PACTO De San­gue, Pro­pi­na... O Que PALOCCI Con­tou a MORO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

oex-mi­nis­tro an­to­nio Palocci dis­se nes­ta quar­ta-fei­ra (6) ao juiz Ser­gio Moro que o ex-pre­si­den­te Luiz iná­cio Lu­la da Sil­va ava­li­zou um “pacto de san­gue” no qual a ode­bre­cht se com­pro­me­teu a pa­gar r$ 300 mi­lhões em pro­pi­nas ao PT en­tre o fi­nal do go­ver­no Lu­la e os pri­mei­ros anos do go­ver­no Dil­ma, se­gun­do seus ad­vo­ga­dos.

o ex-mi­nis­tro dis­se que o acor­do foi fe­cha­do nu­ma con­ver­sa en­tre Emí­lio ode­bre­cht e Lu­la. o em­prei­tei­ro es­ta­va pre­o­cu­pa­do que a re­la­ção da em­pre­sa com a pre­si­den­te Dil­ma rous­seff não fos­se tão flui­da co­mo no go­ver­no Lu­la.

o em­pre­sá­rio propôs a Lu­la um “pacto de san­gue” pa­ra man­ter o pro­ta­go­nis­mo da ode­bre­cht não só nos con­tra­tos da Pe­tro­bras, mas em to­do o go­ver­no. o acor­do pre­via a re­for­ma do sí­tio de ati­baia, a com­pra do ter­re­no da no­va se­de do ins­ti­tu­to Lu­la e r$ 300 mi­lhões de van­ta­gens in­de­vi­das à dis­po­si­ção de Lu­la e do PT.

Lu­la cha­mou Palocci pa­ra que o ex-mi­nis­tro de­ci­dis­se co­mo eles re­ce­be­ri­am aque­le di­nhei­ro. o ex-mi­nis­tro men­ci­o­na o exem­plo de r$ 4 mi­lhões en­tre­gues no ins­ti­tu­to Lu­la. as in­for­ma­ções da en­tre­ga es­tão des­cri­tas na Pla­ni­lha ita­li­a­no B. o di­nhei­ro saiu do se­tor de ope­ra­ções es­tru­tu­ra­das da ode­bre­cht. a for­ma de en­tre­ga, se­gun­do Palocci, foi com­bi­na­da por Bra­nis­lav Kon­tic, seu ex-as­ses­sor.

o ex-mi­nis­tro foi ou­vi­do na ação em que Lu­la é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do, da ode­bre­cht, um ter­re­no de r$ 12,4 mi­lhões des­ti­na­do a ser a no­va se­de do ins­ti­tu­to Lu­la (ne­gó­cio que aca­bou não se con­cre­ti­zan­do) e um apar­ta­men­to de r$ 540 mil em São Ber­nar­do do Cam­po (SP), vi­zi­nho ao que o pe­tis­ta mo­ra com a fa­mí­lia.

Palocci con­fir­mou a acu­sa­ção fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, que diz que a com­pra dis­far­ça­va pro­pi­na ao ex-pre­si­den­te e ad­mi­tiu que me­di­ou es­te ar­ran­jo. Dis­se que fez tu­do com o aval de Lu­la. a com­pra do ter­re­no on­de se­ria cons­truí­da a no­va se­de do ins­ti­tu­to Lu­la foi fei­ta via a em­pre­sa DAG, usa­da co­mo la­ran­ja na com­pra.

o ne­gó­cio foi ope­ra­ci­o­na­li­za­do por ro­ber­to Tei­xei­ra, ad­vo­ga­do e com­pa­dre de Lu­la, e o pe­cu­a­ris­ta Jo­sé Car­los Bum­lai, ami­go do pe­tis­ta. Palocci dis­se que ele e Lu­la eram in­for­ma­dos de tu­do so­bre o ne­gó­cio.

Se­gun­do o de­poi­men­to de Palocci, ele e Mar­ce­lo ode­bre­cht fi­ca­ram pre­o­cu­pa­dos achan­do que as au­to­ri­da­des po­de­ri­am des­con­fi­ar da ope­ra­ção. De acor­do com os ad­vo­ga­dos, o ex-mi­nis­tro afir­ma ter ten­ta­do dis­su­a­dir a ode­bre­cht de com­prar o ter­re­no, mas, di­an­te da in­sis­tên­cia de Lu­la, foi pre­ci­so um jan­tar na ca­sa do ex-pre­si­den­te, em São Ber­nar­do do Cam­po, pa­ra que o ex-mi­nis­tro os dis­su­a­dis­se da ideia. Se­gun­do Bre­tas, o ex-mi­nis­tro con­ven­ceu os de­mais de que “era uma ope­ra­ção es­can­da­lo­sa e po­de­ria ex­por de­mais es­sa si­tu­a­ção [o ar­ran­jo en­tre PT e ode­bre­cht]”.

o ex-mi­nis­tro tam­bém dis­se a Moro que ele e Lu­la co­me­te­ram atos pa­ra obs­truir a La­va Ja­to. Moro, no en­tan­to, dis­se que es­se pon­to se­ria abor­da­do em ou­tra opor­tu­ni­da­de.

