Fa­ce­bo­ok “Rús­sia nas elei­ções dos EUA”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Mais de 10 mi­lhões de usuá­ri­os do Fa­ce­bo­ok nos Es­ta­dos Uni­dos vi­ram anún­ci­os cu­ja fi­na­li­da­de era es­ti­mu­lar a di­vi­são po­lí­ti­ca. A pu­bli­ci­da­de foi pa­ga a par­tir da Rús­sia. A re­de so­ci­al di­vul­gou es­ses da­dos ago­ra co­mo for­ma de ilu­mi­nar o que acon­te­ceu na úl­ti­ma elei­ção pre­si­den­ci­al no país, em 2016. Es­ta é a pri­mei­ra vez que uma ci­fra des­se por­te é com­par­ti­lha­da. Na se­ma­na pas­sa­da, o Fa­ce­bo­ok ha­via es­ti­ma­do a quan­ti­da­de de anún­ci­os que cir­cu­la­ram (3.000), mas não o seu al­can­ce. De acor­do com os da­dos da em­pre­sa, 44% do ma­te­ri­al foi vis­to an­tes a vo­ta­ção que le­vou Do­nald Trump à pre­si­dên­cia.

O ser­vi­ço de Mark Zuc­ker­berg ad­mi­tiu nes­ta se­gun­da-fei­ra que a in­ten­ção des­sas pro­pa­gan­das era ge­rar rai­va e frus­tra­ção, e que sua ori­gem es­ta­va na Rús­sia, on­de ope­ra uma re­de de fa­zen­das de con­teú­do fal­so. Em­bo­ra Mos­cou ne­gue en­vol­vi­men­to com es­sa cam­pa­nha, o Fa­ce­bo­ok, atra­vés de uma men­sa­gem do seu pró­prio fun­da­dor, aler­tou pa­ra a exis­tên­cia de uma tra­ma or­ga­ni­za­da.

O Fa­ce­bo­ok, que an­tes ne­ga­va tal si­tu­a­ção, pas­sou ago­ra a se apro­xi­mar das au­to­ri­da­des e a for­ne­cer da­dos que con­tri­bu­am com a in­ves­ti­ga­ção. O pró­prio Zuc­ker­berg pe­diu des­cul­pas na se­ma­na pas­sa­da e lan­çou um pla­no pa­ra evi­tar que si­tu­a­ções des­se ti­po se re­pi­tam em ou­tros pro­ces­sos elei­to­rais.

Uma das cha­ves do triun­fo co­mer­ci­al do Fa­ce­bo­ok so­bre seus con­cor­ren­tes foi que, qua­se des­de seus pri­mór­di­os, o sis­te­ma de anún­ci­os em pe­que­na es­ca­la era ad­mi­nis­tra­do pe­los pró­pri­os usuá­ri­os. Is­to per­mi­tia com­pe­tir com os clas­si­fi­ca­dos on­li­ne, che­gan­do de for­ma qua­se ins­tan­tâ­nea a um pú­bli­co-al­vo mui­to fá­cil de clas­si­fi­car. Só as gran­des con­tas com cam­pa­nhas vul­to­sas in­cor­po­ra­vam seus anún­ci­os fo­ra des­se sis­te­ma.

Nes­ta se­gun­da-fei­ra, Zuc­ker­berg anun­ci­ou a in­ten­ção de con­tra­tar mais 1.000 pes­so­as pa­ra re­vi­sa- rem os anún­ci­os, em vez de de­le­gar a ta­re­fa a um sis­te­ma au­to­má­ti­co. Em maio, a em­pre­sa já ha­via re­ve­la­do que es­ta­va con­tra­tan­do 3.000 pro­fis­si­o­nais pa­ra es­se mes­mo tra­ba­lho. Ela quer evi­tar de­mo­ras na vei­cu­la­ção, mas sem dei­xar a de­ci­são fi­nal ex­clu­si­va­men­te nas mãos de al­go­rit­mos. As­sim, es­pe­ra re­for­çar o con­tro­le, es­pe­ci­al­men­te em ca­so de elei­ções. Mas, com cin­co mi­lhões de anun­ci­an­tes, o con­tro­le hu­ma­no é al­go com­ple­xo.

El­li­ot Sch­ra­ge, vi­ce­pre­si­den­te da re­de so­ci­al, ex­pli­ca por que 25% dos anún­ci­os con­tra­ta­dos aca­bam sen­do exi­bi­dos a usuá­ri­os sem fil­trar: “É por­que a ofer­ta es­tá con­ce­bi­da pa­ra que os anún­ci­os se- jam mos­tra­dos aos per­fis com ba­se na sua re­le­vân­cia. Al­guns anún­ci­os tal­vez não che­guem a nin­guém tão es­pe­cí­fi­co, mas os mos­tra­mos do mes­mo jei­to”. O gas­to to­tal fei­to pe­la tra­ma rus­sa foi de 100.000 dó­la­res (315.500 re­ais). Uma quan­tia mui­to pe­que­na qu­an­do se le­va em con­ta que 10 mi­lhões de usuá­ri­os fo­ram atin­gi­dos. Ou se­ja, os anun­ci­an­tes abri­ram mui­to o seu le­que. Quan­to mais es­pe­cí­fi­co se é, mais ca­ro fi­ca che­gar ao usuá­rio es­pe­ci­fi­ca­men­te de­se­ja­do.

Nes­ta se­gun­da-fei­ra, um exe­cu­ti­vo do Twit­ter pres­tou de­poi­men­to so­bre es­ses mes­mos fa­tos. O Go­o­gle tam­bém es­tá sen­do in­ves­ti­ga­da pe­la com­pra de anún­ci­os da mes­ma ori­gem.

AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Mark Zuc­ker­berg du­ran­te a con­fe­rên­cia F8

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.