Pro­pa­gan­da no facebook e NO­VO fun­do: O que mu­da nas elei­ções de 2018

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

atão es­pe­ra­da e de­ba­ti­da re­for­ma po­lí­ti­ca fi­nal­men­te saiu. após me­ses de idas e vin­das, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB) san­ci­o­nou, na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, o pro­je­to apro­va­do nos ple­ná­ri­os da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e do se­na­do Fe­de­ral. ele ti­nha até o dia 7 de ou­tu­bro pa­ra san­ci­o­ná­lo pa­ra que al­gu­mas re­gras já pas­sas­sem a va­ler a par­tir das elei­ções de 2018. as prin­ci­pais mu­dan­ças são a cri­a­ção de um fun­do pú­bli­co de cer­ca de dois bi­lhões de re­ais pa­ra fi­nan­ci­ar as cam­pa­nhas elei­to­rais, uma cláu­su­la de bar­rei­ra que pre­ten­de di­mi­nuir o nú­me­ro de par­ti­dos pre­sen­tes na Câ­ma­ra e o fim das co­li­ga­ções pro­por­ci­o­nais, a par­tir de 2020, nas elei­ções pa­ra o le­gis­la­ti­vo.

a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção dos par­la­men­ta­res era a cri­a­ção do gran­de fun­do pú­bli­co, um pon­to po­lê­mi­co e re­jei­ta­do en­tre a opi­nião pú­bli­ca — so­bre­tu­do por­que be­ne­fi­cia gran­des e tra­di­ci­o­nais par­ti­dos. Com a de­ci­são do su­pre­mo, em se­tem­bro de 2015, de proi­bir o fi­nan­ci­a­men­to pri­va­do, le­gen­das e can­di­da­tos ar­re­ca­da­ram 3,3 bi­lhões de re­ais pa­ra as elei­ções mu­ni­ci­pais de 2016, qua­se me­ta­de do que em 2012 (seis bi­lhões), se­gun­do o Tse. Com o te­mor de não te­rem dinheiro pa­ra ban­car su­as re­e­lei­ções em 2018, os par­la­men­ta­res apro­va­ram um fun­do elei­to­ral com um or­ça­men­to de dois bi­lhões de re­ais pa­ra o ano que vem. es­te va­lor se so­ma ao bi­lhão de re­ais ao qual eles já têm di­rei­to via fun­do par­ti­dá­rio (en­ten­da abai­xo).

a re­for­ma tam­bém dei­xou pe­lo ca­mi­nho uma sé­rie de ini­ci­a­ti­vas, co­mo a ado­ção do cha­ma­do dis­tri­tão, mui­to cri­ti­ca­do por es­pe­ci­a­lis­tas. Te­mer cum­priu a pro­mes­sa de ve­tar, após uma en­xur­ra­da de crí­ti­cas, um po­lê­mi­co ar­ti­go que pre­via a cen­su­ra au­to­má­ti­ca de pu­bli­ca­ções nas re­des so­ci­ais que con­ti­ves­sem “dis­cur­so de ódio, dis­se­mi­na­ção de in­for­ma­ções fal­sas ou ofen­sa em des­fa­vor de par­ti­do ou can­di­da­to”.

Veja abai­xo as prin­ci­pais mu­dan­ças e o que fi­cou de fo­ra da re­for­ma.

O que fi­cou na re­for­ma

fim das co­li­ga­ções

De­pu­ta­dos fe­de­rais e es­ta­du­ais con­ti­nu­a­rão a ser elei­tos pe­lo sis­te­ma pro­por­ci­o­nal, no qual as ca­dei­ras são dis­tri­buí­das com ba­se na vo­ta­ção to­tal dos can­di­da­tos do par­ti­do ou da co­li­ga­ção (tan­tos os elei­tos co­mo os não elei­tos), além dos vo­tos na pró­pria le­gen­da. a úni­ca di­fe­ren­ça é que, a par­tir de 2020, as co­li­ga­ções en­tre par­ti­dos es­ta­rão proi­bi­das nas elei­ções pa­ra a Câ­ma­ra.

