Temer re­vo­ga de­cre­to que ame­a­ça Amazô­nia

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Opre­si­den­te Michel Temer bem que ten­tou abrir a re­ser­va Na­ci­o­nal de Co­bre e as­so­ci­a­dos (ren­ca), na flo­res­ta amazô­ni­ca, pa­ra a ex­plo­ra­ção das mi­ne­ra­do­ras a to­que de cai­xa. Mas, a re­a­ção de am­bi­en­ta­lis­tas e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal foi tão gran­de que ele pre­ci­sou vol­tar atrás, pe­lo me­nos por en­quan­to. Nes­ta se­gun­da, o go­ver­no anun­ci­ou a ex­tin­ção to­tal do de­cre­to que pre­via a aber­tu­ra da ren­ca, si­tu­a­da en­tre os Es­ta­dos do Pa­rá e ama­pá, pa­ra a en­tra­da de em­pre­sas de mi­ne­ra­ção que co­bi­ça­vam ou­ro, co­bre e ou­tros te­sou­ros na re­gião, que al­can­ça o ta­ma­nho da Di­na­mar­ca. a de­ci­são de­ve ser pu­bli­ca­da ama­nhã no Diá­rio Ofi­ci­al, co­mo apu­rou o re­pór­ter afon­so be­ni­tes, em bra­sí­lia.

ape­sar do re­cuo, nos bas­ti­do­res já se sa­be que o go­ver­no não des­car­ta vol­tar a de­ba­ter o fim da re­ser­va no fu­tu­ro. Foi as­sim com a re­ser­va Ja­man­xim, no Pa­rá, que se­ria ex­tin­ta, mas a de­ci­são foi abor­ta­da di­an­te da pres­são ge­ral, in­cluin­do a mar­ca­ção cer­ra­da da mo­de­lo gi­se­le bünd­chen, for­te ati­vis­ta am­bi­en­tal. Um no­vo pro­je­to aca­bou vol­tan­do pa­ra a Câmara, ago­ra com pro­pos­tas de cor­tes ain­da mai­o­res pa­ra a Ja­man­xim.

Nes­te mo­men­to, con­tu­do, Temer de­ci­diu ce­der à pres­são pe­lo fim do de­cre­to da ren­ca. O de­cre­to já ha­via si­do sus­pen­so por 120 di­as no dia pri­mei­ro de se­tem­bro, após o al­vo­ro­ço cri­a­do pe­la me­di­da anun­ci­a­da, ini­ci­al­men­te, no dia 23 de agos­to. ape­sar do no­me, a ren­ca con­tem­pla no­ve re­ser­vas am­bi­en­tais e in­dí­ge­nas, que se­ri­am im­pac­ta­das ca­so o go­ver­no li­be­ras­se a área pa­ra a en­tra­da de em­pre­sas pri­va­das. a gri­ta foi tão gran­de, in­cluin­do dos po­vos in­dí­ge­nas que ali re­si­dem, co­mo os Wa­jã­pi, que o go­ver­no che­gou a re­e­di­tar o de­cre­to com ga­ran­ti­as de que es­sas re­giões se­ri­am pre­ser­va­das. Mas de na­da adi­an­tou. Des­de que o de­cre­to foi sus­pen­so, o go­ver­no ha­via pro­me­ti­do au­di­ên­ci­as pú­bli­cas pa­ra ga­ran­tir a par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de nas de­ci­sões que as­se­gu­ras­sem a pre­ser­va­ção das áre­as pro­te­gi­das. só hou­ve tem­po pa­ra uma au­di­ên­cia na Câmara. Uma Co­mis­são Par­la­men­tar Mis­ta de inqué­ri­to (CPMI) che­gou a ser cri­a­da na se­ma­na pas­sa­da pa­ra de­ba­ter o as­sun­to.

