FU­GIR DA MOR­TE SAI CA­RO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ésó o as­sun­to “mor­te” vir à to­na pa­ra que as pes­so­as mos­trem si­nais de des­con­for­to. Tal­vez o fe­ri­a­do de Fi­na­dos fu­ja um pou­co à re­gra, mas, nos de­mais di­as do ano, mui­tos pre­fe­rem es­con­der su­as an­gús­ti­as em­bai­xo do ta­pe­te e se­guir com su­as vi­das.

Pa­ra a dra­ma­tur­ga Ca­mi­la Ap­pel, a da­ta é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra com­pre­en­der­mos a re­al di­men­são da vi­da e de que não so­mos su­per-he­róis que vão vi­ver pa­ra sem­pre. Ela, que des­de ce­do mos­trou in­te­res­se pe­lo as­sun­to, é res­pon­sá­vel pe­lo blog Mor­te sem Ta­bu, no si­te da Fo­lha. Por mais do­lo­ro­so que pa­re­ça, con­ver­sar e re­fle­tir so­bre o te­ma, ela ex­pli­ca, fun­ci­o­na­ria co­mo uma es­pé­cie de in­ves­ti­men­to: “nin­guém fa­la so­bre o as­sun­to e a fal­ta de in­for­ma­ção aca­ba cus­tan­do mui­to ca­ro”, se­ja emo­ci­o­nal ou fi­nan­cei­ra­men­te.

Pa­ra que­brar a es­pes­sa ca­ma­da de ge­lo que pai­ra so­bre o as­sun­to, Ap­pel su­ge­re in­tro­du­zi-lo em ro­das fa­mi­li­a­res por meio das “ma­lu­cas op­ções de des­ti­no das cin­zas”, que po­dem até mes­mo vi­rar fo­gos de ar­ti­fí­cio.

fo­lha - Por que há tan­to ta­bu quan­do o as­sun­to é mor­te?

Ca­mi­la Ap­pel - Tal­vez se­ja um pou­co de ego­cen­tris­mo. no fun­do, acha­mos que so­mos in­subs­ti­tuí­veis, que nos­sa vi­da é im­por­tan­te de­mais pa­ra ter­mi­nar. É a sín­dro­me do su­per-he­rói, do neo do “Ma­trix”. É a ne­ces­si­da­de de ser­mos especiais e ne­ces­sá­ri­os pa­ra o mun­do.

não adi­an­ta fin­gir que a mor­te não exis­te. Mas­ca­rá­la só pi­o­ra a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos por pes­so­as que tra­ba­lham com es­se as­sun­to. o re­sul­ta­do são ri­tu­ais de pés­si­ma qua­li­da­de, ge­ran­do lu­tos mal re­sol­vi­dos. o mo­men­to da per­da de um fa­mi­li­ar traz, ho­je, um to­tal de­sam­pa­ro –qua­se nin­guém fa­la so­bre o as­sun­to e a fal­ta de in­for­ma­ção aca­ba cus­tan­do ca­ro tan­to emo­ci­o­nal­men­te co­mo fi­nan­cei­ra­men­te.

o que você di­ria pa­ra as pes­so­as que se ve­em em si­tu­a­ções de an­gús- tia cau­sa­das por re­fle­xões acer­ca da mor­te?

Es­cre­va so­bre is­so. Exer­ça sua au­to­no­mia e fa­ça um tes­ta­men­to vi­tal, ou um man­da­to du­ra­dou­ro. ne­le, você po­de ex­pli­ci­tar a for­ma co­mo gos­ta­ria que seus mé­di­cos e fa­mi­li­a­res en­ca­mi­nhem seu pro­ces­so de mor­te, ca­so não es­te­ja em uma si­tu­a­ção pro­pí­cia pa­ra se co­mu­ni­car. ou, no ca­so do man­da­to du­ra­dou­ro, es­co­lher quem de­ve to­mar as de­ci­sões por você.

