­fi­car” os pe­ca­do­res, sur­ran­do seus demô­ni­os.

A igre­ja ra­ra­men­te so­freu san­ções, des­de sua fun­da­ção em 1979 por Ja­ne Wha­ley, an­ti­ga pro­fes­so­ra de ma­te­má­ti­ca, e seu ma­ri­do Sam. Outra re­por­ta­gem an­te­ri­or da As­so­ci­a­ted Press de­li­ne­ou de que ma­nei­ra os in­te­gran­tes eram ins­truí­dos pe­los lí­de­res da igre­ja a men­tir às au­to­ri­da­des que es­ti­ves­sem in­ves­ti­gan­do de­nún­ci­as de abu­sos.

A As­so­ci­a­ted Press fez re­pe­ti­das ten­ta­ti­vas de ob­ter co­men­tá­ri­os de lí­de­res da igre­ja nos dos paí­ses, pa­ra esta re­por­ta­gem, mas eles não res­pon­de­ram. Sob a li­de­ran­ça de Ja­ne Wha­ley, a Word of Faith Fel­lowship evo­luiu de um pu­nha­do de se­gui­do­res pa­ra cer­ca de 750 in­te­gran­tes na Ca­ro­li­na do Nor­te e um to­tal de qua­se dois mil mem­bros em su­as igre­jas no Bra­sil e em Ga­na, e em afi­li­a­das na Sué­cia, Es­có­cia e ou­tros paí­ses.

Mem­bros da igre­ja vin­dos de to­do o mun­do vi­si­tam sua se­de em Spin­da­le, mas o Bra­sil é a mai­or fon­te de mão de obra es­tran­gei­ra, e Wha­ley e seus su­bor­di­na­dos vi­si­tam as ins­ta­la­ções da igre­ja no Bra­sil di­ver­sas ve­zes por ano, co­mo des­co­briu a As­so­ci­a­ted Press.

Thi­a­go Sil­va, an­ti­go mem­bro da igre­ja, dis­se que fi­cou em­pol­ga­do ao em­bar­car em um avião na ci­da­de bra­si­lei­ra de Be­lo Ho­ri­zon­te ru­mo a um se­mi­ná­rio de jo­vens da Word of Faith Fel­lowship na Ca­ro­li­na do Nor­te, em 2001.

Ele ti­nha 18 anos e es­pe­ra­va apro­vei­tar seu vis­to de tu­ris­ta pa­ra co­nhe­cer pes­so­as no­vas e vi­a­jar pe­los Es­ta­dos Uni­dos. Sil­va dis­se ter lo­go des­co­ber­to que “não ha­ve­ria fe­li­ci­da­de”. “Os bra­si­lei­ros vi­nham pa­ra cá pa­ra tra­ba­lhar. É is­so, es­tou di­zen­do”, dis­se Sil­va. Ele de­fi­ne o tra­ta­men­to co­mo “uma vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos”.

Ago­ra com 34 anos, ele re­cor­da ter si­do par­te de um gru­po de bra­si­lei­ros que tra­ba­lha­vam em com­pa­nhia de nor­te-americanos - os cidadãos lo­cais eram pa­gos, os es­tran­gei­ros não, dis­se. Sil­va e ou­tros tam­bém dis­se­ram que Wha­ley ti­nha con­tro­le com­ple­to so­bre as vidas dos in­te­gran­tes em am­bos os paí­ses, de­ci­din­do so­bre ques­tões bá­si­cas co­mo seus lu­ga­res de mo­ra­dia e ho­rá­ri­os de refeições —e até mes­mo for­çan­do al­guns dos imi­gran­tes a ca­sa­men­tos com nor­te-americanos, pa­ra que pu­des­sem fi­car no país.

A fal­ta de li­ber­da­de era ge­ne­ra­li­za­da, dizem as fon­tes. Sil­va, por exem­plo, con­tou que só po­dia li­gar pa­ra os pais no Bra­sil se al­guém que fa­las­se por­tu­guês mo­ni­to­ras­se a con­ver­sa. “Não há li­vre ar­bí­trio. Há o ar­bí­trio de Ja­ne”, dis­se ele.

