JO­ES­LEY BA­TIS­TA, De­sem­bar­ca em Bra­sí­lia ON­DE Vai fi­car PRE­SO Na Pf

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oem­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta, do­no da JBS, dis­se em de­poi­men­to à pgr (pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca) que acer­tou con­tra­tos fic­tí­ci­os com o es­cri­tó­rio de Marco aurélio Carvalho, só­cio do ex-mi­nis­tro Jo­sé edu­ar­do Car­do­zo. a ban­ca “emi­tia men­sal­men­te no­tas de r$ 70.000,00 ou r$ 80.000,00 pa­ra con­tra­tos fic­tí­ci­os e par­te des­se di­nhei­ro iria, se­gun­do Marco aurélio, pa­ra Jo­sé edu­ar­do Car­do­zo”, se­gun­do o de­poi­men­to de Jo­es­ley.

o em­pre­sá­rio con­tou que os con­tra­tos ser­vi­am pa­ra man­ter “boa re­la­ção” com o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça, que o “tra­ta­va mui­to bem”, se­gun­do lhe di­zia o ad­vo­ga­do Marco aurélio. e que, con­for­me Marco aurélio, “o di­nhei­ro che­ga­va a Jo­sé edu­ar­do Car­do­zo”. Jo­es­ley dis­se que “nun­ca per­gun­tou se o di­nhei­ro che­ga­va” de fa­to a Car­do­zo. ele dis­se ain­da que a J&f pa­tro­ci­nou vá­ri­os even­tos e pa­les­tras do Idp (Ins­ti­tu­to de di­rei­to pú­bli­co), do mi­nis­tro Gil­mar Men­des. Con­for­me an­te­ci­pou a fo­lha em ju­nho, a J&f pa­gou r$ 2,1 mi­lhões ao Idp.

pa­ra Jo­es­ley, a prá­ti­ca não era ilí­ci­ta: “Nes­sa de re­sol­ver o que se­ria ou não cri­me veio es­sa ques­tão e fran­cis­co de assis e Sil­va [ad­vo­ga­do da em­pre­sa] dis­se que não era cri­me”. Se­gun­do o de­la­tor, “an­tes fran­cis­co de assis e Sil­va per­gun­tou a Mar­cel­lo Mil­ler [se ha­via ilí­ci­to] e hou­ve di­ver­gên­cia de en­ten­di­men­to”. pa­ra Jo­es­ley, de acor­do com o que depôs, “não hou­ve ne­nhum ilí­ci­to por­que não te­ve ne­nhum be­ne­fi­cio em troca” e que uma di­re­to­ra [do ins­ti­tu­to], “da­li­de [Cor­rêa], pro­cu­rou a em­pre­sa do de­po­en­te pa­ra o pa­tro­cí­nio”.

OU­TRO LA­DO

o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça dis­se à fo­lha nes­ta se­gun­da-fei­ra (11) que as no­vas afir­ma­ções con­tra­di­zem as pri­mei­ras de­cla­ra­ções da­das por Jo­es­ley em acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da qu­an­do fez re­fe­rên­ci­as a Marco aurélio Carvalho. Se­gun­do o ex-mi­nis­tro, os exe­cu­ti­vos da JBS o isen­ta­ram de qual­quer re­la­ção com os pa­ga­men­tos.

Marco aurélio Carvalho dis­se à fo­lha que “não hou­ve, e nem po­de­ria ha­ver, atri­bui­ção de qual­quer con­du­ta ilí­ci­ta ou até mes­mo ina­de­qua­da”. “Creio que tra­ta-se de en­ga­no que será fa­cil­men­te es­cla­re­ci­do. hou­ve e há far­ta pres­ta­ção de ser­vi­ços na área tri­bu­tá­ria e con­sul­ti­va em re­la­ção ao con­tra­to que ce­le­brei com a em­pre­sa atra­vés de mi­nha an­ti­ga pes­soa ju­rí­di­ca, da qual ne­nhum de meus só­ci­os atu­ais faz par­te. Com emis­são de no­tas fis­cais e re­co­lhi­men­to de tri­bu­tos.”

ele afir­mou que to­das as con­tra­ta­ções de seu es­cri­tó­rio fo­ram idô­ne­as. “No mais, as des­pe­sas res­sar­ci­das, bem co­mo a exis­tên­cia de no­vas ações ju­di­ci­ais em cur­so, com­pro­vam a inequí­vo­ca pres­ta­ção de ser­vi­ços e a li­su­ra da con­tra­ta­ção, bem co­mo a con­fi­an­ça em mi­nhas qua­li­da­des éti­cas e téc­ni­cas. a em­pre­sa é mui­to gran­de, fa­to pe­lo qual tal­vez o en­ga­no se jus­ti­fi­que.”

