UMA MONTANHA DE DI­NHEI­RO PA­RA A MONTANHA-RUSSA DE ESCÂNDALOS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ro­dri­go Ja­not pre­si­diu nes­ta ter­ça­fei­ra sua úl­ti­ma sessão co­mo pre­si­den­te do Con­se­lho Su­pe­ri­or do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Lá pe­las tan­tas, en­quan­to fa­zia uma sim­ples con­ta­gem de vo­tos dos dez con­se­lhei­ros, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da re­pú­bli­ca er­rou o cál­cu­lo e dis­se: “Ho­je es­tou meio ba­gun­ça­do”. ain­da im­pac­ta­do pe­la re­vi­ra­vol­ta no ca­so da de­la­ção da JBS, que o le­vou a re­vi­sar o ato mais im­por­tan­te e po­lê­mi­co de seu man­da­to e co­lo­car sob sus­pei­ta um ex-as­ses­sor di­re­to nes­ta se­gun­da-fei­ra, ele ain­da con­fi­den­ci­ou que não agia por co­ra­gem, mas por me­do. “Me­do de quê? De er­rar mui­to e de­cep­ci­o­nar as ins­ti­tui­ções. as ques­tões que en­fren­tei, en­fren­tei por me­do de er­rar, de me omi­tir, de de­cep­ci­o­nar mi­nha ins­ti­tui­ção mais do que por co­ra­gem de en­fren­tar os de­sa­fi­os”. E se­guiu: “Es­se fi­nal [de man­da­to] tem si­do uma montanha-russa por­que as sur­pre­sas se re­pe­tem, as sur­pre­sas se mos­tram e a im­pres­são que dá é que é uma montanha russa que só tem que­da li­vre.”

a ima­gem de mon­ta­nha­rus­sa usada por Ja­not não ca­be só pa­ra o pro­cu­ra­dor­ge­ral. Ja­not cor­re o ris­co de fe­char seus qua­tro anos à fren­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral com a anu­la­ção do mai­or acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da fei­to até ago­ra no Bra­sil, mas o te­ma te­ve de dis­pu­tar as man­che­tes da im­pren­sa nes­ta ter­ça­fei­ra, num termô­me­tro da agi­ta­ção que to­mou con­ta de Bra­sí­lia. o so­be e des­ce atin­giu ou­tros pro­ta­go­nis­tas na­ci­o­nais, co­mo o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB). Te­mer, por exem­plo, mal co­me­mo­rou o re­vés de seu ini­mi­go da Pro­cu­ra­do­ri­a­ge­ral. viu ho­ras de­pois a Po­lí­cia Fe­de­ral des­co­brir que um de seus prin­ci­pais ali­a­dos e cor­re­li­gi­o­ná­ri­os, o ex-mi­nis­tro Ged­del vi­ei­ra Li­ma, ti­nha um bun­ker on­de es­con­dia 51 mi­lhões de re­ais em di­nhei­ro vi­vo, de­les 8,3 mi­lhões em dó­la­res. até per­to da mei­a­noi­te des­ta ter­ça-fei­ra, se­te má­qui­nas de con­ta­gem de di­nhei­ro tra­ba­lha­ram sem pa­rar pa­ra re­gis­trar qu­an­to ha­via nas no­ve ma­las e se­te cai­xas de no­tas de 50 e 100 re­ais apre­en­di­das em Sal­va­dor, além dos dó­la­res (2,688 mi­lhões na mo­e­da nor­te-ame­ri­ca­na)