So­fri De­mais LÁ

Ao lon­go de du­as dé­ca­das, a Word of Faith Fel­lowship ab­sor­veu du­as igre­jas no Bra­sil, nas ci­da­des de São Jo­a­quim de Bi­cas e Fran­co da Ro­cha, na re­gião Su­des­te.

Du­ran­te su­as fre­quen­tes vi­si­tas, Wha­ley di­zia aos mem­bros bra­si­lei­ros de sua con­gre­ga­ção que sua vi­da e seu re­la­ci­o­na­men­to com Deus me­lho­ra­ri­am ca­so fi­zes­sem uma pe­re­gri­na­ção à igre­ja se­de, de acor­do com di­ver­sos dos en­tre­vis­ta­dos. Ela cos­tu­ma­va di­zer que a in­ten­si­da­de do cul­to bra­si­lei­ro era in­fe­ri­or.

Além de re­ce­be­rem pro­mes­sas de que sua po­si­ção na igre­ja me­lho­ra­ria, al­guns dis­se­ram que tam­bém fo­ram atraí­dos com pro­mes­sas de fa­zer cur­sos su­pe­ri­o­res, apren­der in­glês e ver um pou­co dos Es­ta­dos Uni­dos.

Ou­tros dis­se­ram que sim­ples­men­te não ti­ve­ram escolha. E du­ran­te to­do es­se tem­po, as re­gras ri­go­ro­sas vá­li­das em Spin­da­le es­ta­vam sen­do im­pos­tas no Bra­sil, ge­ran­do quei­xas à po­lí­cia ava­li­a­das pe­la As­so­ci­a­ted Press e in­ves­ti­ga­das em uma audiência le­gis­la­ti­va em 2009. Mas a Word of Faith Fel­lowship jamais en­fren­tou cen­su­ra ofi­ci­al - mui­tas das acu­sa­ções en­vol­vi­am a pa­la­vra de an­ti­gos in­te­gran­tes ver­sus a pa­la­vra dos di­ri­gen­tes da igre­ja - e a cor­ren­te hu­ma­na con­ti­nu­ou a fluir, mes­mo de­pois que pais bra­si­lei­ros afir­ma­ram ter si­do im­pe­di­dos de man­ter qual­quer con­ta­to com seus filhos na Ca­ro­li­na do Nor­te.

De­fi­ni­da co­mo “re­bel­de” por res­pon­der aos pas­to­res, quan­do cri­an­ça, Eli­za­beth Oli­vei­ra, que não é pa­ren­te de An­dré Oli­vei­ra, con­tou à As­so­ci­a­ted Press que fre­quen­te­men­te pas­sa­va di­as de cas­ti­go nas ca­sas de di­ver­sos pas­to­res em São Jo­a­quim de Bi­cas.

Ela foi en­vi­a­da aos Es­ta­dos Uni­dos co­mo for­ma de “cor­ri­gir” seu mau com­por­ta­men­to. Oli­vei­ra dis­se que ti­nha 12 anos quan­do fez sua pri­mei­ra viagem lon­ga a Spin­da­le, on­de ime­di­a­ta­men­te foi co­lo­ca­da pa­ra tra­ba­lhar. Ela tra­ba­lha­va na es­co­la du­ran­te o dia e de noi­te cos­tu­ra­va e ser­via co­mo ba­bá, às ve­zes até de­pois da meia-noi­te. Oli­vei­ra dis­se que nun­ca foi pa­ga.

Ela ago­ra tem 21 anos e es­tá es­tu­dan­do me­di­ci­na em Be­lo Ho­ri­zon­te, e dis­se ter dei­xa­do a igre­ja de­pois de sua oi­ta­va viagem a Spin­da­le.”so­fri de­mais lá”, dis­se Oli­vei­ra. “Quan­do fiz 18 anos, lar­guei a igre­ja e eles me dis­se­ram, um a vez mais, que eu mor­re­ria so­zi­nha e iria ara o in­fer­no”.

