Fu­ra­cão Ir­ma dei­xa mi­lhões sem luz nos EUA

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ofu­ra­cão Ir­ma che­gou nes­te do­min­go ( 10) à Fló­ri­da com me­nos for­ça do que es­pe­ra­do. Ain­da as­sim, ven­tos de até 215 km/h dei­xa­ram ao me­nos três mor­tos no Es­ta­do.

Na ma­dru­ga­da des­ta se­gun­da (11), o fu­ra­cão foi re­bai­xa­do pa­ra a ca­te­go­ria 1. O Ir­ma che­gou a ser clas­si­fi­ca­do co­mo de ca­te­go­ria 5 —a mais al­ta— quan­do pas­sou pe­lo Ca­ri­be, on­de ao me­nos 27 mor­re­ram nos úl­ti­mos di­as. Na ma­nhã des­te do­min­go, ele che­gou as ilhas Keys, ao sul da Fló­ri­da, co­mo um fu­ra­cão de ca­te­go­ria 4, e foi re­bai­xa­do por du­as ve­zes du­ran­te a tar­de: pri­mei­ro pa­ra a ca­te­go­ria 3 e de­pois, 2, com ven­tos de até 177 km/h.

Na noi­te de do­min­go, o Ir­ma ti­nha che­ga­do a Na­ples, na cos­ta oes­te da Fló­ri­da, e a pre­vi­são era que o olho do fu­ra­cão atin­gis­se Tam­pa na ma­dru­ga­da de se­gun­da (11). A pre­vi­são da ro­ta do Ir­ma mu­dou nos dois úl­ti­mos di­as. No iní­cio, a ex­pec­ta­ti­va era que a cos­ta les­te, on­de fi­ca Mi­a­mi, fos­se a par­te mais afe­ta­da. A mai­or par­te dos 6,5 mi­lhões de mo­ra­do­res do Es­ta­do —qua­se um ter­ço da po­pu­la­ção to­tal— que re­ce­be­ram or­dem pa­ra dei­xar suas ca­sas vi­ve na re­gião les­te.

No en­tan­to, co­mo o olho do fu­ra­cão tem 40 km de di­â­me­tro e ge­ra for­tes ven­tos e chu­vas num raio de 600 km, a pre­vi­são era de tem­pes­ta­de pa­ra to­do o Es­ta­do.

O em­pre­sá­rio bra­si­lei­ro An­der­ley Mel­lo Ju­ni­or, 36, que vi­ve em Tam­pa há 12 anos, ha­via se pre­pa­ra­do no fim da se­ma­na pa­ra per­ma­ne­cer em casa du­ran­te a pas­sa­gem do Ir­ma, mas não con­ta­va que a ci­da­de es­ta­ria na ro­ta do olho do fu­ra­cão.

No fim da ma­nhã de do­min­go, ele se mu­dou com a mu­lher, os fi­lhos de 9 me­ses e de 4 anos, a mãe e a ir­mã pa­ra um abri­go em uma igre­ja, on­de dor­mi­ri­am em col­cho­ne­tes. Na noi­te de do­min­go, ha­via 85 pessoas no lo­cal. Na casa da família, eles guar­da­ram ob­je­tos de va­lor e re­ti­ra­ram qua­dros das pa­re­des.

“Fi­ca­mos su­per­ner­vo­sos quan­do a ro­ta mu­dou, mas ago­ra, ven­do as no­tí­ci­as, des­co­bri que ele vi­rou ca­te­go­ria 2. Até fa­lei pa­ra a mi­nha mãe, que in­sis­tiu pa­ra que viés­se­mos pa­ra o abri­go, que não pre­ci­sá­va­mos ter saí­do de casa”, dis­se à Fo­lha por te­le­fo­ne, no iní­cio da noi­te, quan­do já cho­via for­te e os ven­tos eram ou­vi­dos da igre­ja.

ala­ga­men­tos

Ima­gens mos­tra­vam ca­sas des­truí­das e ru­as ala­ga­das em di­ver­sas ci­da­des do Es­ta­do nes­te do­min­go. O go­ver­no es­ta­du­al in­for­mou que cer­ca de 4 mi­lhões de pessoas já es­ta­vam sem ener­gia elé­tri­ca. O con­ser­to das re­des de fi­a­ção de­ve le­var se­ma­nas.

O pre­si­den­te Do­nald Trump anun­ci­ou que irá vi­si­tar a Fló­ri­da “mui­to em bre­ve”, sem es­pe­ci­fi­car uma da­ta, e as­si­nou uma de­cla­ra­ção de de­sas­tre pa­ra o Es­ta­do, au­to­ri­zan­do um re­em­bol­so fe­de­ral de 100% com gas­tos de emer­gên­cia.

