Su­pre­mo abre ca­mi­nho pa­ra ‘per­dão’ a Aé­cio

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Um ano e cin­co me­ses após afas­tar, de ma­nei­ra unâ­ni­me, o en­tão de­pu­ta­do fe­de­ral edu­ar­do Cu­nha ( PMDB-RJ) de su­as fun­ções par­la­men­ta­res, o su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral mu­dou seu en­ten­di­men­to e, nes­ta quar­ta-fei­ra, de­ci­diu que não ca­be ao Ju­di­ciá­rio to­mar so­zi­nho de­ci­sões co­mo es­sa. pe­lo pla­car de 6 a 5 os ma­gis­tra­dos con­cluí­ram que ao Ju­di­ciá­rio é pos­sí­vel con­ce­der me­di­das cau­te­la­res con­tra con­gres­sis­tas, des­de que não im­pli­quem em afas­ta­men­to das fun­ções pú­bli­cas ou in­ter­fi­ram no cum­pri­men­to des­se man­da­to. Nes­tes ca­sos, a Ca­sa le­gis­la­ti­va a qu­al o par­la­men­tar per­ten­ce pre­ci­sa­rá re­fe­ren­dar a de­ci­são judicial em um pra­zo de 24 ho­ras. Me­di­das cau­te­la­res são no­ve pu­ni­ções pre­vis­tas no Có­di­go de pro­ces­so pe­nal. Tra­tam, por exem­plo, de re­co­lhi­men­to no­tur­no, do uso de tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca ou da obri­ga­ção de com­pa­re­cer a um jui­za­do com de­ter­mi­na­da frequên­cia, en­tre ou­tras.

a mu­dan­ça de pos­tu­ra mos­tra uma ava­li­a­ção mais po­lí­ti­ca do que téc­ni­ca e ten­ta es­fri­ar o cli­ma de ani­mo­si­da­de cri­a­do com o se­na­do Fe­de­ral de­pois que a 1º Tur­ma do STF afas­tou por 3 vo­tos a 2 o se­na­dor aé­cio Ne­ves (psDB-MG) de su­as fun­ções e de­ter­mi­nou que ele se re­co­lhes­se em sua ca­sa to­das as noi­tes. a pre­si­den­ta do STF, Cár­men lú­cia, des­ta­cou que, ca­da pro­ces­so cri­mi­nal é um ca­so. e por es­sa ra­zão, não era pos­sí­vel fa­zer com­pa­rar uma ação com a ou­tra.

O que es­ta­va em aná­li­se nes­ta quar­ta-fei­ra era ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de 5526, apre­sen­ta­da pe­los par­ti­dos pro­gres­sis­ta, so­ci­al Cris­tão e so­li­da­ri­e­da­de. O que as le­gen­das ques­ti­o­na­vam era se os afas­ta­men­tos das prer­ro­ga­ti­vas par­la­men­ta­res po­de­ri­am ser fei­tas pe­lo su­pre­mo ou não. Tu­do ba­se­a­do no ca­so de Cu­nha. po­rém, ape­sar de ela não ci­tar no­mi­nal­men­te o se­na­dor aé­cio Ne­ves, es­sa de­ci­são cer­ta­men­te in­ter­fe­ri­rá no ca­so de­le. assim, es­sa de­fi­ni­ção dá aval pa­ra o se­na­do re­ver­ter as me­di­das cau­te­la­res im­pos­tas a aé­cio e de­vol­ver a ele su­as prer­ro­ga­ti­vas par­la­men­ta­res. No pró­xi­mo dia 17 de ou­tu­bro, o ca­so do tu­ca­no se­rá ana­li­sa­do pe­lo ple­ná­rio do se­na­do. par­la­men­ta­res da mai­o­ria dos par­ti­dos já de­cla­ra­ram ser con­trá­ri­os ao afas­ta­men­to de­lee dis­se­ram que o Ju­di­ciá­rio es­ta­va in­ter­fe­rin­do no po­der le­gis­la­ti­vo

a dis­cus­são so­bre o as­sun­to cau­sou uma sé­rie de con­tes­ta­ções en­tre os mi­nis­tros do su­pre­mo e abriu uma es­pé­cie de “gu­er­ra in­ter­na” no Ju­di­ciá­rio. Os pro­ta­go­nis­tas fo­ram os mi­nis­tros luís Roberto Bar­ro­so, Mar­co au­ré­lio Mel­lo e Gil­mar Men­des. em seu vo­to, Bar­ro­so re­pe­tiu vá­ri­as ve­zes que o STF já ti­nha to­ma­do uma de­ci­são que afas­tou um par­la­men­tar de ma­nei­ra unâ­ni­me. sua in­sis­tên­cia nes­sa ques­tão ir­ri­tou Mar­co au­ré­lio: “Ho­je te­nho ou­tra com­pre­en­são. Vão me co­lo­car uma ca­mi­sa de for­ça?”, re­cla­mou. “eu dis­pen­so cobrança de co­e­rên­cia. Di­go que não te­nho com­pro­mis­so se­quer com meus pró­pri­os er­ros”, con­cluiu.

