Cláu­su­la de de­sem­pe­nho ame­a­ça 14 dos 35 par­ti­dos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

avo­ta­ção da re­for­ma po­lí­ti­ca que foi con­cluí­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal po­de de­cre­tar já a par­tir de 2018 a ex­tin­ção de 14 dos 35 par­ti­dos do país. Ca­so as re­gras es­ti­ves­sem vi­gen­tes na úl­ti­ma elei­ção na­ci­o­nal, es­sas si­glas na­ni­cas não te­ri­am aces­so a re­cur­sos do fun­do par­ti­dá­rio nem di­rei­to de ex­por su­as pro­pos­tas em pro­gra­mas de rá­dio e TV. são le­gen­das ide­o­ló­gi­cas da es­quer­da à di­rei­ta e ou­tras con­si­de­ra­das si­glas de alu­guel – que cos­tu­mam ser­vir de tram­po­lim po­lí­ti­co pa­ra al­gu­mas fi­gu­ras pú­bli­cas ou co­mo mo­e­da de tro­ca que fa­vo­re­cem su­as li­de­ran­ças. ape­sar do am­plo pa­co­te de re­for­ma po­lí­ti­ca dis­cu­ti­do nos úl­ti­mos me­ses ape­nas qua­tro pon­tos pros­pe­ra­ram: a cláu­su­la de de­sem­pe­nho, um fun­do de fi­nan­ci­a­men­to elei­to­ral de 1,7 bi­lhão de re­ais, a pos­si­bi­li­da­de do can­di­da­to se au­to­fi­nan­ci­ar e a au­to­ri­za­ção pa­ra a publicidade na in­ter­net, ain­da que com li­mi­ta­ções. O fim das co­li­ga­ções pa­ra elei­ções pro­por­ci­o­nais fi­cou só pa­ra 2020. a mu­dan­ça do sis­te­ma pro­por­ci­o­nal pa­ra o dis­tri­tal mis­to, ou pa­ra o dis­tri­tão, não foi apro­va­da e não tem previsão de re­tor­nar ao de­ba­te.

a cláu­su­la de de­sem­pe­nho pro­mul­ga­da nes­ta quar­ta-fei­ra pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal pre­vê uma sé­rie de exi­gên­ci­as mí­ni­mas pa­ra que os par­ti­dos te­nham aces­so aos re­cur­sos fi­nan­cei­ros e à pro­pa­gan­da em mei­os de co­mu­ni­ca­ção. as prin­ci­pais de­las são: atin­gir 1,5% dos vo­tos pa­ra de­pu­ta­dos fe­de­rais em no­ve es­ta­dos, com um mí­ni­mo de 1% dos vo­tos em ca­da uma das 27 uni­da­des da Fe­de­ra­ção; ou ele­ger no­ve de­pu­ta­dos fe­de­rais, sen­do um por ca­da es­ta­do. es­se per­cen­tu­al so­be ano a ano até, em 2030, che­gar aos 3% ou a elei­ção de 15 par­la­men­ta­res co­mo li­mi­te mí­ni­mo. Nes­se ce­ná­rio, os se­guin­tes par­ti­dos cor­rem sé­ri­os ris­cos de se­rem ex­tin­tos ou so­fre­rem pa­ra so­bre­vi­ver fi­nan­cei­ra­men­te: PCO, PCB, ppl, ps­tu, PRTB, PMN, psdc, pen (que vai mu­dar o no­me pa­ra pa­tri­o­tas), prp, PTN, psl, avan­te e phs. Jun­tos, eles re­ce­be­ram 64,3 mi­lhões de re­ais em 2016 do fun­do par­ti­dá­rio. es­ses re­cur­sos se­ri­am re­dis­tri­buí­dos pa­ra ou­tras le­gen­das que su­pe­ra­rem a cláu­su­la de de­sem­pe­nho. No cálculo da no­va re­gra, não es­tão par­ti­dos fun­da­dos após 2014, co­mo a Re­de, o No­vo e o PMB, to­dos que de­vem lan­çar can­di­da­tu­ras à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca ou se co­li­ga­rem com ou­tras le­gen­das em cha­pas ma­jo­ri­tá­ri­as. se a pro­pos­ta ini­ci­al as­si­na­da pe­los se­na­do­res Ri­car­do Fer­ra­ço (psdb-es) e aé­cio Ne­ves (PSDB-MG) ti­ves­se si­do apro­va­da, che­ga­ria a 19 o nú­me­ro de si­glas sob o ris­co de ex­tin­ção. a previsão era que a cláu­su­la já ini­ci­a­ria em 2% e che­ga­ria aos 3% no ano 2022. par­ti­dos tra­di­ci­o­nais, co­mo o pps e o pc­dob, além de re­pre­sen­tan­tes da ex­tre­ma es­quer­da, co­mo o psol. O pv e o pros tam­bém cor­re­ri­am ris­co de es­tar fo­ra da dis­pu­ta. Foi por cau­sa da pres­são des­ses par­ti­dos que a Câ­ma­ra fez al­te­ra­ções no pro­je­to ini­ci­al.

