Lu­la é de­nun­ci­a­do sob acu­sa­ção de cor­rup­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va foi de­nun­ci­a­do por cor­rup­ção pas­si­va, pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral do Dis­tri­to Fe­de­ral, sob acu­sa­ção de acei­tar pro­mes­sa pa­ra re­ce­ber re­cur­sos ile­gais em 2009, qu­an­do ain­da ocu­pa­va a Pre­si­dên­cia.

A de­nún­cia, ofe­re­ci­da na sex­ta (8) e di­vul­ga­da nes­ta se­gun­da (11), é um des­do­bra­men­to da Ze­lo­tes, ope­ra­ção em que Lu­la já é réu des­de o ano pas­sa­do, ação que tra­mi­ta no DF. Ca­so a Jus­ti­ça aco­lha es­ta no­va de­nún­cia, o ex-pre­si­den­te pas­sa­rá a res­pon­der a mais uma ação pe­nal. Se­gun­do a Pro­cu­ra­do­ria, Lu­la e seu en­tão che­fe de ga­bi­ne­te, Gil­ber­to Carvalho, acei­ta­ram pro­mes­sa de van­ta­gem in­de­vi­da de R$ 6 mi­lhões pa­ra fa­vo­re­cer as mon­ta­do­ras MMC (atu­al HPE) e Ca­oa na edi­ção da me­di­da pro­vi­só­ria 471, de no­vem­bro de 2009. Em troca, o di­nhei­ro ser­vi­ria pa­ra ar­re­ca­da­ção ile­gal da cam­pa­nha elei­to­ral do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res. O es­que­ma era in­ter­me­di­a­do, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pe­lo ad­vo­ga­do Mau­ro Mar­con­des e pe­lo lo­bis­ta Ale­xan­dre Pa­es dos San­tos. Lu­la ne­ga to­das as acu­sa­ções. Em no­ta, o Ins­ti­tu­to Lu­la que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral “abu­sa de su­as prer­ro­ga­ti­vas” pa­ra “pro­mo­ver uma per­se­gui­ção po­lí­ti­ca” con­tra o ex-pre­si­den­te. Tam­bém afir­ma que a de­nún­cia é “in­ju­rí­di­ca e imo­ral”.

Lu­la e Gil­ber­to Carvalho fo­ram de­nun­ci­a­dos sob acu­sa­ção de cor­rup­ção pas­si­va. Além de­les, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co acu­sa de cor­rup­ção ati­va Mau­ro Mar­con­des, Pau­lo Aran­tes Fer­raz (que era da MMC), Car­los Al­ber­to de Oli­vei­ra An­dra­de (Ca­oa), Ale­xan­dre Pa­es dos San­tos e seu só­cio na con­sul­to­ria SGR, Jo­sé Ri­car­do da Sil­va.

Jo­sé Ri­car­do, Ale­xan­dre Pa­es e Mau­ro Mar­con­des, se­gun­do os pro­cu­ra­do­res, for­ma­vam com ou­tras pes­so­as uma as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa pa­ra cor­rom­per agen­tes pú­bli­cos e be­ne­fi­ci­ar as du­as mon­ta­do­ras de veí­cu­los.

Os pro­cu­ra­do­res que as­si­nam o do­cu­men­to, Fre­de­ri­co de Carvalho Paiva e Her­bert Reis Mes­qui­ta, pe­dem que se­jam de­vol­vi­dos R$ 12 mi­lhões aos co­fres pú­bli­cos e mul­ta por da­nos mo­rais co­le­ti­vos. O ex-pre­si­den­te Lu­la já é réu em seis ações cri­mi­nais, qua­tro de­las na Ope­ra­ção Lava Jato. Foi con­de­na­do uma vez, por cor­rup­ção pas­si­va, pe­lo juiz Ser­gio Mo­ro, e re­cor­re do pro­ces­so. Ou­tras du­as de­nún­ci­as fo­ram ofe­re­ci­das no co­me­ço de se­tem­bro pe­lo pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not. O ex-pre­si­den­te ne­ga ter co­me­ti­do ir­re­gu­la­ri­da­des.

MEN­SA­GENS

A no­va de­nún­cia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Bra­sí­lia usa co­mo pro­vas cartas que se­ri­am en­de­re­ça­das a Lu­la com pe­di­dos de al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va, por meio de me­di­da pro­vi­só­ria, pa­ra be­ne­fi­ci­ar as mon­ta­do­ras.

