Mi­li­tar que ma­tar se­rá jul­ga­do por cor­te mi­li­tar

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Uma li­cen­ça pa­ra ma­tar”. as­sim al­gu­mas en­ti­da­des de di­rei­tos hu­ma­nos ba­ti­za­ram o pro­je­to de lei apro­va­do nes­ta se­ma­na pe­lo se­na­do Fe­de­ral (plc 44/2016) que trans­fe­re da Jus­ti­ça co­mum pa­ra a mi­li­tar o jul­ga­men­to de ho­mi­cí­di­os co­me­ti­dos por mi­li­ta­res du­ran­te ope­ra­ções es­pe­ci­ais de se­gu­ran­ça pú­bli­ca em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. a mu­dan­ça prá­ti­ca é a se­guin­te: se um pro­fis­si­o­nal da Ma­ri­nha, exér­ci­to ou ae­ro­náu­ti­ca as­sas­si­nar um ci­vil du­ran­te uma das atu­ais ope­ra­ções em co­mu­ni­da­des do Rio de Ja­nei­ro, on­de as For­ças ar­ma­das es­tão au­to­ri­za­dos a atu­ar até o fim do ano pe­lo me­nos, ele não se­rá jul­ga­do pe­lo Tri­bu­nal do Jú­ri, e sim por um tri­bu­nal for­ma­do em sua mai­o­ria por juí­zes mi­li­ta­res, que não tem ne­ces­sa­ri­a­men­te uma for­ma­ção ju­rí­di­ca.

O pro­je­to tra­mi­ta­va no Con­gres­so des­de 2016. De au­to­ria do de­pu­ta­do fe­de­ral es­pi­ri­dião amim (pp-sc), ti­nha co­mo ob­je­ti­vo aten­der aos an­sei­os de mi­li­ta­res que di­zi­am se sen­tir de­sam­pa­ra­dos ju­ri­di­ca­men­te quan­do eram con­vo­ca­dos a atu­a­rem em pa­tru­lhas co­mo com­ple­men­to à atu­a­ção da po­lí­cia ou em subs­ti­tui­ção a elas. Des­de 1996, to­do mi­li­tar que ma­ta um ci­vil é jul­ga­do co­mo qual­quer ou­tro ci­da­dão bra­si­lei­ro, por um co­le­gi­a­do for­ma­do por se­te ju­ra­dos es­co­lhi­dos en­tre a po­pu­la­ção lo­cal e co­or­de- na­dos por um juiz cri­mi­nal. Os ju­ra­dos de­ci­dem se o réu é cul­pa­do ou ino­cen­te e se há ate­nu­an­tes ou agra­van­tes pa­ra os de­li­tos. e é o juiz qu­em es­ti­pu­la a pe­na. Com a al­te­ra­ção, a pa­la­vra fi­nal se­rá de uma mai­o­ria for­ma­da por mem­bros da sua cor­po­ra­ção. Na pri­mei­ra ins­tân­cia, são qua­tro juí­zes mi­li­ta­res e um ci­vil. No su­pe­ri­or Tri­bu­nal Mi­li­tar, são quin­ze mi­li­ta­res e cin­co ci­vis.

apro­va­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, a pro­po­si­ção ain­da de­pen­de da san­ção do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer (PMDB). Qu­es­ti­o­na­da nes­ta quin­ta­fei­ra, a se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção da pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca in­for­mou que Te­mer ain­da ou­vi­rá os mi­nis­tros das áre­as en­vol­vi­das, an­tes de de­ci­dir se ve­ta ou se san­ci­o­na a lei. se de­pen­der do que já dis­se­ram al­guns de seus su- bor­di­na­dos que atu­am na área mi­li­tar, o pre­si­den­te san­ci­o­na­rá a lei. O mi­nis­tro da De­fe­sa, Raul Jung­mann, dis­se ao jor­nal Fo­lha de s. pau­lo que o pro­je­to cor­ri­ge fa­lhas da le­gis­la­ção vi­gen­te. por meio de seu Twit­ter, o co­man­dan­te do exér­ci­to, ge­ne­ral edu­ar­do Vil­las Bôas agra­de­ceu aos par­la­men­ta­res por da­rem ga­ran­ti­rem a “se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca” de seus co­man­da­dos quan­do em ope­ra­ções de Ga­ran­tia da lei e da Or­dem, a lei que re­gu­la a atu­a­ção dos mi­li­ta­res em si­tu­a­ções que as for­ças re­gu­la­res de se­gu­ran­ça são con­si­de­ra­das in­su­fi­ci­en­tes. Vil­las Bôas foi um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res da apro­va­ção do pro­je­to jun­to a se­na­do­res e de­pu­ta­dos. Uma das pou­cas vo­zes dis­so­nan­tes na ges­tão Te­mer vem da se­cre­ta­ria de pro­mo­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. a res­pon­sá­vel pe­la pas­ta, a

ad­vo­ga­da Flá­via pi­o­ve­san, che­gou a co­me­mo­rar no ano pas­sa­do que es­sa vo­ta­ção ha­via si­to tra­va­da no se­na­do. ela era con­trá­ria a es­sa mu­dan­ça le­gis­la­ti­va. pa­ra ver sua te­se ven­ce­do­ra, pi­o­ve­san te­rá de en­trar em um em­ba­te com po­lí­ti­cos de con­fi­an­ça do pre­si­den­te, co­mo o lí­der do Go­ver­no no se­na­do, Ro­me­ro Ju­cá (PMDB-RR), um dos que pe­diu ce­le­ri­da­de nes­sa vo­ta­ção pe­lo ple­ná­rio.

