Os 248.800 pre­sos pro­vi­só­ri­os do Bra­sil

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ra­fa­el Bra­ga Vi­ei­ra, 28, con­se­guiu um res­pi­ro no in­fer­no. Con­de­na­do em pri­mei­ra ins­tân­cia a 11 anos e três me­ses de pri­são por por­te de dro­gas, o jo­vem, pre­so des­de ja­nei­ro de 2016, po­de­rá tra­tar da tu­ber­cu­lo­se agu­da em ca­sa. o mi­nis­tro do Su­pe­ri­or Tribunal de Jus­ti­ça ro­gé­rio Schi­et­ti Cruz, res­pon­sá­vel pe­la de­ci­são, en­ten­deu que não exis­tem con­di­ções pa­ra um aten­di­men­to de saú­de ade­qua­do na pe­ni­ten­ciá­ria al­fre­do Tra­jan, no com­ple­xo do Ban­gu, rio de Ja­nei­ro. o lo­cal é fa­mo­so por su­as con­di­ções me­di­e­vais, que in­clu­em am­bi­en­tes in­sa­lu­bres e su­per­lo­ta­ção de mais de 350% – em fe­ve­rei­ro abri­ga­va 3.087 de­ten­tos on­de ca­be­ri­am 881. So­ma-se a is­so a pre­sen­ça de ape­nas um mé­di­co, que vi­si­ta o pre­sí­dio uma vez por se­ma­na, de acor­do com um re­la­tó­rio de fis­ca­li­za­ção re­a­li­za­do pe­la de­fen­so­ria pú­bli­ca do rio.

após res­ta­be­le­cer a saú­de, o fu­tu­ro de Bra­ga é in­cer­to. É pro­vá­vel que ele re­tor­ne à mas­mor­ra, ten­do em vis­ta que o des­pa­cho de Cruz é cla­ro ao di­zer que ele tem di­rei­to à pri­são do­mi­ci­li­ar “en­quan­to per­du­rar o agra­va­do es­ta­do de saú­de ”. Sua de­fe­sa já ape­lou da con­de­na­ção e pro­to­co­lou um pe­di­do de ha­be­as cor­pus pa­ra que ele não te­nha que re­tor­nar ao pre­sí­dio. Ca­so a Jus­ti­ça não aca­te a so­li­ci­ta­ção, ele vol­ta­rá a ser um dos 248.800 pre­sos bra­si­lei­ros, cer­ca de 40% do to­tal, que não fo­ram con­de­na­dos de­fi­ni­ti­va­men­te pe­la Jus­ti­ça. em 2016, ao apre­sen­tar um re­la­tó­rio so­bre a si­tu­a­ção do sis­te­ma car­ce­rá­rio bra­si­lei­ro, o di­re­tor-ge­ral do de­par­ta­men­to pe­ni­ten­ciá­rio Na­ci­o­nal (de­pen), re­na­to de Vit­to, dis­se que “des­sas pessoas que fi­cam pre­sas pro­vi­so­ri­a­men­te, 37% de­las, qu­an­do são sen­ten­ci­a­das, são soltas”. Na prá­ti­ca, mais de um ter­ço dos pre­sos pro­vi­só­ri­os são jul­ga­dos ino­cen­tes, mas não sem an­tes pas­sar pe­los trau­ma do en­car­ce­ra­men­to.

além dis­so, ca­so te­nha que vol­tar a Ban­gu, Bra­ga tam­bém vol­ta­rá a ser um dos 205.000 pre­sos que es­tão atrás das gra­des sob acu­sa­ções de trá­fi­co de dro­gas. pa­ra lu­cas Sa­da, de­fen­sor de Bra­ga e in­te­gran­te do Ins­ti­tu­to de de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos, a de­ci­são do mi­nis­tro foi acertada, mas ain­da há mui­to a ser fei­to pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção nos pre­sí­di­os. “um exer­cí­cio mí­ni­mo de ra­ci­o­na­li­za­ção do sis­te­ma cri­mi­nal e pri­si­o­nal pres­su­po­ria re­du­zir dras­ti­ca­men­te o con­tin­gen­te de pre­sos pro­vi­só­ri­os, e li­ber­tar os acu­sa­dos por trá­fi­co de dro­gas em ca­sos on­de não foi em­pre­ga­da vio-

