Stf De­ci­de que ES­CO­LA PÚ­BLI­CA PO­DE PRO­MO­VER Cren­ça es­pe­cí­fi­ca em au­la De re­li­gião

Brasil em Folhas - - Front Page -

Osu­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral de­ter­mi­nou, nes­ta quar­ta-fei­ra, que um Es­ta­do lai­co co­mo o bra­sil é com­pa­tí­vel com um en­si­no re­li­gi­o­so con­fes­si­o­nal, vin­cu­la­do a uma ou vá­ri­as re­li­giões es­pe­cí­fi­cas, nas es­co­las pú­bli­cas. O STF, por 6 vo­tos a 5, con­tra­ria as­sim a ação Di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da Pro­cu­ra­do­ria ge­ral da re­pú­bli­ca, que co­bra­va que o en­si­no pú­bli­co re­li­gi­o­so fos­se sem­pre de na­tu­re­za não con­fes­si­o­nal e fa­cul­ta­ti­vo, sem pre­do­mí­nio de ne­nhu­ma re­li­gião, co­mo já es­ta­be­le­ce a Cons­ti­tui­ção. Es­se mo­de­lo, se­gun­do a ação, “con­sis­te na ex­po­si­ção das dou­tri­nas, das prá­ti­cas, da his­tó­ria e de di­men­sões so­ci­ais das di­fe­ren­tes re­li­giões – bem co­mo de po­si­ções não-re­li­gi­o­sas, co­mo o ateís­mo e o ag­nos­ti­cis­mo, sem qual­quer to­ma­da de par­ti­do por par­te dos edu­ca­do­res”. a Pgr tam­bém pre­ga­va na sua ação pe­la proi­bi­ção da ad­mis­são de pro­fes­so­res que atu­em co­mo re­pre­sen­tan­tes de con­fis­sões re­li­gi­o­sas.

Mas a mai­o­ria dos mi­nis­tros do su­pre­mo con­si­de­rou que há co­mo pre­gar a re­li­gi­o­si­da­de e cren­ças es­pe­cí­fi­cas em es­co­las pú­bli­cas sem vi­o­lar a lai­ci­da­de do Es­ta­do. “Não con­si­go vis­lum­brar nas nor­mas au­to­ri­za­ção pa­ra o pro­se­li­tis­mo ou ca­te­quis­mo. Não ve­jo nos pre­cei­tos proi­bi­ção que se pos­sa ofe­re­cer en­si­no re­li­gi­o­so com con- teú­do es­pe­ci­fi­co sen­do fa­cul­ta­ti­vo”, de­fen­deu a mi­nis­tra Cár­men lú­cia, que de­sem­pa­tou a vo­ta­ção.

O jul­ga­men­to, que de­cor­reu em cin­co ses­sões, re­ve­lou co­mo a fé e o pa­pel dos cre­dos nos es­pa­ços pú­bli­cos con­ti­nu­am sen­do um de­sa­fio num país com vas­ta di­ver­si­da­de re­li­gi­o­sa –cal­cu­la-se que há cer­ca de 140 con­fis­sões –, mas de­cla­ra­da­men­te lai­co. O pró­prio ple­ná­rio do su­pre­mo, as­sim co­mo o da Câ­ma­ra, es­tá vigiado por um cru­ci­fi­xo na pa­re­de. O mi­nis­tro gil­mar Men­des, de­fen­sor de que o en­si­no con­fes­si­o­nal não é proi­bi­do pe­la Cons­ti­tui­ção por ser fa­cul­ta­ti­vo, che­gou até a iro­ni­zar a ques­tão. “aqui me ocor­re uma dú­vi­da in­te­res­san­te. se­rá que pre­ci­sa­re­mos, eu per­gun­to, em al­gum mo­men­to che­gar ao pon­to de dis­cu­tir a re­ti­ra­da a es­tá­tua do Cris­to re­den­tor do mor­ro do Cor­co­va­do por sim­bo­li­zar a in­fluên­cia cris­tã em nos­so País? Ou a ex­tin­ção do feriado de Nos­sa se­nho­ra de apa­re­ci­da? a al­te­ra­ção dos no­mes dos Es­ta­dos? são Pau­lo pas­sa­ria a se cha­mar Pau­lo? E o Es­pí­ri­to san­to? Po­de­ria se pen­sar em es­pí­ri­to de por­co ou em qual­quer ou­tra coi­sa”.

