Se­na­do ten­ta es­fri­ar cri­se com STF e adia afas­ta­men­to de Aé­cio

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ose­na­do adi­ou pa­ra o dia 17 de ou­tu­bro a vo­ta­ção so­bre se acei­ta ou re­jei­ta a de­ci­são do su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral que afas­tou o se­na­dor aé­cio Ne­ves (Psdb-mg) de su­as fun­ções par­la­men­ta­res e que tam­bém o im­pe­diu que saia de ca­sa à noi­te. Nes­ta ter­ça-fei­ra, o pla­car con­ta­bi­li­zou 50 se­na­do­res a fa­vor do adi­a­men­to da aná­li­se fren­te a 21 vo­tos con­trá­ri­os. a mai­o­ria dos par­la­men­ta­res de­ci­diu aguar­dar o jul­ga­men­to de uma ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de que tra­mi­ta no STF e tra­ta do afas­ta­men­to e pu­ni­ção de con­gres­sis­tas, não es­pe­ci­fi­ca­men­te de aé­cio, in­ves­ti­ga­do na Ope­ra­ção la­va Ja­to. a es­tra­té­gia é uma ten­ta­ti­va de es­fri­ar o cho­que de Po­de­res de­fla­gra­do des­de a se­ma­na pas­sa­da, qu­an­do o se­na­dor mi­nei­ro foi proi­bi­do de atu­ar por­que três dos cin­co mi­nis­tros da 1ª Tur­ma da Cor­te en­ten­de­ram que, mes­mo qu­an­do o po­lí­ti­co foi pu­ni­do com me­di­da si­mi­lar em maio pas­sa­do, ele se­guiu tra­ba­lhan­do, o que se­ria o des­cum­pri­men­to de uma de­ci­são ju­di­ci­al.

O ca­so de aé­cio re­a­cen­de o de­ba­te ju­rí­di­co so­bre as prer­ro­ga­ti­vas do su­pre­mo na pu­ni­ção de par­la­men­ta­res num con­tex­to em que na­da me­nos que 24 dos 81 se­na­do­res são in­ves­ti­ga­dos ape­nas na la­va Ja­to, sem con­tar ou­tras in­ves­ti­ga­ções. O te­ma já ha­via apa­re­ci­do em ao me­nos dois epi­só­di­os re­cen­tes - na pri­são do ex-se­na­dor pe­tis­ta Del­cí­dio do ama­ral, ques­ti­o­na­da por ju­ris­tas em 2015, e na sus­pen­são do man­da­to de Edu­ar­do Cu­nha (PMDBrj), en­tão pre­si­den­te da Câ­ma­ra, em 2016. Na épo­ca, o su­pre­mo de­ci­diu por una­ni­mi­da­de re­ti­rar o man­da­to de Cu­nha, mas fri­sou que se tra­ta­va de uma me­di­da “ex­cep­ci­o­nal” e não uma in­ter­fe­rên­cia no Po­der le­gis­la­ti­vo. É jus­ta­men­te o ca­so do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra que se­rá ana­li­sa­do no­va­men­te no dia 11. Tra­ta-se de uma ação di­re­ta que ques­ti­o­na a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da sen­ten­ça con­tra Cu­nha apre­sen­ta­da pe­los par­ti­dos PP, PSC e so­li­da­ri­e­da­de. “Os se­na­do­res ana­li­sa­rão a ques­tão de aé­cio no dia 17 mes­mo que o su­pre­mo não te­nha con­cluí­do o seu jul­ga­men­to”, re­for­çou o pre­si­den­te do se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (PMDB-CE).

Pres­si­o­na­do por seus pa­res, Eu­ní­cio in­ter­me­di­ou a so­lu­ção jun­to a pre­si­den­ta do STF, Cár­men lú­cia, na se­ma­na pas­sa­da. Os dois che­ga­ram ao con­sen­so de que ca­be­ria ao ple­ná­rio do su­pre­mo dis­cu­tir pri­mei­ro e em pro­fun­di­da­de a ques­tão no ca­so Cu­nha an­tes de qual­quer cris­pa­ção dos se­na­do­res. O pro­ble­ma é que mes­mo as­sim a po­lê­mi­ca ju­rí­di­ca po­de não ter fim. O ca­so do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra vai de- ba­ter se o su­pre­mo po­de, sem a au­to­ri­za­ção do le­gis­la­ti­vo, sus­pen­der um man­da­to par­la­men­tar. Já o de aé­cio to­ca ain­da em ou­tro pon­to: re­co­lhi­men­to no­tur­no ao qual o tu­ca­no es­tá su­jei­to po­de ser con­si­de­ra­do uma pri­são? O que es­tá em de­ba­te é se o que de­ve pre­va­le­cer é o ar­ti­go 53 da Cons­ti­tui­ção ou o 319 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal. O pri­mei­ro pre­vê que as pri­sões de par­la­men­ta­res têm de ser re­fe­ren­da­das pe­la

