OI­TO ME­SES APÓS DE­LA­ÇÕES DE 77 EXE­CU­TI­VOS, APE­NAS MAR­CE­LO ODE­BRE­CHT ES­TÁ PRE­SO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Oi­to me­ses após o STF apro­var o acor­do de delação pre­mi­a­da dos 77 exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht, ape­nas Mar­ce­lo Ode­bre­cht, o her­dei­ro da em­prei­tei­ra, cum­pre pe­na na Ope­ra­ção la­va Ja­to. Os ou­tros 76 de­la­to­res ain­da aguar­dam pro­vi­dên­ci­as le­gais pa­ra qui­tar su­as pen­dên­ci­as com a Jus­ti­ça. a Fo­lha re­ve­lou, em mar­ço, que o acor­do as­si­na­do en­tre exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht e a Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca, que ain­da es­tá sob si­gi­lo, pre­via que os de­la­to­res de­ve­ri­am cum­prir a pe­na acor­da­da ime­di­a­ta­men­te após a ho­mo­lo­ga­ção pe­lo STF.

Na oca­sião da as­si­na­tu­ra, ape­nas cin­co de­la­to­res ha­vi­am si­do con­de­na­dos em ações pe­nais da la­va Ja­to. Os ou­tros 72 não ha­vi­am si­do pu­ni­dos e mui­tos de­les se­quer ha­vi­am si­do de­nun­ci­a­dos pe­lo Mi­nis­té­rio Público.

Pe­lo tex­to do acor­do, mes­mo sem a con­de­na­ção, es­ses de­la­to­res te­ri­am que cum­prir pri­são do­mi­ci­li­ar lo­go após a apro­va­ção do com­pro­mis­so.

ain­da ho­je a gran­de mai­o­ria dos de­la­to­res da Ode­bre­cht con­ti­nua sem con­de­na­ção.

a co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da da Ode­bre­cht foi ho­mo­lo­ga­da pe­la mi­nis­tra Cár­men lú­cia, pre­si­den­te do STF, no dia 30 de ja­nei­ro.

se­gun­do a Fo­lha apu­rou, a mi­nis­tra faz uma res­sal­va em seu des­pa- cho, que tam­bém es­tá sob si­gi­lo, quan­to ao tre­cho que de­ter­mi­na o cum­pri­men­to ime­di­a­to da pe­na.

“O cum­pri­men­to an­te­ci­pa­do do acor­da­do, con­quan­to pos­sa se mos­trar mais con­ve­ni­en­te ao co­la­bo­ra­dor, evi­den­te­men­te não vin­cu­la o juiz sen­ten­ci­an­te, nem obs­ta­rá o exa- me ju­di­ci­al no de­vi­do tem­po”, diz o des­pa­cho.

Ou se­ja, ape­sar de o acor­do pre­ver cum­pri­men­to ime­di­a­to de pe­na, a mi­nis­tra fa­cul­ta es­sa de­ci­são aos juí­zes que se­rão res­pon­sá­veis por ca­da ação de­cor­ren­te da delação –os ca­sos re­ve­la­dos pe­la Ode­bre­cht se­gui­ram pa­ra o Ju- di­ciá­rio nos Es­ta­dos.

O ma­gis­tra­do po­de tan­to de­ter­mi­nar a pri­são do de­la­tor ime­di­a­ta­men­te, mes­mo sem sen­ten­ça (se­guin­do o acor­do), quan­to fa­zer cum­prir a pe­na ape­nas com o fim do pro­ces­so, que po­de le­var anos.

Os ad­vo­ga­dos dos exe­cu­ti­vos di­zem que os tex- tos do acor­do e da ho­mo­lo­ga­ção cri­a­ram um “lim­bo ju­rí­di­co”, ex­pres­são usa­da por três de­les.

sob a con­di­ção de ano­ni­ma­to, um de­fen­sor apos­ta que ne­nhum juiz vai exe­cu­tar uma pe­na sem que ha­ja uma sen­ten­ça con­de­na­tó­ria pa­ra lhe dar su­por­te.