Nas elei­ções ma­jo­ri­tá­ri­as (pre­si­den­te, go­ver­na­do­res e se­na­do­res), as co­li­ga­ções se­rão man­ti­das. O que sig­ni­fi­ca que par­ti­dos con­ti­nu­a­rão a po­der so­mar seus tem­pos de rá­dio e te­le­vi­são.

cláu­su­la de bar­rei­ra

a par­tir de 2018, pa­ra que te­nham aces­so ao Fun- do par­ti­dá­rio à pro­pa­gan­da gra­tui­ta no rá­dio e TV, os par­ti­dos de­ve­rão ter ao me­nos 1,5% dos vo­tos vá­li­dos dis­tri­buí­dos em pe­lo me­nos no­ve es­ta­dos, com um mí­ni­mo de 1% dos vo­tos em ca­da uma das 27 uni­da­des da Fe­de­ra­ção; ou ele­ger no­ve de­pu­ta­dos fe­de­rais, sen­do um por ca­da es­ta­do. em 2030, es­te per­cen­tu­al su­bi­rá pa­ra 3%. a ideia é evi­tar a pro­li­fe­ra­ção de par­ti­dos pe­que­nos no par­la­men­to, o que di­fi­cul­ta a go­ver­na­bi­li­da­de.

fun­do elei­to­ral bi­li­o­ná­rio

Va­lor: apro­xi­ma­da­men­te dois bi­lhões de re­ais pa­ra 2018, que se so­mam aos qua­se um bi­lhão de re­ais do fun­do par­ti­dá­rio. O fun­do pa­ra a cam­pa­nha se­rá abas­te­ci­do com 30% das emen­das par­la­men­ta­res de de­pu­ta­dos e se­na­do­res. Tam­bém com o dinheiro que se­rá ar­re­ca­da­do com o fim da com­pen­sa­ção fis­cal que era da­da às emis­so­ras de rá­dio e te­le­vi­são pe­la pro­pa­gan­da par­ti­dá­ria em ano não elei­to­ral.

Di­vi­são en­tre par­ti­dos: 2% de to­do o fun­do se­rá di­vi­di­do de for­ma igual en­tre to­dos os par­ti­dos; 35% se­rão di­vi­di­dos na pro­por­ção do per­cen­tu­al de vo­tos ob­ti­dos pe­los par­ti­dos na elei­ção an­te­ri­or pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos (des­de que o par­ti­do te­nha elei­to pe­lo me­nos um de­pu­ta­do); 48% se­rão di­vi­di­dos na pro­por­ção do nú­me­ro de re­pre­sen­tan­tes na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos no dia 10 de agos­to de 2017; 15% se­rão dis­tri­buí­dos na pro­por­ção do nú­me­ro de re­pre­sen­tan­tes no se­na­do no dia 10 de agos­to de 2017.

Di­vi­são en­tre can­di­da­tos: 50% ao can­di­da­to a pre­si­den­te, go­ver­na­dor ou se­na­dor; 30% aos can­di­da­tos a de­pu­ta­do fe­de­ral; 20% aos can­di­da­tos a de­pu­ta­do es­ta­du­al.

Pro­pa­gan­da na in­ter­net

Ho­je a pro­pa­gan­da na in­ter­net es­tá proi­bi­da. Mas, com a re­for­ma po­lí­ti­ca, fi­ca per­mi­ti­do o im­pul­si­o­na­men­to de con­teú­do, ou se­ja, o pa­ga­men­to pa­ra que pos­ta­gens em re­des so­ci­ais co­mo o Facebook al­can­cem um nú­me­ro de usuá­ri­os mai­or. Uma das crí­ti­cas é que es­ta nor­ma ge­ra uma de­si­gual­da­de econô­mi­ca ao be­ne­fi­ci­ar ex­clu­si­va­men­te al­gu­mas pla­ta­for­mas, co­mo o pró­prio Facebook, em de­tri­men­to de ou­tras, co­mo si­tes e blogs.

Te­to de gas­tos em cam­pa­nhas

a re­for­ma po­lí­ti­ca es­ta­be­le­ceu um te­to de gas­tos pa­ra as cam­pa­nhas com va­lo­res ab­so­lu­tos, que va­ri­am de acor­do com o car­go dis­pu­ta­do. cam­pa­nha de can­di­da­to à pre­si­dên­cia: 70 mi­lhões de re­ais. De can­di­da­to a go­ver­na­dor: de 2,8 mi­lhões a 21 mi­lhões de re­ais (va­lor de­pen­de do nú­me­ro de ha­bi--

tan­tes de ca­da es­ta­do).