Ana Al­bu­quer­que vi­a­jou 11 ve­zes do Bra­sil a Spin­da­le, ao lon­go de mais de uma dé­ca­da, co­me­çan­do aos cin­co anos de ida­de, em com­pa­nhia dos pais. Ao lon­go do tem­po, ela dis­se ter tes­te­mu­nha­do tan­tos gri­tos e sa­fa­nões pa­ra “ex­pul­sar demô­ni­os” que co­me­çou a con­si­de­rar es­se ti­po de com­por­ta­men­to co­mo nor­mal. Nas três úl­ti­mas vi­a­gens, ela era par­te de um gru­po de cer­ca de du­as dú­zi­as de ou­tros bra­si­lei­ros que fi­ca­vam até seis me­ses nos Es­ta­dos Uni­dos com vis­tos de tu­ris­mo. “Eles nos pro­cu­ra­vam di­zen­do que iría­mos co­nhe­cer os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca. Que po­de­ría­mos vi­si­tar os shop­ping cen­ters”, ela con­tou. “Mas quan­do vo­cê che­ga­va lá, tu­do era con­tro­la­do”.

Al­bu­quer­que, 25, dis­se que tra­ba­lha­va em pe­río­do in­te­gral, sem pa­ga­men­to - co­mo as­sis­ten­te de en­si­no na es­co­la, du­ran­te o dia, e ba­bá de filhos dos in­te­gran­tes, à noi­te.

Seu mo­men­to de cas­ti­go sur­giu na última viagem, quan­do ela ti­nha 16 anos. Al­bu­quer­que dis­se ter si­do es­pan­ca­da re­pe­ti­da­men­te por Wha­ley e ou­tro pas­tor, com uma tá­bua. Eles gri­ta­vam e a cha­ma­vam de “su­ja”, e di­zi­am que es­ta­va pos­suí­da pe­lo demô­nio.

“Ore pa­ra que ele saia de vo­cê!”, era o que eles or­de­na­vam que Al­bu­quer­que fi­zes­se, em uma ses­são que du­rou 40 mi­nu­tos. Nas du­as úl­ti­mas se­ma­nas que pas­sou em Spin­da­le, Al­bu­quer­que dis­se ter so­fri­do di­as de iso­la­men­to e lei­tu­ras da Bí­blia for­ça­das, e ame­a­ças de ser co­lo­ca­da em uma ins­ti­tui­ção psi­quiá­tri­ca; Wha­ley tam­bém re­cu­sa­va per­mis­são pa­ra que ela te­le­fo­nas­se aos pais. Ela por fim foi au­to­ri­za­da a vol­tar ao Bra­sil, e dei­xou a igre­ja.

Luiz Pi­res con­tou que ti­nha 18 anos em 2006 quan­do foi en­co­ra­ja­do por pas­to­res da igre­ja de São Jo­a­quim de Bi­cas a vi­a­jar à Ca­ro­li­na do Nor­te, em bus­ca de melhora es­pi­ri­tu­al.

Ao che­gar, ele dis­se ter en­con­tra­do con­di­ções de vi­da “hor­rí­veis”, com oi­to pes­so­as amon­to­a­das no po­rão da ca­sa de um dos lí­de­res da igre­ja, e for­ça­das a tra­ba­lhar mui­tas ho­ras por dia nos ne­gó­ci­os da igre­ja. O pa­ga­men­to que lhes era de­vi­do era usado pa­ra cobrir su­as des­pe­sas

de hos­pe­da­gem, dis­se Pi­res, a des­pei­to de ele e os de­mais hós­pe­des lim­pa­rem a ca­sa e o quin­tal no lu­gar em que es­ta­vam hos­pe­da­dos.

