Cer­co mi­li­tar sai da Ro­ci­nha e ex­põe ri­xa po­lí­ti­ca

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

atro­pa de 950 ho­mens das for­ças ar­ma­das que pa­tru­lha­va Ro­ci­nha, a mai­or fa­ve­la do Rio de Ja­nei­ro e al­vo de uma dis­pu­ta ar­ma­da en­tre tra­fi­can­tes, vol­tou pa­ra ca­sa na ma­dru­ga­da des­ta sex­ta-fei­ra. Ho­ras an­tes hou­ve um ti­ro­teio, um mor­to, e dois jo­vens fo­ram tor­tu­ra­dos por tra­fi­can­tes ao se­rem con­fun­di­dos com ali­a­dos do gru­po ri­val. mas a si­tu­a­ção na co­mu­ni­da­de, se­gun­do o mi­nis­tro da De­fe­sa Raul Jung­mann, es­tá es­ta­bi­li­za­da.

“Nós falávamos aqui de uma guer­ra en­tre gan­gues, de uma po­pu­la­ção ater­ro­ri­za­da, pre­sa em su­as ca­sas. Is­so não es­tá acon­te­cen­do. Es­sa ques­tão aí [de ti­ro­tei­os] é po­li­ci­al e de­ve ser re­sol­vi­da no âm­bi­to das po­lí­ci­as”, dis­se o mi­nis­tro. “Se ele vol­tar, nós vol­ta­re­mos”, dis­se Jung­mann em re­fe­rên­cia a Ro­ge­rio 157, lí­der do trá­fi­co na co­mu­ni­da­de e pivô das dis­pu­tas que fi­ze­ram Nem da Ro­ci­nha, o ver­da­dei­ro do­no do mor­ro, con­fi­na­do num pre­sí­dio fe­de­ral de se­gu­ran­ça máxima, or­de­nar a ex­pul­são do ter­ri­tó­rio do seu ex-ali­a­do. Em­bo­ra as au­to­ri­da­des do Rio já sou­bes­sem que a re­ti­ra­da iria acon­te­cer nes­ta se­ma­na, os po­li­ci­ais des­ta­ca­dos na Ro­ci­nha sou­be­ram da de­ci­são pe­la te­le­vi­são.

Os blin­da­dos dei­xa­vam pa­ra trás uma se­ma­na de cer­co à co­mu­ni­da­de, o de­sem­bar­que es­pe­ta­cu­lar de fu­zi­lei­ros de um he­li­cóp­te­ro, trans­mis­sões ao vi­vo da mo­vi­men­ta­ção dos sol­da- dos, mo­ra­do­res en­tre o res­pi­ro e o me­do, cri­an­ças sem au­la por qua­se uma se­ma­na, as­sim co­mo um cus­to não di­vul­ga­do e um ce­ná­rio e re­sul­ta­do in­cer­tos. Nes­ses di­as de ope­ra­ções con­jun­tas fo­ram apre­en­di­dos 26 fu­zis, 19 gra­na­das, 54 man­da­dos de pri­são fo­ram ex­pe­di­dos e 11 cum­pri­dos. mas nos se­te di­as em que os mi­li­ta­res pa­tru­lha­ram e cer­ca­ram a Ro­ci­nha jun­to à Pm, Ro­gé­rio 157, o che­fe do trá­fi­co de dro­gas da fa­ve­la, fu­giu pe­lo ma­to, cos­tu­rou um acor­do de ade­são à fac­ção ri­val Co­man­do Ver­me­lho, se­ques­trou um tá­xi, que che­gou a ser in­ter­cep­ta­do por po­li­ci­ais mi­li­ta­res e sol­da­dos, e re­tor­nou à Ro­ci­nha. De­pois vol­tou a fu­gir. Com ele, uma par­te dos seus com­par­sas. al­guns pre­sos, e ou­tros mor­tos, mas mui­tos de­les já re­fu­gi­a­dos em ou­tras fa­ve­las, ape­sar da os­ten­si­va pre­sen­ça mi­li­tar e po­li­ci­al. “Dei­xa­ram a ma­ta li­vre pa­ra a fu­ga”, “eles [os mi­li­ta­res] eram res­pon­sá­veis pe­lo cer­co”, cri­ti­cam mem­bros da Po­lí­cia mi­li­tar nos bas­ti­do­res. Sem gran­des com­pli­ca­ções, a Ro­ci­nha, que não vi­via uma guer­ra por ter­ri­tó­rio des­de 2004, vol­tou às mãos do Co­man­do Ver­me­lho. “Não en­tra­mos ali só pa­ra pren­der o tra­fi­can­te [Ro­gé­rio 157, lí­der do tra­fi­co da Ro­ci­nha]. En­tra­mos pa­ra le­var tran­qui­li­da­de. Os mi­li­ta­res co­nhe­ce­ram o ter­re­no. Se pre­ci­sar, eles vão vol­tar”, de­fen­deu o go­ver­na­dor Luiz fer­nan­do Pe­zão (PMDB).