De can­di­da­to a se­na­dor: 2,5 mi­lhões a 5,6 mi­lhões (tam­bém de­pen­de do nú­me­ro de ha­bi­tan­tes do es­ta­do). De can­di­da­to a de­pu­ta­do: 2,5 mi­lhões.

O que fi­cou de fo­ra da re­for­ma

do­a­ções de pes­so­as fí­si­cas e Li­mi­tes pa­ra o au­to­fi­nan­ci­a­men­to

a re­gra que con­ti­nua va­len­do é a de que as do­a­ções de pes­so­as fí­si­cas não po­dem ul­tra­pas­sar 10% da ren­da bru­ta do ano an­te­ri­or. Mas Te­mer ve­tou um ar­ti­go apro­va­do por de­pu­ta­dos e se­na­do­res que es­ta­be­le­cia um li­mi­te de do­a­ção de até 10 sa­lá­ri­os mí­ni­mos (9.690 re­ais) pa­ra ca­da car­go em dis­pu­ta. Ca­so uma pes­soa de­ci­dis­se do­ar, em 2018, pa­ra can­di­da­tos a to­dos os car­gos, ela po­de­ria en­tão do­ar no má­xi­mo 50 sa­lá­ri­os.

a mes­ma re­gra va­le pa­ra o cha­ma­do au­to­fi­nan­ci­a­men­to (is­to é, aque­les can­di­da­tos que qui­se­rem do­ar pa­ra su­as pró­pri­as cam­pa­nhas), o que fa­vo­re­ce os mais ri­cos. en­tre­tan­to, es­te é um dos pon­tos que ge­ra­ram polêmica e con­fu­são no Con­gres­so nos úl­ti­mos di­as. is­so por­que a Câ­ma- ra apro­vou uma emen­da que es­ta­be­le­cia um te­to de 200.000 re­ais pa­ra o au­to­fi­nan­ci­a­men­to. Mas o se­na­do fez uma ma­no­bra de úl­ti­ma hora pa­ra per­mi­tir que um can­di­da­to pu­des­se ban­car até 100% de sua cam­pa­nha. Mas, de­vi­do a uma con­fu­são, o pro­je­to enviado a Te­mer san­ci­o­nar es­ta­be­le­cia que o li­mi­te pa­ra o au­to­fi­nan­ci­a­men­to se­ria o mes­mo das do­a­ções de pes­so­as fí­si­cas, de até 10 sa­lá­ri­os mí­ni­mos.

dis­tri­tão e dis­tri­tal mis­to

Uma das pro­pos­tas mais dis­cu­ti­das pe­la Câ­ma­ra, mas que tam­bém mais re­jei­ção cau­sou, era a de ele­ger de­pu­ta­dos atra­vés do dis­tri­tão. a ideia era apro­var es­te sis­te­ma pa­ra 2018 e de­pois mi­grar pa­ra o dis­tri­tal mis­to em 2022. Ca­so a pro­pos­ta ti­ves­se si­do apro­va­da, os es­ta­dos vi­ra­ri­am dis­tri­tos e ape­nas os can­di­da­tos mais vo­ta­dos em ca­da en­tra­ri­am. em su­ma, a Câ­ma­ra es­ta­ria ado­tan­do um sis­te­ma ma­jo­ri­tá­rio, o que au­men­ta­ria ain­da mais a frag­men­ta­ção par­ti­dá­ria, man­te­ria as cam­pa­nhas ca­ras, não tor­na­ria os elei­to­res mais pró­xi­mos aos can­di­da­tos, fa­ria com que o sis­te­ma fos­se me­nos re­pre­sen­ta­ti­vo e se­ria mais van­ta­jo­so pa­ra can­di­da­tos co­nhe­ci­dos ou em pos­se de po­de­ro­sas má­qui­nas par­ti­dá­ri­as e di­fi­cul­ta­ria a re­no­va­ção do par­la­men­to. Mas a pró­pria Ca­sa der­ru­bou a pro­pos­ta ta­ma­nha era sua im­po­pu­la­ri­da­de.

