MORO DIZ QUE La­va Ja­to es­tá ‘IN­DO Para O fi­nal’

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ojuiz Ser­gio Moro afir­mou nes­ta se­gun­da-fei­ra (2) que tra­ba­lho da operação la­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba se apro­xi­ma do fim, mas que “o mo­vi­men­to an­ti­cor­rup­ção” no Bra­sil to­mou ou­tras for­mas e se­gui­rá por outros caminhos.

“Em Cu­ri­ti­ba há os con­tra­tos da Pe­tro­bras e das pes­so­as que se be­ne­fi­ci­a­ram de­les. Elas já fo­ram pro­ces­sa­das, e acre­di­to que es­tá in­do para a fa­se fi­nal. Mas o ró­tu­lo de la­va Ja­to exis­te, faz par­te do mo­vi­men­to an­ti­cor­rup­ção”, afir­mou o ma­gis­tra­do, que con­duz os pro­ces­sos da operação na ca­pi­tal pa­ra­na­en­se.

Moro es­te­ve em São Paulo para re­ce­ber uma homenagem da Uni­ver­si­da­de No­tre Da­me, dos EUA, com um tí­tu­lo da ins­ti­tui­ção que já foi da­do a per­so­na­li­da­des co­mo Ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá.

o prê­mio foi en­tre­gue em um al­mo­ço no ho­tel fa­sa­no. o juiz fez o mes­mo dis­cur­so du­as vezes —em in­glês e de­pois em por­tu­guês.

Ele não es­pe­ci­fi­cou a da­ta em que a for­ça-ta­re­fa se­rá com­ple­ta­da no Pa­ra­ná. “Boa par­te do tra­ba­lho foi fei­ta, mas is­so não sig­ni­fi­ca que não tem tra­ba­lho.”

Ele ne­gou a pos­si­bi­li­da­de de que os pro­ces­sos se­jam en­vi­a­dos a um ou­tro juiz: “Es­tou can­sa­do, foi um tra­ba­lho du­ro, mas não há pre­vi­são con­cre­ta de ti­rar [ o pro­ces­so da] va­ra”.

Di­ta­du­ra

a di­ta­du­ra militar foi “um gran­de er­ro”, dis­se Moro na so­le­ni­da­de.

a emo­cra­ti­za­ção, de acor­do com o ma­gis­tra­do, trou­xe novos pro­ble­mas. “hou­ve abu­so do po­der pú­bli­co para be­ne­fí­cio pri­va­do, e a de­mo- cra­cia exi­ge a regra da im­po­si­ção da lei.”

os bra­si­lei­ros, se­gun­do o juiz, per­ce­be­ram os efei­tos per­ni­ci­o­sos da cor­rup- ção du­ran­te o es­cân­da­lo do men­sa­lão, mas o mo­vi­men­to para com­ba­tê- la se for­ta­le­ceu. Para ele, aca­bou no país a era dos

“ba­rões la­drões” ( re­fe­rên­cia ao fim do século 19, nos Es­ta­dos Uni­dos, quan­do gran­des em­pre­sá­ri­os se apro­vei­ta­ram do Es­ta­do para en­ri­que­cer).

Moro não res­pon­deu se a acei­ta­ção ou não da de­nún­cia contra o presidente Mi­chel Te­mer na Câmara dos De­pu­ta­dos po­de­ria pôr es­sa te­se em ris­co. “Não dei de­cla­ra­ções du­ran­te o im­pe­a­ch­ment da pre- si­den­te Dil­ma, não vou me co­lo­car des­ta vez”, jus­ti­fi­cou- se.

De­nun­ci­a­do sob acu­sa­ção de obs­tru­ção da Justiça e par­ti­ci­pa­ção em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, Te­mer faz ar­ti­cu­la­ções com de­pu­ta­dos para ten­tar bar­rar o se­gui­men­to da in­ves­ti­ga­ção.

elei­ções

“Quem fi­zer pes­qui­sa elei­to­ral que in­clua meu no­me per­de­rá seu tempo. Já fiz es­sa afir­ma­ção ca­te­go­ri­ca­men­te”, dis­se o juiz. Seu fu­tu­ro, dis­se, é co­mo ma­gis­tra­do.

Moro, que tem des­car­ta­do con­cor­rer a presidente, al­can­çou em­pa­te téc­ni­co com o ex-presidente lu­la em si­mu­la­ção de se­gun­do tur­no na úl­ti­ma pes­qui­sa Da­ta­fo­lha, di­vul­ga­da nes­te domingo (1º). Es­se hi­po­té­ti­co con­fron­to, de acor­do com o le­van­ta­men­to, seria o úni­co em que o pe­tis­ta não ven­ce­ria o ad­ver­sá­rio.

Quan­do um re­pór­ter es­tran­gei­ro lhe per­gun­tou se a pos­si­bi­li­da­de de uma elei­ção de lu­la, con­de­na­do por ele na la­va Ja­to, re­pre­sen­ta­ria o fra­cas­so do tra­ba­lho an­ti­cor­rup­ção, Moro não res­pon­deu, afir­man­do que há outros pro­ces­sos em cur­so. Por fim, o ma­gis­tra­do de­fen­deu as pri­sões pre­ven­ti­vas, ar­gu­men­tan­do que “nunca fo­ram usa­das para for­çar co­la­bo­ra­ções”. afir­mou que elas são um me­ca­nis­mo que exis­te para pro­te­ger as pes­so­as e que a mai­o­ria das pri­sões de­ter­mi­na­das por ele não foi re­ver­ti­da por ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res.

Ag. BRA­SIL

O juiz fe­de­ral Ser­gio Moro du uran­te de­ba­te em São Paulo

Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.