“Es­te é o me­lhor e o pi­or dos tem­pos”, diz Oba­ma

Brasil em Folhas - - Primeira Página - RE­PRO­DU­ÇÃO REV . EPO­CA

Oex-pre­si­den­te ame­ri­ca­no Ba­rack Oba­ma es­te­ve nes­ta quin­ta-fei­ra, dia 5 de ou­tu­bro, em São Pau­lo. Ele foi o prin­ci­pal pa­les­tran­te do Fórum Ci­da­dão Glo­bal, or­ga­ni­za­do pe­lo jor­nal Va­lor Econô­mi­co, on­de fa­lou pa­ra li­de­ran­ças em­pre­sa­ri­ais bra­si­lei­ras. Ve­ja a se­guir, os al­guns dos prin­ci­pais tre­chos de seu dis­cur­so:

De­sa­fi­os glo­bais

“De al­gu­mas for­mas, es­te é o me­lhor dos tem­pos e o pi­or dos tem­pos. O mun­do é mais prós­pe­ro do que nun­ca, mas is­so veio com uma de­ses­tru­tu­ra­ção in­dus­tri­al e uma es­tag­na­ção em mui­tas eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das que dei­xou mui­tos tra­ba­lha­do­res e co­mu­ni­da­des acre­di­tan­do que as pers­pec­ti­vas pa­ra elas e pa­ra seus fi­lhos se­rão pi­o­res, em vez de me­lho­res, no fu­tu­ro. A ques­tão que se co­lo­ca a to­dos, se­ja no Bra­sil ou nos Es­ta­dos Uni­dos, na Ásia, na Áfri­ca é: te­mos a ca­pa­ci­da­de de re­cons­truir e re­no­var nos­sos ar­ran­jos po­lí­ti­cos e so­ci­ais de for­ma que fun­ci­o­ne pa­ra to­dos e não ape­nas pa­ra al­guns?”

De­si­gual­da­de so­ci­o­e­conô­mi­ca

“Te­mos que ter cer­te­za de que es­sa no­va eco­no­mia fun­ci­o­ne pa­ra to­dos os po­vos e na­ções. Eu acre­di­to que o ca­pi­ta­lis­mo e os mer­ca­dos aber­tos são os mai­o­res ge­ra­do­res de ri­que­za na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de. Ele­va­ram o pa­drão de vi­da ao re­dor do mun­do, ge­ran­do ino­va­ções e au­men­tan­do a pro­du­ti­vi­da­de. Mas tam­bém é ver­da­de é que a glo­ba­li­za­ção e a au­to­ma­ção en­fra­que­ce­ram a po­si­ção dos tra­ba­lha­do­res pa­ra ga­ran­tir sa­lá­ri­os jus­tos. Em um mun­do on­de ape­nas 1% con­tro­lam tan­ta ri­que­za qu­an­to to­do o res­to, não ve­re­mos es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca. Em ca­da país, te­mos que cons­truir no­vos con­tra­tos so­ci­ais que de­em a to­das as nos­sa pes­so­as jo­vens a edu­ca­ção de que pre­ci­sam. Que ga­ran­tam um sis­te­ma de im­pos­tos que se­ja jus­to e que não per­mi­ta que aque­les que se be­ne­fi­ci­am des­sa no­va eco­no­mia se es­qui­vem de su­as obri­ga­ções. Te­mos que mo­der­ni­zar nos­sa re­de de se­gu­ri­da­de so­ci­al, por­que ela não só cria es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, mas tam­bém dá su­por­te pa­ra que as pes­so­as pos­sam ar­ris­car sa­ben­do que, se as coi­sas não saí­rem co­mo es­pe­ra­do, ao me­nos te­rão o bá­si­co pa­ra so­bre­vi­ver.”

