Con­gres­so abre ca­mi­nho à cen­su­ra nas re­des nas elei­ções

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

OCon­gres­so Na­ci­o­nal re­cor­reu a vo­ta­ções a to­que de cai­xa e, em al­guns ca­sos, ma­no­bras he­te­ro­do­xas pa­ra fi­na­li­zar nes­ta quin­ta-fei­ra seu pro­je­to de re­for­ma po­lí­ti­ca a tem­po de que as no­vas re­gras já se­jam apli­ca­das nas elei­ções de 2018. Pa­ra is­so, bas­ta que os pon­tos se­jam san­ci­o­na­dos pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB) até o pró­xi­mo sá­ba­do, 7 de ou­tu­bro. Uma das mu­dan­ças de úl­ti­ma ho­ra, no en­tan­to, pro­vo­cou ime­di­a­ta po­lê­mi­ca: uma emen­da apro­va­da na ma­dru­ga­da de quar­ta-fei­ra na Câ­ma­ra abre ca­mi­nho pa­ra que se­jam re­ti­ra­dos das re­des so­ci­ais men­sa­gens que con­te­nham “dis­cur­so de ódio, dis­se­mi­na­ção de in­for­ma­ções fal­sas ou ofen­sa em des­fa­vor de par­ti­do ou can­di­da­to” sem a ne­ces­si­da­de de uma de­ci­são ju­di­ci­al. Pa­ra que is­so acon­te­ça, bas­ta que uma pes­soa de­nun­cie uma pu­bli­ca­ção, se­gun­do o tex­to da emen­da pro­pos­ta pe­lo de­pu­ta­do Áu­reo (solidariedade-rj).

se não for ve­ta­da pe­lo pre­si­den­te, a emen­da te­rá al­to im­pac­to em re­des so­ci­ais co­mo go­o­gle, Fa­ce­bo­ok ou Twit­ter e es­pa­lhou pre­o­cu­pa­ção tan­to en­tre exe­cu­ti­vos das gi­gan­tes tecnológicas co­mo nas po­de­ro­sas as­so­ci­a­ções de rá­dio e TV, re­vis­tas e jor­nais que lan­ça­ram no­ta de re­pú­dio. “a abra­ji con­si­de­ra a apro­va­ção des­te dis­po­si- ti­vo uma gra­ve ame­a­ça ao re­gi­me de­mo­crá­ti­co”, dis­se a or­ga­ni­za­ção que reú­ne jor­na­lis­tas in­ves­ti­ga­ti­vos no país. “ago­ra, ape­nas o ve­to do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer po­de ga­ran­tir a li­ber- da­de de ex­pres­são na in­ter­net no plei­to de 2018”, se­guiu a as­so­ci­a­ção.

Fon­tes do se­tor tec­no­ló­gi­co se di­zem pre­o­cu­pa­das por­que, se­gun­do o tex­to apro­va­do, a sim­ples de­nún­cia de um usuá­rio se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra que a pu­bli­ca­ção se­ja der­ru­ba­da em até 24 ho­ras. Em te­se, as pla­ta­for­mas te­rão que sus­pen­der as pu­bli­ca­ções de­nun­ci­a­das pa­ra ana­li­sar se hou­ve dis­se­mi­na­ção de ódio ou in­for­ma­ção fal­sa. Uma vez con­fir­ma­da, a pos­ta­gem de­ve­rá ser eli­mi­na­da. Con­tu­do, es­pe­ra-se, na prá­ti­ca, que o gran­de vo­lu­me de de­nún­ci­as du­ran­te

uma cam­pa­nha elei­to­ral fa­ça com que es­sa aná­li­se de con­teú­do não se­ja pos­sí­vel e que as pu­bli­ca­ções fi­quem sus­pen­sas in­de­fi­ni­da­men­te, ava­li­am as mes­mas fon­tes do se­tor. Ou­tra pre­o­cu­pa­ção é que a me­di­da po­de­ria fa­zer, por exem­plo, com que as equi­pes de cam­pa­nha fis­ca­li­zem os per­fis dos usuá­ri­os e de­nun­ci­em as pu­bli­ca­ções crí­ti­cas — mas não ne­ces­sa- ri­a­men­te ofen­si­vas — que cau­sam da­nos a seus res­pec­ti­vos can­di­da­tos.

a emen­da con­tra­ria o Mar­co Ci­vil da in­ter­net, que re­gu­la o uso da re­de no bra­sil e es­ta­be­le­ce que ape­nas o Ju- di­ciá­rio tem a com­pe­tên­cia pa­ra di­zer se um con­teú­do é ofen­si­vo ou ile­gal — sal­vo os ca­sos que vão con­tra as re­gras de uso de uma re­de so­ci­al, co­mo o com­par­ti­lha­men­to de por­no­gra­fia in­fan­til, por exem­plo; nes­ses ca­sos, a pró­pria pla­ta­for­ma po­de der­ru­bar o con­teú­do. as­sim, no mo­de­lo bra­si­lei­ro não exis­te, em te­se, uma cen­su­ra pré­via. Mas a emen­da apro­va­da aca­ba, na vi­são de in­te­gran­tes do se­tor, com es­ta “pre­sun­ção de li­ber­da­de de ex­pres­são”.

Ou­tra pre­o­cu­pa­ção é o fa­to do tex­to apro­va­do na Câ­ma­ra ser va­go e con­fu­so. Por exem­plo, fa­la-se em “pu­bli­ca­ções” na in­ter­net, mas não se sa­be se faz re­fe­rên­cia ape­nas às pos­ta­gens fei­tas por usuá­ri­os ou tam­bém à pá­gi­nas in­tei­ras — al­go que po­de­ria afe­tar per­fis en­ga­ja­dos co­mo o da Mí­dia Nin­ja ou do Mo­vi­men­to bra­sil li­vre (Mbl). O de­pu­ta­do Áu­reo, lí­der do solidariedade na Câ­ma­ra e au­tor da emen­da, ex­pli­cou ao jor­nal Fo­lha de são Pau­lo que me­di­da tra­ta de “evi­tar uma guer­ri­lha com fa­kes”. “a úni­ca coi­sa que a gen­te quer é que o Fa­ce­bo­ok te­nha agi­li­da­de do que tem na lei. “É um cri­me já [fa­zer co­men­tá­ri­os com per­fis fal­sos]. is­so po­de mu­dar o re­sul­ta­do de uma elei­ção. a di­fe­ren­ça é que qu­e­re­mos agi­li­da­de por­que se fi­car pro­va­do que o au­tor não é ver­da­dei­ro, aí já pas­sou o re­sul­ta­do das elei­ções”, dis­se o de­pu­ta­do ao jor­nal. O de­pu­ta­do Vicente Cândido (PT-SP), re­la­tor da re­for­ma po­lí­ti­ca na Câ­ma­ra, tam­bém de­fen­deu a me­di­da, que pa­ra ele pre­ci­sa ser usa­da com “li­su­ra e de­cên­cia”, se­gun­do dis­se à Fo­lha.

Par­la­men­ta­res dis­cu­tem re­for­ma po­lí­ti­ca no Se­na­do.

Agên­cia SE­NA­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.