“SÓ CON­SE­GUI RE­CO­NHE­CER MEU FI­LHO PE­LOS DENTINHOS”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Uma pe­re­gri­na­ção em de­ses­pe­ro. as­sim que foi in­for­ma­da pe­lo te­le­fo­ne que um in­cên­dio ha­via to­ma­do a cre­che on­de o fi­lho es­tu­da­va, Ja­ne Kel­le da sil­va so­a­res cor­reu pa­ra o lo­cal, que fi­ca a me­nos de um quilô­me­tro de sua casa. po­li­ci­ais im­pe­di­ram que ela en­tras­se. as ví­ti­mas já ha­vi­am si­do le­va­das pa­ra os pos­tos de aten­di­men­to de emer­gên­cia da ci­da­de de Ja­naú­ba, no nor­te mi­nei­ro. ela pas­sou de hos­pi­tal em hos­pi­tal, de lei­to em lei­to, e, de­pois de mais de três ho­ras de ago­nia, ain­da não ha­via en­con­tra­do o fi­lho. Fal­ta­va a fu­ne­rá­ria. Res­pi­rou fun­do, foi em fren­te e lo­go per­ce­beu que Ru­an Mi­guel so­a­res sil­va, de qua­tro anos, en­tra­ria pa­ra a trá­gi­ca ci­fra das oi­to crianças que mor­re­ram quei­ma­das no aten­ta­do co­me­ti­do pe­lo vi­gia Da­mião so­a­res dos san­tos na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra. “só con­se­gui re­co­nhe­cer meu fi­lho pe­los dentinhos”, con­ta Ja­ne.

Ru­an pas­sa­va par­te do dia na cre­che cre­che mu­ni­ci­pal Gen­te ino­cen­te des­de fe­ve­rei­ro, qu­an­do Ja­ne, de­sem­pre­ga­da, re­sol­veu ma­tri­cu­lá-lo pa­ra po­der fa­zer bi­cos co­mo di­a­ris­ta e com­ple­men­tar a ren­da. ela ban­ca­va as des­pe­sas com 134 re­ais do Bol­sa Fa­mí­lia e, mês sim, mês não, mais 150 re­ais de pen­são pa­gos pe­lo pai do me­ni­no.

se em mui­tos as­pec­tos a história de Ja­ne é se­me­lhan­te à de vá­ri­as mães do bair­ro pobre de Rio No­vo, em Ja­naú­ba – res­pon­sá­veis so­zi­nhas pe­la edu­ca­ção dos fi­lhos, a úni­ca chan­ce de se­guir tra­ba­lhan­do era con­tar a cre­che –, em ou­tros seus per­cal­ços e o des­fe­cho cru­el com Ru­an têm tin­tas dra­má­ti­cas úni­cas. Mes­mo an­tes da quin­ta-fei­ra, um in­cên­dio já mar­ca­ra a história da fa­mí­lia. aos três anos, Ru­an Mi­guel apro­vei­tou um mo­men­to de dis­tra­ção da mãe, que ha­via dei­xa­do um is­quei­ro em ci­ma da me­sa, e aca­bou pro­vo­can­do um in­cên­dio na casa em que vi­vi­am em pa­ra­gua­çu, a mais de 800 quilô­me­tros de Ja­naú­ba. en­quan­to as cha­mas se es­pa­lha­vam pe­lo quar­to, quei­man­do seu ber­ço e o col­chão, ele fi­cou imó­vel até Ja­ne apa­re­cer pa­ra res­ga­tá-lo. O quar­to fi­cou des­truí­do. e a vi­da dos dois mu­dou. após o aci­den­te do­més­ti­co, o ma­ri­do re­sol­veu se se­pa­rar, cul­pan­do-a, se­gun­do Ja­ne, pe­lo acon­te­ci­do. “ele dis­se que eu e o me­ni­no de­ve­ría­mos ter mor­ri­do no in­cên­dio. Me aban­do­nou de­pois dis­so”, diz ela, que vol­tou, com Ru­an, pa­ra a casa da mãe. De­pois dis­so, Ru­an Mi­guel pa­re­cia trau­ma­ti­za­do com fo­go. sem­pre que via al­go em cha­mas, cor­ria as­sus­ta­do.