No bra­sil, o mai­or país ca­tó­li­co do mun­do com 123 milhões de fiéis, o en­si­no re­li­gi­o­so es­tá con­tem­pla­do na lei 9394/96 de di­re­tri­zes e ba­se da edu­ca­ção na­ci­o­nal. a ofer­ta é obri­ga­tó­ria pa­ra a es­co­la e op­ta­ti­va pa­ra o es­tu­dan­te do en­si­no fun­da­men­tal. Mas, na prá­ti­ca, ca­be aos mu­ni­cí­pi­os e Es­ta­dos le­gis­lar a res­pei­to e às es­co­las acor­dar com os pais co­mo o en­si­no re­li­gi­o­so é in­cluí­do na gra­de es­co­lar, o que tem le­va­do a uma am­pla in­ter­pre­ta­ção do mo­de­lo de en­si­no nas au­las, as- sim co­mo ao pri­vi­lé­gio de de­ter­mi­na­dos cre­dos fren­te a ou­tros.

Em al­guns Es­ta­dos, co­mo o rio de Ja­nei­ro, acre ou Ce­a­rá, o en­si­no re­li­gi­o­so con­fes­si­o­nal nas es­co­las pú­bli­cas é ga­ran­ti­do por lei. Em ou­tros, a ma­trí­cu­la da ma­té­ria é au- to­má­ti­ca e ca­be ao alu­no can­ce­lá-la. E, em mui­tas es­co­las, co­mo foi apon­ta­do di­ver­sas ve­zes du­ran­te o jul­ga­men­to, as cri­an­ças po­dem ser ex­pos­tas a cons­tran­gi­men­to ao se ne­ga­rem a en­trar na au­la de re­li­gião, mui­tas ve­zes por­que se­quer há al­ter­na­ti­vas

cur­ri­cu­la­res pa­ra quem se re­cu­sar. O re­la­tor do pro­ces­so e de­fen­sor do en­si­no não con­fes­si­o­nal, o mi­nis­tro luís ro­ber­to bar­ro­so, de­fen­deu no seu vo­to o fim des­sas par­ti­cu­la­ri­da­des e co­brou que o Mi­nis­té­rio de Edu­ca­ção es­ta­be­le­ça “pa­râ­me­tros cur­ri­cu­la­res e con­teú­dos mí­ni­mos de en­si­no de re­li­gião, sob pe­na de se vi­o­lar o man­da­men­to cons­ti­tu­ci­o­nal da lai­ci­da­de”. O mi­nis­tro ale­xan­dre de Mo­ra­es foi um dos que con­tra­ri­ou bar­ro­so e de­fen­deu que o mi­nis­tro da Edu­ca­ção bai­xar uma por­ta­ria com os dog­mas a se­rem en­si­na­dos, se­ria um “to­tal des­res­pei­to à li­ber­da­de re­li­gi­o­sa”. “O Es­ta­do de­ve ser neu­tro, não po­de es­co­lher a re­li­gião a, b ou C, o que achar me­lhor, e dar sua po­si­ção, ofe­re­cen­do en­si­no re­li­gi­o­so es­ta­tal, co­mo uma no­va re­li­gião es­ta­tal con­fes­si­o­nal”, dis­se Mo­ra­es, par­ti­dá­rio de de­le­gar o en­si­no das ma­té­ri­as re­li­gi­o­sas em re­pre­sen­tan­tes de ca­da fé.

ri­car­do lewan­dows­ki tam­bém con­si­de­rou que o en­si­no re­li­gi­o­so con­fes­si­o­nal nas es­co­las pú­bli­cas não atenta contra a neu­tra­li­da­de do Es­ta­do. “O im­por­tan­te é que o en­si­no pú­bli­co de mo­do ge­ral, in­clu­si­ve em ma­té­ria de re­li­gião, se­ja mi­nis­tra­do de for­ma cui­da­do­sa, res­pei­to­sa, sem dis­cri­mi­nar ou es­te­re­o­ti­par os alu­nos em ra­zão de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas pes­so­ais ou op­ções in­di­vi­du­ais”, dis­se o mi­nis­tro. “a lai­ci­da­de não im­pli­ca no des­ca­so es­ta­tal com as re­li­giões, mas sim na con­si­de­ra­ção com as di­fe­ren­ças, de ma­nei­ra à Cons­ti­tui­ção pre­ver a co­la­bo­ra­ção do in­te­res­se pú­bli­co e as cren­ças”.

