Mi­nis­té­rio de­ci­de con­ge­lar in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

OMi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia sus­pen­deu por dois anos a in­ves­ti­ga­ção de des­vi­os pra­ti­ca­dos pe­la En­ge­vix na Pe­tro­bras, sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de que a em­prei­tei­ra propôs um acor­do de le­ni­ên­cia —es­pé­cie de de­la­ção pre­mi­a­da pa­ra pes­so­as ju­rí­di­cas.

Do­cu­men­tos do TCU (Tri­bu­nal de Con­tas da União), ob­ti­dos pe­la fo­lha, mos­tram que, en­quan­to as apu­ra­ções fi­ca­ram pa­ra­das, a cons­tru­to­ra, al­vo da la­va Ja­to, não con­fes­sou ilí­ci­tos, não co­la­bo­rou com a des­co­ber­ta de no­vos cri­mes e as ne­go­ci­a­ções fra­cas­sa­ram.

a sus­pen­são de in­ves­ti­ga­ções tem si­do um pa­drão na Trans­pa­rên­cia. on­ze em­pre­sas sus­pei­tas de cor­rup­ção, a mai­o­ria al­vo da la­va Ja­to, ti­ve­ram pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos de res­pon­sa­bi­li­za­ção (Pars) con­ge­la­dos pa­ra ne­go­ci­ar co­la­bo­ra­ções, se­gun­do da­dos da pró­pria pas­ta. Po­rém, até ago­ra, só uma, a UTC En­ge­nha­ria, che­gou a um ter­mo com o go­ver­no.

a Trans­pa­rên­cia não di­vul­ga os no­mes, ale­gan­do si­gi­lo. a fo­lha apu­rou que en­tre elas es­tão in­ves­ti­ga­das na ope­ra­ção la­va Ja­to, co­mo En­ge­vix, Gal­vão En­ge­nha­ria e a ho­lan­de­sa SBM. o TCU, que in­ves­ti­ga os pro­ce­di­men­tos do ór­gão, en­ten­de que a pau­sa não tem am­pa­ro le­gal e fa­vo­re­ce in­de­vi­da­men­te as em­pre­sas.

Se­gun­do a cor­te, a con­du­ta con­tri­bui pa­ra que as ir­re­gu­la­ri­da­des pres­cre­vam sem que ha­ja a apu­ra­ção ade­qua­da e ain­da en­gor­da o caixa das en­vol­vi­das, pois, en­quan­to não são pu­ni­das pe­lo go­ver­no, elas con­ti­nu­am ap­tas a fe­char con­tra­tos pú­bli­cos.

Um re­la­tó­rio si­gi­lo­so da cor­te pro­põe que a con­tro­la­do­ria apre­sen­te, em 60 di­as, um ma­pe­a­men­to com­ple­to das tra­ta­ti­vas em cur­so. o ca­so se­ria jul­ga­do na quar­ta­fei­ra (25), em ses­são re­ser­va­da do tri­bu­nal, mas hou­ve pe­di­do de vis­ta.

a in­ves­ti­ga­ção so­bre a En­ge­vix foi sus­pen­sa em 6 de abril de 2015 e só foi re­to­ma­da em 10 de abril des­te ano, após a Trans­pa­rên­cia e a AGU (ad­vo­ca­cia-ge­ral da União) co­lo­ca­rem fim às ne­go­ci­a­ções pa­ra um acor­do de le­ni­ên­cia.

Nes­se pe­río­do, os pra­zos de pres­cri­ção cor­re­ram. Em 2015 e 2016, a em­pre­sa re­ce­beu do go­ver­no ao me­nos R$ 61 mi­lhões, fru­to de con­tra­tos que já vi­go­ra­vam. Em mar­ço des­te ano, foi de­cla­ra­da inidô­nea num pro­ces­so que tra­mi­tou no TCU e proi­bi­da de par­ti­ci­par de no­vas li­ci­ta­ções. ain­da não hou­ve pu­ni­ção do go­ver­no.

o tri­bu­nal fez au­di­to­ria na ne­go­ci­a­ção da Trans­pa­rên­cia com a En­ge­vix.

“a sus­pen­são dos pro­ces­sos de res­pon­sa­bi­li­za­ção vai de en­con­tro à fi­na­li­da­de da lei 12.846/2013 [lei an­ti­cor­rup­ção], que vi­sa aten­der pri­mor­di­al­men­te ao prin­cí­pio da mo­ra­li­da­de. Vai de en­con­tro tam­bém à fi­na­li­da­de do pró­prio acor­do de le­ni­ên­cia co­mo fer­ra­men­ta de in­ves­ti­ga­ção, que vi­sa a identificar e res­pon­sa­bi­li­zar de for­ma cé­le­bre os res­pon­sá­veis por atos ilí­ci­tos”, diz tre­cho de re­la­tó­rio so­bre o ca­so.

a prá­ti­ca do Mi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia vem no mo- men­to em que uma no­va lei am­plia os ór­gãos ap­tos a ne­go­ci­ar le­ni­ên­cia, mas tor­na o pro­ce­di­men­to mais in­se­gu­ro pa­ra as em­pre­sas.

OU­TRAS EM­PRE­SAS

a in­ves­ti­ga­ção so­bre ou­tras empreiteiras tam­bém hi­ber­nou no Mi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia. É o ca­so da Gal­vão En­ge­nha­ria, al­vo da la­va Ja­to.