“Não tí­nha­mos tem­po nem pa­ra sen­tar. Éra­mos usa­dos co­mo es­cra­vos”, ele dis­se. Jay Plum­mer, um an­ti­go in­te­gran­te, su­per­vi­si­o­na­va pro­je­tos de re­for­ma em uma das em­pre­sas de um lí­der da igre­ja e con­fir­mou que seus co­le­gas nor­te-americanos eram pa­gos en­quan­to os bra­si­lei­ros que tra­ba­lha­vam ao la­do de­les não eram.

“Eles tra­ba­lha­vam por co­mi­da e um lu­gar on­de dor­mir, e não ti­nham escolha”, dis­se Plum­mer à As­so­ci­a­ted Press. “E quan­do não que­ri­am tra­ba­lhar e ex­pres­sa­vam es­sa von­ta­de, eram cas­ti­ga­dos”. Pau­lo Hen­ri­que Bar­bo­sa co­nhe­cia as his­tó­ri­as de hor­ror so­bre a vi­da em Spin­da­le. Mas a in­fluên­cia da sei­ta era tão gran­de que ele afir­mou ter se sen­ti­do obri­ga­do a acei­tar quan­do os lí­de­res da igre­ja em Fran­co da Ro­cha - com apoio de seus pais - or­de­na­ram que vi­a­jas­se a Spin­da­le em 2011, aos 17 anos.

Os pas­to­res dis­se­ram que, ca­so ele não fos­se, es­ta­ria vi­o­lan­do a von­ta­de de Deus. “To­do mun­do sa­bia que es­sas vi­a­gens não eram de tu­ris­mo”, dis­se Bar­bo­sa, 23, que tra­ba­lha com in­for­má­ti­ca em São Pau­lo. “Eu não que­ria ir mas não ti­ve escolha”.

Quan­do chegou a Spin­da­le, as con­di­ções se pro­va­ram ain­da pi­o­res do que ele te­mia, dis­se Bar­bo­sa. Por seis me­ses, ele aju­da­va na es­co­la de ma­nhã, e tra­ba­lha­va em cons­tru­ção de tar­de e de noi­te, às ve­zes até a 1h. Oli­vei­ra dis­se que jamais foi pa­go.

A igre­ja con­tro­la­va tu­do que ele fa­zia, se­gun­do Bar­bo­sa, e proi­bia até que ele fi­zes­se um lan­che en­tre as refeições. Te­le­vi­são, música e pro­du­tos de cer­tas mar­cas eram proi­bi­dos. Bar­bo­sa dis­se que ele tam­bém foi hos­pe­da­do no po­rão da ca­sa de um mem­bro da igre­ja, com cer­ca de 15 ou­tros ra­pa­zes. Fa­lar por­tu­guês era proi­bi­do.

Qual­quer pes­soa que de­mo­ras­se mais que os cin­co mi­nu­tos pres­cri­tos no ba­nhei­ro fi­ca­va sob sus­pei­ta de co­me­ter o “pe­ca­do” da mas­tur­ba­ção, e Wha­ley se­ria cha­ma­da à ca­sa pa­ra de­ci­dir so­bre a pu­ni­ção.

Se qual­quer dos ra­pa­zes pa­re­ces­se es­tar ten­do um “so­nho im­pu­ro”, dis­se Bar­bo­sa, to­dos eram for­ça­dos a sair de su­as ca­mas, e or­de­na­dos a cer­cá-lo e a sa­cu­di-lo re­pe­ti­da­men­te, gri­tan­do “ex­pul­se os demô­ni­os” em seus ou­vi­dos, uma prá­ti­ca que a Word of Faith Fel­lowship de­fi­ne co­mo “blas­ting” [de­to­nar].

Bar­bo­sa diz que pe­diu mui­tas ve­zes pa­ra vol­tar ao Bra­sil, “mas eles sem­pre re­cu­sa­vam, di­zen­do que era von­ta­de de Deus que eu fi­cas­se”.

