Po­lí­cia Fe­de­ral pren­de Car­los Arthur Nuz­man

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

aJus­ti­ça e a Po­lí­cia Fe­de­ral bra­si­lei­ras pa­re­cem ca­da vez mais per­to de demonstrar que a vi­tó­ria do rio de Ja­nei­ro co­mo se­de olím­pi­ca foi uma far­sa. Car­los arthur Nuz­man, pre­si­den­te do Co­mi­tê Olím­pi­co bra­si­lei­ro (COB) des­de 1995, foi pre­so nes­ta quin­ta-fei­ra, 5 de ou­tu­bro, e é apon­ta­do co­mo in­ter­me­di­a­dor e “fi­gu­ra cen­tral” de um es­que­ma cri­mi­no­so que uniu os in­te­res­ses econô­mi­cos de em­pre­sá­ri­os e po­lí­ti­cos do rio com os dos mem­bros do Co­mi­tê Olím­pi­co in­ter­na­ci­o­nal (COI), dis­pos­tos a ven­der seus vo­tos pa­ra a es­co­lha da ci­da­de olím­pi­ca de 2016. Jun­to a Nuz­man foi pre­so tam­bém le­o­nar­do gry­ner, bra­ço-di­rei­to do pre­si­den­te do COB e ex-di­re­tor de ope­ra­ções do co­mi­tê rio 2016. am­bos se­rão in­di­ci­a­dos por cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. Nuz­man cos­tu­ma­va se au­to­pro­cla­mar co­mo o “pai da Olim­pía­da” e rei­vin­di­ca­va seu pa­pel na vi­tó­ria. “Eu trouxe os Jo­gos pa­ra o bra­sil”, di­zia. a ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral, ba­ti­za­da de Un­fair Play- se­gun­do tem­po, é um des­do­bra­men­to da la­va Ja­to e foi motivada por um pe­di­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fran­cês, no fim do ano pas­sa­do, após en­con­trar in­dí­ci­os de cor­rup­ção na can­di­da­tu­ra do rio em in­ves­ti­ga­ção so­bre do­ping no atle­tis­mo.

a sus­pei­ta é que o rio, com a me­di­a­ção de Nuz­man, com­prou o vo­to do se­ne­ga­lês la­mi­ne Di­ack, ex-pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal de atle­tis­mo (iaaf), por, pe­lo me­nos, dois milhões de dó­la­res. Di­ack, além de ter vo­ta­do a fa­vor do rio no pro­ces­so de es­co­lha da se­de de 2016, ain­da te­ria in­flu­en­ci­a­do ou­tros di­ri­gen­tes es­por­ti­vos do con­ti­nen­te afri­ca­no a fa­ze­rem o mes­mo. Nes­ta quin­ta, a Po­lí­cia Fe­de­ral di­vul­gou emails que con­têm tro­ca de men­sa­gens en­tre Nuz­man e Pa­pa Mas­sa­ta Di­ack, fi­lho de la­mi­ne, o qual mos­tra­va a in­qui­e­ta­ção dos “nos­sos ami­gos” pe­la de­mo­ra em re­ce­ber os va­lo­res da pro­pi­na. Num dos e-mails, o fi­lho do se­ne­ga­lês afir­ma que o atra­so no pa­ga­men­to ge­rou “de nos­so la­do to­do ti­po de cons­tran­gi­men­to de pes­so­as que con­fi­a­ram no nos­so com­pro­me­ti­men­to em Co­pe­nha­gue”. se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções, o em­pre­sá­rio arthur Cé­sar so­a­res de Me­ne­zes, co­nhe­ci­do no rio co­mo rei arthur por os­ten­tar os mais ren­tá­veis con­tra­tos com o go­ver­no do rio, foi o res­pon­sá­vel por pa­gar a pro­pi­na se­ma­nas an­tes da es­co­lha, em ou­tu­bro de 2009, em Co­pe­nha­gue. gry­ner, se­gun­do o jor­nal Fo­lha de s.pau­lo, ad­mi­tiu em de­poi­men­to ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que en­con­trou com so­a­res e dis­cu­tiu com ele o pa­tro­cí­nio de even­tos da iaaf, en­ti­da­de dirigida por la­mi­ne Di­ack. a reu­nião foi in­ter­me­di­a­da por sér­gio Ca­bral, ex-go­ver­na­dor do Es­ta­do. O rei arthur es­tá fo­ra­gi­do há dois me­ses, mas não é o úni­co sob a mi­ra da Jus­ti­ça. a Olim­pía­da foi um gran­de ne­gó­cio pa­ra a ci­da­de, e os in­ves­ti­ga­do­res têm in­dí­ci­os da par­ti­ci­pa­ção de ou­tros em­pre­sá­ri­os na frau­de pa­ra se be­ne­fi­ci­ar eco­no­mi­ca­men­te de­pois com a ob­ten­ção de con­tra­tos pú­bli­cos e pri­va­dos as­so­ci­a­dos ao even­to. To­dos os sus­pei­tos são par­te da ca­ma­ri­lha do ex-go­ver­na­dor ser­gio Ca­bral, ho­je pre­so e con­de­na­do a mais de 45 anos de pri­são por cor­rup­ção. “Os Jo­gos fo­ram uma das me­lho­res es­tra­té­gi­as pa­ra a ca­pi­ta­li­za­ção po­lí­ti­co e econô­mi­ca. Trou­xe­ram in­ves­ti­men­tos, obras fo­ram re­a­li­za­das e con­tra­tos de ser­vi­ços fo­ram fir­ma­dos com vá­ri­as em­pre­sas já de­nun­ci­a­das. Os ami­gos da cor­te [de Ca­bral] ti­ve­ram seus lu­cros, e por ou­tro la­do pa­ga­ram a pro­pi­na que vem sen­do de­mons­tra­da”, afir­mou a pro­cu­ra­do­ra Fa­bi­a­na sch­nei­der. Os bens de Nuz­man, que fez for­tu­na du­ran­te os úl­ti­mos dez co­mo pre­si­den­te do COB, é um dos ele­men­tos que mais cha­mou a aten­ção dos in­ves­ti­ga­do­res: o pa­trimô­nio do di­ri­gen­te cres­ceu 416% no pe­río­do en­tre 2006 e 2016, sem que ha­ja trans­pa­rên­cia so­bre sua ori­gem. a vés­pe­ra dos Jo­gos foi tam­bém um pe­río­do lu­cra­ti­vo pa­ra o pre­si­den­te do COB, que viu seus bens cres­ce­rem ex­po­nen­ci­al­men­te. Em 2014, ele de­cla­rou 8,4 milhões de re­ais em bens, o do­bro do de­cla­ra­do no ano an­te­ri­or. Nes­sa de­cla­ra­ção de bens fi­cou pa­ten­te, se­gun­do os in­ves­ti­ga­do­res, que a mai­o­ria do seu pa­trimô­nio pro­vem de ações de com­pa­nhia se­di­a­da nas ilhas Vir­gens, um co­nhe­ci­do pa­raí­so fis­cal.

Car­los Arthur Nuz­man é le­va­do por agen­tes da PF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.