Ati­ra­dor não deu si­nais de que pla­ne­ja­va ataque

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ana­mo­ra­da do ho­mem que ma­tou 58 pes­so­as no do­min­go (1º) ao ati­rar na mul­ti­dão reu­ni­da pa­ra um show em Las Ve­gas afir­mou, na quar­ta (4), que ele “nun­ca dis­se ou fez na­da que pu­des­se ser en­ten­di­do co­mo aler­ta de que al­go ter­rí­vel es­ta­va pa­ra acon­te­cer”. Em co­mu­ni­ca­do li­do por seu ad­vo­ga­do, Ma­ri­lou Dan­ley des­cre­veu Stephen Pad­dock co­mo um ho­mem “ca­ri­nho­so, aten­ci­o­so e tran­qui­lo”.

Ela es­ta­va nas Fi­li­pi­nas quan­do o na­mo­ra­do per­pe­trou o mai­or ataque a ti­ros da his­tó­ria dos EUA, e vol­tou a Los An­ge­les na ter­ça (3), on­de foi sa­ba­ti­na­da no dia se­guin­te pe­lo FBI (po­lí­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na). Es­pe­ra-se que pos­sa aju­dar a es­cla­re­cer a mo­ti­va­ção do mas­sa­cre. No texto, di­vul­ga­do após o in­ter­ro­ga­tó­rio po­li­ci­al, Dan­ley con­fir­mou ter re­ce­bi­do de Pad­dock uma pas­sa­gem de avião pa­ra vi­si­tar a fa­mí­lia de­la no Su­des­te Asiá­ti­co, as­sim co­mo uma trans­fe­rên­cia ines­pe­ra­da de US$ 100 mil (R$ 315 mil) —des­ti­na­da, se­gun­do as ins­tru­ções de­le, à com­pra de uma ca­sa por lá.

“Fi­quei agra­de­ci­da, mas, ho­nes­ta­men­te, te­mi que fos­se um jei­to de ter­mi­nar o re­la­ci­o­na­men­to co­mi­go. Não me ocor­reu de for­ma al­gu­ma que ele es­ti­ves­se pla­ne­jan­do [um ato de] vi­o­lên­cia con­tra quem quer que fos­se.”

O ad­vo­ga­do de Dan­ley afir­mou que sua cli­en­te irá colaborar com a po­lí­cia.

Pad­dock e Dan­ley, 62, co­nhe­ce­ram-se mui­tos anos atrás, quan­do ela tra­ba­lha­va co­mo hos­tess em um cas­si­no de Re­no (Ne­va­da) do qual ele era fre­quen­ta­dor as­sí­duo.

Aus­tra­li­a­na, ela nas­ceu nas Fi­li­pi­nas, tem uma fi­lha que mo­ra na Ca­li­fór­nia e foi ca­sa­da com ou­tro ame­ri­ca­no por 25 anos.

“Te­nho cer­te­za de que ela não sa­be de na­da”, dis­se à CNN uma das ir­mãs de Dan­ley. “Ele a man­dou em­bo­ra [pa­ra as Fi­li­pi­nas] pa­ra não in­ter­fe­rir em seus pla­nos [...] Ela nem sa­bia que ia vi­a­jar, até Ste­ve di­zer: ‘Ma­ri­lou, encontrei uma pas­sa­gem ba­ra­ta pa­ra vo­cê’.”

Pad­dock e Dan­ley mo­ra­vam jun­tos em Mes­qui­te, a 120 km de Las Ve­gas, e ele tam­bém ti­nha uma ca­sa em Re­no. A ge­ren­te de um ca­fé que o ca­sal fre­quen­ta­va em Mes­qui­te con­tou ao “Los An­ge­les Ti­mes” que, em público, o apo­sen­ta­do tra­ta­va mui­to mal a namorada. “Acon­te­cia mui­to de ele a xin­gar, mal­tra­tar ver­bal­men­te”, dis­se.