até o rock in rio jo­gou contra as am­bi­ções do go­ver­no. Di­ver­sos ar­tis­tas se ma­ni­fes­ta­ram contra a ex­tin­ção da ren­ca. a can­to­ra ali­ce Keys che­gou a le­var uma li­de­ran­ça in­dí­ge­na, sô­nia gua­ja­ja­ra, pa­ra pro­tes­tar no pal­co, pres­si­o­nan­do se­na­do­res a tra­ba­lhar pe­la re­vo­ga­ção do de­cre­to de Temer. “Exis­te uma guer­ra contra a amazô­nia. O go­ver­no quer co­lo­car à ven­da uma área gran­de de re­ser­va mi­ne­ral. se­na­do­res, vo­cês têm a chan­ce de evi­tar is­so na vo­ta­ção que vai ha­ver [um de­cre­to pe­la ex­tin- ção, de au­to­ria do se­na­dor ran­dol­fo ro­dri­gues (REDEap) se­ria vo­ta­do, mas foi adi­a­do]. E nós es­ta­re­mos de olho. Não exis­te pla­no b.” até gi­se­le bünd­chen mar­cou pre­sen­ça pa­ra fa­lar da pro­te­ção da amazô- nia na aber­tu­ra do fes­ti­val. Emo­ci­o­nou-se ao fa­lar do as­sun­to, dan­do mais for­ça à men­sa­gem am­bi­en­ta­lis­ta.

Fo­ra do bra­sil, po­rém, eu­ro­peus já se mo­vi­men­ta­vam pre­o­cu­pa­dos com os des­ti­nos da ren­ca. a União Eu­ro­peia já es­tu­da­va uma co­bran­ça ao go­ver­no bra­si­lei­ro ques­ti­o­nan­do as de­ci­sões to­ma­das em prol da mi­ne­ra­ção que atin­gi­am com­pro­mis­sos as­su­mi­dos pe­lo bra­sil so­bre pre­ser­va­ção am­bi­en­tal.

“Nin­guém Nun­ca re­cla­mou”

Nu­ma en­tre­vis­ta co­le­ti­va com a im­pren­sa es­tran­gei­ra há du­as se­ma­nas, o mi­nis­tro das Mi­nas e Ener­gia, Fer­nan­do Co­e­lho Fi­lho, che­gou a di­zer que o go­ver­no ti­nha ci­ên­cia de pe­lo me­nos 3.000 ga­rim­pei­ros ile­gais tra­ba­lhan­do na área da ren­ca, além de pis­tas de pou­so. “Nin­guém nun­ca re­cla­mou, nin­guém nun­ca as­su­miu uma in­dig­na­ção com es­se qua­dro”, afir­mou na oca­sião. O ga­rim­po ile­gal, no en­tan­to, foi de­nun­ci­a­do di­ver­sas ve­zes por Ongs e en­ti­da­des que atu­am na re­gião, mas a fis­ca­li­za­ção pa­ra coi­bir a ati­vi­da­de nun­ca foi fei­ta. O pre­si­den­te Michel Temer che­gou a sus­ten­tar que a aber­tu­ra da ren­ca ao se­tor pri­va­do ten­ta­va le­ga­li­zar o que já acon­te­ce de ma­nei­ra clan­des­ti­na. “O que há é uma re­gu­la­ri­za­ção da ex­plo­ra­ção que se faz na­que­la re­gião. Na­da mais do que is­so. É de uma sin­ge­le­za ím­par”, che­gou a di­zer Temer, quan­do ques­ti­o­na­do so­bre a ren­ca. Ni­lo D’ávi­la, co­or­de­na­dor de cam­pa­nhas do mo­vi­men­to gre­en­pe­a­ce, en­ten­de que ga­rim­po é im­pos­sí­vel de ser le­ga­li­za­do. “Eles es­tão ali ti­ran­do uma ri­que­za na­ci­o­nal pa­ra uso pró­prio, sem ne­nhu­ma au­to­ri­za­ção. Co­mo se po­de le­ga­li­zar al­go sem cal­cu­lar o im­pac­to que é cau­sa­do e sem sa­ber em quais con­di­ções, nem co­mo se po­de re­cu­pe­rar o que for des­ma­ta­do”, ques­ti­o­na.

se­gun­do o De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de Pro­du­ção Mi­ne­ral (DNPM), do Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gi­as, ape­nas 25% dos 46.450 quilô­me­tros qua­dra­dos da ren­ca po­de ser, por lei, ex­plo­ra­da – a pro­je­ção não con­fe­re com os da­dos do ins­ti­tu­to ima­zon, que es­ti­ma em ape­nas 10,5% dis­po­ní­veis pa­ra a ex­plo­ra­ção. Na área res­tan­te, on­de es­tão as uni­da­des de con­ser­va­ção além das du­as re­ser­vas in­dí­ge­nas, fi­ca­ria ve­da­da qual­quer ti­po de ex­plo­ra­ção. Mas, es­sa pro­pos­ta é in­com­pa­tí­vel com o pro­je­to de con­ser­va­ção, ava­lia Michel de sou­za, co­or­de­na­dor de Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas do Wwf-bra­sil. “se abrir a ren­ca, ha­ve­rá des­ma­ta­men­to ine­vi­ta­vel­men­te, mes­mo que se si­gam as me­lho­res re­gras mun­di­ais de ex­plo­ra­ção mi­ne­ral. Co­mo vo­cê vai es­co­ar? Co­mo abrir ro­do­vi­as, le­var má­qui­nas pe­sa­das pa­ra a flo­res­ta, equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a ex­tra­ção de mi­né­ri­os?”, per­gun­ta ele.

