Ex-gay e ex-ex-gay di­ver­gem so­bre cu­ra pa­ra ho­mos­se­xu­a­li­da­de

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Clau­de­mi­ro so­a­res, 43, se diz “ex-gay”. ser­gio Viu­la, 48, “exex-gay”. O pri­mei­ro é evan­gé­li­co. O se­gun­do, “ex-cren­te”. Em al­gum pon­to da vi­da, os dois bus­ca­ram a “cu­ra gay”, na igre­ja e no di­vã.

am­bos se con­si­de­ram um “ca­se” de su­ces­so. Clau­de­mi­ro, por ter se li­vra­do do “demô­nio” do “ho­mos­se­xu­a­lis­mo”. ser­gio, por con­cluir que re­ne­gar sua na­tu­re­za era uma ba­bo­sei­ra que na­da ti­nha a ver com Deus. se o des­fe­cho di­ver­ge, o pon­to de par­ti­da é o mes­mo: uma in­fân­cia ator­men­ta­da pe­lo bullying –em ca­sa, na es­co­la, nas ru­as. Eram, na pa­la­vra dos pró­pri­os, cri­an­ças “afe­mi­na­das”.

au­tor de “Ho­mos­se­xu­a­li­da­de Mas­cu­li­na: Es­co­lha ou Des­ti­no?” (2008), Clau­de­mi­ro se diz “in­fer­ni­za­do pe­la mi­li­tân­cia lgbt”. Mes­tre em saú­de pe­la Fi­o­cruz, ele dis­cur­sou co­mo es­pe­ci­a­lis­ta nu­ma au­di­ên­cia ju­di­ci­al que ter­mi­nou com vi­tó­ria pa­ra psi­có­lo­gos cris­tãos fa­vo­rá­veis ao aten­di­men­to de pa­ci­en­tes que de­se­jem “re­o­ri­en­ta­ção se­xu­al”.

Há no­ve di­as, uma de­ci­são do juiz Wal­de­mar Cláu­dio de Car­va­lho, da 14ª Va­ra Fe­de­ral do Dis­tri­to Fe­de­ral, re­a­cen­deu a po­lê­mi­ca. Ele con­ce­deu uma li­mi­nar que sus­pen­de par­te de uma re­so­lu­ção do CFP (Con­se­lho Fe­de­ral de Psi­co­lo­gia) con­trá­ria à prá­ti­ca –a au­tar­quia re­cor­reu.

Por trás da cau­sa es­tão psi­có­lo­gos co­mo Ma­ri­sa lo­bo, que já se de­fi­niu co­mo “co­a­ch” do de­pu­ta­do Mar­co Fe­li­ci­a­no (PSC-SP), e ro­zân­ge­la Jus­ti­no, pu­ni­da pe­lo con­se­lho em 2009 por tra­tar ho­mos­se­xu­a­li­da­de co­mo dis­túr­bio. Tam­bém as­ses­so­ra do de­pu­ta­do sós­te­nes Ca­val­can­te (DEM-RJ), li­ga­do ao pas­tor si­las Ma­la­faia, ro­zân­ge­la evo­ca sua fé nas re­des so­ci­ais ao re­a­gir a no­tí­ci­as co­mo “se­xo oral aju­da a es­pa­lhar a su­per­bac­té­ria da go­nor­reia” (“Deus fez tu­do per­fei­to, to­da vez que o ho­mem per­ver­te se dá mal!”).

a ação acu­sa o ór­gão de pra­ti­car “ato de cen­su­ra” ao im­pe­dir “psi­có­lo­gos de de­sen­vol­ver es­tu­dos, aten­di­men­tos e pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas”. O juiz fri­sou que ser gay é “uma va­ri­a­ção na­tu­ral da se­xu­a­li­da­de hu­ma­na”, e não “con­di­ção pa­to­ló­gi­ca”, ró­tu­lo des­car­ta­do em 1990 pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da saú­de. Di­to is­so, de­ter­mi­nou que o CFP não ve­te es­tu­dos ou aten­di­men­tos, “de for­ma re­ser­va­da, per­ti­nen­tes à (re) ori­en­ta­ção se­xu­al, ga­ran­tin­do a ple­na li­ber­da­de ci­en­tí­fi­ca”.

JEI­TO afe­mi­na­do

Pa­ra Clau­de­mi­ro, uma vi­tó­ria. Em 2015, no púl­pi­to de uma igre­ja, ele dis­se que orou pa­ra que Deus “mu­das­se” seu “jei­to afe­mi­na­do”. “Co­mo vo­cês po­dem ver, Ele fez um bom tra­ba­lho. ale­luia!”, bra­da no ví­deo do tes­te­mu­nho, que so­bre­põe à ima­gem do ora­dor o link www.oex­gay.com.

