Temer diz ser ví­ti­ma e que de­nún­cia se­rá bar­ra­da

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Opre­si­den­te Michel Temer dis­se nes­ta sex­ta-fei­ra (22) ser ví­ti­ma de uma cons­pi­ra­ção e afir­mou ter a con­vic­ção de que a de­nún­cia apre­sen­ta­da pe­la Pgr (Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca) se­rá bar­ra­da pe­lo ple­ná­rio da Câmara dos De­pu­ta­dos.

Em ví­deo pu­bli­ca­do nas re­des so­ci­ais, o pe­e­me­de­bis­ta afir­mou que lan­ça­ram so­bre ele “pro­vas for­ja­das” e “de­nún­ci­as inep­tas” que fo­ram pro­du­zi­das em “con­lui­os com mal­fei­to­res”. se­gun­do ele, o Po­der le­gis­la­ti­vo en­cer­ra­rá os úl­ti­mos epi­só­di­os “de uma tris­te pá­gi­na de nos­sa his­tó­ria”.

“sa­be-se que, contra mim, ar­mou-se cons­pi­ra­ção de múl­ti­plos pro­pó­si­tos. Cons­pi­ra­ram pa­ra dei­xar im­pu­nes os mai­o­res cri­mi­no­sos con­fes­sos do bra­sil, fi­nal­men­te pre­sos, por­que sem­pre apon­ta­mos seus inú­me­ros de­li­tos”, dis­se.

Pa­ra ele, só re­gi­mes de ex­ce­ção acei­ta­ram acu­sa­ções sem pro­vas, “mo­vi­dos por pre­con­cei­to, ódio, ran­cor ou in­te­res­ses es­cu­sos”. Ele res­sal­tou que o país po­de es­tar tri­lhan­do es­se ca­mi­nho nes­te mo­men­to.

“a úni­ca va­ci­na contra es­sa mar­cha da in­sen­sa­tez é a ver­da­de. E a ver­da­de é a úni­ca ar­ma que te­nho pa­ra me de­fen­der des­de o iní­cio des­te pro­ces­so de de­nún­ci­as e que bus­ca de­ses­ta­bi­li­zar meu go­ver­no e pa­ra­li­sar o avan­ço do bra­sil”, dis­se.

O pre­si­den­te ma­ni­fes­tou ain­da in­dig­na­ção e dis­se ma­ni­fes­tar “pro­fun­da re­vol­ta” com a “le­vi­an­da­de dos que de­ve­ri­am agir com so­bri­e­da­de”. se­gun­do ele, a in­co­e­rên­cia e a fal­si­da­de “fo­ram ar­mas do co­ti­di­a­no pa­ra o ex­ter­mí­nio de re­pu­ta­ções”.

“a ver­da­de pre­va­le­ceu an­te o pri­mei­ro ata­que a meu go­ver­no e a mim. a ver­da­de, mais uma vez, triun­fa­rá. Te­nho con­vic­ção ab­so­lu­ta de que a Câmara dos De­pu­ta­dos en­cer­ra­rá es­ses úl­ti­mos epi­só­di­os de uma tris­te pá­gi­na de nos­sa his­tó­ria, em que men­ti­ras e in­ver­da­des in­du­zi­ram a mí­dia e as re­des so­ci­ais nes­tes úl­ti­mos di­as”, afir­mou.

se­gun­do ele, uma aná­li­se “crí­ti­ca” e “de­sa­pai­xo­na­da” da Câmara dos De­pu­ta­dos “pro­va­rá os abu­sos dos que cons­pi­ra­ram contra a Pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca e o bra­sil”.

ESTRATÉGIA

O discurso do pre­si­den­te, dis­po­ni­bi­li­za­do nas re­des so­ci­ais, foi pre­pa­ra­do pa­ra ser li­do em um pro­nun­ci­a­men­to na se­ma­na pas­sa­da, após o en­vio da de­nún­cia por obs­tru­ção ju­di­ci­al e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa pe­lo ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da re­pú­bli­ca ro­dri­go Ja­not.