ACOR­DO COM O Va­ti­ca­no

À he­te­ro­ge­nei­da­de da apli­ca­ção da lei nos Es­ta­dos so­mou-se, em 2008, um acor­do cos­tu­ra­do pe­lo o ex-pre­si­den­te lu­la com o pa­pa ben­to XVI. a con­cor­da­ta ti­nha co­mo ob­je­ti­vo re­gu­la­men­tar a pre­sen­ça da igre­ja Ca­tó­li­ca no bra­sil, mas trou­xe as­pec­tos con­tro­ver­sos co­mo o des­ta­que do en­si­no re­li­gi­o­so, “ca­tó­li­co e de ou­tras con­fis­sões”, nas es­co­las da re­de pú­bli­ca do bra­sil. O acor­do com o Va­ti­ca­no, se­gun­do os crí­ti­cos, veio a di­luir ain­da mais o li­mi­te en­tre um Es­ta­do lai­co e uma so­ci­e­da­de mul­ti­con­fes­si­o­nal, com ape­nas 9% de ateus, se­gun­do o ib­ge.

a con­cor­da­ta pas­sou a es­pe­ci­fi­car uma con­fis­são em con­cre­to, a di­fe­ren­ça do que pre­ga o tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal. O acor­do tam­bém le­van­tou po­lê­mi­ca na épo­ca, pois es­pe­ci­a­lis­tas e par­la­men­ta­res vi­ram no do­cu­men­to uma for­ma de pri­vi­le­gi­ar a igre­ja Ca­tó­li­ca. “a sim­ples pre­sen­ça do en­si­no re­li­gi­o­so em es­co­las pú­bli­cas já cons­ti­tui uma ex­ce­ção, fei­ta pe­la Cons­ti­tui­ção, à lai­ci­da­de do Es­ta­do. Por is­so mes­mo a ex­ce­ção não po­de re­ce­ber uma in­ter­pre­ta­ção am­pli­a­ti­va pa­ra per­mi­tir que o en­si­no re­li­gi­o­so se­ja vin­cu­la­do a uma es­pe­cí­fi­ca re­li­gião”, man­te­ve o mi­nis­tro bar­ro­so, cu­jo ar­gu­men­to re­sul­tou der­ro­ta­do.

O es­ta­do Vi­ran­do as COS­TAS Pa­ra a fé

No jul­ga­men­to, a Pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca e a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, re­pre­sen­ta­das pe­la ad­vo­ca­cia ge­ral da União (agu), se ma­ni­fes­ta­ram contra o pa­re­cer da Pgr, as­sim co­mo –ape­nas– oi­to de 31 en­ti­da­des de to­dos os cre­dos con­sul­ta­das em au­di­ên­cia pú­bli­ca con­vo­ca­da pe­lo mi­nis­tro bar­ro­so. Em re­su­mo, a agu en­ten­de que o Es­ta­do não po­de vi- rar as cos­ta pa­ra a fé, que a fa­cul­ta­ti­vi­da­de do en­si­no é su­fi­ci­en­te pa­ra as­se­gu­rar que não ha­ve­rá pro­se­li­tis­mo e que se o en­si­no fos­se não con­fes­si­o­nal não ha­ve­ria ra­zão pa­ra que a ma­trí­cu­la da ma­té­ria fos­se fa­cul­ta­ti­va. “O nos­so Es­ta­do é lai­co, não é lai­cis­ta […] O Es­ta­do se co­lo­cou na po­si­ção de neu­tra­li­da­de, mas a agu acha que o Es­ta­do é res­pon­sá­vel de as­se­gu­rar qual­quer cre­do e cri­ar con­di­ções pa­ra que as prá­ti­cas re­li­gi­o­sas se de­sen­vol­vam en­tre nós”, de­fen­deu a ad­vo­ga­da-ge­ral da União, gra­ce Men­don­ça.

O ad­vo­ga­do da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos bis­pos do bra­sil (Cnbb), Fer­nan­do Ne­ves, tam­bém se ma­ni­fes­tou a fa­vor do en­si­no re­li­gi­o­so con­fes­si­o­nal. “O en­si­no re­li­gi­o­so não é o en­si­no de re­li­giões, não é his­tó­ria, não é fi­lo­so­fia. Es­sas ma­té­ri­as já são obri­ga­tó­ri­as. É obri­ga­ção do Es­ta­do abrir um es­pa­ço na gra­de cur­ri­cu­lar pa­ra que quem qui­ser se apro­fun­dar na sua fé pos­sa fa­zê-lo. En­si­no re­li­gi­o­so não é ca­te­que­se, não é pro­se­li­tis­mo, é o apro­fun­da­men­to no en­si­na­men­to da fé es­co­lhi­da”, dis­se o le­tra­do.

bar­ro­so re­su­miu as­sim o di­le­ma ju­rí­di­co an­tes de co­me­çar a ler par­te de seu vo­to na quar­ta-fei­ra, 30 de agos­to: “Ve­jo es­ta pro­va co­mo uma dis­cus­são fo­ra de épo­ca, en­tre ilu­mi­nis­mo [que já no sé­cu­lo Xvi­ii pre­ga­va pe­la se­pa­ra­ção de igre­ja e Es­ta­do] e pré-ilu­mi­nis­mo”.

Um cru­ci­fi­xo em uma sa­la de au

GREENPEACE

ula.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.