Con­ver­se com seus fa­mi­li­a­res so­bre as ma­lu­cas op­ções de des­ti­no do ca­dá­ver ou das cin­zas. o hu­mor fa­ci­li­ta mui­to uma con­ver­sa de­li­ca­da.

Pen­se em seu le­ga­do, es­cre­va seu pró­prio obi­tuá­rio co­mo um exer­cí­cio de qual lem­bran­ça você gos­ta­ria de dei­xar. se o re­sul­ta­do for in­sa­tis­fa­tó­rio, cor­ra atrás da pes­soa que você gos­ta­ria de ser lem­bra­da.

os pa­li­a­ti­vis­tas, que cos­tu­mam acom­pa­nhar mui­tos pro­ces­sos de mor­te, fa­lam que a es­sên­cia do ser hu­ma­no é o amor. Quem não tem pen­dên­ci­as ou bri­gas pa­ra re­sol­ver, aca­ba ten­do uma mor­te me­lhor. Você é do­no da sua vi­da e da sua mor­te.

É pre­ci­so des­bu­ro­cra­ti­zar a mor­te e, as­sim, “su­a­vi­zá-la”?

A bu­ro­cra­cia é pro­du­to da fal­ta de in­for­ma­ção e de trans­pa­rên­cia. Qua­se nin­guém sa­be, por exem­plo, que não exis­tem leis fe­de­rais pa­ra o se­tor fu­ne­rá­rio. Ca­da mu­ni­cí­pio re­gu­la co­mo qui­ser. Eu acho que o sis­te­ma de Cu­ri­ti­ba (Pr), de ro­di­zio de fu­ne­rá­ri­as, é mui­to es­tra­nho. A pes­soa não po­de es­co­lher a fu­ne­rá­ria que de­se­ja.

Mui­tos di­zem que não se po­de mer­can­ti­li­zar a mor­te, só que ela já é mer­can­ti­li­za­da. Quem cui­da da pes­soa até ela mor­rer é pa­go pa­ra is­so, quem retira o cor­po do hos­pi­tal ou da ca­sa, é pa­go pa­ra is­so, quem pre­pa­ra­da o cor­po pa­ra ve­ló­rio é pa­go pa­ra is­so. o ce­mi­té­rio ou o cre­ma­tó­rio re­ce­bem pa­ra is­so. o co­vei­ro re­ce­be pa­ra ca­var co­vas.

não se dis­cu­te a au­to­no­mia do pa­ci­en­te, a for­ma co­mo ele de­se­ja mor­rer. o consumidor des­se mer­ca­do de­ve po­der op­tar por pro­du­tos e ser­vi­ços e me­re­ce ser tra­ta­do com res­pei­to, com di­rei­tos. Tam­bém me­re­ce po­der es­co­lher den­tre as pos­sí­veis al­ter­na­ti­vas exis­ten­tes. Por exem­plo, de­ci­dir se ele pre­fe­re ser en­tu­ba­do, ou não, se de­se­ja vi­ver às cus­tas de má­qui­nas, ou não...

Tam­bém não se dis­cu­te as op­ções de des­ti­no do cor­po. Fo­ra do Bra­sil, há uma em­pre­sa que pro­duz fo­gos de ar­ti­fí­ci­os com as cin­zas, ou­tra, diamante. Tem até dis­co de vi­nil com cin­zas. Além da quan­ti­da­de de cor­pos do­a­dos pa­ra a ci­ên­cia, no Bra­sil, ser mí­ni­ma.

Co­mo sur­giu a chan­ce da você es­cre­ver so­bre es­se as­sun­to?

sem­pre ti­ve a ne­ces­si­da­de de es­cre­ver, o que fa­zia nas ho­ras va­gas do

meu tra­ba­lho (com mi­cro­cré­di­to). Aca­bei en­ten­den­do que, pa­ra eu ser fe­liz, de­ve­ria in­ves­tir na­qui­lo.

