HORÁRIO DE VERÃO PO­DE SER EXTINTO; GO­VER­NO DECIDIRÁ NAS PRÓ­XI­MAS SE­MA­NAS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ame­nos de um mês pa­ra co­me­çar o horário de verão, o go­ver­no fe­de­ral vai de­ci­dir, nas pró­xi­mas se­ma­nas, se a me­di­da se­rá ou não ex­tin­ta no país. res­pon­sá­vel pe­la ques­tão, o Mi­nis­té­rio de Mi­nas e ener­gia (MME) en­ca­mi­nhou a ata à Ca­sa Ci­vil da pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca e es­pe­ra uma res­pos­ta. Se o pre­si­den­te Michel Temer ba­ter o mar­te­lo de­pois de 15 de ou­tu­bro, da­ta pre­vis­ta pa­ra co­me­çar o horário de verão des­te ano, a ho­ra se­rá adi­an­ta­da nor­mal­men­te e a de­ci­são so­bre a pos­sí­vel ex­tin­ção da me­di­da só va­le­rá a par­tir de 2018.

o do­cu­men­to, pro­du­zi­do pe­lo ope­ra­dor Na­ci­o­nal do Sis­te­ma elé­tri­co (ONS) pa­ra o MME, cons­ta­tou que a ho­ra adi­an­ta­da não tem re­la­ção di­re­ta en­tre a re­du­ção de gas­tos e o con­su­mo de ener­gia elé­tri­ca e sua pro­du­ção. Se­gun­do o re­la­tó­rio, a ma­nu­ten­ção do horário de verão é con­si­de­ra­da uma “ques­tão cul­tu­ral”. “em ter­mos in­te­gra­li­za­dos (diur­no e no­tur­no), o horário de verão não aten­deu ao que se propôs - ou se­ja, não há re­la­ção di­re­ta com re­du­ção de con­su­mo e de­man­da”, mos­trou mos­rouo es­tu­do.

a po­pu­la­ri­za­ção dos apa­re­lhos de ar con­di­ci­o­na­do é uma das prin­ci­pais ra­zões des­sa mu­dan­ça. No re­la­tó­rio, téc­ni­cos do MME apon­ta­ram que a tem­pe­ra­tu­ra é o que mais in­flu­en­cia nos há­bi­tos do con­su­mi­dor, e não a in­ci­dên­cia da luz du­ran­te o dia. Co­mo o ca­lor é mais in­ten­so no fim da ma­nhã e no iní­cio da tar­de, os pi­cos de con­su­mo são re­gis­tra­dos atu­al­men­te nes­ses pe­río­dos. de acor­do com da­dos do ONS, o horário de pon­ta ocor­re, atu­al­men­te, en­tre 14h e 15h, e não mais en­tre 17h e 20h, pe­río­do em que os tra­ba­lha­do­res re­tor­na­vam pa­ra ca­sa e to­ma­vam ba­nho. pa­ra dar mais fol­ga e se­gu­ran­ça ao sis­te­ma, adi­an­tar os re­ló­gi­os em uma ho­ra per­mi­te, por exem­plo, adi­ar o aci­o­na­men­to da ilu­mi­na­ção pú­bli­ca nas ru­as - o que adia par­te da de­man­da e re­duz a con­cen­tra­ção do uso de ener­gia, di­mi­nuin­do cus­tos do sis­te­ma elé­tri­co.

ape­sar do no­vo es­tu­do, no ano pas­sa­do, ain­da se­gun­do da­dos do MME, o horário de verão du­rou 126 di­as e ge­rou uma eco­no­mia de r$ 159,5 mi­lhões ao sis­te­ma, ao re­du­zir o aci­o­na­men­to de usi­nas ter­mo­e­lé­tri­cas. o cus­to é con­si­de­ra­do ir­re­le­van­te pa­ra o se­tor. a pri­mei­ra vez que o Bra­sil ado­tou o horário de verão foi em 1931. des­de 1985, ele é apli­ca­do to­dos os anos.

vi­do­sos. es­sas provisões ge­ram cré­di­tos tri­bu­tá­ri­os que po­dem ser usa­dos pa­ra aba­ter im­pos­tos, e is­so, na ava­li­a­ção de­le, ex­pli­ca o des­com­pas­so.

a re­cei­ta cos­tu­ma fa­zer um ma­pe­a­men­to in­ter­no mi­nu­ci­o­so por re­gi­me tri­bu­tá­rio e sa­bia que os ban­cos vi­nham com­pen­san­do pre­juí­zos.

Mas, em al­gum mo­men­to, o vo­lu­me en­tre o que a re­cei­ta es­pe­ra­va ar­re­ca­dar e o que os ban­cos re­co­lhi­am pas­sou a re­gis­trar uma di­fe­ren­ça mui­to gran­de, o que cha­mou a aten­ção do ór­gão.

pro­cu­ra­da pe­la re­por­ta­gem, a fe­bra­ban (fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Ban­cos) dis­se, por meio de sua as­ses­so­ria de im­pren­sa, que não po­de co­men­tar o mo­ni­to­ra­men­to da re­cei­ta por não ter um di­ag­nós­ti­co so­bre o te­ma.