O pe­e­me­de­bis­ta, con­tu­do, pre­fe­riu aguar­dar o jul­ga­men­to de pe­di­do da de­fe­sa con­tes­tan­do a va­li­da­de das pro­vas pre­sen­tes na acu­sa­ção, que foi en­cer­ra­do pe­lo STF (su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) na quin­ta-fei­ra (21), pa­ra di­vul­gar o discurso.

Com o en­vio da de­nún­cia, o Pa­lá­cio do Pla­nal­to co­me­çou nes­ta sex­ta-fei­ra (22) a fa­zer o ma­pa de vo­ta­ções na CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça). a me­ta es­ti­pu­la­da pe­la equi­pe po­lí­ti­ca é con­se­guir pe­lo me­nos 43 vo­tos fa­vo­rá­veis ao pe­e­me­de­bis­ta.

Nes­te do­min­go (24), o pe­e­me­de­bis­ta pro­mo­ve­rá reu­nião no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru pa­ra tra­çar a es- tra­té­gia. O pe­e­me­de­bis­ta quer con­cluir a tra­mi­ta­ção em ple­ná­rio no iní­cio da se­gun­da quin­ze­na de ou­tu­bro, pos­si­bi­li­tan­do que a re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria se­ja vo­ta­da an­tes de no­vem­bro.

LEIA a ÍNTEGRA do discurso.

_Boa tar­de a to­dos,_ A ver­da­de é va­lor es­sen­ci­al nas de­mo­cra­ci­as. É so­bre ela que se fun- dam as re­la­ções so­ci­ais e a for­ça das nos­sas ins­ti­tui­ções. Fo­ra do com­pro­mis­so com a re­a­li­da­de, nos­so destino é in­cer­to e po­de­mos ser con­du­zi­dos a trá­gi­cos de­sas­tres. A his­tó­ria es­tá re­ple­ta de exem­plos.

Só re­gi­mes de ex­ce­ção acei­ta­ram acu­sa­ções sem pro­vas, mo­vi­dos por pre­con­cei­to, ódio, ran­cor ou in­te­res­ses es­cu­sos. La­men­to di­zer que, ho­je, o

Bra­sil po­de es­tar tri­lhan­do es­te ca­mi­nho.

A úni­ca va­ci­na contra es­sa mar­cha da in­sen­sa­tez é a ver­da­de. E a ver­da­de é a úni­ca ar­ma que te­nho pa­ra me de­fen­der des­de o iní­cio des­te pro­ces­so de de­nún­ci­as e que bus­ca de­ses­ta­bi­li­zar meu go­ver­no e pa­ra­li­sar o avan­ço do Bra­sil.

Tu­do que afir­mei des­de o iní­cio dos ata­ques que ve­nho so­fren­do, po­dem con­fe­rir, se con­fir­mou. Apon­tei as re­ais in­ten­ções dos de­la­to­res; de­nun­ci­ei a ma­ni­pu­la­ção de mer­ca­do que lhes deu ga­nho de mi­lhões; cri­ti­quei o per­dão am­plo que ob­ti­ve­ram. Co­brei, ain­da, o inex­pli­cá­vel en­vol­vi­men­to de in­te­gran­tes do gabinete do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, que de­pois, cer­ta­men­te, fo­ram ga­nhar di­nhei­ro das em­pre­sas dos de­la­to­res; re­la­tei que a de­la­ção e a gra­va­ção co­me­ça­ram mui­to an­tes dos re­la­tos ofi­ci­ais. Há ain­da mui­tos fa­tos es­tra­nhos que es­pe­ram por ser ex­pli­ca­dos nes­ta es­tra­nha de­la­ção in­du­zi­da.

Lan­ça­ram contra mim ila­ções, pro­vas for­ja­das, de­nún­ci­as inep­tas pro­du­zi­das em con­lui­os com mal­fei­to­res. Mais re­cen­te­men­te, as mes­mas mãos que ten­ta­ram ti­rar o País dos tri­lhos da re­cu­pe­ra­ção e do cres­ci­men­to vol­tam à car­ga. Re­pe­tem seu pro­ce­di­men­to: va­zam pa­ra a im­pren­sa de­poi­men­tos men­ti­ro­sos, sem ba­se em fa­tos e ne­nhu­ma co­ne­xão com a ver­da­de.