Nem mes­mo a atu­al opo­si­ção po­de des­fru­tar da ci­ran­da de escândalos nes­ta ter­ça-fei­ra. acelerando os tra­ba­lhos an­tes do fim do man­da­to em 17 de se­tem­bro, nes­ta mes­ma ter­ça-fei­ra, Ja­not ain­da de­nun­ci­ou no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral por or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa oi­to po­lí­ti­cos pe­tis­tas, in­cluin­do os ex-pre­si­den­tes Luiz iná­cio Lu­la da Sil­va e Dil­ma rous­seff, a se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann, pre­si­den­ta do PT, o ex-te­sou­rei­ro do PT, João vac­ca­ri Neto, e os ex­mi­nis­tros antonio Pa­loc­ci, Pau­lo Ber­nar­do, Edi­nho Sil­va e Gui­do Man­te­ga. “Pe­lo me­nos des­de me­a­dos de 2002 até 12 de maio de 2016, os de­nun­ci­a­dos, in­te­gra­ram e es­tru­tu­ra­ram uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa com atu­a­ção du­ran­te o pe­río­do em que Lu­la e Dil­ma rous­seff su­ces­si­va­men­te ‘ ti­tu­la­ri­za­ram’ a Pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca, pa­ra co­me­ti­men­to de uma mi­ría­de de de­li­tos, em es­pe­ci­al con­tra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca em ge­ral”. a sus- pei­ta é que o gru­po dos pe­tis­tas te­nha re­ce­bi­do pro­pi­nas no va­lor de 1,485 bi­lhão de re­ais, por meio da uti­li­za­ção de ór­gãos pú­bli­cos co­mo a Pe­tro­bras, o Ban­co Na­ci­o­nal do De­sen­vol­vi­men­to ( BNDES) e o Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to.

Ja­not sob pres­são

a al­ta ten­são se­gui­rá nos pró­xi­mos di­as, mas o cer­to é que Ja­not, atin­gi­do, não de­ve sair do so­be e des­ce e de­ve ver cres­cer os ques­ti­o­na­men­tos po­lí­ti­cos a su­as de­nún­ci­as se­ja con­tra quem for. ou­tro de seus de­sa­fe­tos pú­bli­cos, o mi­nis­tro

do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, Gil­mar Men­des, já dei­xou cla­ro que não ha­ve­rá tré­gua até o dia 17: “Es­sa é a mai­or tragédia que já acon­te­ceu na Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da re­pú­bli­ca”, dis­se ao co­men­tar a re­vi­são da de­la­ção da JBS em en­tre­vis­ta dis­tri­buí­da por sua as­ses­so­ria de im­pren­sa.

Ti­do até ago­ra co­mo um dos ex­po­en­tes do fim da im­pu­ni­da­de dos ban­di­dos de co­la­ri­nho bran­co, com fra­ses de efei­to que mar­ca­ram sua atu­a­ção (“pau que dá em Chi­co, dá em Fran­cis­co”, “en­quan­to hou­ver bam­bu, vai ter fle­cha”), os crí­ti­cos di­zem que Ja­not se tor­nou al­vo da pres­sa em con­cluir uma das mai­o­res in­ves­ti­ga­ções já fei­tas con­tra a cor­rup­ção no mun­do e te­ve de ad­mi­tir em pú­bli­co que nem um dos seus au­xi­li­a­res di­re­tos es­ta­va aci­ma de sus­pei­tas. o pro­cu­ra­dor-ge­ral e sua equi­pe aca­ba­ram en­ga­na­dos por um gru­po de exe­cu­ti­vos da JBS que não te­mia cor­rom­per agen­tes pú­bli­cos – de­la­ta­ram 1.829 po­lí­ti­cos dos bai­xís­si­mos cle­ros mu­ni­ci­pais à cú­pu­la na­ci­o­nal. ao con­trá­rio, Jo­es­ley e seus su­bor­di­na­dos os­ten­ta­vam seus fei­tos com a mai­or na­tu­ra­li­da­de. Sua úni­ca pre­o­cu­pa­ção era a de co­mo evi­tar a pri­são e co­mo con­ta­ria su­as “tra­qui­na­gens” pa­ra a sua mu­lher, a jor­na­lis­ta e apre­sen­ta­do­ra Ti­ci­a­na vil­las Bo­as. até ago­ra, con­se­gui­ram fu­gir das ce­las, ape­sar de o gru­po ser in­ves­ti­ga­do em cin­co ope­ra­ções po­li­ci­ais.