“Não te­mos es­tu­do atu­a­li­za­do dos va­lo­res ar­re­ca­da­dos e nem um di­ag­nós­ti­co de to­do o sis­te­ma, que po­de ser afe­ta­do por ques­tões in­di­vi­du­ais das en­ti­da­des”, dis­se a fe­de- ra­ção em no­ta.

um exe­cu­ti­vo de um gran­de ban­co ou­vi­do pe­la re­por­ta­gem, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car, dis­se que não tem co­nhe­ci­men­to de que as ope­ra­ções sob mo­ni­to­ra­men­to do fis­co se­jam fei­tas por ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras.

ele pon­de­rou que uma das ope­ra­ções sob aná­li­se, de an­te­ci­pa­ção de pre­juí­zo, não fa­ria sen­ti­do, pois re­a­li­zar já um re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo im­pli­ca­ria não ge­rar cré­di­tos tri­bu­tá­ri­os. os cré­di­tos, cri­a­dos quan­do o ban­co re­ser­va provisões pa­ra o ca­so de ina­dim­plên­cia de de­ve­do­res du­vi­do­sos, são usa­dos pa­ra aba­ti­men­to de im­pos­tos.

Car­tei­ras De CRÉ­DI­TO

aten­ta à flu­tu­a­ção da ar­re­ca­da­ção do se­tor fi­nan­cei­ro, a re­cei­ta fe­de­ral mo­ni­to­ra dois ti­pos es­pe­cí­fi­cos de ope­ra­ção fei­ta pe­los ban­cos. Se­gun­do a fo­lha apu­rou, em uma de­las as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras trans­fe­rem car­tei­ras de cré­di­to lu­cra­ti­vas pa­ra em­pre­sas do mes­mo gru­po que te­nham pre­juí­zo fis­cal. es­se lu­cro é aba­ti­do pe­lo pre­juí­zo fis­cal, o que re­duz o re­sul­ta­do po­si­ti­vo su­jei­to à tri­bu­ta­ção do ban­co. em ou­tras pa­la­vras, a ins­ti­tui­ção pa­ga me­nos Irpj (Im­pos­to de ren­da pes­soa Ju­rí­di­ca) e Csll (Con­tri­bui­ção So­ci­al so­bre o lu­cro lí­qui­do). ad­vo­ga­dos ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem ava­li­am que é um ti­po de ope­ra­ção que, ape­sar de não ser ilí­ci­ta, po­de ser ob­je­to de au­tu­a­ção da re­cei­ta.

“É uma ope­ra­ção com­pli­ca­da, que es­tá no lim­bo. Não acho que se­ja ilí­ci­to ou ile­gal, mas é dis­cu­tí­vel”, diz o ad­vo­ga­do tri­bu­ta­ris­ta Jar­bas an­dra­de Ma­chi­o­ni, pre­si­den­te da Co­mis­são de di­rei­to em­pre­sa­ri­al da oab-sp (or­dem dos ad­vo­ga­dos do Bra­sil).

em ou­tra ope­ra­ção mo­ni­to­ra­da pe­lo ór­gão, a ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra ven­de uma car­tei­ra de cré­di­to com dí­vi­das em atra­so pa­ra uma em­pre­sa tam­bém do mes­mo gru­po por um mon­tan­te abai­xo do va­lor de fa­ce da car­tei­ra.

Com is­so, an­te­ci­pa um pre­juí­zo que po­de­ria ser re­gis­tra­do so­men­te no fu­tu­ro ou que nem se re­a­li­za­ria, o que tam­bém re­duz o lu­cro su­jei­to ao pa­ga­men­to de im­pos­tos. “es­sa é uma ope­ra­ção mais com­pli­ca­da”, ava­lia Ma­chi­o­ni. “Vo­cê re­a­li­za um pre­juí­zo já, cria uma cir­cuns­tân­cia em que vai ter um pre­juí­zo tri­bu­tá­rio ago­ra, des­co­lan­do o ce­ná­rio da re­a­li­da­de”.

pa­ra Clau­dio Gal­li­na, di­re­tor da área de ban­cos da agên­cia fit­ch ra­tings, o efei­to de ca­sos co­mo es­ses so­bre a clas­si­fi­ca­ção de ris­co dos ban­cos en­vol­vi­dos de­pen­de­ria do va­lor das mul­tas e de even­tu­ais re­cur­sos a se­rem de­vol­vi­dos, as­sim co­mo do pra­zo de pos­sí­veis de­sem­bol­sos que ve­nham a ocor­rer.

Ag.; Bra­sil

De­ci­são foi ba­se­a­da em um es­tu­do pro­du­zi­do pe­lo Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia, que mos­trou que o horário de verão não re­duz gas­tos com con­su­mo de ener­gia

Ar­qui­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.