lên­cia ou gra­ve ame­a­ça”, afir­ma. É o ca­so de Bra­ga, pre­so de­sar­ma­do com pe­que­nas quan­ti­da­des de co­caí­na e ma­co­nha. em 2015 o Su­pre­mo Tribunal fe­de­ral co­me­çou a dis­cu­tir um ca­so que ser­vi­ria co­mo pre­ce­den­te pa­ra a des­cri­mi­na­li­za­ção das dro­gas. o jul­ga­men­to foi in­ter­rom­pi- do com um pla­car de três vo­tos fa­vo­rá­veis e ne­nhum con­tra, qu­an­do o en­tão mi­nis­tro Te­o­ri Za­vasc­ki, mor­to em ja­nei­ro des­te ano, pe­diu mais tem­po pa­ra ana­li­sar a ques­tão. ago­ra o pro­ces­so de­pen­de de um pa­re­cer do mi­nis­tro ale­xan­dre de Mo­ra­es, que to­mou pos­se no lu­gar de Za­vasc­ki. Mo­ra­es foi se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça pú­bli­ca de São pau­lo.

Qu­an­to aos pre­sos pro­vi­só­ri­os, o STF se re­su­miu a pe­dir que os juí­zes ace­le­ras­sem a aná­li­se da si­tu­a­ção des­tes de­ten­tos. a so­li­ci­ta­ção, fei­ta pe­la pre­si­den­ta da Cor­te, Car­men lú­cia, em ja­nei­ro des­te ano lo­go após os mas­sa­cres ocor­ri­dos em pe­ni­ten­ciá­ri­as do Nor­te e Nor­des­te do país, não deu re­sul­ta­dos tan­gí­veis até o mo­men­to, de acor­do com ongs que mo­ni­to­ram a ques­tão. À épo­ca o de­sem­bar­ga­dor flá­vio hum­ber­to pas­ca­rel­li lopes, pre­si­den­te do Tribunal de Jus­ti­ça do ama­zo­nas, que par­ti­ci­pou da reu­nião a pre­si­den­te do STF, afir­mou que “is­so [o pe­di­do da mi­nis­tra] não sig­ni­fi­ca que va­mos sol­tar pre­sos. Va­mos ava­li­ar se as con­di­ções da pri­são per­ma­ne­cem”.

a de­ci­são do mi­nis­tro Cruz de sol­tar Bra­ga vai na mes­ma li­nha, e não oferece pos­si­bi­li­da­de pa­ra que ou­tros pre­sos na si­tu­a­ção do jo­vem tam­bém cum­pram pe­na em ca­sa. “es­cla­re­ço que a pro­vi­dên­cia ora de­ter­mi­na­da não im­pli­ca re­co­nhe­ci­men­to de que to­da e qual­quer pes­soa pre­sa em es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal nes­te país te­nha di­rei­to à pri­são do­mi­ci­li­ar”, afir­mou. Se atu­al­men­te a his­tó­ria de Bra­ga se con­fun­de com a de mi­lha­res de ou­tros pre­sos pro­vi­só­ri­os e pro­ces­sa­dos por trá­fi­co, sua pri­mei­ra pas­sa­gem pe­lo sis­te­ma car­ce­rá­rio foi mar­ca­da por pe­cu­li­a­ri­da­des e ar­bi­tra­ri­e­da­des. em 2013, en­tão com 25 anos, ele foi de­ti­do com pro­du­tos de lim­pe­za – de­sin­fe­tan­te e água sa­ni­tá­ria - du­ran­te um pro­tes­to con­tra o au­men­to das pas­sa­gens de ôni­bus do rio. a po­lí­cia Mi­li­tar, pro­mo­to­res e o juiz Gui­lher­me Schil­ling pol­lo du­ar­te en­ten­de­ram que is­so bas­ta­va pa­ra que ele fos­se con­de­na­do a cin­co anos de pri­são por por­te ile­gal de ar­te­fa­to in­cen­diá­rio. e as­sim o jo­vem, ne­gro e ex- morador de rua, se tor­nou o pri­mei­ro e úni­co con­de­na­do por su­pos­tos cri­mes pra­ti­ca­dos du­ran­te as ma­ni­fes­ta­ções da­que­le ano.

Ra­fa­el Bra­ga, já aco­me­ti­do pe­la tu­ber­cu­lo­se.

De­fen­so­ria PÚ­BLI­CA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.