“Car­do­zo se AR­RE­PEN­DEU de LEI CON­TRA OR­GA­NI­ZA­ÇÕES CRI­MI­NO­SAS”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Um no­vo áu­dio de Jo­es­ley ba­tis­ta re­cu­pe­ra­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral con­tém re­la­tos do em­pre­sá­rio so­bre o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça Jo­sé Edu­ar­do Car­do­zo.

a gra­va­ção, pu­bli­ca­da pe­la “Ve­ja”, é de uma con­ver­sa do só­cio da Jbs, que es­tá pre­so, com um in­ter­lo­cu­tor cha­ma­do “ga­bri­el”. se­gun­do a re­vis­ta, su­pos­ta­men­te se tra­ta do de­pu­ta­do fe­de­ral ga­bri­el gui­ma­rães (PT-MG).

a as­ses­so­ria de gui­ma­rães diz que “o de­pu­ta­do não vai se ma­ni­fes­tar so­bre con­ver­sas pri­va­das sem in­te­res­se ju­rí­di­co”.

No tre­cho so­bre Car­do­zo, Jo­es­ley re­la­ta diá­lo­gos com ele e su­ge­re que o ex­ti­tu­lar da Jus­ti­ça se ar­re­pen­deu da lei das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas, apro­va­da du­ran­te o go­ver­no Dil­ma rous­seff (PT) e ho­je usa­da na Ope­ra­ção la­va Ja­to em pro­ces­sos con­tra po­lí­ti­cos. Car­do­zo ne­ga.

O em­pre­sá­rio diz no áu­dio que, em um jan­tar com o ex-mi­nis­tro di­as an­tes, re­lem­brou en­con­tro an­te­ri­or dos dois, apa­ren­te­men­te ocor­ri­do em 2013, ano em que a lei foi im­ple­men­ta­da.

Nes­se pri­mei­ro con­ta­to, Car­do­zo co­me­mo­ra­va a apro­va­ção da le­gis­la­ção, que se­ria “uma lei fan­tás­ti­ca” pa­ra aju­dar a com­ba­ter gru­pos co­mo o PCC (Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal), se­gun­do o re­la­to de Jo­es­ley.

“Coin­ci­den­te­men­te eu jan­to com o Zé ago­ra, um mês atrás, dois me­ses atrás. No ini­ci­o­zi­nho, fa­lei: ‘Ô Zé, an­tes de co­me­çar a con­ver­sa: lem­bra aque­la vez que a gen­te jan­tou? [...] Você lem­bra que ta­va fe­liz, co­me­mo­ran­do da lei de com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do?”, afir­ma Jo­es­ley no áu­dio. se­gun­do o só­cio da Jbs, Car­do­zo res­pon­deu: “Pu­u­u­ta ca­ga­da, Jo­es­ley. Nos en­ga­na­ram. [...] apro­va­mos es­sa lei, pen­san­do no cri­me or­ga­ni­za­do, no nar­co­trá­fi­co. Eu e a Dil­ma, ra­paz, nos en­ga­na­ram”.

a fala se­ria uma re­fe­rên­cia do ex-mi­nis­tro à apli­ca­ção pos­te­ri­or da lei na in­ves­ti­ga­ção de cri­mes pra­ti­ca­dos por po­lí­ti­cos. is­so era vis­to pe­lo ex-ti­tu­lar da Jus­ti­ça co­mo “a fon­te de to­dos os pro­ble­mas”, de acor­do com o re­la­to do em­pre­sá­rio. Car­do­zo dis­se à Fo­lha que não po­de co­men­tar a con­ver­sa des­te ano com Jo­es­ley, por si­gi­lo pro­fis­si­o­nal, já que o con­tex­to era de re­la­ção en­tre ad­vo­ga­do e cli­en­te.

No en­tan­to, o ex- mi­nis­tro afir­ma que “nun­ca” dis­se a nin­guém que ele e a ex- pre­si­den­te Dil­ma rous­seff fo­ram en­ga­na­dos com a lei.

“Não cor­res­pon­de à ver­da­de. Foi uma lei apro­va­da pa­ra o com­ba­te a or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. Po­de-se dis­cu­tir ho­je se es­tá sen­do bem apli­ca­da ou não, mas is­so é uma ou­tra ques­tão. É um de­ba­te que es­tá sen­do fei­to na co­mu­ni­da­de ju­rí­di­ca, so­bre as­pec­tos des­sa lei, in­clu­si­ve so­bre a de­la­ção pre­mi­a­da”, diz Car­do­zo. so­bre o pri­mei­ro en­con­tro re­la­ta­do por Jo­es­ley, o ex-mi­nis­tro diz que es­te­ve em reu­niões so­ci­ais com o em­pre­sá­rio e que não sa­be a qual oca­sião ele es­tá se re­fe­rin­do.