Es­cre­vi um li­vro de fic­ção ci­en­tí­fi­ca e pas­sei a es­tu­dar dra­ma­tur­gia. Já en­ce­nei du­as pe­ças te­a­trais e te­nho ou­tras na gaveta, lou­cas pa­ra to­mar vi­da no pal­co. Mas eu não con­se­gui sus­ten­to com a es­cri­ta. Foi quan­do ti­ve a ideia de ten­tar um em­pre­go no jor­na­lis­mo. Bus­quei uma opor­tu­ni­da­de na Fo­lha e a va­ga dis­po­ní­vel era pa­ra es­cre­ver bi­o­gra­fi­as. Elas são uma for­ma da mí­dia ter em mãos informações re­le­van­tes so­bre a pes­soa quan­do ela mor­rer. Ain­da não é um obi­tuá­rio, mas é uma pre­pa­ra­ção que to­dos os veí­cu­los da im­pren­sa fa­zem pa­ra ter uma ho­me­na­gem à al­tu­ra da pes­soa, es­cri­ta com uma pes­qui­sa pro­fun­da e re­le­van­te. Eu me apai­xo­nei por es­sa nar­ra­ti­va.

de­pois des­se tra­ba­lho, pas­sei a in­ves­ti­gar o te­ma da mor­te e per­ce­bi co­mo es­se ta­bu po­de ser pre­ju­di­ci­al pa­ra a so­ci­e­da­de. o te­ma vi­rou uma mis­são pes­so­al. su­ge­ri ao jor­nal um blog so­bre o as­sun­to. o jor­nal, que cos­tu­ma apos­tar em idei­as de van­guar­da, me apoi­ou. Lá se vão três anos e mais de 190 ar­ti­gos...

Você pen­sa mui­to na mor­te?

Eu pen­so mui­to mais na vi­da, em co­mo as pes­so­as po­dem vi­ver me­lhor até o úl­ti­mo mi­nu­to.

Mas, ou­tro dia, eu me sur­pre­en­di ao per­ce­ber que o ta­bu da mor­te não es­tá no ou­tro, ele es­tá en­rai­za­do em mim mes­ma.

Eu es­ta­va no trân­si­to, no car­ro, ou­vin­do uma es­ta­ção de mú­si­ca clás­si­ca. Quan­do, de re­pen­te, co­me­çou a to­car a Mar­cha Fú­ne­bre, de Cho­pin. Eu le­vei um sus­to. Lo­go na­que­le fa­mo­so “tan, tan, tan­tan”, mi­nha bar­ri­ga ge­lou e eu fui tro­car de es­ta­ção.

Quan­do eu me dei con­ta do ta­bu que eu mes­ma es­ta­va apre­sen­tan­do, res­pi­rei fun­do e re­sol­vi dei­xar os sen­ti­men­tos fluí­rem. Eu re­la­xei e des­co­bri uma das mú­si­cas mais lin­das que eu já ou­vi. Uma nar­ra­ti­va emo­ci­o­nan­te. o me­do nos ce­ga pa­ra a be­le­za das coi­sas. An­tes de qu­e­rer fa­lar com a so­ci­e­da­de so­bre o ta­bu, eu pre­ci­so tra­ba­lha-lo em mim mes­ma. E eu es­tou ten­tan­do.

Raio-x Nas­ci­men­to

1º.jun.1981, em são Pau­lo-sp

For­ma­ção

Ad­mi­nis­tra­ção pe­la FGV (2002), mes­tra­do pe­la Lon­don scho­ol of Eco­no­mics (2005)

Tra­je­tó­ria

Fez cur­so de dra­ma­tur­gia na Uni­ver­si­da­de de no­va York (2009); é au­to­ra das pe­ças “A Pantera” e “Vés­pe­ra”. nan­tém o blog “Mor­te sem Ta­bu”, no si­te da Fo­lha. É re­da­to­ra do pro­gra­ma “Con­ver­sa com Bi­al”, da TV Glo­bo

Enio Me­dei­ros

Fo­lha­press

Ca­mi­la Ap­pel, dra­ma­tur­ga e au­to­ra do blog Mor­te Sem Ta­bu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.