Bra­si­lei­ra te­me fu­tu­ro após Trump re­vo­gar pro­te­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

No dia 15 de agos­to de 2012, quan­do en­trou em vi­gor o Da­ca, pro­gra­ma que re­gu­la­ri­za­va a si­tu­a­ção de imi­gran­tes que che­ga­ram aos EUA quan­do cri­an­ças e que o pre­si­den­te Do­nald Trump re­vo­gou nes­ta ter­ça (5), a bra­si­lei­ra Bru­na Bouhid, 26, já es­ta­va na fi­la pa­ra se ins­cre­ver.

Bru­na che­gou com se­te anos ao país com sua fa­mí­lia, em 1999, e pas­sou mais de dois ter­ços de sua vi­da nos EUA. A ir­mã, Pa­lo­ma, ti­nha ape­nas três. As du­as ho­je fa­zem par­te do gru­po de 7.361 bra­si­lei­ros que con­se­gui­ram o be­ne­fí­cio des­de 2012 —o sé­ti­mo mai­or con­tin­gen­te, atrás de ci­da­dãos de Mé­xi­co, El Sal­va­dor, Gu­a­te­ma­la, Hon­du­ras, Pe­ru e Co­reia do Sul.

No to­tal, 8.447 jo­vens bra­si­lei­ros ten­ta­ram re­gu­la­ri­zar sua si­tu­a­ção pe­lo Da­ca, mas 1.086 não con­se­gui­ram. A ta­xa de re­cu­sa, de 12,8%, é um pou­co mai­or que a do to­tal de so­li­ci­tan­tes (11%).

“É mui­to du­ro es­tar aqui ago­ra co­mo imi­gran­te. Vo­cê sen­te que as pes­so­as que vo­ta­ram no Trump não que­rem vo­cê aqui”, dis­se Bru­na, que vi­ve em Washing­ton. “Mas mo­ro aqui há 18 anos, não vou em­bo­ra ago­ra. Te­nho mi­nha fa­mí­lia, meus ami­gos.”

Em Fra­mingham, no Es­ta­do de Mas­sa­chu­setts, on­de há uma gran­de co­mu­ni­da­de de bra­si­lei­ros, o pa­dre Vol­mar Sca­ra­vel­li, da Igre­ja São Tar­cí­sio, já or­ga­ni­za pa­ra o pró­xi­mo sábado (9) um mu­ti­rão, com um ad­vo­ga­do, pa­ra aju­dar bra­si­lei­ros que pre­ci­sam pre­en­cher os pa­péis de re­no­va­ção do Da­ca até mar­ço de 2018 —pra­zo da­do por Trump pa­ra en­cer­rar o pro­gra­ma. Bru­na já re­no­vou du­as ve­zes o seu be­ne­fí­cio, que é vá­li­do por dois anos. O úl­ti­mo ven­ce­ria em 2018. “Sen­ti rai­va e mui­ta tris­te­za com a decisão [de Trump]. É um aper­to no co­ra­ção, por­que vo­cê não sa­be o que po­de acon­te­cer da­qui seis me­ses [pra­zo da­do pe­lo go­ver­no pa­ra co­me­çar a ser ex­tin­to].”

Pa­ra Bru­na, o Da­ca veio num mo­men­to de­ci­si­vo. Ela es­ta­va no ter­cei­ro ano da fa­cul­da­de, on­de cur­sa­va Es­tu­dos In­ter­na­ci­o­nais e Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca, e não po­de­ria tra­ba­lhar le­gal­men­te quan­do se for­mas­se. Ain­da na Uni­ver­si­da­de da Fló­ri­da, ela con­se­guiu, gra­ças ao pro­gra­ma, re­ce­ber al­gu­ma re­mu­ne­ra­ção por es­tá­gi­os e ti­rar sua car­tei­ra de mo­to­ris­ta. A bra­si­lei­ra ho­je tra­ba­lha na or­ga­ni­za­ção “Uni­ted We Dre­am” ( uni­dos nós so­nha­mos), que dá apoio a be­ne­fi­ciá­ri­os do Da­ca — cha­ma­dos de “dre­a­mers”— co­mo ela.

O no­me vem do “Dre­am Act”, um pro­je­to de lei que ga­ran­te be­ne­fí­ci­os se­me­lhan­tes ao Da­ca, mas tra­mi­ta no Con­gres­so sem su­ces­so des­de 2001. É pe­lo Dre­am Act que Bru­na e sua or­ga­ni­za­ção pre­ten­dem lu­tar ago­ra.

Ela, con­tu­do, diz que os “dre­a­mers” não vão acei­tar fa­zer con­ces­sões, co­mo per­mi­tir o en­du­re­ci- men­to das re­gras a ou­tros imi­gran­tes ir­re­gu­la­res pa­ra que o Dre­am Act pas­se. “Não va­mos tro­car nos­sas vi­das pe­las de ou­tros imi­gran­tes ile­gais.”

Bru­na não gos­ta nem de pen­sar na pos­si­bi­li­da­de de ser de­por­ta­da pa­ra o Bra­sil, país que não vi­si­ta des­de os 11 anos. “Pa­ra mim é a úl­ti­ma al­ter­na­ti­va. Não por­que não gos­te do Bra­sil, mas vi­e­mos pa­ra os EUA por uma vi­da me­lhor. Eu te­nho que con­ti­nu­ar pen­san­do que as opor­tu­ni­da­des es­tão aqui.”

AI

Ma­ni­fes­tan­tes pro­tes­tam em No­va York após Trump re­vo­gar pro­te­ção a jo­vens imi­gran­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.