Con­ta de luz fi­ca­rá mais ca­ra em ou­tu­bro

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

AA­ne­el (Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca) anun­ci­ou nes­ta sex­ta-fei­ra (29) o aci­o­na­men­to da ban­dei­ra ta­ri­fá­ria ver­me­lha ní­vel dois pa­ra as con­tas de ener­gia de ou­tu­bro, de­vi­do à bai­xa va­zão das hi­dre­lé­tri­cas com o tem­po se­co.

Is­so sig­ni­fi­ca um cus­to adi­ci­o­nal de R$ 3,50 a cada 100 kwh (ki­lowatts-ho­ra) de ele­tri­ci­da­de con­su­mi­da. Atu­al­men­te, a ban­dei­ra das con­tas de luz é ama­re­la, o que sig­ni­fi­ca um cus­to adi­ci­o­nal de R$ 2. O au­men­to se de­ve à se­ca, que re­du­ziu a ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção das hi­dre­lé­tri­cas, que pro­du­zem ener­gia mais ba­ra­ta. As ban­dei­ras si­na­li­zam pa­ra os con­su­mi­do­res o cus­to de ope­ra­ção do sis­te­ma. Se a con­di­ção é fa­vo­rá­vel, ela é ver­de, mas se a ofer­ta de ener­gia cai são aci­o­na­das as ban­dei­ras ama­re­la e ver­me­lha, em pri­mei­ro ou se­gun­do pa­ta­mar, que ge­ram co­bran­ças adi­ci­o­nais.

Re­gu­la­men­ta­das em 2012, elas pas­sa­ram a ser co­bra­das em 2015 e já ti­ve­ram va­lo­res mai­o­res que os atu­ais: em mar­ço da­que­le ano, a ban­dei­ra ver­me­lha im­pu­nha às con­tas um au­men­to de R$ 5,50 a cada 100 kwh (ki­lowatts-ho­ra). A fai­xa ver­me­lha foi des­do­bra­da em dois pa­ta­ma­res em fe­ve­rei­ro de 2016. Des­de en­tão, ain­da não ha­via si­do co­bra­do o ní­vel ver­me­lho 2. Ro­meu Ru­fi­no, di­re­tor-ge­ral da Ane­el, não há ris­co pa­ra o abas­te­ci­men­to de ele­tri­ci­da­de mes­mo com a fal­ta de chu­vas, de­vi­do à di­ver­si­fi­ca­ção da ma­triz ener­gé­ti­ca, com ou­tras fon­tes de ge­ra­ção. “O abas­te­ci­men­to, po­rém, es­tá ga­ran­ti­do, mas te­rá um cus­to mais al­to.”

O ONS (Ope­ra­dor Na­ci­o­nal do Sis­te­ma Elé­tri­co) es­ti­mou que a a car­ga de ener­gia do sis­te­ma in­ter­li­ga­do do Bra­sil de­ve­rá su­bir 2,5% em ou­tu­bro na com­pa­ra­ção com igual mês do ano pas­sa­do, com pro­je­ção de for­te al­ta de con­su­mo no Sul e re­tra­ção ape­nas no Nor­des­te. As pre­vi­sões de chu­vas nas áre­as das hi­dre­lé­tri­cas, prin­ci­pal fon­te de ge­ra­ção do país, não são oti­mis­tas. O ONS es­pe­ra chu­vas em 79% da mé­dia his­tó­ri­ca no Su­des­te e de ape­nas 31% no Nor­des­te, re­giões que con­cen­tram os mai­o­res re­ser­va­tó­ri­os.

Com a pers­pec­ti­vas de mai­or de­man­da e chu­vas fra­cas, o cus­to mar­gi­nal de ope­ra­ção do sis­te­ma em ou­tu­bro foi pre­vis­to pe­lo ONS em uma mé­dia de R$ 709,90 re­ais por MWH (me­gawatt-ho­ra), ape­nas li­gei­ra­men­te abai­xo dos R$ 725,70 da se­ma­na an­te­ri­or. Se­gun­do o re­la­tó­rio do ope­ra­dor, o aten­di­men­to à car­ga em ou­tu­bro de­ve exi­gir o aci­o­na­men­to de ter­me­lé­tri­cas com cus­to de ope­ra­ção aci­ma dos R$ 610 re­ais.

Ru­fi­no dis­se que o con­su­mi­dor po­de con­tri­buir pa­ra o sis­te­ma ao re­du­zir sua de­man­da nes­te mo­men­to de cus­tos mais ele­va­dos. A Ane­el vai pro­mo­ver uma cam­pa­nha na te­le­vi­são e na in­ter­net so­bre o uso cons­ci­en­te de ener­gia, mas não se­rá es­ta­be­le­ci­da uma me­ta pa­ra a re­du­ção de de­man­da, afir­mou o di­re­tor da Ane­el. Ele não quis co­men­tar, no en­tan­to, se há ex­pec­ta­ti­va de ma­nu­ten­ção das con­tas de ener­gia no pa­ta­mar mais ca­ro de ban­dei­ra ta­ri­fá­ria pa­ra além de ou­tu­bro. Se­gun­do Ru­fi­no, é mui­to ce­do pa­ra pro­je­tar a ban­dei­ra ta­ri­fá­ria pa­ra os pró­xi­mos me­ses, uma vez que a tem­po­ra­da de chu­vas es­tá em seu iní­cio com a che­ga­da da pri­ma­ve­ra.

IM­POR­TA­ÇÃO

O Bra­sil tam­bém irá au­men­tar im­por­ta­ções de ele­tri­ci­da­de jun­to aos vi­zi­nhos Uru­guai e Ar­gen­ti­na pa­ra en­fren­tar o pro­ble­ma de ofer­ta. De acor­do com Ru­fi­no, ape­nas a Ar­gen­ti­na po­de en­vi­ar cer­ca de 1.000 MW (me­gawatts) mé­di­os em ele­tri­ci­da­de ao país. “A im­por­ta­ção de ener­gia do Uru­guai e da Ar­gen­ti­na en­tra pa­ra dis­pu­tar com as tér­mi­cas”, dis­se Ru­fi­no. Ape­sar da ele­va­ção na ta­ri­fa, a si­tu­a­ção do país é mais con­for­tá­vel ho­je que há al­guns anos. Em 2000, 94% da ge­ra­ção da ele­tri­ci­da­de vi­nha de hi­dre­lé­tri­cas. No ano pas­sa­do, 73%.

Es­pe­ci­a­lis­tas di­zem que o sis­te­ma ho­je é mais se­gu­ro, por­que tem mais li­nhas de trans­mis­são, al­ter­na­ti­vas de ge­ra­ção e me­lhor ges­tão.

A res­sal­va é que o país pas­sa pe­lo mais lon­go pe­río­do de re­ces­são de sua his­tó­ria, o que re­du­ziu o ritmo do con­su­mo de ener­gia em 2015 e 2016, o que ajuda a evi­tar um im­pac­to mais for­te no pre­ço da ener­gia quan­do os re­ser­va­tó­ri­os se­cam.

O go­ver­no es­tá pa­ra edi­tar leis e me­di­das pa­ra li­be­ra­li­zar o mer­ca­do e in­cen­ti­var in­ves­ti­men­tos, mas não há ain­da de­ta­lhes do pro­je­to.

USA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.