Nú­me­ro de mor­tos em mas­sa­cre sob para 59

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

As au­to­ri­da­des nor­te ame­ri­ca­nas au­men­ta­ram para 59 o nú­me­ro de mor­tos no tiroteio que dei­xou, ain­da, mais de 500 feridos em um show ao ar li­vre em Las Ve­gas (EUA). O tiroteio é con­si­de­ra­do o mais vi­o­len­to da his­tó­ria re­cen­te dos Es­ta­dos Uni­dos. O agres­sor, um ho­mem bran­co de 64 anos, foi iden­ti­fi­ca­do co­mo Stephen Pad­dock. Ele dis­pa­rou contra a mul­ti­dão do 32º an­dar do ho­tel e cas­si­no Man­da­lay Bay, on­de ele estava hos­pe­da­do. De­pois, ele, apa­ren­te­men­te, se matou, se­gun­do a po­lí­cia.

O gru­po ex­tre­mis­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) rei­vin­di­cou o mas­sa­cre e dis­se que Pad­dock era um “sol­da­do” “con­ver­ti­do ao Is­lã há al­guns me­ses”. O FBI, po­rém, que in­ves­ti­ga o ata­que, des­car­tou os la­ços com uma or­ga­ni­za­ção “ter­ro­ris­ta”. Em seu úl­ti­mo bo­le­tim de ví­ti­mas, as au­to­ri­da­des con­fir­ma­ram 527 as pes­so­as hos­pi­ta­li­za­das após a tra­gé­dia, ocor­ri­da pou­co de­pois das 22h de domingo (2h de se­gun­da-fei­ra, no ho­rá­rio de Bra­sí­lia).

Em uma men­sa­gem à nação, o presidente Do­nald Trump dis­se que o ocor­ri­do foi “um ato de pu­ra mal­da­de”, sem men­ci­o­nar Pad­dock nem fa­zer re­fe­rên­cia ao EI. “Sei que es­ta­mos bus­can­do al­gum ti­po de sig­ni­fi­ca­do no ca­os, al­gum ti­po de luz na es­cu- ri­dão. As res­pos­tas não são vis­tas facilmente”, dis­se o presidente, anun­ci­an­do que irá na quar­ta-fei­ra a Las Ve­gas. Em homenagem às ví­ti­mas, Trump fez um mi­nu­to de si­lên­cio no jar­dim da Ca­sa Bran­ca, en­quan­to o Con­gres­so fez o mes­mo no Ca­pi­tó­lio.

Um ar­se­nal em ca­sa

Pe­lo menos 16 ar­mas fo­ram en­con­tra­das no quar­to on­de estava hos­pe­da­do Pad­dock. O ati­ra­dor era um con­ta­dor apo­sen­ta­do, que vi­via em um cam­po de gol­fe a cer­ca de 130km de Las Ve­gas, de acor­do com a po­lí­cia. O xe­ri­fe Jo­seph Lom­bar­do re­ve­lou que uma ba­ti­da na re­si­dên­cia de Stephen Pad­dock, fo­ram en­con­tra­das “ou­tras 18 ar­mas de fo­go, al­guns ex­plo­si­vos e mi­lha­res de mu­ni­ções, além de al­guns dis­po­si­ti­vos ele­trô­ni­cos que es­tão sen­do ana­li­sa­dos”.

Em en­tre­vis­ta, o ir­mão do as­sas­si­no, Eric Pad­dock, diz não en­ten­der o que acon­te­ceu. “É co­mo se um as­te­roi­de ti­ves­se atin­gi­do nos­sa fa­mí­lia”, dis­se a CBS News. “Ele não ti­nha fi­li­a­ção po­lí­ti­ca ou re­li­gi­o­sa, tam­pou­co an­te­ce­den­tes de doença men­tal, e tam­bém não era um ca­ra ávi­do por ( usar) pis­to­las”, dis­se. Se­gun­do Eric, o úni­co ví­cio de Pad­dock era a pai­xão que ele ti­nha por cas­si­nos e apos­tas.

O pai do ati­ra­dor es­te­ve na lis­ta dos mais pro­cu­ra­dos pela po­lí­cia nor­te­a­me­ri­ca­na, por as­sal­to a ban­cos nos anos 1960. A com­pa­nhei­ra de Pad­dock, Ma­ri­lou Dan­ley, uma mulher de ori­gem asiá­ti­ca de 62 anos, foi ini­ci­al­men­te pro­cu­ra­da pela po­lí­cia, mas de­pois des­car­ta­ram seu en­vol­vi­men­to.

“lo­bo so­li­tá­rio”

Ao menos 22.000 pes­so­as as­sis­ti­am ao show no cen­tro de Las Ve­gas, du­ran­te o fes­ti­val de música coun­try cha­ma­do “Rou­te 91 Har­vest”, quan­do co­me­ça­ram os dis­pa­ros. “Pa­re­ci­am fo­gos de ar­ti­fí­cio”, co­men­tou uma tes­te­mu­nha.

O can­tor Ja­son Al­de­an, que con­se­guiu es­ca­par com vi­da, estava no pal­co quan­do fo­ram ou­vi­das as pri­mei­ras ra­ja­das. Pou­cos se­gun­dos de­pois, a mú­si- ca pa­rou de tocar, se­gun­do vá­ri­os ví­de­os gra­va­dos por tes­te­mu­nhas. Ro­bert Hayes, um bom­bei­ro de Los An­ge­les que estava ven­do o show perto do pal­co, dis­se que pri­mei­ro pen­sou que os tiros fos­sem um ba­ru­lho cau­sa­do pe­lo mau fun­ci­o­na­men­to do equi­pa­men­to, mas que lo­go se jun­tou aos so­cor­ris­tas.

“Pro­va­vel­men­te de­cla­rei de 15 a 20 pes­so­as co­mo mor­tas”, con­tou à Fox News. “Pa­re­cia uma ce­na de gu­er­ra”. Mesas e gra­des de me­tal vi­ra­ram ma­cas im­pro­vi­sa­das, dis­se Hayes, que ava­lia que, com mi­lha­res de pes­so­as con­cen­tra­das, Pad­dock “não pre­ci­sa­va ser bom (de mi­ra)” para pro­du­zir o mas­sa­cre. Es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pela AFP con­cor­dam que te­ria si­do pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel pre­ve­nir al­go as­sim. “O irô­ni­co é que a segurança em Las Ve­gas é re­al­men­te mui­to boa, mas uma men­te cri­a­ti­va e com de­se­jo de fa­zer al­go em um país li­vre ge­ra coisas co­mo es­ta”, dis­se Te­gan Bro­adwa­ter, presidente e fun­da­dor da Tac­ti­cal Sys­tems Network, uma con­sul­to­ra em segurança com se­de no Te­xas.

O chefe de po­lí­cia de Las Ve­gas, Jo­seph Lom­bar­do, des­cre­veu Pad­dock co­mo “um lo­bo so­li­tá­rio”, ne­gan­do-se a es­pe­cu­lar so­bre su­as mo­ti­va­ções.

AGÊN­CIA FRANCE-PRESSE

O gru­po ex­tre­mis­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co rei­vin­di­cou o mas­sa­cre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.