De­nún­cia con­tra Te­mer se ba­seia em ca­sos em apu­ra­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

o pro­cu­ra­dor- ge­ral da re­pú­bli­ca, ro­dri­go Ja­not, se ba­se­ou em ao me­nos 15 fa­tos ain­da em in­ves­ti­ga­ção pa­ra afir­mar que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e seis in­te­gran­tes do pmdb co­me­te­ram o cri­me de par­ti­ci­pa­ção em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa.

a de­nún­cia, apre­sen­ta­da quin­ta (14), afir­ma que o gru­po atua des­de 2006 cau­san­do pre­juí­zos aos co­fres pú­bli­cos. Na mes­ma pe­ça, Te­mer foi acu­sa­do de obs­tru­ção de Jus­ti­ça ao la­do de Jo­es­ley Ba­tis­ta e ri­car­do Saud, am­bos da JBS.

Se­gun­do Ja­not, o gru­po do pmdb da Câ­ma­ra arrecadou r$ 587,1 mi­lhões ao lon­go de 11 anos.

os re­la­tos de exe­cu­ti­vos e ex-exe­cu­ti­vos da ode­bre­cht e as mais re­cen­tes re­ve­la­ções do ope­ra­dor lú­cio fu­na­ro e do em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta, um dos do­nos da JBS, são as de­la­ções mais usa­das por Ja­not.

Ne­nhum dos 76 inqué­ri­tos aber­tos no STF ( Su­pre­mo Tribunal fe­de­ral) de­vi­do à co­la­bo­ra­ção dos exe­cu­ti­vos e ex-exe­cu­ti­vos da em­prei­tei­ra te­ve a in­ves­ti­ga­ção fi­na­li­za­da. No ca­so de fu­na­ro, ain­da não hou­ve nem pe­di­do de aber­tu­ra de inqué­ri­tos. Sua de­la­ção foi ho­mo­lo­ga­da no iní­cio des­te mês, mas es­tá em si­gi­lo no STF, nas mãos do mi­nis­tro ed­son fa­chin, re­la­tor da la­va Ja­to. de acor­do com a lei, a de­la­ção ser­ve co­mo um meio de ob­ten­ção de pro­va e não co­mo pro­va em si. os de­la­to­res são re­qui­si­ta­dos a ajudar com o en­vio de do­cu­men­tos que pos­sam cor­ro­bo­rar os fa­tos nar­ra­dos, e a po­lí­cia e pro­cu­ra­do­res to­mam medidas pa­ra avan­ça­rem na apu­ra­ção.

Nos ca­sos da ode­bre­cht, a po­lí­cia fe­de­ral já apon­tou pro­ble­mas que de­vem im­pe­dir que vá­ri­os ca­sos se­jam com­pro­va­dos, por fra­gi­li­da­de nos de­poi­men­tos, en­tre ou­tros fa­to­res.

So­bre a ar­re­ca­da­ção de pro­pi­na do gru­po com a uti­li­za­ção da pe­tro­bras, Ja­not ci­ta um epi­só­dio ocor­ri­do em 2010 e nar­ra­do por exe­cu­ti­vos do gru­po ode­bre­cht. Se­gun­do a de­la­ção, o va­lor pa­go ao pmdb foi de r$ 40 mi­lhões em tro­ca da apro­va­ção de um pro­je­to de se­gu­ran­ça am­bi­en­tal da em­pre­sa. os co­la­bo­ra­do­res afir­mam que Te­mer par­ti­ci­pou de uma reu­nião, sen­tan­do-se “à ca­be­cei­ra da me­sa”, “as­sen­tin­do” e “dan­do à bên­ção” pa­ra os ter­mos do acor­do que es­ta­va sen­do com­bi­na­do.

Na de­la­ção, a cons­tru­to­ra che­gou a en­tre­gar ex­tra­tos ban­cá­ri­os, mas co­mo as trans­fe­rên­ci­as não es­tão em no­mes dos po­lí­ti­cos, ain­da é ne­ces­sá­rio um tra­ba­lho de le­van­ta­men­to de da­dos, prin­ci­pal­men­te no ex­te­ri­or, já que a pro­pi­na foi pa­ra fo­ra.