“de to­da sor­te, si­go à dis­po­si­ção pa­ra to­do e qual­quer es­cla­re­ci­men­to. por fim, fo­mos con­vi­da­dos pa­ra o re­fe­ri­do jan­tar, e em­bo­ra es­te­ja­mos sob si­gi­lo pro­fis­si­o­nal, pos­so afir­mar que não hou­ve, na re­fe­ri­da con­ver­sa e em ne­nhu­ma ou­tra com os en­tão po­ten­ci­ais cli­en­tes na­da de ilí­ci­to ou ir­re­gu­lar. Co­mo se sa­be, a con­tra­ta­ção não ocor­reu.”

IDP

em no­ta, o Idp afir­mou que da­li­de Cor­rêa dei­xou a di­re­ção do ins­ti­tu­to no mês pas­sa­do. Se­gun­do o Idp, da­li­de “foi di­re­to­ra-ge­ral do Idp de abril de 2000 a agos­to de 2017, qu­an­do re­nun­ci­ou ao car­go. res­sal­te-se que, des­de 2015, ela já ma­ni­fes­ta­ra in­te­res­se de se des­li­gar da fun­ção pa­ra re­tor­nar à ad­vo- ca­cia, mas tam­bém por mo­ti­vo de saú­de”. o Idp afir­mou que os pa­tro­cí­ni­os da J&f e fri­boi ocorrem des­de ju­nho de 2015. de lá pa­ra cá, se­gun­do o ins­ti­tu­to, fo­ram pa­tro­ci­na­dos “qua­tro em cin­co even­tos pre­vis­tos –o úl­ti­mo não o foi em de­cor­rên­cia da res­ci­são con­tra­tu­al”, de­ci­di­da em maio de 2017, “a par­tir da di­vul­ga­ção pe­la im­pren­sa dos epi­só­di­os en­vol­ven­do a J&f”. Se­gun­do o Idp, até en­tão, maio de 2017, “a con­du­ta das em­pre­sas do gru­po J&f era con­si­de­ra­da exem­plar, no Bra­sil e em to­dos os paí­ses on­de atu­am, in­clu­si­ve co­mo re­le­van­tes pa­tro­ci­na­do­res de ini­ci­a­ti­vas aca­dê­mi­cas e cul­tu­rais de inú­me­ras ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das”. a no­ta não abor­dou o fa­to de os exe­cu­ti­vos da J&f, Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, te­rem si­do al­vo da ope­ra­ção Gre­en­fi­eld ain­da em se­tem­bro de 2016. Se­gun­do o Idp, o “pa­tro­cí­nio tam­bém pre­via o su­por­te a um gru­po de es­tu­dos em di­rei­to do Tra­ba­lho, a con­ces­são de bol­sas de es­tu­do pa­ra es­tu­dan­tes ca­ren­tes e egres­sos do sis­te­ma pri­si­o­nal e cur­sos gra­tui­tos pa­ra a co­mu­ni­da­de”. de acor­do com o Idp, os pa­tro­cí­nio do gru­po J&f “to­ta­li­za­ram r$ 1,5 mi­lhão nes­tes dois anos, já des­con­ta­dos r$ 650 mil de­vol­vi­dos à ex-pa­tro­ci­na­do­ra em 29 de maio de 2017, a par­tir da res­ci­são do con­tra­to”.

Re­pro­du­ção fo­lha

Re­pro­du­ção fo­lha

Jo­es­ley Ba­tis­ta, de­sem­bar­ca do avião da PF no han­gar da cor­po­ra­ção em Bra­sí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.