Nas du­as re­si­dên­ci­as e no quar­to do ho­tel Man­da­lay Bay, do al­to do qual ele al­ve­jou uma aglo­me­ra­ção de mais de 20 mil pes­so­as, fo­ram en­con­tra­das ao to­do 47 ar­mas. Jill Sny­der, agen­te do Es­cri­tó­rio de Ál­co­ol, Ta­ba­co e Ar­mas de Fo­go (ATF), dis­se que, do total, 33 fo­ram com­pra­das en­tre ou­tu­bro de 2016 e 28 de se­tem­bro —a mai­o­ria fu­zis.

À noi­te, o che­fe da po­lí­cia de Las Ve­gas, Jo­seph Lom- bar­do, re­cons­ti­tuiu o ataque. Se­gun­do ele, Pad­dock co­me­çou a ati­rar às 22h05 (2h05 de se­gun­da em Bra­sí­lia) e pa­rou dez mi­nu­tos de­pois.

Às 22h17, se­gu­ran­ças che­ga­ram ao 32º an­dar e fo­ram re­ce­bi­dos a ti­ros —um de­les se fe­riu. Com a che­ga­da da po­lí­cia, 13 mi­nu­tos de­pois, co­me­çou a re­vis­ta dos quar­tos. Quan­do en­tra­ram no de Pad­dock, às 23h20, ele já ha­via se sui­ci­da­do.

Lom­bar­do dis­se acre­di­tar que o pla­no ini­ci­al do ati­ra­dor era sair do ho­tel vivo. Pa­ra ele, é im­pro­vá­vel que Pad­dock te­nha le­va­do as dez ma­las on­de es­ta­vam as 23 ar­mas sem a aju­da de nin­guém.

Ele tam­bém re­ve­lou que o apo­sen­ta­do alu­gou um apar­ta­men­to no cen­tro da ci­da­de no fi­nal de semana an­te­ri­or ao mas­sa­cre. Na oca­sião, Las Ve­gas re­ce­bia um fes­ti­val de mú­si­ca pop e rock.

trump

Pe­la ma­nhã (no ho­rá­rio lo­cal, tar­de no Bra­sil), o pre­si­den­te Do­nald Trump se en­con­trou em Las Ve­gas com cen­te­nas de fe­ri­dos, po­li­ci­ais e pes­so­as que aju­da­ram no res­ga­te às ví­ti­mas.

Em um dos prin­ci­pais hos­pi­tais da ci­da­de, Trump elo­gi­ou o trabalho dos mé­di­cos e se ne­gou a fa­lar so­bre a pos­si­bi­li­da­de de en­du­re­cer o con­tro­le à venda e ao por­te de ar­mas no país. “Es­tou mui­to or­gu­lho­so de ser ame­ri­ca­no ho­je. To­dos aqui fi­ze­ram um trabalho incrível”, dis­se. “Vi pes­so­as ter­ri­vel­men­te fe­ri­das, mui­to mal mes­mo, por­que elas ten­ta­ram aju­dar ou­tras. Con­vi­dei os fe­ri­dos a vi­si­tar a Ca­sa Bran­ca.”

Trump afir­mou ain­da que, “na mais pro­fun­da si­tu­a­ção de hor­ror, sempre acha­mos es­pe­ran­ça na­que­les que ar­ris­cam su­as vi­das pa­ra sal­var ou­tras”. Pa­ra ele, “a Amé­ri­ca é uma na­ção em lu­to”.

Um jor­na­lis­ta ten­tou per­gun­tar so­bre a pos­si­bi­li­da­de de res­trin­gir a co­mer­ci­a­li­za­ção de ar­ma­men­tos, mas Trump não quis co­men­tar. Das 23 ar­mas que Pad­dock ti­nha em seu quar­to de ho­tel, 12 eram do­ta­das do me­ca­nis­mo “bump stock”, que per­mi­te dis­pa­rar ti­ros de for­ma mais rá­pi­da, emu­lan­do um ar­te­fa­to au­to­má­ti­co.

NY TI­MES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.