Ca­sa que ele per­ten­ce (se­na­do ou Câ­ma­ra). Já o se­gun­do des­ta­ca que re­co­lhi­men­to no­tur­no não é uma pri­são, mas uma me­di­da al­ter­na­ti­va, por­tan­to, não de­pen­de­ria de au­to­ri­za­ção do le­gis­la­ti­vo. No en­ten­di­men­to de al­guns par­la­men­ta­res, a de­ci­são con­tra aé­cio, in­ves­ti­ga­do pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e obs­tru­ção de Jus­ti­ça acu­sa­do de ter re­ce­bi­do 2 mi­lhões de re­ais do o de­la­tor da Jbs Jo­es­ley ba­tis­ta, foi equi- vo­ca­da. “Não é pos­sí­vel que se dê ao Ju­di­ciá­rio a ca­pa­ci­da­de da her­me­nêu­ti­ca cri­a­ti­va e ab­sur­da”, afir­mou o se­na­dor ro­ber­to re­quião (PMDB-PR). Em tom irô­ni­co, re­quião su­ge­riu que o Con­gres­so Na­ci­o­nal de­ve­ria fa­zer um re­ces­so e dei­xar que o su­pre­mo fi­zes­se uma “re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal”.

Der­ro­ta De te­mer

além dos ar­gu­men­tos ju­rí­di­cos e de de­fe­sa ins­ti­tu­ci­o­nal e cor­po­ra­ti­va, não fal­ta­ram na tri­bu­na nes­ta ter­ça dis­cur­sos de se­na­do­res tam­bém al­vo da Jus­ti­ça que fa­zi­am, ao mes­mo tem­po, de­fe­sa pró­pria e, in­di­re­ta­men­te, de­fe­sa da ges­tão Te­mer. O mo­ti­vo é que o res­ta­be­le­ci­men­to do man­da­to do tu­ca­no é de in­te­res­se di­re­to do Pla­nal­to. O cál­cu­lo de Te­mer é que, sem aé­cio no Con­gres­so, a ala do Psdb que quer o rom­pi­men­to com o seu go­ver­no ga­nha for­ça. Es­se mes­mo gru­po de­fen­de a in­ves­ti­ga- ção de Te­mer pe­los cri­mes de obs­tru­ção de Jus­ti­ça e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. O cres­ci­men­to des­sa ala tu­ca­na afli­ge o pre­si­den­te, que aguar­da a aná­li­se da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça da Câ­ma­ra da se­gun­da de­nún­cia con­tra ele apre­sen­ta­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral.

O dis­cur­so do lí­der do go­ver­no no se­na­do, ro­me­ro Ju­cá (Pmdb-rr), dei­xou cla­ro es­sa po­si­ção de Te­mer e o vín­cu­lo en­tre os dois par­ti­dos. “Es­tão aí os jor­nais, as te­le­vi­sões, as re­vis­tas mos­tran­do que a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa do Ja­not es­tá cain­do por ter­ra. Era pa­ra pe­gar o PMDB, era pa­ra pe­gar o Psdb, era o aten­ta­do con­tra a po­lí­ti­ca, con­tra a de­mo­cra­cia, con­tra a eco­no­mia, con­tra o po­vo des­te país, um aten­ta­do con­tra o po­vo des­te país”.

ape­sar do ape­lo de Ju­cá -- re­cém in­ter­na­do após uma cri­se de di­ver­ti­cu­li­te--, nem mes­mo o PMDB aca­tou o pe­di­do de Te­mer e de­mons­trou que não quer apro­fun­dar uma cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal que en­vol­ve prin­ci­pal­men­te o Ju­di­ciá­rio e o le­gis­la­ti­vo. O lí­der da ban­ca­da, rai­mun­do li­ra (PMDB-PB), ori­en­tou os pe­e­me­de­bis­tas a vo­ta­rem a fa­vor do adi­a­men­to. O ra­cha pe­e­me­de­bis­ta tam­bém fi­cou evi­den­te na fa­la de re­nan Ca­lhei­ros (Pmdb-al): “Trans­fe­rir no­va­men­te es­sa vo­ta­ção sig­ni­fi­ca, la­men­ta­vel­men­te, em ou­tras pa­la­vras, dis­sol­ver o se­na­do Fe­de­ral”. as crí­ti­cas ao Ju­di­ciá­rio uni­ram até ad­ver­sá­ri­os e tu­ca­nos e pe­tis­tas, mes­mo que com tro­ca de far­pas. “só es­tra­nho uma coi­sa: tan­ta gen­te des­co­briu ago­ra o abu­so do Po­der Ju­di­ciá­rio. Qu­an­tos aplau­di­ram, na­que­le mo­men­to em que era pa­ra ti­rar a Dil­ma [ rous­seff], tan­ta aber­ra­ção fei­ta pe­lo Ju­di­ciá­rio?”, ques­ti­o­nou o se­na­dor lind­bergh Fa­ri­as ( PT- rj). O PT de­ci­diu que vo­ta­rá con­tra o afas­ta­men­to de aé­cio, mas aguar­dam a de­fi­ni­ção do STF.

Eu­ní­cio con­ver­sa com se­na­do­res nes­ta ter­ça.

AGÊNCIA SE­NA­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.