ao se apro­xi­ma­rem de dois pro­cu­ra­do­res da re­pú­bli­ca (Ân­ge­lo Gou­lart vi­le­la, que aca­bou pre­so, e Mar­ce­lo Mil­ler, ago­ra al­vo de in­ves­ti­ga­ção), os exe­cu­ti­vos da JBS vi­am a pos­si­bi­li­da­de de se pro­te­ger. Pro­po­si­tal­men­te, co­lo­ca­ram um de­les, vi­le­la, na ban­de­ja pa­ra ser de­vo­ra­do pe­los an­si­o­sos in­ves­ti­ga­do­res. o ou­tro, Mil­ler, ten­ta­vam blin­dar ga­ran­tin­do o fu­tu­ro do ex-pro­cu­ra­dor co­mo con­tra­ta­do de um dos es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia que aten­dia ao gru­po. os pre­ten­sos gram­pe­a­do­res pro­fis­si­o­nais se tor­na­ram ví­ti­mas de seus pró­pri­os gra­va­do­res. quan­do Jo­es­ley Ba­tis­ta, do­no da JBS, e ri­car­do Saud, ex­di­re­tor, en­tre­ga­ram a gra­va­ção ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, par­te das exi­gên­ci­as do acor­do de de­la­ção, não ima­gi­na­vam que po­de­ri­am per­der os seus be­ne­fí­ci­os, in­cluin­do a imu­ni­da­de em pro­ces­sos an­te­ri­o­res. Nes­ta ter­ça-fei­ra, Jo­es­ley já ti­nha agen­da­do um de­poi­men­to pa­ra a Po­lí­cia Fe­de­ral em Bra­sí­lia. Fal­tou ao com­pro­mis­so, ale­gan­do pro­ble­ma de saú­de.

a montanha-russa tam­bém atin­giu os prog­nós­ti­cos po­lí­ti­cos de Bra­sí­lia, uma ci­ran­da que en­vol­ve a im­pren­sa mas tam­bém de­ze­nas de con­sul­to­ri­as pri­va­das lo­cais e es­tran­gei­ras. quem ana­li­sa­va o ce­ná­rio bra­si­lei­ro há pou­co mais de uma se­ma­na di­fi­cil­men­te ima­gi­na­ria as vol­tas dos úl­ti­mos dois di­as. quan­do dei­xou o Bra­sil na se­ma­na pas­sa­da ru­mo ao en­con­tro dos BRICS, na Chi­na, Te­mer che­gou a tra­çar um pla­no B pa­ra re­tor­nar a Bra­sí­lia an­tes da da­ta pre­vis­ta. Sua pre­o­cu­pa­ção era se de­fen­der de uma even­tu­al se­gun­da de­nún­cia de Ja­not. ago­ra, o pre­si­den­te pi­sa­rá no­va­men­te na ca­pi­tal fe­de­ral nes­ta quar­ta-fei­ra com o ar de que es­tá um pas­so à fren­te de seus acu­sa­do­res. Diz es­tar se­re­no, en­quan­to seus ad­vo­ga­dos pe­dem a anu­la­ção de to­da a in­ves­ti­ga­ção con­tra ele. is­so se na­da mu­dar até lá.

uma sín­te­se sobre os úl­ti­mos di­as foi fei­ta pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, ro­dri­go Maia (DEM-RJ), an­tes mes­mo de saber do su­pos­to bun­ker de Ged­del. “on­tem es­tá­va­mos dis­cu­tin­do co­mo ia ser a de­nún­cia, qual o pra­zo, co­mo ela vem. ago­ra, dis­cu­ti­mos a re­or­ga­ni­za­ção da de­la­ção da JBS. o Bra­sil é um país em que do­ze ho­ras tu­do po­de mu­dar”.

Po­li­ci­ais ins­pe­ci­o­nam mon­ta­nhas de di­nhei­ro acha­das em Sal­va­dor.

Arquivo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.