ONU “Pyongyang es­tá im­plo­ran­do por guer­ra”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Na reu­nião de emer­gên­cia do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das) con­vo­ca­do após a Co­reia do Nor­te fa­zer um tes­te com sua bom­ba nu­cle­ar mais po­ten­te até ago­ra, a em­bai­xa­do­ra dos EUA na ONU, Nik­ki Ha­ley, afir­mou que Co­reia do Nor­te es­tá “im­plo­ran­do por guer­ra” e ins­tou o con­se­lho a ado­tar as “mais du­ras” san­ções con­tra o país.

“Che­gou a ho­ra de es­go­tar­mos to­dos os mei­os di­plo­má­ti­cos an­tes que se­ja tar­de de­mais. De­ve­mos ago­ra ado­tar as me­di­das mais du­ras pos­sí­veis”, dis­se Ha­ley.

No fim da reu­nião, a em­bai­xa­do­ra dis­se que os EUA cir­cu­la­ri­am um tex­to de re­so­lu­ção, pos­si­vel­men­te com san­ções adi­ci­o­nais, pa­ra ser vo­ta­do na pró­xi­ma se­ma­na.

Ha­ley lem­brou que, por mais de 20 anos, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ado­ta me­di­das res­tri­ti­vas con­tra o pro­gra­ma nu­cle­ar da Co­reia do Nor­te, mas que, ape­sar dos es­for­ços di­plo­má­ti­cos fei­tos até ago­ra, ele “es­tá mais avan­ça­do e mais pe­ri­go­so do que nun­ca”.

“As ame­a­ças nu­cle­a­res [do re­gi­me de Kim Jong-un] mos­tram que ele es­tá im­plo­ran­do por guer­ra”, dis­se. “Guer­ra nun­ca é al­go que os Es­ta­dos Uni­dos quei­ram. Não que­re­mos is­so ago­ra. Mas a pa­ci­ên­cia do nos­so país não é ili­mi­ta­da.”

Des­de ju­lho de 2006, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça já ado­tou se­te ro­da­das de san­ções con­tra o re­gi­me nor­te­co­re­a­no por cau­sa de seu pro­gra­ma nu­cle­ar -três de­las fo­ram no úl­ti­mo ano e meio.

Em 5 de agos­to, o ór­gão apro­vou, por una­ni­mi­da­de, as mais du­ras san­ções até ago­ra, ve­tan­do as ex­por­ta­ções nor­te-co­re­a­nas de car­vão, fer­ro, mi­né­rio de fer­ro, chum­bo, mi­né­rio de chum­bo e fru­tos do mar. O tex­to tam­bém proí­be que se­jam fei­tas no­vas joint ven­tu­res com a Co­reia do Nor­te (ou que se in­vis­ta mais nas atu­ais).

A ex­pec­ta­ti­va é de que es­sas san­ções re­du­zam em até um ter­ço a re­cei­ta de ex­por­ta­ção anu­al do país, que é de US$ 3 bi­lhões.

As san­ções “mais du­ras pos­sí­veis” pe­di­das pe­los EUA pas­sa­ri­am, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pe­lo pe­tró­leo, com a pos­si­bi­li­da­de de proi­bir a ex­por­ta­ção do com­bus­tí­vel pa­ra o país. Is­so im­pac­ta­ria di­re­ta­men­te em se­to­res vi­tais da eco­no­mia da Co­reia do Nor­te, co­mo a agri­cul­tu­ra. Pa­ra apro­var no­vas san­ções, con­tu­do, é fun­da­men­tal o apoio da Chi­na, que res­pon­de por cer­ca de 90% do co­mér­cio ex­te­ri­or de Pyongyang.

No en­con­tro des­ta se­gun­da, o em­bai­xa­dor chi­nês na ONU, Liu Ji­eyi, afir­mou que a Co­reia do Nor­te de­ve “pa­rar de to­mar ações que são er­ra­das”, mas de­fen­deu uma pro­pos­ta de seu go­ver­no com a Rús­sia (ou­tro mem­bro per­ma­nen­te com di­rei­to a ve­to) de “sus­pen­são por sus­pen­são”.

Se­gun­do es­sa ideia, Pyongyang con­ge­la­ria seu pro­gra­ma nu­cle­ar em tro­ca de os EUA e a Co­reia do Sul pa­ra­rem seus exer­cí­ci­os mi­li­ta­res con­jun­tos.

Mo­men­tos an­tes, Ha­ley ha­via re­jei­ta­do a pro­pos­ta, que con­si­de­rou “um in­sul­to”. “Quan­do um re­gi­me ca­na­lha tem uma ar­ma nu­cle­ar e um ICBM [mís­sil ba­lís­ti­co in­ter­con­ti­nen­tal, que po­de­ria atin­gir os EUA] apon­ta­dos pa­ra vo­cê, vo­cê não bai­xa a sua guar­da. Nin­guém fa­ria is­so. Nós, cer­ta­men­te, não va­mos.”

AI

Em­bai­xa­do­ra dos EUA na ONU, Nik­ki Ha­ley (cen­tro) pe­diu san­ções mais du­ras à Co­reia do Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.