Pau­tas de viés con­ser­va­dor avan­çam na ges­tão Te­mer

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Em 16 me­ses de ges­tão de Mi­chel Te­mer, de­man­das do em­pre­sa­ri­a­do e de se­to­res que de­fen­dem po­si­ções con­ser­va­do­ras ti­ve­ram avan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo no exe­cu­ti­vo e no Con­gres­so.

pro­pos­tas en­cam­pa­das por cam­pos opos­tos, por ou­tro la­do, não re­gis­tra­ram mo­vi­men­ta­ção ex­pres­si­va no go­ver­no ou no le­gis­la­ti­vo, que nas úl­ti­mas elei­ções as­sis­tiu a um cres­ci­men­to das ban­ca­das da ba­la (se­gu­ran­ça pú­bli­ca), evan­gé­li­ca e ru­ra­lis­ta. assim que as­su­miu, em 12 de maio de 2016, Te­mer re­ce­beu uma pau­ta de rei­vin­di­ca­ções de re­pre­sen­tan­tes do em­pre­sa­ri­a­do e dos ru­ra­lis­tas, dois seg­men­tos que apoi­a­ram o im­pe­a­ch­ment de dil­ma rous­seff (pt).

a CNI (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria) en­vi­ou um do­cu­men­to com 36 “pro­pos­tas pa­ra o Bra­sil sair da cri­se”. pe­lo mo­ni­to­ra­men­to da en­ti­da­de, 29 avan­ça­ram. Já os ru­ra­lis­tas en­ca­mi­nha­ram 17 pon­tos pri­o­ri­tá­ri­os, dos quais 13 fo­ram aten­di­dos. “o go­ver­no cor­res­pon- deu ple­na­men­te às nos­sas ex­pec­ta­ti­vas. fo­ram ações de co­ra­gem, de um go­ver­no que não es­tá pen­san­do nas elei­ções do ano que vem. acho que ele ou­sou em mui­ta coi­sa”, afir­ma o deputado fe­de­ral Mar­cos Mon­tes (psdMG), pre­si­den­te da fren­te par­la­men­tar do agro­ne­gó­cio.

“Não há dú­vi­da de que [o go­ver­no] tem ti­do mai­or ca­pa­ci­da­de de con­du­ção”, dis­se o di­re­tor de po­lí­ti­ca e es­tra­té­gia da CNI, Jo­sé au­gus­to fer­nan­des. en­tre os des­ta­ques pa­ra es­ses dois se­to­res es­tão a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, a re­gu­la­men­ta­ção da ter­cei­ri­za­ção, o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de de par­ti­ci­pa­ção da pe­tro­bras na ex­plo­ra­ção do pré-sal, o pro­gra­ma de re­fi­nan­ci­a­men­to de dé­bi­tos tri­bu­tá­ri­os das em­pre­sas, uma ge­ne­ro­sa re­ne­go­ci­a­ção de dé­bi­tos dos pro­du­to­res ru­rais, a lei de re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria e a fle­xi­bi­li­za­ção das re­gras de li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal.

há ain­da o “mar­co tem­po­ral”, uma in­ter­pre­ta­ção ju­rí­di­ca da agu (ad­vo­ca­cia Ge­ral da união) que re­ti­ra dos ín­di­os o di­rei­to de rei­vin­di­car ter­ra so­bre a qual não es­ta­vam em ou­tu­bro de 1988.

Te­mer não as­si­nou ne­nhum de­cre­to de ho­mo­lo­ga­ção, úl­ti­ma eta­pa do pro­ces­so de de­mar­ca­ção. Se­gun­do le­van­ta­men­to da or­ga­ni­za- ção não go­ver­na­men­tal ISA (Ins­ti­tu­to So­ci­o­am­bi­en­tal), “o de­sem­pe­nho de Te­mer já é con­si­de­ra­do o pi­or pa­ra os ín­di­os des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção”, em 1985, abai­xo das 21 áre­as ho­mo­lo­ga­das por dil­ma rous­seff, 87 por lula, 145 por fhc, 16 por Ita­mar fran­co, 112 por fer­nan­do Col­lor e das 67 por Jo­sé Sar­ney.

Com uma das pi­o­res ava­li­a­ções po­pu­la­res da his­tó­ria, Te­mer fez ace­nos a tra­ba­lha­do­res ao li­be­rar o sa­que de con­tas ina­ti­vas do FGTS, fun­do que tam­bém te­ve sua ren­ta­bi­li­da­de ele­va­da em 2017. em ar­ti­go, o di­re­tor de do­cu­men­ta­ção do diap (en­ti­da­de cons­ti­tuí­da por cer­ca de 900 en­ti­da­des sin­di­cais de tra­ba­lha­do­res), antô­nio au­gus­to de Queiroz, afir­mou que a atu­al ges­tão in­te­gra ar­ran­jo “em tor­no da agenda ne­o­li­be­ral”.

a ban­ca­da da ba­la tam­bém se diz sa­tis­fei­ta. al­ber­to fra­ga (dem-df), pre­si­den­te da fren­te par­la­men­tar da Se­gu­ran­ça pú­bli­ca, afir­ma que a in­ter­lo­cu­ção com o pla­nal­to “me­lho­rou 1.000%”.

Fo­lha

Mi­chel Te­mer ao la­do de po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os em ho­me­na­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.