“a de­fe­sa se tor­na su­pe- ri­or ao ata­que quan­do tem o con­tro­le do ter­ri­tó­rio. O ban­do de cri­mi­no­sos não é um gru­po tá­ti­co, ele vai se dis­sol­ver e sair. O que per­mi­te de­ter al­guém não é um cer­co, é ter in­for­ma­ções de qua­li­da­de. No fi­nal, vi­mos uma es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção mi­diá­ti­ca do ter­ror que ren­deu mui­to pou­co”, ava­lia Ja­que­li­ne mu­niz, pro­fes­so­ra de gra­du­a­ção em se­gu­ran­ça pú­bli­ca da Uni­ver­si­da­de fe­de­ral flu­mi­nen­se. “Ope­ra­ções es­pe­ci­ais pre­ci­sam acon­te­cer com mis­são cla­ra e ori­en­ta­da por da­dos pa­ra pres­tar con­tas. Na Ro­ci­nha era to­do mun­do ten­tan­do ga­nhar uma par­te dos holofotes com a des­gra­ça e mos­trar que es­ta­vam fa­zen­do al­gu­ma coi­sa”, com­ple­men­ta. “Qual foi a mis­são, pa­ra a po­pu­la­ção ava­li­ar a efe­ti­vi­da­de e o re­sul­ta­do?”, pro­vo­ca.

O con­fli­to na Ro­ci­nha expôs tam­bém a ri­xa po­lí­ti­ca cul­ti­va­da en­tre as au­to­ri­da­des flu­mi­nen­ses e as de Bra­sí­lia. Quan­do no do­min­go,17 co­me­çou o con­fli­to, cau­san­do pe­lo me­nos qua­tro mor­tos e in­ten­sos ti­ro­tei­os que pa­ra­li­sa­ram a co­mu­ni­da­de, a Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Rio e o mi­nis­té­rio da De­fe­sa le­va­vam di­as tro­can­do far­pas e co­lo­can­do em xe­que a su­pos­ta in­te­gra­ção pre­ten­di­da com o en­vio de tro­pas ao Rio no fi­nal de ju­lho pa­ra re­for­çar a se­gu­ran­ça.

En­quan­to o Co­man­do mi­li­tar do Les­te, res­pon­sá­vel por co­or­de­nar as ope­ra­ções no Es­ta­do, re­cla­ma­va de pro­ble­mas de or­ça­men­to pa­ra con­ti­nu­ar com no­vas ações, o mi­nis­tro Jung­mann di­zia que não fal­ta­va di­nhei­ro, mas sim pla­ne­ja­men­to por par­te da Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça. No meio do fo­go cru­za­do, a Se­cre­ta­ria di­zia que pre­fe­ria ver­ba a sol­da­dos, ne­ga­va fal­ta de pla­no e sur­pre­en­dia pe­din­do pe­lo Twit­ter aju­da das for­ças ar­ma­das pa­ra pa­tru­lhar pon­tos crí­ti­cos da ci­da­de. O mi­nis­tro, pri­mei­ro, re­cu­sa­va, pois es­sa não é a atri­bui­ção das tro­pas na ci­da­de, de­pois di­zia que ia es­tu­dar. Pe­zão, fi­nal­men­te, não deu a or- dem. O ata­que à Ro­ci­nha acon­te­ceu ape­sar de as au­to­ri­da­des flu­mi­nen­ses re­co­nhe­ce­rem que ti­nham in­for­ma­ções so­bre o ra­cha na fac­ção cri­mi­no­sa e uma imi­nen­te in­va­são. mas os cri­mi­no­sos for­te­men­te ar­ma­dos, e vin­dos de ou­tras fa­ve­las dis­tan­tes do Rio, che­ga­ram a Ro­ci­nha sem gran­des di­fi­cul­da­de e ini­ci­a­ram o con­fron­to. foi o go­ver­na­dor Luiz fer­nan­do Pe­zão (PMDB) qu­em de­sau­to­ri­zou qual­quer ope­ra­ção da po­lí­cia nes­se dia em que o Rock in Rio atraia mi­lha­res de pes­so­as: a es-

tra­da que dá aces­so à Ro­ci­nha é a mes­ma usa­da pa­ra che­gar à Ci­da­de do Rock, a 21 quilô­me­tros da co­mu­ni­da­de. “Se a gen­te re­a­gis­se à en­tra­da da­que­les mar­gi­nais por­tan­do fu­zil, se­ria uma guer­ra on­de mor­re­ri­am mui­tos ino­cen­tes”, dis­se Pe­zão, que evi­tou por qua­se uma se­ma­na o au­xí­lio das for­ças ar­ma­das.