em um dos mo­men­tos dos de­ba­tes, quan­do Bar­ro- so ques­ti­o­nou Mar­co au­ré­lio so­bre um vo­to an­te­ri­or de­le, es­te bra­dou: “Te­nho sis­te­ma­ti­ca­men­te no tri­bu­nal um re­vi­sor”. e não res­pon­deu ao ques­ti­o­na­men­to de seu co­le­ga. em seu vo­to, Bar­ro­so re­for­çou que, ao de­fen­der o afas­ta­men­to das fun­ções par­la­men­ta­res, seu ob­je­ti­vo é igua­lar o jul­ga­men­to dos con­gres­sis­tas aos dos de­mais ci­da­dãos. “pren­der miú­dos e pro­te­ger graú­dos é a tra­di­ção bra­si­lei­ra que nós es­ta­mos fa­zen­do for­ça pa­ra su­pe­rar”. Já Gil­mar Men­des se­guiu a li­nha de que não é pos­sí­vel re­du­zir a imu­ni­da­de par­la­men­tar. “es­ta­mos fa­lan­do de uma ga­ran­tia bá­si­ca, la­pi­dar, do sis­te­ma de di­vi­são de po­de­res. po­de ser até que nós, vo­ca­ci­o­na­dos pe­lo di­rei­to acha­do na rua, es­te­ja­mos dis­pos­tos a fa­zer al­go nes­se sen­ti­do. Mas não di­ma­na do tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal qual­quer ideia de di­mi­nui­ção da imu­ni­da­de par­la­men­tar”, afir­mou.

as du­as ver­ten­tes

O gru­po de mi­nis­tros que de­fen­dia o afas­ta­men­to pré­de­ter­mi­na­do pe­la 1ª Tur­ma do STF se em­ba­sou na li­nha de que a pu­ni­ção es­ta­va de acor­do com o ar­ti­go 319 do Có­di­go de pro­ces­so pe­nal. es­se ar­ti­fí­cio pre­vê a apli­ca­ção de me­di­das cau­te­la­res dis­tin­tas de pri­são. Já os mi­nis­tros que eram con­trá­ri­os ao afas­ta­men­to di­zi­am que as prisões de con­gres­sis­tas só es­tão pre­vis­tas no ar­ti­go 53 da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, que de­ter­mi­na que a de­ten­ção de par­la­men­ta­res só de­ve ocor­rer em ca­so de de­li­to em fla­gran­te por cri­me ina­fi­an­çá­vel. Na prá­ti­ca, os ma­gis­tra­dos, igua­la­ram o re­co­lhi­men­to do­mi­ci­li­ar no­tur­no a uma pri­são.

“a vi­da da pes­soa não é afe­ta­da por uma me­di­da de re­co­lhi­men­to no­tur­no. pri­são é pri­são. Quem já vi­si­tou uma, sa­be co­mo é. Me­di­da res­tri­ti­va de di­rei­to é ou­tra coi­sa. O que se im­pe­de com o re­co­lhi­men­to do­mi­ci­li­ar no­tur­no é que se fre­quen­tem ba­la­das, res­tau­ran­tes, re­cep­ções, even­tos fes­ti­vos”, re­cla­mou Bar­ro­so, vo­to ven­ci­do.

“es­ten­der es­sa com­pe­tên­cia pa­ra per­mi­tir a re­vi­são, por par­te do po­der le­gis­la­ti­vo, das de­ci­sões ju­ris­di­ci­o­nais so­bre me­di­das cau­te­la­res pe­nais, sig­ni­fi­ca am­pli­ar re­fe­ri­da imu­ni­da­de pa­ra além dos li­mi­tes da pró­pria nor­ma­ti­vi­da­de que lhe é pró­pria, em ofensa ao pos­tu­la­do re­pu­bli­ca­no e à pró­pria in­de­pen­dên­cia do po­der Ju­di­ciá­rio”, dis­se o re­la­tor ed­son Fa­chin. O pri­mei­ro a vo­tar con­tra o re­la­tó­rio de Fa­chin foi ale­xan­dre de Mo­ra­es, o mais jo­vem mi­nis­tro da Cor­te que até ser in­di­ca­do pa­ra o car­go, em fe­ve­rei­ro, era fi­li­a­do ao psdb, de aé­cio. “a di­mi­nui­ção de imu­ni­da­des par­la­men­ta­res se faz em mo­men­to de ex­ce­ção, de ti­ra­nia. a for­ta­le­za da de­mo­cra­cia tam­bém é a for­ta­le­za do po­der le­gis­la­ti­vo”, afir­mou.

FO­LHA

Se­na­dor Aé­cio Ne­ves

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.