Fil­me da Lava Jato tem mai­or bi­lhe­te­ria de es­treia

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Th­ril­ler po­lí­ti­co des­ti­na­do a di­vi­dir opi­niões, “po­lí­cia fe­de­ral - a lei é pa­ra To­dos” pre­ten­de lan­çar, no dia 7, mil có­pi­as em cir­cui­to na­ci­o­nal. o nú­me­ro é al­to. em 2010, “Tro­pa de eli­te 2”, pre­ce­di­do pe­lo su­ces­so do pri­mei­ro fil­me, es­tre­ou em 600 sa­las.

pa­ra che­gar ao su­ces­so comercial es­pe­ra­do pe­los pro­du­to­res, o fil­me, com or­ça­men­to de cer­ca de r$ 16 mi­lhões, que tra­ta da ope­ra­ção lava Jato até mar­ço de 2016, apos­ta em nar­ra­ti­va e edi­ção ágeis e ce­nas de per­se­gui­ção.

lan­ça mão tam­bém do di­da­tis­mo, às ve­zes com nar­ra­dor em pri­mei­ra pes­soa, a fim de fa­ci­li­tar o en­ten­di­men­to do in­trin­ca­do ca­so de cor­rup­ção e des­vio de di­nhei­ro pú­bli­co. o lon­ga en­fren­ta­rá de­sa­fi­os. um é fa­zer com que o bra­si­lei­ro se in­te­res­se por uma his­tó­ria con­ta­da to­dos os di­as pe­los jor­nais, rá­di­os e TVS nos úl­ti­mos três anos e meio. ou­tro é re­sis­tir aos olha­res crí­ti­cos, por tra­tar de ma­té­ria-pri­ma vi­da re­al. des­de o tí­tu­lo, o fil­me as­su­me a vi­são dos po­li­ci­ais, o que não é ne­ga­do pe­la pro­du­ção.

“o no­ti­ciá­rio tra­ta do ‘pós­fa­to’, qu­an­do as coi­sas já acon­te­ce­ram. Qui­se­mos mos­trar o ‘pré-fa­to’, co­mo foi fei­ta a in­ves­ti­ga­ção”, diz o di­re­tor Marcelo an­tu­nez. “o úni­co jei­to de con­tar is­so é fa­lar dos in­ves­ti­ga­do­res. Mui­tos de­ta­lhes do que acon­te­ceu as pes­so­as não co­nhe­cem.”

Co­mo o fo­co é na in­ves­ti­ga­ção, não no pro­ces­so, o pa­pel do juiz Ser­gio Mo­ro é la­te­ral. an­tu­nez diz que “car­re­gou um pou­qui­nho nas tin­tas”, pois o fil­me “não é um do­cu­men­tá­rio”, mas que se man­te­ve fi­el aos prin­ci­pais fa­tos. o di­re­tor dis­se ter con­ver­sa­do com mais de 40 pes­so­as du­ran­te a pre­pa­ra­ção, en­tre de­le­ga- dos, pro­cu­ra­do­res da re­pú­bli­ca, Mo­ro e até di­re­to­res da pe­tro­bras. ele e o elen­co tam­bém ti­ve­ram con­ver­sas com al­guns dos prin­ci­pais per­so­na­gens da lava Jato. os ro­tei­ris­tas Gustavo lipsz­tein e Tho­mas Sta­vros dis­se­ram ter li­do to­das as de­nún­ci­as do Mi­nis­té­rio pú­bli­co fe­de­ral, as decisões de Mo­ro e trans­cri­ções de de­poi­men­tos. ape­sar dis­so, diz an­tu­nez, po­rém, os per­so­na­gens dos po­li­ci­ais não re­pre­sen­tam fi­gu­ras re­ais, mas re­su­mem tra­ços de di­ver­sas pes­so­as.

LU­LA - de­vem ge­rar dis­cus­são os diá­lo­gos ás­pe­ros tro­ca­dos na te­la en­tre lu­la (ary fon­tou­ra) e po­li­ci­ais fe- de­rais, na ce­na da con­du­ção co­er­ci­ti­va do ex-pre­si­den­te, em São pau­lo. Na te­la vê-se um lu­la ar­ro­gan­te, às ve­zes ame­a­ça­dor. uma par­te do que se diz é de co­nhe­ci­men­to pú­bli­co, co­mo o de­poi­men­to pres­ta­do por ele à pf; a ou­tra par­te, diz an­tu­nez, foi re­cons­ti­tuí­da a par­tir de in­for­ma­ções ob­ti­das na fa­se de ela­bo­ra­ção do ro­tei­ro.

“em qual­quer fil­me ba­se­a­do em fa­tos re­ais vo­cê ten­ta re­co­lher o mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de re­la­tos das pes­so­as que pre­sen­ci­a­ram o fa­to e ten­ta es­ta­be­le­cer mais ou me­nos o que acon­te­ceu ali”, dis­se em en­tre­vis­ta à im­pren­sa. “o que foi di­to [por lu­la] den­tro da sa­la do de- poi­men­to tem re­gis­tro e foi usa­do pa­la­vra por pa­la­vra. Mas is­so é en­tre­te­ni­men­to, não es­ta­mos que­ren­do fa­zer no­ti­ciá­rio.”

o fil­me é pro­du­zi­do por To­mis­lav Bla­zic, nas­ci­do em 1951 em Bel­gra­do, na an­ti­ga Iu­gos­lá­via, e tra­zi­do be­bê pa­ra o Bra­sil pe­lo seu pai, um ex-mi­li­tar sér­vio.

So­bri­nho do ci­ne­as­ta cro­a­ta ra­di­ca­do no Bra­sil J. B. Tan­ko (1906-1993), Bla­zic tra­ba­lhou em to­dos os fil­mes dos Tra­pa­lhões nos anos 1970 e 1980 di­ri­gi­dos pe­lo tio, além de shows e pro­gra­mas da TV da tru­pe de co­me­di­an­tes. a par­tir de 2014, co­me­çou a tra­ba­lhar pa­ra pro­du­zir um fil­me so­bre o nar­co­trá­fi­co no Bra­sil. Con­tu­do, pas­sou a se in­te­res­sar pe­lo ca­so lava Jato, por su­ges­tão de po­li­ci­ais.

“Co­me­cei a ver que eles ti­nham ra­zão, que era uma gran­de his­tó­ria e pre­ci­sa­va ser con­ta­da” –sem ou­tras in­ten­ções. “É ci­ne­ma, é en­tre­te­ni­men­to, não te­nho pre­ten­são po­lí­ti­ca. pri­mei­ro que­ro de­vol­ver aos in­ves­ti­do­res o di­nhei­ro que con­fi­a­ram à pro­du­ção.”

Ar­qui­vo

Ce­na do fil­me ‘Po­lí­cia Fe­de­ral - A Lei É pa­ra To­dos’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.