A vi­da pa­rou na Ro­ci­nha, o sím­bo­lo ca­os no Rio

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Com no­ve anos, o pe­que­no Ga­bri­el já foi apon­ta­do du­as ve­zes por um fu­zil nes­ta se­ma­na. a úl­ti­ma, nes­ta sex­ta fei­ra, quan­do qu­a­se mil mi­li­ta­res cer­ca­ram seu bair­ro. ele, mo­ra­dor da ro­ci­nha, a mai­or favela do rio e a mais ren­tá­vel pa­ra o trá­fi­co de dro­gas, co­lo­cou as mãos pa­ra o al­to e fi­cou pe­tri­fi­ca­do. Ia pa­ra o shop­ping com a ir­mã mais no­va e sua mãe, que, de­pois de ver o fi­lho na mi­ra do fu­zil, te­ve de sen­tar com o cor­po in­tei­ro tre­men­do e as lá­gri­mas di­luin­do a ma­qui­a­gem. “eu nun­ca ti­nha vis­to na­da igual. a vi­da pa­rou. Meus fi­lhos não fo­ram pa­ra a es­co­la em uma se­ma­na, os mer­ca­dos fe­cha­ram. e quan­do tu­do is­to aca­bar vol­ta­re­mos ao mes­mo des­ca­so de sem­pre”, la­men­ta a jo­vem de 24 anos, lim­pan­do a más­ca­ra pa­ra os cí­li­os que ain­da es­cor­ria pe­la bo­che­cha.

a ro­ci­nha, on­de mo­ram ofi­ci­al­men­te 70.000 pes­so­as, vi­ve em es­ta­do de ex­ce­ção des­de o úl­ti­mo do­min­go, quan­do um ban­do de cri­mi­no­sos in­va­diu a favela em uma dis­pu­ta in­ter­na en­tre lí­de­res da fac­ção ami­gos dos ami­gos que do­mi­na o trá­fi­co de dro­gas na re­gião. Se­gun­do in­for­ma­ções di­vul­ga­das pe­la imprensa lo­cal, o tra­fi­can­te Nem da ro­ci­nha, pre­so des­de 2011 e cum­prin­do pe­na nu­ma ca­deia fe­de­ral de se­gu­ran­ça má­xi­ma, te­ria or­de­na­do a re­to­ma­da do ter­ri­tó­rio do seu su­ces­sor e ex-se­gu­ran­ça, hoje de­sa­fe­to, rogério 157. o ban­do de rogério 157 re­vi­dou e fo­ram ho­ras de con­fron­to ar­ma­do sem que as au­to­ri­da­des in­ter­vis­sem ou pre­ve­nis­sem o em­ba­te, ape­sar de te­rem re­co­nhe­ci­do que de­ti­nham in­for­ma­ções de in­te­li­gên­cia so­bre a imi­nên­cia de uma in­va­são de­vi­do ao ra­cha in­ter­no da fac­ção. en­con­tra­ram-se qua­tro mor­tos, dois de­les car­bo­ni­za­dos.

a po­lí­cia Mi­li­tar co­me­çou su­as ope­ra­ções na se­gun­da e, des­de en­tão, re­pe­tem-se os ti­ro­tei­os en­tre agen­tes e tra­fi­can­tes, o comércio de al­gu­mas áre­as fe­chou, o trans­por­te de ôni­bus foi in­ter­rom­pi­do, as vi­as de aces­so fo­ram vá­ri­as ve­zes in­ter­di­ta­das e mui­tos mo­ra­do­res es­tão em pâ­ni­co. “eu só que­ro paz, não me im­por­ta quem ga­nhe ou per­ca es­ta batalha”, di­zia uma em­pre­ga­da do­més­ti­ca, ido­sa e ofe­gan­te ao ter que su­bir a pé até sua ca­sa, no al­to do mor­ro, an­te a au­sên­cia de vans. Nes­ta sex­ta-fei­ra, cin­co di­as de­pois do iní­ci­os dos con­fron­tos, o exér­ci­to foi cha­ma­do e 950 mi­li­ta­res, que sur­pre­en­di­am pe­la sua ju­ven­tu­de, cer­ca­ram a co­mu­ni­da­de. os mo­ra­do­res, no meio da es­pe­ta­cu­lar ope­ra­ção, eram te­les­pec­ta­do­res atô­ni­tos da sua pró­pria tra­gé­dia re­trans­mi­ti­da ao vi­vo nas TVS ace­sas das bar­be­a­ri­as, bo­te­quins e pon­tos de mo­to­ta­xis­tas. as úl­ti­mas in­for­ma­ções da cú­pu­la da Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça pú­bli­ca do rio apon­tam que a in­va­são su­pos­ta­men­te or­de­na­da por Nem foi frus­tra­da e que rogério 157 re­sis­te –“acu­a­do”– no in­te­ri­or da ma­ta da flo­res­ta da Ti­ju­ca que cir­cun­da a favela.