Ou­tro LA­DO

o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da an­to­nio Palocci ne­go­cia de­la­ção pre­mi­a­da com a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to. o acor­do ain­da não foi fe­cha- do, mas ca­mi­nha bem, se­gun­do a de­fe­sa do pe­tis­ta. o ad­vo­ga­do Tracy rei­nal­det diz seu cli­en­te “de­mons­trou no de­poi­men­to a pos­tu­ra de co­la­bo­ra­dor pe­ran­te às au­to­ri­da­des”, diz.

a de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Luiz iná­cio Lu­la da Sil­va afir­mou que o de­poi­men­to de an­to­nio Palocci, ex-mi­nis­tro de seu go­ver­no, é con­tra­di­tó­rio, ca­re­ce de pro­vas e al­me­ja um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da com a ope­ra­ção La­va Ja­to.

os ad­vo­ga­dos sus­ten­tam que as acu­sa­ções de Palocci es­tão em de­sa­cor­do com as in­for­ma­ções for­ne­ci­das por “tes­te­mu­nhas, réus, de­la­to­res da ode­bre­cht e com as pro­vas apre­sen­ta­das”. Es­sa mes­ma te­se foi de­fen­di­da pe­la as­ses­so­ria de im­pren­sa do ins­ti­tu­to Lu­la, em no­ta di­vul­ga­da na noi­te des­ta sex­ta (6). am­bos de­fen­dem que as acu­sa­ções con­tra Lu­la são “fal­sas” e “sem pro­vas”. “Pre­so e sob pres­são, Palocci ne­go­cia com o MP acor­do de de­la­ção que exi­ge que se jus­ti­fi­quem acu­sa­ções fal­sas e sem pro­vas con­tra Lu­la. Co­mo Léo Pi­nhei­ro [ex-pre­si-

den­te da oas] e Del­cí­dio [do ama­ral, ex-se­na­dor], Palocci re­pe­te pa­pel de va­li­dar, sem pro­vas, as acu­sa­ções do MP pa­ra ob­ter re­du­ção de pe­na”, dis­se o ad­vo­ga­do do ex-pre­si­den­te, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins.

a de­fe­sa de Bra­nis­lav Kon­tic dis­se que não te­ve ci­ên­cia, ain­da, da ín­te­gra des­sas de­cla­ra­ções, ale­gou que a do­a­ção de r$ 4 mi­lhões ao ins­ti­tu­to Lu­la pe­la ode­bre­cht foi ofi­ci­al e es­tá de­vi­da­men­te con­ta­bi­li­za­da. “is­so é de co­nhe­ci­men­to pú­bli­co. Por­tan­to, ne­nhu­ma ile­ga­li­da­de ocor­reu nes­se ca­so. a pro­va é do­cu­men­tal.”

ins­ti­tu­to Lu­la

a ano­ta­ção “pré­dio il [ins­ti­tu­to Lu­la]”, al­vo prin­ci­pal do pro­ces­so em que Palocci foi ou­vi­do nes­ta quar­ta-fei­ra, é uma das ru­bri­cas da pla­ni­lha ita­li­a­no. Em de­la­ção, Mar­ce­lo ode­bre­cht con­fes­sou que usou r$ 12,42 mi­lhões pa­ra com­prar um ter­re­no em São Pau­lo que se des­ti­na­ria a uma no­va se­de do ins­ti­tu­to Lu­la. a mu­dan­ça, se­gun­do a de­nún­cia, nun­ca ocor­reu de­vi­do a pro­ble­mas bu­ro­crá- ti­cos, mas o ter­re­no che­gou a ser com­pra­do pe­la DAG Cons­tru­to­ra, uma em­pre­sa que te­ria ser­vi­do co­mo “la­ran­ja” no ne­gó­cio. Na ma­nhã des­ta quar­ta (6), o do­no da DAG, Der­me­val Gus­mão, con­fes­sou ter pa­go r$ 7,1 mi­lhões pe­lo ter­re­no e dis­se ter fi­ca­do sa­ben­do, in­di­re­ta­men­te, do in­te­res­se de Lu­la no ter­re­no.