Na vi­são do pro­fes­sor de di­rei­to elei­to­ral Wal­ber agra, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de per­nam­bu­co, a cláu­su­la apro­va­da foi tí­mi­da. “É um pas­so aca­nha­do. De­ve­ria ser de 3% pa­ra se che­gar a 5%. e ime­di­a­ta­men­te im­pe­dir as co­li­ga­ções. es­sa pro­li­fe­ra­ção de par­ti­dos é res­pon­sá­vel por par­te dos pro­ble­mas en­fren­ta­dos pe­lo nos­so pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­op­ta­ção, ter­mo usa­do pe­lo ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so”, afir­mou.

al­ter­na­ti­vas

sem a ga­ran­tia de re­ce­ber es­ses re­cur­sos, os par­ti­dos bus­cam al­ter­na­ti­vas pa­ra so­bre­vi­ver. Dois de­les fo­ram con­sul­ta­dos pe­la re­por­ta­gem e mos­tra­ram es­tra­té­gi­as dis­tin­tas. O pen, que mu­da­rá de no­me pa­ra pa­tri­o­tas, apos­ta na fi­li­a­ção do de­pu­ta­do fe­de­ral Jair Bol­so­na­ro (PSC-RJ) pa­ra ala­van­car a elei­ção de seus par­la­men­ta­res. “Quan­do te­mos uma fi­gu­ra do por­te de­le, con­se­gui­re­mos ele­ger uma ban­ca­da mai­or. Te­re­mos mais ex­po­si­ção e mais vo­tos de le­gen­da”, apos­ta o pre­si­den­te do di­re­tó­rio do pen no Dis­tri­to Fe­de­ral, pau­lo Fer­nan­do Me­lo. a ex­pec­ta­ti­va é que a ban­ca­da pu­le de três de­pu­ta­dos fe­de­rais pa­ra 30. Bol­so­na­ro de­ve­rá se can­di­da­tar à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. em di­ver­sas pes­qui­sas de opi­nião ele ocu­pa a se­gun­da co­lo­ca­ção, atrás ape­nas do ex-pre­si­den­te luiz iná­cio lu­la da sil­va (pt). Os di­ri­gen­tes dos pa­tri­o­tas, con­tu­do, te­rão de con­fi­ar na pa­la­vra de Bol­so­na­ro. Ca­so ele não se fi­lie, eles ad­mi­tem que não te­rão pla­no B pa­ra ten­tar so­bre­vi­ver à cláu­su­la. “ela só não se fi­li­ou ain­da por­que es­tá es­pe­ran­do a aber­tu­ra da ja­ne­la par­ti­dá­ria, no ano que vem”, afir­mou Me­lo.

Ou­tra le­gen­da ame­a­ça­da, o avan­te (an­ti­go pt­dob), es­pe­ra que seus di­re­tó­ri­os es­ta­du­ais in­vis­tam em can­di­da­tu­ras lo­cais pa­ra de­pu­ta­do fe­de­ral em con­tra­par­ti­da com o que ocor­reu nas elei­ções an­te­ri­o­res. “em par­ti­dos pe­que­nos, os di­ri­gen­tes lo­cais pre­fe­rem ele­ger de­pu­ta­dos es­ta­du­ais do que fe­de­rais por­que há uma pro­xi­mi­da­de mai­or so­bre eles. Mas, se não mu­dar­mos is­so, os par­ti­dos cor­rem o ris­co de su­mir”, afir­mou o pre­si­den­te do avan­te, o de­pu­ta­do fe­de­ral por Mi­nas Ge­rais luis Ti­bé. a es­ti­ma­ti­va de Ti­bé é que, com a es­co­lha de no­mes mais com­pe­ti­ti­vos pa­ra a dis­pu­ta elei­to­ral na es­fe­ra na­ci­o­nal, sua ban­ca­da pas­se dos atu­ais seis de­pu­ta­dos pa­ra pe­lo me­nos dez. Des­sa for­ma, po­de­ria atin­gir ao me­nos um dos cri­té­ri­os pre­vis­tos na no­va re­gra. “es­tou con­fi­an­te de que va­mos su­pe­rar. Mas te­mos de en­ten­der que o pro­ble­ma do país não é dos par­ti­dos pe­que­nos. Os gran­des é que não es­tão acei­tan­do o nos­so crescimento”, dis­se.

F. R. POZZEBOM ag. Bra­sil

Jair Bol­so­na­ro na Câ­ma­ra, em ima­gem de 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.