Di­an­te dos ata­ques que se re­no­vam, qu­e­ro ex­pres­sar mi­nha in­dig­na­ção e ma­ni­fes­tar mi­nha pro­fun­da re­vol­ta com a le­vi­an­da­de dos que de­ve­ri­am agir com so­bri­e­da­de.

Te­nho or­gu­lho de es­tar pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pe­lo que pu­de fa­zer até ago­ra. Em re­su­mo, re­ti­rei o País da re­ces­são mais gra­ve de to­da sua his­tó­ria em pou­co mais de ano e qua­tro me­ses de go­ver­no. Fa­rei mui­to mais até ja­nei­ro de 2019. Mas tam­bém me or­gu­lho de uma lon­ga vi­da de mui­to tra­ba­lho, es­tu­do e de­di­ca­ção ao lon­go da qu­al fui ad­vo­ga­do, pro­fes­sor, pro­cu­ra­dor do Es­ta­do, Pre­si­den­te da Câmara e, ago­ra, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Qu­e­ro con­ti­nu­ar a hon­rar meu no­me, he­ran­ça lim­pa que re­ce­bi de meus pais e que dei­xa­rei lim­po pa­ra meus fi­lhos, fi­lhas, ne­tos e ne­tas.

A ver­da­de pre­va­le­ceu an­te o pri­mei­ro ata­que a meu go­ver­no e a mim. A ver­da­de, mais uma vez, triun­fa­rá. Te­nho con­vic­ção ab­so­lu­ta de que a Câmara dos De­pu­ta­dos en­cer­ra­rá es­ses úl­ti­mos epi­só­di­os de uma tris­te pá­gi­na de nos­sa his­tó­ria, em que men­ti­ras e in­ver- da­des in­du­zi­ram a mí­dia e as re­des so­ci­ais nes­tes úl­ti­mos di­as. A in­co­e­rên­cia e a fal­si­da­de fo­ram ar­mas do co­ti­di­a­no pa­ra o ex­ter­mí­nio de re­pu­ta­ções. O prin­cí­pio bá­si­co da ino­cên­cia foi sub­ver­ti­do: ago­ra to­dos são cul­pa­dos até que pro­vem o con­trá­rio. E nem pro­vas con­cre­tas bas­tam pa­ra re­por a ver­da­de. A mar­ca in­de­lé­vel da de­son­ra fi­ca­rá em mui­tos ino­cen­tes que fo­ram atin­gi­dos. Lu­to e lu­ta­rei contra qual­quer pe­cha que ten­tem me co­lo­car nes­te sen­ti­do.

Gra­ças aos áu­di­os que ten­ta­ram es­con­der, mas que vi­e­ram a pú­bli­co aci­den­tal­men­te, sa­be- se que, contra mim, ar­mou- se cons­pi­ra­ção de múl­ti­plos pro­pó­si­tos. Cons­pi­ra­ram pa­ra dei­xar im­pu­nes os mai­o­res cri­mi­no­sos con­fes­sos do Bra­sil, fi­nal­men­te pre­sos, por­que sem­pre apon­ta­mos seus inú­me­ros de­li­tos.

Qu­e­ri­am pa­rar o País, com­pro­me­ter a re­cu­pe­ra­ção dos in­ves­ti­men­tos, im­pe­dir a re­to­ma­da, ca­da vez mais for­te, dos em­pre­gos.

Te­nho con­vic­ção de que os par­la­men­ta­res sub­me­te­rão es­sa úl­ti­ma de­nún­cia aos cri­té­ri­os téc­ni­cos e le­gais, e à ver­da­de dos fa­tos. Uma aná­li­se crí­ti­ca e de­sa­pai­xo­na­da pro­va­rá os abu­sos dos que cons­pi­ra­ram contra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e o Bra­sil.

O pre­si­den­te Michel Temer em discurso no Pa­lá­cio do Pla­nal­to

Ag. bra­sil

discurso no Pa­lá­cio do Pla­nal­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.