Par­tir por con­ta pró­pria pa­re­cia im­pos­sí­vel, dis­se Bar­bo­sa. Ele ha­via che­ga­do ao país pe­lo ae­ro­por­to de Char­lot­te, a mais de uma ho­ra de dis­tân­cia, não ti­nha car­ro e car­re­ga­va pou­co di­nhei­ro. Além dis­so, não co­nhe­cia pes­so­as de fo­ra da igre­ja, e não fa­la­va in­glês. Bar­bo­sa só foi au­to­ri­za­do a vol­tar ao Bra­sil quan­do seu vis­to de tu­ris­mo de seis me­ses es­ta­va pa­ra ven­cer.

“Des­de cri­an­ça, vo­cê é trei­na­do a acre­di­tar que dei­xar a igre­ja sig­ni­fi­ca que vo­cê irá pa­ra o in­fer­no e so­fre­rá cân­cer ou Aids”, dis­se ele.

VIOLAÇÕES De VIS­TO

A in­ves­ti­ga­ção da As­so­ci­a­ted Press do­cu­men­tou re­pe­ti­das ir­re­gu­la­ri­da­des qu­an­to aos vis­tos de tu­ris­mo e estudo ob­ti­dos pe­los mem­bros bra­si­lei­ros da igre­ja.

Os bra­si­lei­ros mui­tas ve­zes che­ga­vam à Ca­ro­li­na do Nor­te com vis­tos de tu­ris­mo de seis me­ses, pa­ra par­ti­ci­par de fun­ções da igre­ja, em gru­pos de até 20 ou 30 pes­so­as. Al­guns bra­si­lei­ros par­ti­am em ques­tão de se­ma­nas, mas ou­tros fi­ca­vam pe­lo tem­po má­xi­mo per­mi­ti­do.

Tal­vez pa­ra con­tor­nar a lei que proí­be que pes­so­as com vis­tos de tu­ris­mo acei­tem em­pre­gos, os lí­de­res da igre­ja oca­si­o­nal­men­te se re­fe­ri­am aos pro­je­tos de tra­ba­lho for­ça­do co­mo “tra­ba­lho vo­lun­tá­rio”, de acor­do com bra­si­lei­ros en­tre­vis­ta­dos em am­bos os paí­ses.

Es­se ti­po de tra­ba­lho in­cluía de­mo­lir paredes e ins­ta­lar di­vi­só­ri­as em apar­ta­men­tos pa­ra lo­ca­ção, de pro­pri­e­da­de de um pas­tor importante da igre­ja e de seus pa­ren­tes, dis­se­ram as fon­tes. Ross Ein­brey, do Ins­ti­tu­to de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca, em Washing­ton, uma or­ga­ni­za­ção de pes­qui­sa que se es­pe­ci­a­li­za em ques­tões tra­ba­lhis­tas, dis­se que os imó­veis pa­ra lo­ca­ção são “ne­gó­ci­os com fins lu­cra­ti­vos”, nos ter­mos da Lei de Prá­ti­cas Tra­ba­lhis­tas dos Es­ta­dos Uni­dos. Al­guns dos en­tre­vis­ta­dos dis­se­ram que fo­ram atraí­dos aos Es­ta­dos Uni­dos em par­te por pro­mes­sas de que po­de­ri­am fa­zer cur­so su­pe­ri­or, mas que era im­pos­sí­vel es­tu­dar ou com­pa­re­cer às au­las de­vi­do à car­ga es­ta­fan­te de tra­ba­lho. “Ha­via di­as em que meu tra­ba­lho ter­mi­na­va às qua­tro da ma­nhã e eu sa­bia que ti­nha de me le­van­tar às oi­to pa­ra tra­ba­lhar. Eu fi­ca­va sen­ta­do, olhan­do pa­ra os livros. Mas não dá pa­ra se con­cen­trar no estudo quan­do vo­cê es­tá tão can­sa­do”, dis­se An­dré Oli­vei­ra.