“Eu acho que a par­te pi­or es­tá co­me­çan­do ago­ra”, dis­se Trump, que clas­si­fi­cou o Ir­ma co­mo um “gran­de mons­tro”. “Vo­cê não gos­ta­ria de es­tar nes­ta ro­ta.”

Des­de o iní­cio da se­ma­na, o go­ver­no da Fló­ri­da vi­nha de­ter­mi­nan­do a re­ti­ra­da com­pul­só­ria de di­ver­sos con­da­dos mais pró­xi­mos da cos­ta les­te, que re­pre­sen­ta­vam mais ris­cos. Mui­tos mo­ra­do­res, con­tu­do, pre­fe­ri­ram per­ma­ne­cer em suas ca­sas.

A mai­or e mais an­te­ci­pa­da pre­pa­ra­ção do que a vis­ta no Te­xas, atin­gi­do há du­as se­ma­nas pe­lo fu­ra­cão Har­vey, e a di­mi­nui­ção da for­ça do Ir­ma de­vem con­tri­buir pa­ra um me­nor nú­me­ro de ví­ti­mas. As três mor­tes no Es­ta­do foram em aci­den­tes de trân­si­to em meio à tem­pes­ta­de.

Os ae­ro­por­tos de Mi­a­mi, Fort Lau­der­da­le, Tam­pa e Or­lan­do es­tão fe­cha­dos. Na área de Or­lan­do, os par­ques Walt Dis­ney World, Uni­ver­sal Stu­di­os e Sea World tam­bém fe­cha­ram suas por­tas pe­lo me­nos até es­ta se­gun­da (11).

A Ame­ri­can Air­li­nes ha­via anun­ci­a­do na noi­te des­te do­min­go que re­to­ma­ria al­guns vo­os no ae­ro­por­to de Mi­a­mi nes­ta se­gun­da, mas vol­tou atrás de­pois de o ae­ro­por­to in­for­mar que per­ma­ne­ce­rá fe­cha­do na se­gun­da. O ter­mi­nal po­de ser re­a­ber­to na ter­ça-fei­ra (12), mas não há na­da con­fir­ma­do.

Se­gun­do o con­su­la­do bra­si­lei­ro em Mi­a­mi, hou­ve pou­cas cha­ma­das de bra­si­lei­ros nes­te do­min­go pa­ra a for­ça­ta­re­fa mon­ta­da em Or­lan­do.

O Ir­ma, que mo­ti­vou uma das mai­o­res re­mo­ções de mo­ra­do­res da his­tó­ria dos EUA, de­ve cau­sar pre­juí­zos de bi­lhões de dó­la­res na Fló­ri­da, o ter­cei­ro Es­ta­do mais po­pu­lo­so do país.

fu­ra­cão an­drew

Na úl­ti­ma quar­ta ( 6), o go­ver­na­dor da Fló­ri­da, Rick Scott, dis­se que o fu­ra­cão Ir­ma se­ria mais for­te que o An­drew, que foi o mais des­trui­dor no Es­ta­do, dei­xan­do 61 mor­tos em agos­to de 1992.

Com ven­tos de 265 km/h, o An­drew che­gou à Fló­ri­da ain­da na ca­te­go­ria 5, sen­do o ter­cei­ro fu­ra­cão des­se ti­po a atin­gir os EUA, de­pois do Ca­mil­le, em 1969, e do fu­ra­cão do Dia do Tra­ba­lho, em 1935.

O An­drew cau­sou es­tra­gos prin­ci­pal­men­te no con­da­do de Da­de, on­de fi­ca Mi­a­mi —mais de 125 mil ca­sas foram des­truí­das e 160 mil pessoas fi­ca­ram de­sa­bri­ga­das, se­gun­do o “New York Ti­mes”. Na ro­ta do fu­ra­cão em to­do o país, 250 mil fi­ca­ram de­sa­bri­ga­dos. A agên­cia fe­de­ral Ad­mi­nis­tra­ção Na­ci­o­nal Oceâ­ni­ca e At­mos­fé­ri­ca diz que o fu­ra­cão dei­xou es­tra­gos ava­li­a­dos em US$ 27 bi­lhões na épo­ca (US$ 47,8 bi­lhões em va­lo­res atu­ais) —o mais ca­ro até en­tão. De­pois de­le se­ria su­pe­ra­do pe­lo Ka­tri­na (2005) e pe­lo Sandy (2012).

CNN

For­tes ven­tos e chu­va na che­ga­da do fu­ra­cão Ir­ma em Fa­jard

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.