De­fe­sa de Lu­la diz que Palocci não tem pro­vas

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ade­fe­sa do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va afir­mou que o de­poi­men­to de An­to­nio Palocci, ex-mi­nis­tro de seu go­ver­no, é con­tra­di­tó­rio, ca­re­ce de pro­vas e al­me­ja um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da com a Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Os ad­vo­ga­dos sus­ten­tam que as acu­sa­ções de Palocci es­tão em de­sa­cor­do com as in­for­ma­ções for­ne­ci­das por “tes­te­mu­nhas, réus, de­la­to­res da Ode­bre­cht e com as pro­vas apre­sen­ta­das”. Es­sa mes­ma te­se foi de­fen­di­da pe­la as­ses­so­ria de im­pren­sa do Ins­ti­tu­to Lu­la, em no­ta di­vul­ga­da na noi­te des­ta sex­ta (6).Am­bos de­fen­dem que as acu­sa­ções con­tra Lu­la são “fal­sas” e “sem pro­vas”.

Nes­ta tar­de, Palocci afir­mou ao juiz Ser­gio Moro que Lu­la ava­li­zou o pa­ga­men­to de R$ 300 mi­lhões em pro­pi­nas da Ode­bre­cht ao PT en­tre o fi­nal de seu go­ver­no (20032010) e os pri­mei­ros anos do go­ver­no Dil­ma. O ex-mi­nis­tro foi ou­vi­do na ação em que Lu­la é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do um ter­re­no de R$ 12,4 mi­lhões, que se­ria a no­va se­de do Ins­ti­tu­to Lu­la (ne­gó­cio que aca­bou não se con­cre­ti­zan­do), além de um apar­ta­men­to de R$ 540 mil em São Ber­nar­do do Cam­po (SP), vi­zi­nho ao que o pe­tis­ta mo­ra com a fa­mí­lia. Em ju­nho, ele foi con­de­na­do por Moro a 12 anos de pri­são.

“Pre­so e sob pres­são, Palocci ne­go­cia com o MP acor­do de de­la­ção que exi­ge que se jus­ti­fi­quem acu­sa­ções fal­sas e sem pro­vas con­tra Lu­la. Co­mo Léo Pi­nhei­ro [ex­pre­si­den­te da OAS] e Del­cí­dio [do Ama­ral, ex-se­na­dor], Palocci re­pe­te pa­pel de va­li­dar, sem pro­vas, as acu­sa­ções do MP pa­ra ob­ter re­du­ção de pe­na”, dis­se o ad­vo­ga­do do ex-pre­si­den­te, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins.

“Após cum­pri­rem es­te pa­pel, de­la­ções in­for­mais de Del­cí­dio e Léo Pi­nhei­ro fo­ram de­sa­cre­di­ta­das, in­clu­si­ve pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”, pros­se­guiu Za­nin. A as­ses­so­ria de im­pren­sa do Ins­ti­tu­to Lu­la diz que Palocci “de­sis­te de se de­fen­der” e “va­li­da as acu­sa­ções do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra ob­ter re­du­ção de pe­na”.

A or­ga­ni­za­ção “re­a­fir­ma” não ter pe­di­do ou re­ce­bi­do um ter­re­no da Ode­bre­cht e, em no­me de Lu­la, diz que o ex-pre­si­den­te ne­ga ter co­me­ti­do atos ilí­ci­tos “nem an­tes, nem du­ran­te, nem de­pois de exer­cer dois man­da­tos de pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”.

Palocci mu­da de­poi­men­to em bus­ca de de­la­ção

O de­poi­men­to de Palocci é con­tra­di­tó­rio com ou­tros de­poi­men­tos de tes­te­mu­nhas, réus, de­la­to­res da Ode­bre­cht e com as pro­vas apre­sen­ta­das. Pre­so e sob pres­são, Palocci ne­go­cia com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co acor­do de de­la­ção que exi­ge que se jus­ti­fi­quem acu­sa­ções fal­sas e sem pro­vas con­tra Lu­la.

Co­mo Léo Pi­nhei­ro e Del­cí­dio, Palocci re­pe­te pa­pel de va­li­dar, sem pro­vas, as acu­sa­ções do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra ob­ter re­du­ção de pe­na.

Palocci com­pa­re­ceu ato pron­to pa­ra emi­tir fra­ses e ex­pres­sões de efei­to, co­mo “pacto de san­gue”, es­ta úl­ti­ma ano­ta­da em pa­péis por ele usa­dos na au­di­ên­cia.

