Qual a solução nu­cle­ar de Kim Jong-un

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

adi­nâ­mi­ca do con­fli­to nor­te-co­re­a­no na úl­ti­ma dé­ca­da se tor­nou uma li­tur­gia: Pyongyang faz um tes­te nu­cle­ar ou de mís­seis ba­lís­ti­cos, a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal se in­dig­na, a ONU apro­va san­ções econô­mi­cas con­tra o re­gi­me e es­te res­pon­de com tes­tes ca­da vez mais re­cor­ren­tes e com avan­ços no­tá­veis. es­se cír­cu­lo vi­ci­o­so e a nu­la ca­pa­ci­da­de de dis­su­a­dir a Co­reia do Nor­te le­va­ram os es­ta­dos Uni­dos a di­ze­rem, de­pois de no­vo tes­te nu­cle­ar des­te do­min­go, que uma “res­pos­ta mi­li­tar mas­si­va” es­tá sen­do es­tu­da­da. Con­tu­do, mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos por es­te jor­nal de­fen­dem exa­ta­men­te o con­trá­rio: des­car­tan­do um con­fli­to ar­ma­do, que se­ria ca­tas­tró­fi­co, a úni­ca opção pas­sa por di­a­lo­gar com Kim Jong-un.

a pri­mei­ra per­gun­ta é por que as se­te ro­da­das de san­ções econô­mi­cas con­tra a Co­reia do Nor­te não sur­ti­ram efei­to. a res­pos­ta é que não fo­ram su­fi­ci­en­te­men­te du­ras pa­ra ame­a­çar di­re­ta­men­te a estabilidade do re­gi­me nor­te­co­re­a­no. “o país fez mui­tos es­for­ços e in­ves­tiu mui­tos re­cur­sos em seu programa nu­cle­ar. É mui­to im­pro­vá­vel que ago­ra o aban­do­ne sim­ples­men­te por cau­sa de me­di­das que o ma­chu­cam, mas não o ma­tam”, diz Cheng Xi­a­ohe, pro­fes­sor de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais da Uni­ver­si­da­de de Ren­min. “as san­ções de­ve­ri­am ser al­go si­mi­lar a um em­bar­go econô­mi­co to­tal que cor­tas­se as pos­si­bi­li­da­des de tro­cas do país com o ex­te­ri­or. Qual­quer coi­sa fo­ra dis­so não for­ça­rá a Co­reia do Nor­te a re­con­si­de­rar a opção nu­cle­ar”, diz Zhao tong, ana­lis­ta do programa de Po­lí­ti­ca Nu­cle­ar no Cen­tro Car­ne­gi­et­singhua em Pe­quim.

o pro­ble­ma de le­var a cabo um mo­vi­men­to des­se ca­li­bre é que, nas cir­cuns­tân­ci­as atu­ais, não ob­te­ria o con­sen­so do Con­se­lho de se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das. a Rús­sia, e es­pe­ci­al­men­te a Chi­na, não es­tão dis­pos­tas a ir tão lon­ge por con­ta dos ris­cos que de­ses­ta­bi­li­zar a Co­reia do Nor­te im­pli­ca­ria pa­ra os dois paí­ses. Mes­mo os es­ta­dos Uni­dos afir­ma­ram pu­bli­ca­men­te que der­ru­bar o re­gi­me é uma opção mui­to ar­ris­ca­da e que sua aposta se ba­seia em for­çar “uma mu­dan­ça de po­lí­ti­ca” no país asiá­ti­co. Nin­guém questiona que a pres­são econô­mi­ca de­va con­ti­nu­ar, mas os ana­lis­tas con­cor­dam que o ca­nal di­plo­má­ti­co de­ve­ria ga­nhar força. “os es­ta­dos Uni­dos de­vem re­to­mar o diá­lo­go bi­la­te­ral com a Co­reia do Nor­te. se, co­mo di­zem, que­rem re­sol­ver os pro­ble­mas de se­gu­ran­ça, pre­ci­sam con­ver­sar com Pyongyang pa­ra tra­ba­lhar por so­lu­ções pa­cí­fi­cas”, diz de­an J. ou­el­let­te, pro­fes­sor as­so­ci­a­do da Uni­ver­si­da­de de Kyung­nam, em seul. “te­mos de le­var a Co­reia do Nor­te à me­sa de ne­go­ci­a­ções. todos nós sa­be­mos o que se­rá pe­di­do a

ela, mas o que se­rá ofe­re­ci­do em tro­ca do aban­do­no do seu programa nu­cle­ar? Is­so não foi se­quer le­van­ta­do e é essencial pa­ra um país que diz te­mer por sua so­bre­vi­vên­cia”, per­gun­ta Cheng.