O sis­te­ma dis­tri­tal mis­to ain­da es­tá sen­do de­ba­ti­do no Con­gres­so e tem o apoio de pes­so­as co­mo o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM), e o pre­si­den­te do se­na­do, eu­ní­cio de Oli­vei­ra (PMDB). Ca­so se­ja apro­va­do, va­le­ria pa­ra as elei­ções de 2022.

Mas, por en­quan­to, o que se­gue va­len­do ain­da é o sis­te­ma pro­por­ci­o­nal (des­cri­to aci­ma).

cen­su­ra na in­ter­net

após uma tor­ren­te de crí­ti­cas, Te­mer de­ci­diu ve­tar um ar­ti­go da re­for­ma po­lí­ti­ca que abria ca­mi­nho pa­ra que fos­sem re­ti­ra­dos das re­des so­ci­ais, sem a ne­ces­si­da­de de uma de­ci­são ju­di­ci­al, as pu­bli­ca­ções com “dis­cur­so de ódio, dis­se­mi­na­ção de in­for­ma­ções fal­sas ou ofen­sa em des­fa­vor de par­ti­do ou can­di­da­to”. pa­ra que is­so acon­te­ces­se, bas­ta­va que uma pes­soa de­nun­ci­as­se uma pu­bli­ca­ção, se­gun­do o tex­to da emen­da pro­pos­ta pe­lo de­pu­ta­do Áu­reo (so­li­da­ri­e­da­de-rj). a emen­da ha­via si­do apro­va­da na ma­dru­ga­da da úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, no apa­gar das lu­zes. Ca­so não fos­se ve­ta­da, te­ria al­to im­pac­to em re­des so­ci­ais co­mo Go­o­gle, Facebook ou Twit­ter, o que es­pa­lhou pre­o­cu­pa­ção tan­to en­tre exe­cu­ti­vos das gi­gan­tes tec­no­ló­gi­cas co­mo nas po­de­ro­sas as­so­ci­a­ções de rá­dio e TV, re­vis­tas e jor­nais que lan­ça­ram no­ta de re­pú­dio.

can­di­da­tu­ras in­de­pen­den­tes

Che­gou-se a dis­cu­tir na Câ­ma­ra a pos­si­bi­li­da­de de au­to­ri­zar as cha­ma­das can­di­da­tu­ras in­de­pen­den­tes e avul­sas, ou se­ja, aque­las na qual uma pes­soa par­ti­ci­pa de um plei­to mes­mo sem es­tar fi­li­a­da a um par­ti­do po­lí­ti­co. ape­sar de ser pre­sen­te na mai­o­ria dos paí­ses de­mo­crá­ti­cos — co­mo na Fran­ça, que aca­ba de ele­ger pa­ra pre­si­den­te um can­di­da­to sem par­ti­do, em­ma­nu­el Ma­cron — , os de­pu­ta­dos des­car­ta­ram es­ta pro­pos­ta. en­tre­tan­to, o su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral irá jul­gar uma ação que po­de­rá li­be­rar es­te ti­po de can­di­da­tu­ra, que aca­ba­ria com o mo­no­pó­lio dos par­ti­dos po­lí­ti­cos no Bra­sil.

man­da­to em tri­bu­nais su­pe­ri­o­res

Ou­tra pro­pos­ta que fi­cou fo­ra da re­for­ma po­lí­ti­ca por de­ci­são dos de­pu­ta­dos era a de es­ta­be­le­cer man­da­tos de 10 anos pa­ra mi­nis­tros su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, do su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e do Tri­bu­nal de Con­tas da União. ela só va­le­ria pa­ra os no­vos mi­nis­tros es­co­lhi­dos. Os que já es­tão nas Cor­tes, con­ti­nu­a­ri­am sen­do vi­ta­lí­ci­os. seus de­fen­so­res ar­gu­men­tam que a me­di­da oxi­ge­na­ria o Ju­di­ciá­rio bra­si­lei­ro e o apro­xi­ma­ria de al­gu­mas cor­tes eu­ro­pei­as, on­de há man­da­to. seus crí­ti­cos di­zi­am que po­de­ria fa­zer com que al­guns dos ma­gis­tra­dos usas­sem o car­go co­mo uma pon­te pa­ra en­trar na vi­da po­lí­ti­ca.

El pais

Mi­chel Te­mer, na ú

JOÉDSON al­ves/efe

úl­ti­ma quar­ta-fei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.