De­fe­sa De te­mer COMPARA Ja­not a ‘Pis­to­lei­ro’ De Con­du­ta ‘imo­ral e ile­gal’

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Em de­fe­sa en­vi­a­da nes­ta quar­ta (4) à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, os ad­vo­ga­dos do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer su­bi­ram o tom no ataque ao ex-pro­cu­ra­dor­ge­ral ro­dri­go Ja­not e o cha­ma­ram de “an­tié­ti­co, imo­ral, in­de­cen­te e ile­gal”.

“À ma­nei­ra do pis­to­lei­ro que, con­tra­ta­do pa­ra ma­tar al­guém, não acei­ta a res­ci­são do tra­to pe­lo man­dan­te, por­que ‘ já gar­rou rai­va’ da ví­ti­ma, o ex-che­fe do Mi­nis­té­rio Público Fe­de­ral agiu no­va­men­te com pres­sa, pre­mi­ou ou­tro de­la­tor [o ope­ra­dor lúcio Fu­na­ro] e lan­çou no­va fle­cha, cu­jo pri­mei­ro al­vo foi a lín­gua por­tu­gue­sa, se­gui­da pe­lo di­rei­to e pe­los pró­pri­os de­nun­ci­a­dos”, es­cre­veu a de­fe­sa do pe­e­me­de­bis­ta.

Pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem, o ex-pro­cu­ra­dor­ge­ral não co­men­tou as afir­ma­ções.

a pe­ça en­tre­gue à Câ­ma­ra, de 89 pá­gi­nas (leia a ín­te­gra aqui ), re­ba­te a se­gun­da de­nún­cia apre­sen­ta­da ao STF (su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) por Ja­not, que acu­sou Te­mer de che­fi­ar or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e obs­truir a Jus­ti­ça.

Tam­bém fo­ram de­nun­ci­a­dos, sob acu­sa­ção de in­te­grar a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa li­de­ra­da por Te­mer, os mi­nis­tros Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) e Mo­rei­ra Fran­co (se­cre­ta­ri­a­ge­ral) e os ex-de­pu­ta­dos Eduardo Cu­nha (rj), Hen­ri­que alves (rn), ged­del Vi­ei­ra li­ma (ba) e ro­dri­go ro­cha lou­res (Pr), to­dos do PMDB.

a pri­mei­ra de­nún­cia da Pgr (Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da re­pú­bli­ca) con­tra Te­mer, ofe­re­ci­da ao STF em ju­nho, foi sus­pen­sa pe­los de­pu­ta­dos em agos­to.

No iní­cio do do­cu­men­to, os ad­vo­ga­dos do pre­si­den­te, Eduardo Car­ne­lós e ro­ber­to so­a­res gar­cia, in­ver­tem a acu­sa­ção e afir­mam que mem­bros do Mi­nis­té­rio Público Fe­de­ral, li­de­ra­dos por Ja­not, “tra­ma­ram” em con­jun­to com os de­la­to­res da Jbs “e ou­tros tam­bém con­fes­sos cri­mi­no­sos in­te­gran­tes de seu ban­do pa­ra cons­truir uma acu­sa­ção a ser for­mu­la­da con­tra a au­to­ri­da­de máxima do país”.

O ob­je­ti­vo de Ja­not com a de­nún­cia, cha­ma­da de “inep­ta”, foi cri­mi­na­li­zar a po­lí­ti­ca, se­gun­do a de­fe­sa de Te­mer. “a es­pi­nha dor­sal da acu­sa­ção é to­da es­ta: to­da ati­vi­da­de po­lí­ti- ca es­tá con­ta­mi­na­da por prá­ti­cas ilí­ci­tas”, afir­ma­ram os de­fen­so­res.

a de­fe­sa cri­ti­ca a for­ma co­mo a Pgr con­du­ziu as ne­go­ci­a­ções pa­ra fe­char o acor­do de de­la­ção de Fu­na­ro, ho­mo­lo­ga­do pe­lo su­pre­mo em se­tem­bro. Pa­ra os ad­vo­ga­dos, Ja­not fez uma “li­ci­ta­ção” en­tre Fu­na­ro e o ex-de­pu­ta­do Eduardo Cu­nha, ofe­re­cen­do be­ne­fí­ci­os a quem mais acei­tas­se men­tir so­bre Te­mer.

“O li­ci­tan­te [Ja­not] des­de lo­go deixou cla­ro que o ven­ce­dor [Cu­nha ou Fu­na­ro] se­ria aque­le que se dis­pu­ses­se a apre­sen­tar re­la­to que en­re­das­se o pre­si­den­te da re­pú­bli­ca na prá­ti­ca de cri­mes”, es­cre­ve­ram os ad­vo­ga­dos.

boa par­te da pe­ça da de­fe­sa ci­ta re­por­ta­gens de jor­nais e re­vis­tas pa­ra sus­ten­tar que Te­mer foi ví­ti­ma de uma ar­ma­ção da Pro­cu­ra­do­ria em con­luio com os de­la­to­res da Jbs.

