O QUE SER QUAN­DO MOR­RER?

Pos­si­bi­li­da­des –al­gu­mas só dis­po­ní­veis no ex­te­ri­or– vão além da cre­ma­ção e do en­ter­ro

Brasil em Folhas - - Geral -

Plas­ti­fi­ca­ção

Uma op­ção de con­ser­va­ção do cor­po é plas­ti­fi­cá-lo, per­mi­tin­do tor­nar evi­den­te de es­tru­tu­ras im­por­tan­tes da ana­to­mia hu­ma­na

Ár­vo­re

As cin­zas vão em uma ur­na es­pe­ci­al e ali­men­tam uma ár­vo­re, que po­de ser plan­ta­da ou fi­car em um va­so. A ur­na é bi­o­de­gra­dá­vel

Pe­ça anatô­mi­ca

o cor­po é do­a­do pa­ra es­co­las mé­di­cas, que per­mi­te que o trei­no tan­to de ana­to­mia co­mo de dis­sec­ção e ci­rur­gia por es­tu­dan­tes

Mu­mi­fi­ca­ção

Ao pre­ço de de­ze­nas de mi­lha­res de dó­la­res, uma pes­soa po­de ser mu­mi­fi­ca­da nos EUA, ca­so ha­ja de­se­jo de se­guir a cul­tu­ra do An­ti­go Egi­to

Diamante

ou­tra pos­si­bi­li­da­de é trans­for­mar as cin­zas em di­a­man­tes, de mo­do que uma par­te do mor­to pos­sa sem­pre ser car­re­ga­da pe­lo en­te que­ri­do em joi­as

En­ter­ro

des­ti­no co­mum do cor­po no oci­den­te, no qual o ca­dá­ver é en­ter­ra­do. nes­sa mo­da­li­da­de, ele po­de de­mo­rar até dé­ca­das pa­ra se de­com­por

Cin­zas si­de­rais

o so­nho de as­tro­nau­ta po­de ser re­a­li­za­do pos­tu­ma­men­te, com par­te das cin­zas do mor­to sen­do lan­ça­das na su­per­fí­cie lu­nar ou no es­pa­ço pro­fun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.