Após cum­pri­rem es­te pa­pel, de­la­ções in­for­mais de Del­cí­dio e Léo Pi­nhei­ro fo­ram de­sa­cre­di­ta­das, in­clu­si­ve pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

no­ta do ins­ti­tu­to Lu­la

A his­tó­ria que An­to­nio Palocci con­ta é con­tra­di­tó­ria com ou­tros de­poi­men­tos de tes­te­mu­nhas, réus, de­la­to­res da Ode­bre­cht e pro­vas e que só se com­pre­en­de den­tro da si­tu­a­ção de um ho­mem pre­so e con­de­na­do em ou­tros pro­ces­sos pe­lo juiz Sér­gio Moro que bus­ca ne­go­ci­ar com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e o pró­prio juiz Moro um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da que exi­ge que se jus­ti­fi­que acu­sa­ções fal­sas e sem pro­vas con­tra o ex-pre­si­den­te Lu­la.

Palocci re­pe­te o pa­pel de réu que não só de­sis­te de se de­fen­der co­mo, sem o com­pro­mis­so de di­zer a ver­da­de, va­li­da as acu­sa­ções do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra ob­ter re­du­ção de pe­na e que no pro­ces­so do trí­plex foi de Léo Pi­nhei­ro. A acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fa­la que o ter­re­no te­ria si­do com­pra­do com re­cur­sos des­vi­a­dos de con­tra­tos da Pe­tro­bras, e só por en­vol­ver Pe­tro­bras o ca­so é jul­ga­do no Pa­ra­ná por Sér­gio Moro. Não há na­da no pro­ces­so ou no de­poi­men­to de Palocci que con­fir­me is­so. So­bre a tal “pla­ni­lha”, mes­mo Palocci diz que era um con­tro­le in­ter­no do Mar­ce­lo Ode­bre­cht e que “acha” que se re­fe­re a ele. Ou se­ja, nem Palocci co­nhe­cia a tal pla­ni­lha, quan­to mais Lu­la.

Palocci fa­lou de uma sé­rie de reu­niões on­de não es­ta­va e de ou­tras on­de não ha­ve­ri­am tes­te­mu­nhas de su­as con­ver­sas. To­das fa­las sem pro­vas. Mar­ce­lo por sua vez diz ter pe­di­do que seu pai con­tas­se pa­ra Lu­la e Emí­lio ne­gou ter con­ta­do is­so pa­ra Lu­la.

O réu Glau­co da Cos­ta Mar­ques re­a­fir­mou em de­poi­men­to ser o pro­pri­e­tá­rio do imó­vel vi­zi­nho ao da re­si­dên­cia do ex-pre­si­den­te e ter con­tra­to de alu­guel com a fa­mí­lia do ex-pre­si­den­te, e que es­tá re­ce­ben­do o alu­guel. Uma re­la­ção de lo­ca­dor e lo­ca­tá­rio não se con­fun­de com pro­pri­e­da­de ocul­ta. Pro­ces­sos fo­ra da de­vi­da ju­ris­di­ção com juiz de no­tó­ria par­ci­a­li­da­de, sen­ten­ças que não apon­tam nem ato de cor­rup­ção nem be­ne­fí­cio re­ce­bi­do, ne­go­ci­a­ções se­cre­tas de de­la­ção com réus pre­sos que mu­dam ver­sões de de­poi­men­to em bus­ca de acor­dos com o juí­zo ex­pli­ci­tam ca­da vez mais que os pro­ces­sos con­tra o ex-pre­si­den­te Lu­la na Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba não obe­de­cem o de­vi­do pro­ces­so le­gal.o Ins­ti­tu­to Lu­la re­a­fir­ma que ja­mais so­li­ci­tou ou re­ce­beu qual­quer ter­re­no da em­pre­sa Ode­bre­cht e ja­mais te­ve qual­quer ou­tra se­de que não o so­bra­do on­de fun­ci­o­na no bair­ro do Ipi­ran­ga em re­si­dên­cia ad­qui­ri­da em 1991.

O ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va re­a­fir­ma que ja­mais co­me­teu qual­quer ilí­ci­to nem an­tes, nem du­ran­te, nem de­pois de exer­cer dois man­da­tos de pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca elei­to pe­la po­pu­la­ção bra­si­lei­ra.

Ve­ja, abai­xo, a ín­te­gra dos dois po­si­ci­o­na­men­tos.

no­ta de Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, ad­vo­ga­do do ex­pre­si­den­te Lu­la

PT

O ex-pre­si­den­te Lu­la dis­cur­sa em Ti­mon (MA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.