Uma das re­por­ta­gens ci­ta­das é a en­tre­vis­ta do pro­cu­ra­dor Ân­ge­lo gou­lart Vil­le­la à Fo­lha.

acu­sa­do pe­lo Mi­nis­té­rio Público de ter pas­sa­do in­for­ma­ções si­gi­lo­sas pa­ra a Jbs em tro­ca de pa­ga­men­to ou pro­mes­sa de pa­ga­men­to –o que ele ne­ga–, Vil­le­la dis­se que Ja­not ti­nha pres­sa pa­ra fe­char a de­la­ção da Jbs pa­ra der­ru­bar o pre­si­den­te. se­gun­do o pro­cu­ra­dor, Ja­not que­ria evi­tar que Te­mer in­di­cas­se raquel Dod­ge pa­ra ser a no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral –o que aca­bou ocor­ren­do.

a de­fe­sa tam­bém trans­cre­ve, em 15 pá­gi­nas, uma fa­la do mi­nis­tro gil­mar Mendes, do su­pre­mo, so­bre a su­pos­ta par­ti­ci­pa­ção do ex-pro­cu­ra­dor Mar­cel­lo Mil­ler na elaboração do acor­do da Jbs. Mil­ler foi exo­ne­ra­do do Mi­nis­té­rio Público em abril. sus­pei­ta-se que, an­tes dis­so, ele te­nha ori­en­ta­do a Jbs a ela­bo­rar sua de­la­ção, ten­do ido de­pois tra­ba­lhar pa­ra a em­pre­sa, por meio de um es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia. O ex-pro­cu­ra­dor ne­ga ir­re­gu­la­ri­da­des.

Um dos prin­ci­pais ar­gu­men­tos dos ad­vo­ga­dos de Te­mer pa­ra que a Câ­ma­ra ne­gue o pros­se­gui­men­to da de­nún­cia é que o acu­sa­dor, Ja­not, agiu com par­ci­a­li­da­de –es­co­lheu seu al­vo e o per­se­guiu. Exem­plo de par­ci­a­li­da­de, se­gun­do a de­fe­sa, é a fra- se di­ta por Ja­not em um con­gres­so de jor­na­lis­tas: “En­quan­to hou­ver bam­bu, lá vai fle­cha”.

“O que re­ve­la o epi­só­dio da me­tá­fo­ra pe­des­tre so­bre fle­chas e bam­bus é que o ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral via seu mú­nus co­mo se fo­ra ar­te­fa­to bé­li­co, o que de­no­ta sé­rio des­vio de cog­ni­ção a res­pei­to das res­pon­sa­bi­li­da­des da fun­ção por ele as­su­mi­da”, sus­ten­tou a de­fe­sa. “a ob­ses­são de ro­dri­go Ja­not, seu mal agir, foi an­tié­ti­co, imo­ral, in­de­cen­te e ile­gal!”

ar­gu­men­tos TÉC­NI­COS

so­bre a acu­sa­ção de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, a de­fe­sa afir­mou que os cri­mes atri­buí­dos ao gru­po (co­mo cor­rup­ção) ain­da es­tão em apu­ra­ção e não fo­ram pro­va­dos. Tam­bém dis­se que eles te­ri­am ocor­ri­do des­de 2006, ou se­ja, an­tes do atu­al man­da­to –e, pe­la Cons­ti­tui­ção, um pre­si­den­te só po­de res­pon­der por cri­mes pra­ti­ca­dos du­ran­te o exer­cí­cio do car­go.

Ja­not en­ten­deu, po­rém, que a qua­dri­lha es­tá na ati­va e con­ti­nu­ou a de­lin­quir até re­cen­te­men­te.

Em re­la­ção à obs­tru­ção da Jus­ti­ça, a de­fe­sa ar­gu­men­tou que, con­for­me des­cre­ve a pró­pria de­nún­cia, Te­mer ou­viu de Jo­es­ley ba­tis­ta, da Jbs, que ele es­ta­ria pa­gan­do Cu­nha e Fu­na­ro pa­ra si­len­ciá-los. as­sim, não par­tiu do pre­si­den­te a or­dem pa­ra os pa­ga­men­tos, que já es­ta­ri­am sen­do fei­tos.

“O pa­ga­men­to pe­lo si­lên­cio de Fu­na­ro an­te­ce­de e in­de­pen­de da ale­ga­da ins­ti­ga­ção, o que, com fun­da­men­to no Có­di­go Pe­nal, faz da par­ti­ci­pa­ção im­pu­ta­da ao pre­si­den­te fa­to atí­pi­co [ que não po­de ser en­qua­dra­do co­mo cri­me]”, afir­mou a de­fe­sa. Por es­sas ra­zões, se­gun­do os de­fen­so­res, a de­nún­cia não de­ve ter pros­se­gui­men­to.

O pre­si­den­te M

Agên­cia SE­NA­DO

Mi­chel Te­mer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.