DE­LA­ÇÃO

Palocci foi con­de­na­do no dia 26 de ju­nho a mais de 12 anos de pri­são. Moro con­cluiu que o ex-mi­nis­tro or­de­nou o re­pas­se de us$ 10,2 mi­lhões da ode­bre­cht ao mar­que­tei­ro João San­ta­na por meio de de­pó­si­tos no ex­te­ri­or. o pa­ga­men­to cons­ta na pla­ni­lha “ita­li­a­no”, que con­tro­lou, se­gun­do a me­ga­de­la­ção dos exe­cu­ti­vos, de­sem­bol­sos de r$ 133 mi­lhões (den­tro um sal­do to­tal de r$ 200 mi­lhões) que a em­prei­tei­ra fez de 2008 a 2014 pa­ra aten­der a pe­di­dos do PT. o mon­tan­te, se­gun­do a ode­bre­cht, era par­te de um acor­do fei­to en­tre Mar­ce­lo ode­bre­cht e Palocci, do qual o ex-mi­nis­tro ne­ga a “pa­ter­ni­da­de” até ho­je.

quan­do depôs nes­te pro­ces­so, em maio, Palocci ne­gou as acu­sa­ções, mas in­si­nu­ou o de­se­jo de fa­zer de­la­ção, se di­zen­do “à dis­po­si­ção” da Jus­ti­ça pa­ra dar “fa­tos com no­mes, en­de­re­ços, ope­ra­ções re­a­li­za­das e coi­sas que vão ser cer­ta­men­te do in­te­res­se da La­va Ja­to”. Na oca­sião, o ex-mi­nis­tro dis­se ter omi­ti­do al­guns no­mes “por sen­si­bi­li­da­de da in­for­ma­ção”.

Pou­cos di­as de­pois do de­poi­men­to, o ad­vo­ga­do Jo­sé Ba­to­chio, que de­fen­dia Palocci e é aber­ta­men­te con­tra as de­la­ções, dei­xou o cli­en­te, e o pe­tis­ta pas­sou a ne­go­ci­ar um acor­do com o MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral) por meio de ou­tros de­fen­so­res. ao con­de­nar Palocci, Moro não gos­tou da pos­tu­ra do ex-mi­nis­tro, afir­man­do que as in­di­re­tas so­bre de­la­ção “so­a­ram co­mo uma ame­a­ça” a in­ves­ti­ga­dos pa­ra que o aju­das­sem a ser sol­to. o ex-mi­nis­tro foi pre­so há qua­se um ano, em 26 de se­tem­bro de 2016, na 35ª fa­se da La­va Ja­to.

Con­tro­vér­sia

a ode­bre­cht sus­ten­ta que o di­nhei­ro foi aba­ti­do de um mon­tan­te de pro­pi­na de r$ 40 mi­lhões que fi­cou re­ser­va­do pa­ra uso de Lu­la ao fi­nal do man­da­to de­le, em 2011. Na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, Mar­ce­lo ode­bre­cht dis­se a Moro que Lu­la sa­bia da ori­gem su­ja do di­nhei­ro.

o em­prei­tei­ro ale­ga ter pe­di­do ao pai de­le, Emí­lio ode­bre­cht, que aler­tas­se Lu­la pa­ra o bai­xo va­lor em do­a­ções ofi­ci­ais que o PT re­ce­be­ria da cons­tru­to­ra em 2010. is­so por­que ela já vi­nha ban­can­do de­man­das do par­ti­do des­de 2008 com ba­se no acor­do en­tre Mar­ce­lo e Palocci, que pre­via o re­pas­se de r$ 200 mi­lhões ao lon­go dos anos se­guin­tes. Na sequên­cia, Mar­ce­lo diz ter si­do abor­da­do por Palocci, que foi ti­rar sa­tis­fa­ções so­bre aque­la con­ver­sa. Com is­so, o em­prei­tei­ro con­cluiu que seu pai, Emí­lio, fez o aler­ta a Lu­la, que por sua vez co­men­tou o te­ma com Palocci; lo­go, Lu­la sa­bia de tu­do. a de­fe­sa do ex-pre­si­den­te, no en­tan­to, cha­mou a aten­ção nos au­tos do pro­ces­so pa­ra uma con­tra­di­ção en­tre Mar­ce­lo e Emí­lio ode­bre­cht. En­quan­to o fi­lho sus­ten­ta que a in­for­ma­ção che­gou a Lu­la, Emí­lio dis­se, em de­poi­men­to nes­te pro­ces­so, que nun­ca fa­lou com Lu­la so­bre is­so.

Tre­cho do de­poi­men­to de Palocci a Ser­gio Moro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.