Cen­tro das aten­ções nes­ses di­as de rock in rio, vi­zi­nha dos bairros mais ri­cos da ci­da­de, a ro­ci­nha re­vi­ve as man­che­tes que a tor­na­ram um sím­bo­lo po­lí­ti­co da pa­ci­fi­ca­ção em 2011. Tam­bém com o apoio dos mi­li­ta­res, a co­mu­ni­da­de foi ocu­pa­da pe­la po­lí­cia e ven­di­da pa­ra o mun­do co­mo o exem­plo exi­to­so do pro­gra­ma das uni­da­des da po­lí­cia pa­ci­fi­ca­do­ra (upp), hoje em pro­ces­so de en­xu­ga­men­to, e im­pul­sa­do pe­lo ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral, cu­ja

úl­ti­ma sen­ten­ça por cor­rup­ção so­ma 45 anos.

dois anos de­pois e ape­sar da pi­ro­tec­nia po­lí­ti­ca, a ro­ci­nha tam­bém vi­rou sím­bo­lo das falhas do pro­gra­ma, com a tor­tu­ra, as­sas­si­na­to e des­pa­re­ci­men­to do aju­dan­te de pe­drei­ro ama­ril­do em mãos de po­li­ci­ais da upp da co­mu­ni­da­de. a ex­pul­são do trá­fi­co, ain­da co­man­da­do por Nem da pri­são, tam­bém es­te­ve sem­pre em ques­tão até o pon­to de os po­li­ci­ais te­rem de­li­mi­ta­das e acor­da­das su­as áre­as de atu­a­ção pe­los cri­mi­no­sos. Se­gun­do re­por­ta­gem pu­bli­ca­da no fi­nal de agos­to pe­lo o Glo­bo, os po­li­ci­ais que atu­am na ro­ci­nha são im­pe­di­dos de en­trar até em be­cos e vi­e­las e o aces­so de­les é res­tri­to às vi­as prin­ci­pais.

en­quan­to as au­to­ri­da­des es­trei­tam o cerco aos cri­mi­no­sos, um bom nú­me­ro de­les es­con­di­dos na ma­ta ou ten­tan­do fu­gir de­la, os mo­ra­do­res per­gun­tam-se so­bre o de­pois. Num sa­lão de uma das ru­as prin­ci­pais da co­mu­ni­da­de, com a TV a to­do vo­lu­me pas­san­do ima­gens do seu bair­ro cer­ca­do, um ca­be­lei­rei­ro via em to­da aque­la mo­vi­men­ta­ção ape­nas uma en­ce­na­ção. “e de­pois o quê? aqui sem­pre vai ter um co­man­do. Se não for um, vai ser ou­tro. Quan­do a po­lí­cia for em­bo­ra vol­ta tu­do ao nor­mal”. Na de­le­ga­cia, na fren­te da favela, a mes­ma ques­tão era lan­ça­da pa­ra o de­le­ga­do ricardo li­ma. o que vai acon­te­cer se as au­to­ri­da­des atin­gi­rem seu ob­je­ti­vo de cap­tu­rar rogério 157, uma vez que o ban­do de Nem fra­cas­sou na in­va­são e não es­ta­ria mais na favela? “Vo­cê po­de­ria me fa­zer per­gun­tas mais fá­ceis”, dis­se ele an­tes de vi­rar as cos­tas.

OU­TRAS FA­VE­LAS

ro­ci­nha é pro­ta­go­nis­ta da co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca des­sa se­ma­na e um dos as­sun­tos mais co­men­ta­dos nas re­des. Seu ta­ma­nho, seu aces­so pe­la au­to­es­tra­da la­goa-bar­ra que une a zo­na sul à zo­na oes­te, mas so­bre tu­do sua pro­xi­mi­da­de dos no­bres bairros de São Con­ra­do e le­blon e ser par­te da rota pa­ra o rock in rio a tor­na­ram al­vo de mai­or preocupação das au­to­ri­da­des e tam­bém da imprensa.

en­quan­to a mai­or favela do rio ocu­pa man­che­tes pe­la violência e tem trans­mis­sões ao vi­vo e re­pór­te­res in­ter­na­ci­o­nais em cam­po, ou­tras co­mu­ni­da­des mais afas­ta­das das zonas ri­cas da ci­da­de so­frem o ter­ror em si­lên­cio. No mes­mo fi­nal de se­ma­na em que co­me­ça­ram os ti­ro­tei­os na ro­ci­nha, o mor­ro do Ju­ra­men­to, na zo­na nor­te, foi ce­ná­rio de um con­fron­to ar­ma­do en­tre fac­ções que dei­xou pe­lo me­nos se­te mor­tos, al­guns de­les tam­bém car­bo­ni­za­dos. du­ran­te os ti­ro­tei­os uma ido­sa fi­cou fe­ri­da e uma ba­la acer­tou e es­ti­lha­çou um vi­dro de uma com­po­si­ção do me­trô.

Na sex­ta-fei­ra, pou­co an­tes de o exér­ci­to cer­car a ro­ci­nha, ha­via re­gis­tro de ti­ro­tei­os em, pe­lo me­nos, 11 co­mu­ni­da­des. en­tre elas o Com­ple­xo do alemão, na zo­na nor­te, sub­me­ti­do a cons­tan­tes en­fren­ta­men­tos en­tre po­li­ci­ais e tra­fi­can­tes, mas mui­to me­nos pre­sen­te no no­ti­ciá­rio. No alemão, um jo­vem de 18 anos, foi ba­le­a­do na co­xa di­rei­ta en­quan­to es­ta­va no pá­tio do Cen­tro de aten­ção In­te­gral à Cri­an­ça. Tam­bém na sex­ta, uma ado­les­cen­te de 16 anos que ia pa­ra a es­co­la foi atin­gi­da no pei­to por es­ti­lha­ços de ba­la no Com­ple­xo da Ma­ré, co­mu­ni­da­de da zo­na nor­te on­de os tra­fi­can­tes ca­mi­nham e bri­gam à von­ta­de com ar­mas de guer­ra a ti­ra­co­lo.

Mu­lher des­li­za en­tre sol­da­dos pa­ra ul­tra­pas­sar uma bar­rei­ra ar­ma­da em um be­co da Ro­ci­nha.

Ag. Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.