Ba­ta­lha Ju­rí­di­ca

Con­for­me a de­ci­são de Te­mer, uma no­va fren­te ju­rí­di­ca de­ve ser aber­ta. en­ti­da­des e par­ti­dos po­lí­ti­cos con­trá­ri­os à mu­dan­ça le­gis­la­ti­va pro­me­tem re­cor­rer ao su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral pa­ra ques­ti­o­nar a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da lei. “en­ten­do que a lei se­ja in­cons­ti­tu­ci­o­nal, por­que a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral fa­la que cri­mes con­tra a vi­da de­vem ir pa­ra o jú­ri”, afir- mou ao el país a di­re­to­ra da ONG Hu­man Right Wat­ch no Bra­sil, Ma­ria lau­ra Ca­ni­neu. em um ar­ti­go pu­bli­ca­do no mês pas­sa­do, ela res­sal­tou que es­se ti­po de jul­ga­men­to é uma prá­ti­ca da di­ta­du­ra.

além da HRW, a Co­nec­tas Di­rei­tos Hu­ma­nos e a anis­tia in­ter­na­ci­o­nal co­le­ta­ram as­si­na­tu­ras pa­ra pres­si­o­nar os po­lí­ti­cos a ten­ta­rem re­ver­ter es­sa de­ci­são dos le­gis­la­do­res. em sua pe­ti­ção vir­tu­al, a anis­tia in­ter­na­ci­o­nal afir­ma que, ca­so a lei en­tre em vi­gor, o “Bra­sil vi­o­la­rá tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais dos quais é sig­na­tá­rio, obri­ga­ções que in­clu­em a ga­ran­tia do di­rei­to ao jul­ga­men­to jus­to, im­par­ci­al e in­de­pen­den­te”.

Um ou­tro pon­to ques­ti­o­na­do pe­los es­tu­di­o­sos do te­ma é o que tra­ta do trei­na­men­to dos mi­li­ta­res. eles en­ten­dem que es­ses pro­fis­si­o­nais es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com am­bi­en­tes be­li­ge­ran­tes, não com se­gu­ran­ça pú­bli­ca. “O po­li­ci­al tem pre­pa­ra­ção, o sol­da­do, não”, afir­mou o di­re­tor-ad­jun­to da Co­nec­tas, Mar­cos Fu­chs.

es­se ar­gu­men­to é in­sis­ten­te­men­te con­tes­ta­do pe­los mi­li­ta­res. em pa­les­tra no dia 23 de agos­to no ita­ma­raty, o ge­ne­ral ser­gio et­che­goyen, che­fe do Ga­bi­ne­te de se­gu­ran­ça ins­ti­tu­ci­o­nal e um dos prin­ci­pais as­ses­so­res de Te­mer na área de se­gu­ran­ça, afir­mou que men­ci­o­nar a fal­ta de trei­na­men­to dos mi­li­ta­res é ba­le­la de es­pe­ci­a­lis­tas, con­for­me re­ve­lou o si­te The in­ter­cept Bra­sil. “so­mos trei­na­dos em ci­ma de prin­cí­pi­os, de con­cei­tos, com al­guns fun­da­men­tos, com mui­ta fle­xi­bi­li­da­de pra dar agi­li­da­de men­tal pra po­der re­sol­ver o pro­ble­ma. en­tão, se der pro mi­li­tar um pro­ble­ma de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, ele vai se adap­tar e vai fa­zer”.

en­quan­to não há uma de­fi­ni­ção do pre­si­den­te, nes­te mo­men­to, o exér­ci­to au­xi­lia as po­lí­ci­as do Rio de Ja­nei­ro na pa­tru­lha de ao me­nos du­as co­mu­ni­da­des. Nos úl­ti­mos dez anos, já fo­ram ao me­nos 12 in­ter­ven­ções se­me­lhan­tes no es­ta­do, além de atu­a­ções na Bahia, es­pí­ri­to san­to e Rio Gran­de do Nor­te. Um ca­so po­lê­mi­co re­cen­te foi a con­vo­ca­tó­ria de mi­li­ta­res pa­ra re­pri­mir o pro­tes­to con­tra o Go­ver­no Te­mer em maio em Bra­sí­lia.

Um mi­li­tar du­ran­te a ocu­pa­ção

Afp

o da Ro­ci­nha, na quar­ta-fei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.