An­ti­gos in­te­gran­tes da igre­ja dis­se­ram que a gran­de mai­o­ria dos bra­si­lei­ros che­ga­va com vis­tos de tu­ris­mo, e que cen­te­nas de ado­les­cen­tes fi­ze­ram es­ta­di­as pro­lon­ga­das.

A ex­pe­ri­ên­cia de An­dré Oli­vei­ra, 24, é ilus­tra­ti­va. Na sua pri­mei­ra viagem a Spin­da­le, em 2009, ele dis­se que pre­ci­sou pe­dir du­ran­te me­ses até ser au­to­ri­za­do a re­tor­nar ao Bra­sil. De vol­ta, con­tou, ele e ou­tros jo­vens fo­ram for­ça­dos a vi­ver na ca­sa de um pas­tor, on­de ele tra­ba­lhou co­mo fa­xi­nei­ro por me­ses, e de­pois foi in­for­ma­do de que “era von­ta­de de Deus que ele re­tor­nas­se a Spin­da­le - des­ta vez com vis­to de es­tu­dan­te”.

Quan­do chegou de vol­ta à Ca­ro­li­na do Nor­te, os pas­to­res de novo con­fis­ca­ram seu pas­sa­por­te e o pu­se­ram pa­ra tra­ba­lhar em em­pre­sas con­tro­la­das por di­ri­gen­tes da igre­ja con­tou Oli­vei­ra. Ele as­sis­tiu a al­gu­mas au­las na uni­ver­si­da­de, mas não ti­nha tem­po de es­tu­dar.

“Um dia tí­pi­co co­me­ça­va as­sim: eu en­tra­va no tra­ba­lho às no­ve da ma­nhã... e tra­ba­lha­va por 15 ou 16 ho­ras, ou até mais”, dis­se Oli­vei­ra. “Tra­ba­lhá­va­mos sem pa­rar”. Ele e os co­le­gas ti­nham pou­ca escolha a não ser se­guir as or­dens.

“Sa­bía­mos o que acon­te­ce­ria. Se­ría­mos al­vos de gri­ta­ri­as, sur­ras, blas­ting. E o que po­día­mos fa­zer? Não tí­nha­mos pa­ra on­de ir. Não sa­bía­mos o idi­o­ma. Não tí­nha­mos documentos. Só po­día­mos tra­ba­lhar”, ele dis­se. “Era tra­ba­lho es­cra­vo”, dis­se Re­be­ca Me­lo, 29, que cres­ceu co­mo in­te­gran­te da igre­ja no Bra­sil e visitou os Es­ta­dos Uni­dos cer­ca de 10 ve­zes pa­ra fun­ções re­li­gi­o­sas e em vi­a­gens com a fa­mí­lia.

As vi­si­tas in­cluíam ex­cur­sões pa­ra com­pras, mas ela dis­se que as coi­sas mu­da­ram mui­to quan­do chegou a Spin­da­le com um vis­to de estudo, em 2009. “Eu não que­ria me mu­dar pa­ra lá, mas Ja­ne dis­se que era von­ta­de de Deus”, dis­se Me­lo à As­so­ci­a­ted Press.

O pas­sa­por­te de­la lhe foi to­ma­do, e Me­lo foi ra­pi­da­men­te co­lo­ca­da pa­ra tra­ba­lhar. Ape­sar do vis­to de estudo, os di­ri­gen­tes da igre­ja dei­xa­vam cla­ro que a es­co­la não de­ve­ria ser seu fo­co, se­gun­do Me­lo. Os vis­tos de estudo “eram só um meio de es­tar aqui le­gal­men­te”, dis­se.

O ti­po de “amor” pre­ga­do por Wha­ley tam­bém de­sem­pe­nha­va um pa­pel na atra­ção de ra­pa­zes bra­si­lei­ros a Spin­da­le -e pa­ra man­tê-los por lá de­pois que seus vis­tos ven­ci­am, de acor­do com 10 an­ti­gos in­te­gran­tes da igre­ja.