Ou­tro de­fen­sor diz o item que os de­la­to­res acor­da­ram com o Mi­nis­té­rio Público po­de não va­ler na prá­ti­ca. Um ad­vo­ga­do con­si­de­ra que sem uma con­de­na­ção nem é pos­sí­vel ha­ver juiz de exe­cu­ção, que é o ma­gis­tra­do de­sig­na­do pa­ra ob­ser­var o cum­pri­men­to de uma pe­na.

O adi­a­men­to da pe­na­li­da­de é con­si­de­ra­do ruim pe­los de­la­to­res com me­nos im­pli­ca­ções e que pac­tu­a­ram com os pro­cu­ra­do­res pe­nas me­no­res, se­gun­do um exe­cu­ti­vo. a jus­ti­fi­ca­ti­va é que eles são mais no­vos, ain­da pre­ten­dem se­guir na car­rei­ra e que­rem pa­gar a pe­na o quan­to an­tes pa­ra se­guir a vi­da. En­tre os mais ve­lhos e com a car­rei­ra con­so­li­da­da, po­rém, há qu­em de­se­je que es­sa pe­na se­ja adi­a­da in­de­fi­ni­da­men­te, diz o em­prei­tei­ro.

Con­de­na­dos

Mes­mo aque­les co­la­bo­ra­do­res que já fo­ram con­de­na­dos em ações da la­va Ja­to não cum­prem a pe­na for­mal­men­te. Os exe­xe­cu­ti­vos Mar­cio Fa­ria e Hil­ber­to Mas­ca­re­nhas, por exem­plo, es­tão em pri­são do­mi­ci­li­ar, mas por de­ci­são do juiz ser­gio Mo­ro.

Eles cum­prem uma me­di­da cau­te­lar de­ter­mi­na­da pe­lo ma­gis­tra­do em ou­tro pro­ces­so e não a pe­na des­cri­ta na co­la­bo­ra­ção. O tem­po da me­di­da cau­te­lar apli­ca­da por Mo­ro, po­rém, de­ve ser aba­ti­do do tem­po to­tal pre­vis­to no tra­ta­do dos de­la­to­res com o Mi­nis­té­rio Público. Mar­ce­lo Ode­bre­cht con­cor­dou com uma pe­na de dez anos de pri­são de­cor­ren­te de seu acor­do de delação pre­mi­a­da, sen­do que dois anos e meio em re­gi­me fe­cha­do. re­so des­de ju­nho de 2015, em de­zem­bro ele sai da ca­deia pa­ra cum­prir re­gi­me de pri­são do­mi­ci­li­ar.

OU­TRO La­do

a Ode­bre­cht não quis co­men­tar o te­or da re­por­ta­gem. a as­ses­so­ria da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca afir­mou que o pro­ces­so da delação da Ode­bre­cht es­tá em se­gre­do de Jus­ti­ça e não se ma­ni­fes­ta­rá so­bre ele até que ha­ja o le­van­ta­men­to do si­gi­lo.

O STF, em no­ta, re­la­tou que a pre­si­den­te do tri­bu­nal “ho­mo­lo­gou as 77 de­la­ções da Ode­bre­cht no dia 30/01/2017, com ba­se no tra­ba­lho téc­ni­co ela­bo­ra­do pe­los juí­zes au­xi­li­a­res do mi­nis­tro Te­o­ri Za­vasc­ki e, em se­gui­da, es­se ma­te­ri­al foi en­ca­mi­nha­do à Pro­cu­ra­do­ria ge­ral da re­pú­bli­ca”. “Ca­be ao Mi­nis­té­rio Público exa­mi­nar os de­poi­men­tos e re­que­rer a aber­tu­ra de inqué­ri­tos, re­a­li­zan­do os pro­ce­di­men­tos que jul­gar ca­bí­veis”, com­ple­tou a as­ses­so­ria do su­pre­mo.

Ag. bra­sil

Ex-pre­si­den­te da em­prei­tei­ra Ode­bre­cht, Mar­ce­lo Ode­bre­cht foi con­de­na­do a 19 anos e 4 me­ses de pri­são pe­los cri­mes de cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. Es­tá pre­so des­de ju­nho de 2015

FO­LHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.