co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal

“Da mes­ma for­ma que lu­ta­mos pa­ra reduzir a de­si­gual­da­de em nos­sos paí­ses, te­re­mos que reduzir a dis­tân­cia en­tre na­ções ri­cas e po­bres. A mai­or par­te dos nos­sos gran­des de­sa­fi­os de­man­da co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal. To­me a ques­tão do aque­ci­men­to glo­bal. Nós aca­ba­mos de ver uma tem­po­ra­da de fu­ra­cões de­vas­ta­do­ra. Nós nun­ca po­de­re­mos atri­buir um fu­ra­cão em par­ti­cu­lar às mu­dan­ças cli­má­ti­cas. Mas o que nós sa­be­mos com cer­te­za é que a ten­dên­cia in­di­ca fu­ra­cões mais for­tes, tem­po­ra­das de in­cên­di­os mais lon­gas, mais inun­da­ções. É o nos­so fu­tu­ro se a tem­pe­ra­tu­ra ao re­dor do mun­do con­ti­nu­ar a cres­cer. Mas ne­nhum país se­rá capaz de re­sol­ver es­se pro­ble­ma so­zi­nho. Te­re­mos que tra­ba­lhar em con­jun­to pa­ra bai­xar as emis­sões de car­bo­no a um ní­vel que nos per­mi­ta ga­nhar o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra que se­jam al­can­ça­dos os avan­ços ci­en­tí­fi­cos e ener­gé­ti­cos que re­sol­ve­rão es­se pro­ble­ma de uma vez por to­das.”

ame­a­ças glo­bais

“Te­mos que re­co­nhe­cer que, no ce­ná­rio glo­bal, a mai­or ame­a­ça não são as ve­lhas dis­pu­tas en­tre as gran­des po­tên­ci­as, co­mo no pas­sa­do. Mas, fre­quen­te­men­te, são os Es­ta­dos fa­li­dos, re­des ter­ro­ris­tas ou o des­con­ten­ta­men­to em gran­des po­pu- la­ções que não tem opor­tu­ni­da­des. O que is­so sig­ni­fi­ca é que não po­de­mos re­sol­ver os pro­ble­mas ape­nas com tan­ques e aviões. Eu es­tou mui­to or­gu­lho­so de os Es­ta­dos Uni­dos se­rem a mai­or po­tên­cia mi­li­tar no mun­do. Is­so é ne­ces­sá­rio, em al­guns ca­sos, pa­ra man­ter a paz. Mas além de man­ter­mos nos­sa van­ta­gem mi­li­tar e tec­no­ló­gi­ca, te­mos tam­bém que man­ter ali­an­ça for­tes ao re­dor do mun­do. E pa­ra fa­zer is­so, te­mos que en­ten­der que nos­sa se­gu­ran­ça não de­pen­de ape­nas de equi­pa­men­to mi­li­tar. De­pen­de tam­bém de uma di­plo­ma­cia for­te. E a for­ça de nos­sa eco­no­mia e de nos­sas idei­as é igual­men­te im­por­tan­te pa­ra ga­ran­tir a paz. É des­sa for­ma que po­de­mos cri­ar um ce­ná­rio de es­pe­ran­ça, em vez de cí­ru­clos de me­do e desespero que ve­mos cres­cer em tan­tas re­giões do mun­do.”

Di­ver­si­da­de e imi­gra­ção

“Pre­ci­sa­mos re­no­var nos­so sen­ti­do e aber­tu­ra a ou­tras cul­tu­ras e aos que pa­re­cem di­fe­ren­tes de nós. Mi­nhas es­pe­ran­ça é que, tan­to no Bra­sil qu­an­to nos Es­ta­dos Uni­dos, que têm uma his­tó­ria mul­tir­ra­ci­al, ve­ja­mos is­so co­mo uma van­ta­gem e não co­mo uma fra­que­za. As pos­si­bi­li­da­des de pes­so­as com tra­je­tó­ri­as e ex­pe­ri­ên­cais di­fe­ren­tes, to­das con­tri­buin­do pa­ra uma na­ção avan­çar, é o fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.