o pro­ble­ma é que, his­to­ri­ca­men­te, os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos pe­la Co­reia do Nor­te nes­se cam­po acaba- ram sen­do le­tra morta. em pro­ces­sos de ne­go­ci­a­ção an­te­ri­o­res, nos anos no­ven­ta e na dé­ca­da se­guin­te, Pyongyang não res­pei­tou os prazos acor­da­dos pa­ra des­man­te­lar su­as ins­ta­la­ções nucleares e ex­pul­sou ins­pe­to­res da agência In­ter­na­ci­o­nal de ener­gia atô­mi­ca que acom­pa­nha­vam os avan­ços. “te­mos ex- pe­ri­ên­cia em ne­go­ci­a­ções com a Co­reia do Nor­te e eles sem­pre des­cum­pri­ram su­as obri­ga­ções. Co­mo é pos­sí­vel di­a­lo­gar as­sim? eles sem­pre usa­ram tá­ti­cas en­ga­no­sas”, diz Ko Yun­ju, sub­di­re­tor do de­par­ta­men­to de as­sun­tos da Co­reia do Nor­te do Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os es­tran­gei­ros da Co­reia do sul. “e is­so que se tra­ta­va de Kim Jong-il (mor­to em 2011, pai do atu­al di­ta­dor), que da­va al­gu­ma mar­gem pa­ra a ne­go­ci­a­ção”. o atu­al lí­der não he­si­ta em avan­çar com seu programa nu­cle­ar, que pro­cu­ra pro­mo­ver si­mul­ta­ne­a­men­te com o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co do país. “É uma abor­da­gem di­fe­ren­te da­que­la de seus an­te­ces­so­res. Kim Jong-un é mais agres­si­vo”.

Pa­ra Zhao, o pro­ble­ma re­si­de na enor­me falta de con­fi­an­ça en­tre a Co­reia do Nor­te e as ou­tras par­tes, in­clu­si­ve a Chi­na, que, de­pois de apoi­ar as san­ções con­tra o re­gi­me foi al­vo de críticas da pro­pa­gan­da nor­te-co­re­a­na. e con­si­de­ra-se mui­to im­pro­vá­vel que, no cur­to pra­zo, se­ja pos­sí­vel des­nu­cle­a­ri­zar o país: “exis­te um pro­ble­ma em uma ne­go­ci­a­ção co­mo es­sa. as res­pon­sa­bi­li­da­des de am­bos os la­dos (Co­reia do Nor­te e es­ta­dos Uni­dos) são as­si­mé­tri­cas. a nor­te-ame­ri­ca­na se ba­seia emi­nen­te­men­te em um com­pro­mis­so po­lí­ti­co, o de não ame­a­çar a Co­reia do Nor­te e nor­ma­li­zar as re­la­ções, do qual po­de­ria vol­tar atrás mui­to fa­cil­men­te. Pa­ra Pyongyang, por sua vez, re­nun­ci­ar ao programa nu­cle­ar im­pli­ca uma mu­dan­ça subs­tan­ci­al em su­as ca­pa­ci­da­des ma­te­ri­ais, que é em gran­de par­te ir­re­ver­sí­vel ou mui­to di­fí­cil de re­ver­ter. É mui­to di­fí­cil pa­ra a Co­reia do Nor­te con­fi­ar em um acor­do des­se ti­po”.

Por enquanto, su­ge­re, “de­ve­ria co­me­çar com al­go mais sim­ples, mais prá­ti­co, co­mo um acor­do que con­ge­le a es­ca­la­da” com o ob­je­ti­vo de cons­truir uma re­la­ção de con­fi­an­ça en­tre os dois paí­ses. a par­tir daí, e a longo pra­zo, abor­dar as­sun­tos mais ra­di­cais que ago­ra se apresentam co­mo ir­re­nun­ciá­veis. en­tre­tan­to, diz Zhao, e em­bo­ra nin­guém o re­co­nhe­ça ofi­ci­al­men­te, “te­re­mos de con­vi­ver com uma Co­reia do Nor­te com ca­pa­ci­da­de nu­cle­ar”.

O lí­der nor­te-co­re­a­no em u

DI­VUL­GA­ÇÃO

um programa de te­le­vi­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.