À Fo­lha ele con­ta que, após se con­ver­ter evan­gé­li­co, bus­cou au­xí­lio de um psi­có­lo­go que lhe apli­cou a EMDR (si­gla em in­glês pa­ra “re­pro­ces­sa­men­to e des­sen­si­bi­li­za­ção pe­lo mo­vi­men­to ocu­lar”). Usa­da con­tra es­tres­ses pós-trau­má­ti­cos, a te­ra­pia pro­me­te re­e­du­car o cé­re­bro a “di­ge­rir” per­tur­ba- ções pas­sa­das. Clau­de­mi­ro afir­ma que tam­bém pra­ti­cou a “au­to-hip­no­se”. Ne­la, re­pe­te pa­ra si: “sou ho­mem, sou sa­tis­fei­to com mi­nha mas­cu­li­ni­da­de”.

Ele atri­bui seu “su­pe­ra­do” in­te­res­se por ho­mens a vá­ri­os mo­ti­vos. so­freu “abu­so ho­mos­se­xu­al” aos 8 anos, al­vo de um jo­vem de “uns 19”.

Tam­bém so­fria com a re­jei­ção pa­ter­na, por ser o úni­co “bran­qui­nho” dos 12 fi­lhos. Diz que, sem re-

fe­rên­cia mas­cu­li­na, co­me­çou a ad­qui­rir “tre­jei­tos”. Os ir­mãos in­si­nu­a­vam que ele era fi­lho bas­tar­do e o cha­ma­vam de “ma­ri­qui­nha” por não dar bo­la pa­ra fu­te­bol. aca­bou vi­ran­do mes­mo, diz. “É uma pro­fe- cia que se au­tor­re­a­li­za.”

Um trau­ma in­fan­til: o pin­tor que re­tra­tou a fa­mí­lia co­mo pai, mãe, se­te fi­lhos e cin­co fi­lhas. Eram, na ver­da­de, oi­to me­ni­nos –só que ele foi com­pu­ta­do na ala fe­mi­ni­na. O pai riu. ah, se fos­se com um fi­lho de Clau­de­mi­ro. Ele bre­ca o dis­cur­so. “Não con­vém a um cren­te fa­zer o que eu gos­ta­ria com aque­le pin­tor.”

Ou­tro: a ir­mã que lhe per­gun­tou quem era o mais bo­ni­to dos Me­nu­dos. “Eu já sa­bia que ho­mem não po­de achar ho­mem bo­ni­to.”

Ele era bom­bei­ro quan­do en­ga­tou re­la­ções “com um sar­gen­to da PM, um mé­di­co, um pro­fes­sor, um as­ses­sor de mi­nis­tro de tri­bu­nal...”. ade­riu a dro­gas e ba­la­das. Já acor­dou em­pa­pa­do de san­gue sem sa­ber por quê. Um ami­go es­cla­re­ceu: Clau­de­mi­ro “le­vou um mur­ro” após pas­sar a mão “nas ná­de­gas de um ra­paz”.

Cer­ta vez, fez lim­pe­za de pe­le e es­tra­nhou a es­te­ti­cis­ta, que “mar­cha­va”. Ela, evan­gé­li­ca ex-mãe de san­to, jus­ti­fi­cou: es­ta­va a “re­pre­en­der o ma­lig­no”. Ele, que to­ma­va o meio “cren­te” por “pe­que­nas igre­jas, gran­des ne­gó­ci­os”, deu chan­ce à re­li­gião e diz ter en­con­tra­do paz de es­pí­ri­to.

Ho­je pas­tor e pai de dois fi­lhos, usa uma pas­sa­gem bí­bli­ca (1 Co­rín­ti­os 6:10) pa­ra ali­ar ho­mos­se­xu­a­li­da­de a pe­ca­do: “Não er­reis: nem os de­vas­sos, nem os idó­la­tras, nem os adúl­te­ros, nem os efe­mi­na­dos, nem os so­do­mi­tas, nem os la­drões, nem os ava­ren­tos, nem os bê­ba­dos, nem os mal­di­zen­tes, nem os rou­ba­do­res her­da­rão o rei­no de Deus”.