Tam­bém há ca­sos que, ape­sar de es­ta­rem con­cluí­dos, a pf afir­mou ser im­pos­sí­vel de se com­pro­var os cri­mes nar­ra­dos por de­la­to­res, co­mo o da usi­na de fur­nas.

“Ne­nhum da­do co­la­bo­ra­ti­vo adi­ci­o­nal foi apre­sen­ta­do pe­los de­la­to­res, e as in­for­ma­ções que apre­sen­ta- ram, no­ta­da­men­te por ver­sa­rem so­bre fa­tos mui­to an­ti­gos, su­pe­ri­o­res a 14 anos, tam­bém não per­mi­ti­ram que ou­tros mei­os de pro­va fos­sem al­can­ça­dos, ape­sar do em­pe­nho”, es­cre­veu o de­le­ga­do Álex de re­zen­de no re­la­tó­rio fi­nal. a de­nún­cia tam­bém traz fa­tos con­ta­tos pe­lo ex-pre­si­den­te da Trans­pe­tro Sér­gio Ma­cha­do so­bre obs­tru­ção de Jus­ti­ça. a pro­cu­ra­do­ria se ma­ni­fes­tou na se­ma­na pas­sa­da pe­din­do o ar­qui­va­men­to da in­ves­ti­ga­ção ba­se­a­das nas gra­va­ções fei­tas pe­lo de­la­tor en­vol­ven­do se­na­do­res do pmdb. Se­gun­do Ja­not, elas tra­zi­am um pla­no de atra­pa­lhar a la­va Ja­to, mas não se con­cre­ti­za­ram por­que fo­ram des­co­ber­tas pe­la im­pren­sa.

o ato, de cons­pi­ra­ção, no en­ten­di­men­to do pro­cu­ra­dor-ge­ral, não é pe­nal­men- te pu­ní­vel. ape­sar dis­so, ele ale­ga ser es­se um fa­to que mos­tra co­mo o gru­po do pmdb agia de for­ma cri­mi­no­sa. Mes­mo em ca­sos que já ti­ve­ram in­ves­ti­ga­ções con­cluí­das, co­mo o da ma­la de r$ 500 mil en­tre­gue ao as­ses­sor de Te­mer, ro­dri­go ro­cha lou­res, ain­da não hou­ve uma de­ci­são da Jus­ti­ça so­bre a exis­tên­cia do cri­me, não ha­ven­do con­de­na­ção até o mo­men­to.

a mai­or parte dos epi­só­di­os con­cluí­dos ci­ta­dos por Ja­not na de­nún­cia es­tão li­ga­dos à pe­tro­bras, com de­ci­sões do juiz Sér­gio Mo­ro, da 13ª Va­ra fe­de­ral do pa­ra­ná. en­tre elas es­tá a con­de­na­ção do ex-de­pu­ta­do edu­ar­do Cu­nha a 15 anos de pri­são, en­vol­ven­do a es­ta­tal.

OR­GA­NI­ZA­ÇÃO Cri­mi­no­sa

a acu­sa­ção de par­ti­ci­par de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa pode che­gar à Jus­ti­ça se­pa­ra­da dos cri­mes que os su­pos­tos mem­bros do gru­po pra­ti­ca­ram, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pe­la fo­lha. os es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos fa­la­ram de for­ma ge­né­ri­ca. Se­gun­do Thi­a­go Bot­ti­no, pro­fes­sor de di­rei­to da fgv-rio, há pou­ca ju­ris­pru­dên­cia so­bre or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, por­que a ti­pi­fi­ca­ção des­se cri­me é de 2013. Con­tu­do, pode-se to­mar co­mo ba­se a ju­ris­pru­dên­cia do an­ti­go cri­me de for­ma­ção de qua­dri­lha.

Re­pro­du­ção fo­lha

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer em pro­nun­ci­a­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.