Ele afir­ma que “sem­pre ha­via ou­tras pes­so­as pre­sen­tes” e que não se lem­bra de ter fei­to co­men­tá­ri­os com Jo­es­ley so­bre a apro­va­ção da lei.

Em no­ta, a J&F (con­tro­la­do­ra da Jbs) dis­se que os áu­di­os di­vul­ga­dos pe­la re­vis­ta já ti­nham si­do re­cu­pe­ra­dos dos apa­re­lhos en­tre­gues há me­ses por Jo­es­ley ba­tis­ta à Po­lí­cia Fe­de­ral e “es­ta­vam com si­gi­lo de­cre­ta­do pe­lo su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral por se tra­ta­rem de diá­lo­gos en­tre ad­vo­ga­dos e cli­en­tes”.

PGR que­ria aca­bar Com Pmdb

Pres­tes a fe­char o acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da que lhe ren­deu imu­ni­da­de pe­nal, Jo­es­ley ba­tis­ta en­trou no car­ro en­tu­si­as­ma­do com a ne­go­ci­a­ção com os pro­cu­ra­do­res da Pgr (Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca). Pre­ten­dia ama­nhe­cer o dia se­guin­te em No­va York.

O âni­mo do em­pre­sá­rio es­tá re­gis­tra­do em uma con­ver­sa res­ga­ta­da do gra­va­dor do só­cio da Jbs, di­vul­ga­da nes­ta sex­ta (29) pe­la re­vis­ta “Ve­ja”. O áu­dio su­ge­re que ele ha­via aca­ba­do de en­tre­gar as gra­va­ções que fez do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB) e do se­na­dor aé­cio Ne­ves (Psdb). Nes­sa no­va pe­ça, Jo­es­ley es­tá no car­ro, a ca­mi­nho do ae­ro­por­to, con­ver­san­do com os ad­vo­ga­dos Fer­nan­da Tór­ti­ma e Fran­cis­co de as­sis e sil­va e o exe­cu­ti­vo ri­car­do saud.

Os três ava­li­am a re­a­ção dos pro­cu­ra­do­res (“eles gos­ta­ram, que­rem evi­tar o má­xi­mo mos­trar que gos­ta­ram, mas a pres­sa de­les mos­tra”, diz Tór­ti­ma; “eles gos­ta­ram pra ca­ce­te”, opi­na sil­va), es­pe­cu­lam so­bre o fu­tu­ro e os efei­tos da “bom­ba” que ti­nham aca­ba­do de sol­tar.

Tam­bém su­ge­rem ter mais gra­va­ções, além das fei­tas por Jo­es­ley, que es­co­lhe­ram ocul­tar dos in­ves­ti­ga­do­res.

TRE­CHOS

“Você [saud] qua­se pi­sou na bo­la, fa­lou que gra­vou. Cai fo­ra. Dei­xa só eu gra­van­do”, diz o em­pre­sá­rio a seu fun­ci­o­ná­rio.

“sorte que não en­com- pri­dou [sic] a con­ver­sa. Dei­xa que sou eu por­que aí, pron­to. Um fi­lho da pu­ta de plan­tão e aca­bou”, dis­se o em­pre­sá­rio.

No fi­nal do áu­dio, de cer­ca de meia ho­ra, Jo­es­ley diz que tem que abas­te­cer o car­ro. Mur­mu­ra: “Qua­tro ho­ras e qua­ren­ta de gra­va­ção”. Não con­ta­va que vi­ri­am a pú­bli­co os re­gis­tros que iri­am com­pro­me­ter os be­ne­fí­ci­os le­gais, co­mo a imu­ni­da­de pe­nal, que acor­da­ram com a Jus­ti­ça.

O acor­do de de­la­ção dos em­pre­sá­ri­os sus­pen­so pe­lo STF (su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) no iní­cio de se­tem­bro. Jo­es­ley e seu ir­mão, Wes­ley ba­tis­ta, es­tão pre­sos na car­ce­ra­gem da PF (Po­lí­cia Fe­de­ral) em são Pau­lo. Ve­ja, abai­xo, os prin­ci­pais te­mas abor­da­dos no diá­lo­go.

DE­LA­ÇÕES

“ago­ra eu vou pa­ra No­va York. Vou ama­nhe­cer em No­va York. Eu vou fi­car aqui, você tá lou­ca? sol­tar uma bom­ba des­sas e fi­car aqui fa­zen­do o quê?”.

Tór­ti­ma con­cor­da que sair do país se­ria a me­lhor op­ção pa­ra o em­pre­sá­rio. “Pa­ra eles, é bom que você se em­pi­ru­li­te [sic] do bra­sil. se for pa­ra dar imu­ni­da­de, é me­lhor que você fi­que fo­ra. Você lon­ge da­qui, su­min­do, as pes­so­as es­que­cem que você ga­nhou imu­ni­da­de”, opi­na a ad­vo­ga­da.