Uma re­por­ta­gem do jor­nal O glo­bo des­ta se­gun­da re­ve­la que, ape­sar de as­se­gu­rar que as áre­as pro­te­gi­das não se­ri­am al­can­ça­das pe­la mi­ne­ra­ção, o go­ver­no sa­bia de an­te­mão que pa­ra li­be­rar a ex­plo­ra­ção te­ria de me­xer na le­gis­la­ção am­bi­en­tal. De ou­tra for­ma, não se­ria pos­sí­vel en­tre­gar o que se pro­me­te pa­ra as em­pre­sas in­te­res­sa­das na mi­ne­ra­ção nes­se tre­cho da flo­res­ta amazô­ni­ca.

re­ser­va da di­ta­du­ra

a ren­ca foi cri­a­da em 1984, no fi­nal da di­ta­du­ra mi­li­tar, e pre­via que so­men­te a Com­pa­nhia de Pes­qui­sa de re­cur­sos Mi­ne­rais (CPRM), uma em­pre­sa pú­bli­ca per­ten­cen­te ao Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia, po­dia fa­zer pes­qui­sa ge­o­ló­gi­ca pa­ra ava­li­ar as ocor­rên­ci­as de mi­né­ri­os na área. Na prá­ti­ca, pou­co se pes­qui­sou pa­ra dar vi­a­bi­li­da­de co­mer­ci­al a es­se tre­cho. Em con­tra­par­ti­da, avan­ça­ram as áre­as pro­te­gi­das ali. Ca­so das ter­ras Wa­jã­pi, de­mar­ca­das em 1996. Me­ta­de do ter­ri­tó­rio ha­bi­ta­do por es­te po­vo in­dí­ge­na es­tá den­tro da ren­ca.

Nas re­des so­ci­ais, o se­na­dor ran­dol­fe ro­dri­gues ce­le­brou o fim do de­cre­to. “Qu­e­ro agra­de­cer a imen­sa so­li­da­ri­e­da­de de ar­tis­tas, de in­te­lec­tu­ais, da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nais e de to­dos que se mo­bi­li­za­ram em de­fe­sa da amazô­nia e do bra­sil”, dis­se ele. ape­sar da ce­le­bra­ção, é fa­to que o go­ver­no tra­ba­lha a fa­vor de um for­te po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vo à mi­ne­ra­ção no país, que vai co­bran­do es­pa­ço ca­da vez mai­or nes­te go­ver­no. No fim de ju­lho, o pre­si­den­te Temer já ha­via anun­ci­a­do me­di­das que fa­vo­re­cem o se­tor de mi­ne­ra­ção. En­tre elas, es­tão a cri­a­ção de uma agên­cia re­gu­la­do­ra e al­te­ra­ções no va­lor das alí­quo­tas da Com­pen­sa­ção Fi­nan­cei­ra pe­la Ex­plo­ra­ção Mi­ne­ral (Cfem), o royalty co­bra­do das em­pre­sas que atu­am no se­tor. a ex­pec­ta­ti­va é que a me­di­da ele­ve a ar­re­ca­da­ção com royal­ti­es em 80% e tam­bém a par­ti­ci­pa­ção da mi­ne­ra­ção no Pro­du­to in­ter­no bru­to (Pib) dos atu­ais 4% pa­ra 6%.

Com uma po­pu­la­ri­da­de em bai­xa e a an­si­e­da­de de ver a eco­no­mia ga­nhar im­pul­so, é cer­to que o as­sun­to de­ve vol­tar à bai­la em bre­ve, ape­sar do ba­ru­lho de am­bi­en­ta­lis­tas e até das lá­gri­mas de gi­se­le.

Área des­ma­ta­da pe­lo ga­rim­po den­tro da Ren­ca

GRE­EN­PE­A­CE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.