São usa­dos ain­da ma­nus­cri­tos, e-mails e atas de reu­niões. Em uma men­sa­gem, Ale­xan­dre Pa­es dos San­tos diz que os “co­la­bo­ra­do­res” de Mau­ro Mar­con­des te­ri­am exi­gi­do R$ 10 mi­lhões, e o va­lor te­ria si­do re­du­zi­do pa­ra R$ 6 mi. Pa­ra os pro­cu­ra­do­res, hou­ve ain­da uma “tra­mi­ta­ção atí­pi­ca” da me­di­da pro­vi­só­ria, pas­san­do por três mi­nis­té­ri­os em um úni­co dia.

Além da edi­ção e pos­te­ri­or apro­va­ção da ma­té­ria no Con­gres­so, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co diz que re­cur­sos fo­ram usa­dos pa­ra com­prar o can­ce­la­men­to de um dé­bi­to de R$ 265 mi­lhões no Carf (Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de Re­cur­sos Fis­cais), ór­gão li­ga­do ao Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da –es­se ca­so já é al­vo de ou­tra ação pe­nal que tra­mi­ta na Jus­ti­ça Fe­de­ral em Bra­sí­lia.

OU­TRO LA­DO

Pro­cu­ra­do, o Ins­ti­tu­to Lu­la diz em no­ta que os pro­cu­ra­do­res “abu­sam de su­as prer­ro­ga­ti­vas le­gais pa­ra ten­tar cons­tran­ger o ex-pre­si­den­te Lu­la e ma­ni­pu­lam o sis­te­ma ju­di­ci­al bra­si­lei­ro pa­ra pro­mo­ver uma per­se­gui­ção po­lí­ti­ca que não po­de mais ser dis­far­ça­da”.

Se­gun­do o ins­ti­tu­to, a de­nún­cia “não é ape­nas im­pro­ce­den­te, mas in­ju­rí­di­ca e imo­ral” por­que tra­ta de um te­ma que já foi ob­je­to de ação pe­nal e jul­ga­men­to na pri­mei­ra ins­tân­cia.

“A Me­di­da Pro­vi­só­ria 471 foi edi­ta­da em 2009, pa­ra pror­ro­gar a vi­gên­cia de in­cen­ti­vos fis­cais que tor­na­ram as re­giões Nor­des­te, Nor­te e Cen­tro-oes­te res­pon­sá­veis por 13% dos em­pre­gos na in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca bra­si­lei­ra, e por mais de 10% das ex­por­ta­ções de au­to­mó­veis pe­lo país”, diz a no­ta. “São ab­so­lu­ta­men­te cor­re­tos os trâ­mi­tes da me­di­da, des­de a edi­ção até a apro­va­ção pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal.”

“So­men­te a sa­nha per- se­cu­tó­ria de de­ter­mi­na­dos pro­cu­ra­do­res con­tra o ex­pre­si­den­te Lu­la po­de ex­pli­car a ten­ta­ti­va de cri­mi­na­li­za­ção de uma po­lí­ti­ca de de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal ini­ci­a­da em go­ver­no an­te­ri­or ao de­le”, diz o ins­ti­tu­to.

O ad­vo­ga­do de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, afir­ma em no­ta que o ex-pre­si­den­te “ja­mais pra­ti­cou pra­ti­cou atos de cor­rup­ção ou qual­quer ilí­ci­to”.

“Es­sa é mais uma de­nún­cia in­jus­ta, que ape­nas re­for­ça o pro­ces­so de law­fa­re pra­ti­ca­do con­tra Lu­la, ou se­ja, a má uti­li­za­ção das leis e ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos pa­ra fins de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca. A ino­cên­cia de Lu­la de­ve­rá ser re­co­nhe­ci­da nes­sa ação pe­nal, as­sim co­mo em ou­tras ações que fo­ram pro­pos­tas pa­ra acu­sar o ex-pre­si­den­te sem qual­quer ba­se ju­rí­di­ca.”

O ex-mi­nis­tro Gil­ber­to Carvalho dis­se que es­tá “ab­so­lu­ta­men­te tran­qui­lo” so­bre o pro­ces­so e ne­ga ter co­me­ti­do qual­quer ir­re­gu­la­ri­da­de. Carvalho diz que uma pro­va usa­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co –seu no­me ano­ta­do na agen­da de um dos lo­bis­tas– é im­pro­ce­den­te, por­que ele es­ta­va em vi­a­gem a Ro­ma na mesma da­ta.

A Ca­oa, em no­ta, ma­ni­fes­tou “sur­pre­sa” com o ofe­re­ci­men­to da de­nún­cia, tam­bém por­que os fa­tos re­la­ti­vos à me­di­da pro­vi­só­ria já fo­ram ob­je­to de in­ves­ti­ga­ção ju­di­ci­al que, se­gun­do a mon­ta­do­ra, “res­tou com­pro­va­da a ab­so­lu­ta ino­cên­cia da em­pre­sa”.

PT

O ex-pre­si­den­te Lu­la após de­por na PF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.