Na sex­ta 22, o go­ver­na­dor mu­da­va de ideia e so­li­ci­ta­va ao mi­nis­tro da De­fe­sa o apoio das tro­pas. O anún­cio foi fei­to ho­ras an­tes de efe­ti­va­men­te acon­te­cer. No mes­mo dia, Ro­dri­go maia, que con­for­me cres­ce sua in­ci­pi­en­te in­fluên­cia em Bra­sí­lia co­mo pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos vem se en­vol­ven­do em as­sun­tos lo­cais fo­ra da sua com­pe­tên­cia, pe­dia a de­mis­são do se­cre­ta­rio de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, Roberto Sá. “a cri­se na Ro­ci­nha mos­tra que, in­fe­liz­men­te, o se­cre­tá­rio Roberto Sá per­deu as con­di­ções de co­man­dar a po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça pú­bli­ca do Rio”, dis­se maia. Pe­zão, en­fra­que­ci­do, com o man­da­do cas­sa­do e cer­ca­do por es­cân­da­los de cor­rup­ção, apoi­ou seu se- cre­ta­rio e pe­diu pa­ra es­te evi­tar o em­ba­te. “Go­ver­nos im­po­pu­la­res e ile­gí­ti­mos não tem co­mo pro­du­zir co­e­são e ade­são em tor­no das su­as pau­tas e, no lu­gar, ma­xi­mi­zam o te­mor co­le­ti­vo pro­du­zin­do te­a­tra­li­da­des re­pres­si­vas. Se­ja nas ma­ni­fes­ta­ção co­mo na guer­ra con­tra o cri­me. É uma ma­nei­ra de pro­du­zir cor­ti­na de fu­ma­ça. En­quan­to es­ta­mos ame­dron­ta­mos, di­rei­tos são subs­ti­tuí­dos”, la­men­ta mu­niz.

Do pon­to de vis­ta da es­tra­té­gia, o ex-che­fe da Po­lí­cia Ci­vil, fer­nan­do Ve­lo­so, la­men­ta que as po­lí- ci­as e a so­ci­e­da­de con­ti­nu­em olhan­do a ár­vo­re ao in­vés da flo­res­ta. “a gen­te es­tá dis­cu­tin­do o con­fli­to en­tre as au­to­ri­da­des mas por que a Ro­ci­nha che­gou a es­se pon­to?”, ques­ti­o­na. “Se­ria bom co­me­ter­mos er­ros no­vos e não sem­pre os mes­mos, ou da­qui a dez anos es­ta­re­mos fa­lan­do do mes­mo em­ba­te en­tre um se­cre­tá­rio e um mi­nis­tro. Os cri­mi­no­sos há tem­po que além de com o trá­fi­co lu­cram com ser­vi­ços pres­ta­dos à co­mu­ni­da­de, co­mo água, gás, alu­guel de imó­veis, si­nal de TV e in­ter­net, trans­por­te... Ne­gó­ci­os até mais in­te­res­san­te e me­nos ar­ris­ca­do que a ven­da de dro­gas”, re­cla­ma. “Não há in­ves­ti­men­to em es­tru­tu­ra pa­ra uma ati­vi­da­de de in­te­li­gên­cia que ori­en­te me­lhor a ati­vi­da­de po­li­ci­al nes­sa mis­são de neu­tra­li­zar os ga­nhos fi­nan­cei­ros das qua­dri­lhas. a gen­te tem que dis­cu­tir e com­ba­ter a do­mi­na­ção de ter­ri­tó­rio, que exi­ge ar­ti­cu­la­ção en­tre as au­to­ri­da­des, mas não po­de­mos con­ti­nu­ar ig­no­ran­do o po­der econô­mi­co que eles têm. Sem ele, não ha­ve­ria es­se po­de­rio bé­li­co”, com­ple­ta.

após a re­ti­ra­da das tro­pas, a Po­lí­cia mi­li­tar, com­ba­li­da pe­la fal­ta de re­cur­sos, re­for­çou sua pre­sen­ça na Ro­ci­nha e 500 po­li­ci­ais pa­tru­lha­rão e cer­ca­rão o lo­cal. Qu­es­ti­o­na­do por jor­na­lis­tas se os mo­ra­do­res de­vem te­mer um no­vo ata­que, o se­cre­ta­rio Sá, des­con­ver­sou: “a po­pu­la­ção de­ve ter cer­te­za que nós es­ta­mos aqui pa­ra pro­te­ge­los”. mas co­mo es­cre­veu o jor­na­lis­ta misha Glenny na sua bi­o­gra­fia so­bre Nem da Ro­ci­nha, O do­no do mor­ro: Um ho­mem e a ba­ta­lha pe­lo Rio, na qual re­la­ta as inu­me­ras lu­tas de po­der na co­mu­ni­da­de, “qua­se to­do mun­do — e sem dú­vi­da to­do mun­do nas fa­ve­las — sa­be que, se ma­ta­rem o rei, os cor­te­sãos lo­go se vi­ra­rão uns con­tra os ou­tros, nu­ma lu­ta san­gren­ta pe­la co­roa”.

Mi­li­tar res dei­xa­ram a Ro­ci­nha nes­ta sex­ta, após uma se­ma­na de cer­co

GREENPEACE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.