Bir­ra de deus

ser­gio pe­gou bir­ra de Deus. se­ria Ele “sá­di­co”, por ser o to­do-po­de­ro­so e não lhe dar o dom de pa­rar de gos­tar de ho­mens? “Tam­bém po­dia ser que Ele nem es­ti­ves­se lá.” a dú­vi­da sur­giu nos anos em que ten­tou dei­xar de ser gay. an­tes de sair do ar­má­rio, ele foi ca­sa­do por 14 anos com uma mu­lher que lhe deu dois fi­lhos. Quan­do me­ni­no, era ator­men­ta­do na es­co­la, on­de lhe ape­li­da­ram de Ca­pi­tão gay, Ney Ma­to­gros­so e boi­o­la. “Nes­sa fa­se os ga­ro­tos são mui­to ma­chis­tas. Não sa­bem nem o que fa­zer com pin­to di­rei­to, mas já fa­lam co­mo se fos­sem gran­des ho­mens.” E ele era “di­fe­ren­te”. “as me­ni­nas eram óti­mas ami­gas pa­ra mim, mas eram os me­ni­nos que me in­te­res­sa­vam.”

aos 12, te­ve o pri­mei­ro na­mo­ra­di­nho. En­cer­rou a re­la­ção quan­do o par­cei­ro con­tou so­bre eles pa­ra um ami­go em co­mum. ser­gio te­mia que a mãe des­co­bris­se. “O fan­tas­ma da ho­mo­fo­bia do­més­ti­ca es­ta­va sem­pre atrás de mim.”

Cres­ceu, vi­rou evan­gé­li­co e, fei­to pas­tor, li­de­rou o Mo­vi­men­to pe­la se­xu­a­li­da­de sa­dia. De­pois, já de­si­lu­di­do com a igre­ja, cons­ta­tou que só co­nhe­ceu um ho­mos­se­xu­al “cu­ra­do”, e ele ti­nha uma ga­ve­ta “cheia de an­ti­de­pres­si­vos.” ser­gio re­cor­reu a mais de um “psi­có­lo­go cris­tão” pa­ra dei­xar de gos­tar de ho­mens. Um “fez um tra­ba­lho meio hip­nó­ti­co”, in­du­zin­do-o a re­me­mo­rar o na­mo­ro da ju­ven­tu­de.”ele ten­tou fa­zer uma des­cons­tru­ção pa­ra que, mes­mo que eu lem­bras­se [do ex], não fos­se ga­ti­lho pa­ra de­se­jo. bes­tei­ra. Não foi [uma re­la­ção] vi­o­len­ta, im­pos­ta. Não in­ven­ta­mos, o de­se­jo es­ta­va lá.”

E não foi em­bo­ra. “Na hip­no­se, me en­tre­guei àque­la coi­sa de fi­car dei­ta­do, olho fe­cha­do. Quan­do aca­bou, pen­sei: to­ma­ra que fun­ci­o­ne. Mas es­ti­mu­lou. lem­brei de uma sé­rie de de­ta­lhes que tal­vez nem ti­ves­se pen­sa­do so­zi­nho.”

La­ran­ja Me­câ­ni­ca

Nos EUA dos anos 60, uma te­ra­pia “pró-he­te­ros­se­xu­a­li­da­de” re­me­tia à ce­na de “la­ran­ja Me­câ­ni­ca” em que o pro­ta­go­nis­ta le­va cho­ques e to­ma dro­gas que o fa­zem vo­mi­tar en­quan­to as­sis­te a ima­gens agres­si­vas. Me­ta: as­so­ci­ar vi­o­lên­cia (que o se­du­zia) a uma sen­sa­ção ruim. Fo­ra da fic­ção, os gays vi­am nus mas­cu­li­nos.

Ho­mo e evan­gé­li­co, ar­tur Vi­ei­ra, 33, te­ve sor­te no di­vã. “lem­bro de o psi­có­lo­go fa­lar: vá ser fe­liz”, diz o apre­sen­ta­dor de “De Vol­ta ao rei­no” (re­de bra­sil). Ele re­jei­ta a ideia de que abu­sos na in­fân­cia es­ti­mu­lam a ho­mos­se­xu­a­li­da­de. “Nun­ca vi­vi um.”

ar­re­pia-se ao lem­brar do dra­ma de um jo­vem nor­des­ti­no que o pro­cu­rou: des­gos­to­so com a ori­en­ta­ção se­xu­al do ra­paz, o pai diz à es­po­sa que o le­va pa­ra jo­gar bo­la, “mas o obri­ga a tran­sar com uma mo­ça”. se a ere­ção não vem, é for­ça­do a to­mar Vi­a­gra. O pai tam­bém apli­ca hormô­ni­os mas­cu­li­nos ne­le. “a gen­te pre­ci­sa é de uma cap­su­la­zi­nha con­tra o pre­con­cei­to”, afir­ma ar­tur.

‘Ex-ex-gay’, Ser­gio Viu­la, 48, era pas­tor e de­sis­tiu de ten­tar ab­ban­do­nar seu de­se­jo por ho­mens

FO­LHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.