“a sor­te é que mi­nha mãe sem­pre me aju­dou mui­to”, res­sal­ta Ja­ne. “se não, eu es­ta­ria per­di­da. a mãe que a aju­da a en­fren­tar o lu­to é aneis Bar­bo­sa da sil­va, 76 anos, mãos e pés ca­le­ja­dos e tra­gé­di­as pró­pri­as e pas­sa­das pa­ra con­tar. an­tes de se es­ta­be­le­cer no bair- ro com ru­as de ter­ra, aneis tra­ba­lha­va duro na ro­ça em plan­ta­ções de al­go­dão e fei­jão. Dos 14 fi­lhos, ape­nas seis es­tão vi­vos. Nem de to­das as mor­tes ela se lem­bra exa­ta­men­te, mas não fal­tam no re­la­to en­fer­mi­da­des da po­bre­za e da fal­ta de mé­di­cos: o mais ve­lho mor­reu de do­en­ça de Cha­gas, aos 39 anos, ou­tro te­ve um ca­so de té­ta­no e ela lem­bra ain­da de um abor­to es­pon­tâ­neo. Viú­va pre­co­ce, ela per­de­ria a casa pró­pria nu­ma chu­va for­te – o lo­cal on­de vi­ve ago­ra foi er­gui­do gra­ças a um mu­ti­rão da co­mu­ni- da­de. “so­fri mui­to, mas nun­ca me de­ses­pe­rei”, diz ela. O exem­plo de re­sis­tên­cia da ma­tri­ar­ca da fa­mí­lia sil­va, que ago­ra con­ta­bi­li­za 15 ne­tos, tem aju­da­do a ame­ni­zar a dor pe­la per­da de Ru­an. “Nos­so or­gu­lho é que, ape­sar de to­das as di­fi­cul­da­des, nun­ca pre­ci­sa­mos rou­bar na­da de nin­guém pa­ra po­der so­bre­vi­ver”, afir­ma a fi­lha mais velha, Ma­ria de Je­sus. a fa­mí­lia se es­for­ça pa­ra não guar­dar res­sen­ti­men­tos de Da­mião, o ex- fun­ci­o­ná­rio da pre­fei­tu­ra que co­me­teu o cri­me. “pe­di­mos a Deus que aben­çoe a al­ma de­le. e tam­bém a sua fa­mí­lia, que de­ve es­tar so­fren­do mui­to”, pre­ga aneis. Os fa­mi­li­a­res, no en­tan­to, se di­zem de­cep­ci­o­na­dos com as au­to­ri­da­des do mu­ni­cí­pio. acre­di­tam que Ru­an e ou­tras crianças po­de­ri­am ter so­bre­vi­vi­do ca­so a cre­che, que não ti­nha ex­tin­tor de in­cên­dio e nem al­va­rá do Cor­po de Bom­bei­ros, con­tas­se com equi­pa­men­tos de se­gu­ran­ça con­tra in­cên­di­os.

No sex­ta, o ve­ló­rio de Ru­an en­cheu o quin­tal da casa. e Ja­ne Kel­le con­ta ter en­con­tra­do al­gu­ma for­ça nas inú­me­ras ma­ni­fes­ta­ções de apoio re­ce­bi­das nas úl­ti­mas ho­ras. “Ga­nhei abra­ço de gen­te que eu nem co­nhe­cia. es­se ca­ri­nho aju­da de­mais”, con­ta a mãe, de 29 anos. en­quan­to con­ver­sa com a re­por­ta­gem do el país, lem­bra de Ru­an e aca­ri­cia uma fo­to de­le, ti­ra­da um dia an­tes da mor­te. “Que me­ni­no da­na­do! Cor­ria pra tu­do quan­to é la­do. se dei­xas­se, an­da­va de bi­ci­cle­ta o dia in­tei­ro. To­do mun­do gos­ta­va de­le. O que vai ser de mim sem o meu me­ni­no?”

El pais

Ja­ne Kel­le com a fo­to fi­lho, Ru­an Mi­guel, que mor­reu na tra­gé­dia.

B.p.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.