Os efei­tos des­sa “bom­ba”, ex­pli­cou Jo­es­ley, co­me­ça­ri­am com o ope­ra­dor lú­cio Fu­na­ro, que aca­ba­ria fe­chan­do seu pró­prio acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da.

“O que eu vou pro­vo­car, além de tu­do? Uma: qu­em gra­vou. Não é que foi o gar­çom que gra­vou, por­ra. Foi o mai­or em­pre­sá­rio bra­si­lei­ro, 11h da noi­te e tal”, diz o em­pre­sá­rio.

Ele se re­fe­re à con­ver­sa no­tur­na em que gra­vou Mi­chel Te­mer, no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru. “O se­gun­do é o se­guin­te: quan­do is­so ex­plo­dir, vai que­brar a ali­an­ça Edu­ar­do Cunha e lú­cio [Fu­na­ro]. Va­mos pa­rar de pa­gar o lú­cio”, con­ti­nua Jo­es­ley. Na con­ver­sa com o pre­si­den­te, ele su­ge­re que man­ti­nha pa­ga­men­tos a Cunha e Fu­na­ro, ao que o pe­e­me­de­bis­ta res­pon­de “tem que man­ter is­so aí”.

Em ou­tro áu­dio, tam­bém di­vul­ga­do nes­ta sex­ta pe­la “Ve­ja”, Jo­es­ley ba­tis­ta fala so­bre co­mo en­xer­ga a “on­da” de de­la­ções: “Co­me­çou os ope­ra­do­res, de­pois os em­pre­sá­ri­os, ago­ra os po­lí­ti­cos. De­pois dos po­lí­ti­cos, não sei qu­em vai de­la­tar. Vai ser o Ju­di­ciá­rio”. E ri. ain­da ani­ma­do com a pers­pec­ti­va de acor­do com a Pgr, o em­pre­sá­rio ci­tou a pos­si­bi­li­da­de de anu­la­ção dos be­ne­fí­ci­os con­quis­ta­dos pe­la de­la­ção –o que aca­bou acon­te­cen­do.

Ele fa­la­va so­bre a ne­ces­si­da­de de to­mar cui­da­do pa­ra não men­ci­o­nar as­sun­tos e pes­so­as –que po­de­ri­am vir a de­la­tar– além do ma­te­ri­al que apre­sen­ta­vam ali aos pro­cu­ra­do­res.

“É a go­le­a­da de­les [pro­cu­ra­do­res], sa­be o que é? Você vir aqui, ajo­e­lhar no mi­lho, con­tar tu­u­u­u­u­do e dei­xar um ra­bi­nho de fo­ra. aí vem ou­tro, con­ta, e ele der­ru­ba seu acor­do. aí você fi­cou com ca­ra de idi­o­ta. Ou se­ja: ele pe­gou tu­do e te fo­deu.”

Em ou­tra gra­va­ção, tam­bém di­vul­ga­da nes­ta le­va, o em­pre­sá­rio de­fen­de a de­la­ção co­mo al­ter­na­ti­va pa­ra qu­em es­tá com­pro­me­ti­do com a Jus­ti­ça.

Nos ter­mos de Jo­es­ley: “se você tem um pro­ble­ma e se o pro­ble­ma é, co­mo se diz, ba­tom na cu­e­ca... Ô, meu, cor­re lá e faz a por­ra des­sa de­la­ção”.

PO­LÍ­TI­CA

ain­da es­pe­cu­lan­do se ro­dri­go Ja­not acei­ta­ria ou não o acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da, o em­pre­sá­rio con­ver­sa com seus ad­vo­ga­dos so­bre as re­la­ções po­lí­ti­cas do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da re­pú­bli­ca.

“Nós te­mos um ris­co. O ris­co é um: o com­pro­me­ti­men­to po­lí­ti­co de Ja­not com Te­mer”, diz ad­vo­ga­do Fran­cis­co de as­sis e sil­va.

“Eu acho que não exis­te... Pra mim, Ja­not quer ser o pre­si­den­te da re­pú­bli­ca... ou in­di­car qu­em vai ser”, res­pon­de Jo­es­ley. sil­va diz no­tar uma dis­po­si­ção dos pro­cu­ra­do­res em te­mas li­ga­dos ao PMDB.

“Eles que­rem fo­der o PMDB, eles que­rem aca­bar com eles”, diz o ad­vo­ga­do.