Al­guns dos en­tre­vis­ta­dos fa­la­ram de ra­pa­zes bra­si­lei­ros -e CA­SA­MEN­TOS ar­ran­ja­dos mem­bros da igre­ja em ou­tros paí­ses - que ob­ti­ve­ram gre­en cards co­mo mo­ra­do­res per­ma­nen­tes, au­to­ri­za­dos a tra­ba­lhar le­gal­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos, por meio de “ca­sa­men­tos ar­ran­ja­dos” com mu­lhe­res da igre­ja, Ca­sa­men­tos ar­ran­ja­dos com o pro­pó­si­to de con­tor­nar as leis nor­te-ame­ri­ca­nas de imi­gra­ção são ile­gais.

Os ca­sa­men­tos ar­ran­ja­dos tam­bém eram uma for­ma de re­sol­ver a ques­tão de que a con­gre­ga­ção de Spin­da­le ti­nha mais mu­lhe­res sol­tei­ras do que ho­mens, dis­se­ram os ex-mem­bros. As re­gras de Wha­ley não per­mi­tem que os fi­eis de sua igre­ja na­mo­rem, qu­an­to mais se ca­sem, com pes­so­as de ou­tras de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas.

“Lem­bro de pe­lo me­nos cin­co ou seis bra­si­lei­ros que vi­e­ram pa­ra cá pa­ra se ca­sar com ga­ro­tas nor­te-ame­ri­ca­nas”, dis­se Me­lo. “Vo­cê nun­ca, nun­ca, nun­ca se­ria au­to­ri­za­do a na­mo­rar com al­guém de fo­ra da igre­ja”.

Sil­va con­tou que Wha­ley cos­tu­ma­va di­zer às pes­so­as que Deus a ins­truía qu­an­to a quem de­ve­ria se ca­sar com quem, e usa­va seu do­mí­nio fér­reo so­bre as vidas dos mem­bros da igre­ja pa­ra im­por re­la­ci­o­na­men­tos. Sil­va re­cor­da um jo­vem casal de bra­si­lei­ros apai­xo­na­dos que não po­de­ri­am fi­car nos Es­ta­dos Uni­dos de­pois da ex­pi­ra­ção de seus vis­tos ca­so se ca­sas­sem. Wha­ley que­ria man­ter o ra­paz em Spin­da­le, e por is­so dis­se que a “von­ta­de de Deus” era que ele se ca­sas­se com uma nor­te-ame­ri­ca­na, con­tou Sil­va.

Quan­do seu vis­to es­ta­va por ex­pi­rar, os lí­de­res da igre­ja lhe ar­ran­ja­ram uma noi­va, dis­se An­dré Oli­vei­ra. Pou­co de­pois de ade­rir à igre­ja, Kim Ro­o­per foi ins­truí­da a se ca­sar com um equa­to­ri­a­no cu­jo vis­to es­ta­va por ven­cer. Ro­o­per, nor­te-ame­ri­ca­na que hoje vi­ve em Tam­pa, Fló­ri­da, dis­se que foi ins­truí­da so­bre co­mo fa­zer com que o ca­sa­men­to pa­re­ces­se le­gí­ti­mo aos olhos das au­to­ri­da­des de imi­gra­ção - por exem­plo man­ten­do um ál­bum de fo­tos do casal.

“Pa­ra re­su­mir, chegou a ho­ra de con­su­mar o ma­trimô­nio, e eu ti­ve dificuldades com is­so”, ela dis­se. “Foi difícil por­que eu não o ama­va e nem sen­tia atra­ção por ele”. Os lí­de­res da igre­ja dis­se­ram que era “von­ta­de de Deus” que ela se sub­me­tes­se ao ma­ri­do, dis­se Ro­o­per.

“E foi en­tão que per­ce­bi que ti­nha de es­ca­par”, dis­se ela.

NYTIMES

Pré­dio da con­gre­ga­ção Word of Faith Fel­lowship

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.