Minutos an­tes, Fer­nan­da Tór­ti­ma ti­nha des­car­ta­do a pro­xi­mi­da­de de Te­mer e Ja­not: “Ele não tem mais ne­nhum [com­pro­mis­so], ele es­tá sain­do [da Pgr]. E o can­di­da­to que ele gos­ta­ria de co­lo­car no lu­gar de­le, não vai con­se­guir”.

o QUE DIZ a de­fe­sa

Em no­ta, a J&F (con­tro­la­do­ra da Jbs) dis­se que os áu­di­os di­vul­ga­dos pe­la re­vis­ta já ti­nham si­do re­cu­pe­ra­dos dos apa­re­lhos en­tre­gues há me­ses por Jo­es­ley ba­tis­ta à Po­lí­cia Fe­de­ral, e es­ta­vam com si­gi­lo de­cre­ta­do pe­lo su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral por se tra­ta­rem de diá­lo­gos en­tre ad­vo­ga­dos e cli­en­tes.

No­ta do PLA­NAL­TO

“A cada no­va re­ve­la­ção das gra­va­ções aci­den­tais dos de­la­to­res da JBS, de­mons­tra-se ca­bal­men­te a gran­de ar­ma­ção ur­di­da des­de 17 de maio con­tra o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. De for­ma sór­di­da e tor­pe, um gru­po de me­li­an­tes ali­ou-se a au­to­ri­da­des fe­de­rais pa­ra ata­car a hon­ra­dez e dig­ni­da­de pessoal do pre­si­den­te, ins­ta­bi­li­zar o go­ver­no e ten­tar pa­ra­li­sar o pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia do país.

Ago­ra, des­co­bre-se que in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral fi­ca­ram de­cep­ci­o­na­dos com a gra­va­ção que usa­ram pa­ra em­ba­sar a pri­mei­ra de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te. “Eu acho, Fer­nan­da, que pre­ci­sam cons­truir me­lhor a his­tó­ria do Te­mer. Não fi­cou mui­to cla­ro. Eu acho que quan­do ou­vi­ram o Te­mer não gos­ta­ram mui­to. Ti­nham uma ex­pec­ta­ti­va mai­or”. E is­so di­to por Ri­car­do Saud, uma das vo­zes usa­da pa­ra ata­car o pre­si­den­te por di­as, se­ma­nas, me­ses no no­ti­ciá­rio na­ci­o­nal. As acu­sa­ções ca­em uma após a ou­tra, re­ve­lan­do a ver­da­de da cons­pi­ra­ção que foi cons­truí­da du­ran­te me­ses. “Eles que­rem fo­der o PMDB”, sen­ten­cia o ad­vo­ga­do Fran­cis­co de As­sis, sem sa­ber que es­tá sen­do gram­pe­a­do por Jo­es­ley Ba­tis­ta. Mos­tran­do to­do pla­ne­ja­men­to da ação con­tro­la­da que o gru­po da JBS ten­tou fa­zer con­tra o país, As­sis acres­cen­ta:

“Viu, se­guin­te, Jo­es­ley, no mo­men­to cer­to, te­mos de dar si­nal pro Lú­cio pu­lar den­tro. Aí ele fe­cha a tam­pa do cai­xão”. Fa­la­vam so­bre Lú­cio Fu­na­ro, de­la­tor que foi in­cluí­do nu­ma se­gun­da de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te pe­lo ex-pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, cu­jas am­bi­ções de co­man­dar o país são res­sal­ta­das pe­los de­la­to­res. “Ja­not quer ser o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ou in­di­car qu­em vai ser”, diz Jo­es­ley. Fu­na­ro, por sua vez, já ha­via en­ga­na­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e a Jus­ti­ça em de­la­ção an­te­ri­or. Não mu­dou su­as prá­ti­cas.

l país não po­de fi­car nas mãos de cri­mi­no­sos e ban­di­dos que ma­ni­pu­lam au­to­ri­da­des, mer­ca­do, mí­dia e pa­ra­li­sam o país. É ho­ra de re­tor­nar o ca­mi­nho do cres­ci­men­to e da ge­ra­ção de em­pre­go. Não se po­de mais to­le­rar que in­ves­ti­ga­do­res atu­em co­mo in­te­gran­tes da san­ta in­qui­si­ção, acu­san­do sem pro­vas e per­mi­tin­do a de­la­to­res usa­rem me­ca­nis­mos da lei pa­ra fu­gir de seus cri­mes. Ca­be ago­ra, di­an­te de tão gra­ve re­ve­la­ção, am­pla in­ves­ti­ga­ção pa­ra apu­rar es­ses fa­tos ab­sur­dos e a res­pon­sa­bi­li­za­ção de to­dos os en­vol­vi­dos, em to­das as es­fe­ras.

O em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta na se­de da Po­lí­cia Fe­de­ral, em São Pau­lo

GREENPEACE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.