Em mar­ço de 2015, a em­pre­sa propôs um acor­do de le­ni­ên­cia ao go­ver­no e te­ve seu pro­ces­so de res­pon­sa­bi­li­za­ção sus­pen­so. Em de-

zem­bro do ano se­guin­te, as ne­go­ci­a­ções ain­da es­ta­vam em fa­se ini­ci­al. Nem uma mi­nu­ta de acor­do ha­via si­do fei­ta. Em mar­ço des­te ano, a em­pre­sa in­ter­rom­peu as tra­ta­ti­vas com a Trans­pa­rên­cia pa­ra ne­go­ci­ar com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fe­de­ral. o TCU ale­ga que tam­bém hou­ve sus­pen­são in­de­vi­da nes­se ca­so. ou­tro ca­so que per­ma­ne­ce em im­pas­se é o da SBM offsho­re.

Pri­mei­ra a acer­tar le­ni­ên­cia com o go­ver­no, há mais de um ano, a em­pre­sa ho­lan­de­sa ain­da não te­ve seu acor­do apro­va­do de­fi­ni­ti­va­men­te, pois a 5ª Câ­ma­ra da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) apon­tou ir­re­gu­la­ri­da­des nas cláu­su­las em se­tem­bro do ano pas­sa­do.

Na se­gun­da-fei­ra (9), o mi­nis­tro Vi­tal do Rê­go, do TCU, sus­pen­deu o pro­ces­so por 45 di­as até que a em­pre­sa e o Mi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia cor­ri­jam os pro­ble­mas.

a SBM é uma mul­ti­na­ci­o­nal que alu­ga pla­ta­for­mas pa­ra a Pe­tro­bras, com quem man­tém con­tra­tos que so­mam cer­ca de US$ 22 bi- lhões.

Em 2014, após uma apu­ra­ção in­ter­na, a em­pre­sa ad­mi­tiu que seus lo­bis­tas pa­ga­ram US$ 139 mi­lhões em pro­pi­nas no Bra­sil ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co da ho­lan­da, que in­ves­ti­ga o es­que­ma de cor­rup­ção tam­bém pra­ti­ca­do pe­la em­pre­sa em an­go­la e Gui­né Equa­to­ri­al. o ca­so tam­bém foi apu­ra­do na la­va Ja­to. Um dos prin­ci­pais en­tra­ves pa­ra o acor­do é quan­to ao da­no cau­sa­do.

os cál­cu­los fo­ram fei­tos com ba­se nas pro­pi­nas pa­gas e nos lu­cros de con­tra­tos ob­ti­dos ili­ci­ta­men­te, mas o pre­juí­zo a res­ti­tuir ao erá­rio po­de ser mai­or, em ra­zão de su­per­fa­tu­ra­men­to nos va­lo­res dos ser­vi­ços.

Por is­so, exi­ge-se que a em­pre­sa apre­sen­te do­cu­men­tos pa­ra um cál­cu­lo mais pre­ci­so das per­das. ho­je, se co­bra da SBM no Bra­sil cer­ca de R$ 1 bi­lhão.

ou­tro pon­to con­tro­ver­so diz res­pei­to à for­ma de pa­ga­men­to. a em­pre­sa quer qui­tar par­te do dé­bi­to pres­tan­do ser­vi­ços à Pe­tro­bras. os va­lo­res de res­sar­ci­men­to se­ri­am des­con­ta­dos das fa­tu­ras a re­ce­ber da es­ta­tal.

Es­ses pon­tos, ago­ra ques­ti­o­na­dos pe­lo TCU, são ba­si­ca­men­te os mes­mos que le­va­ram a 5ª Câ­ma­ra a re­pro­var o acor­do.

OU­TRO LA­DO

o Mi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia in­for­mou que atua “de for­ma re­gu­lar e em to­tal res­pei­to às leis e nor­mas vi­gen­tes, vi­san­do uni­ca­men­te ao in­te­res­se pú­bli­co”. Em no­ta, a pas­ta sus­ten­tou que “nun­ca hou­ve in­ter­rup­ção de in­ves­ti­ga­ções, vis­to que o acor­do de le­ni­ên­cia é tam­bém um meio de ob­ten­ção de pro­vas”. “Não há pro­ces­sos pa­ra­dos”, rei­te­rou.

Qu­es­ti­o­na­da pe­la re­por­ta­gem da fo­lha, a Trans­pa­rên­cia não de­ta­lhou qual foi o pe­río­do de sus­pen­são de ca­da um dos pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos de res­pon­sa­bi­li­za­ção (Pars).

“En­con­tram-se sus­pen­sos os Pars da­que­las em­pre­sas que es­tão em ne­go­ci­a­ção de acor­do de le­ni­ên­cia. Res­sal­ta­mos que não exis­te um pe­río­do má­xi­mo ou mí­ni­mo de sus­pen­são e que a CGU [Trans­pa­rên­cia] re­a­li­za o con­tro­le pa­ra evi­tar a pres­cri­ção dos ilí­ci­tos. Des­de o iní­cio do ano, o pra­zo ini­ci­al de sus­pen­são é de 180 di­as.”

a pas­ta ale­gou que, em ra­zão do si­gi­lo im­pos­to pe­la lei an­ti­cor­rup­ção, não se ma­ni­fes­ta so­bre no­mes de em­pre­sas, pos­sí­veis ter­mos, exis­tên­cia de acor­dos, bem co­mo de­ta­lhes de ne­go­ci­a­ções em an­da­men­to.

EM­PRE­SAS

a En­ge­vix in­for­mou, por es­cri­to, que o go­ver­no, que can­ce­lou a ne­go­ci­a­ção de seu acor­do, “fa­ria me­lhor se ad­mi­tis­se que es­tá fir­me­men­te em­pe­nha­do em in­vi­a­bi­li­zar as em­pre­sas ex­tor­qui­das pe­la Pe­tro­bras – ho­je, es­tra­nha­men­te, no pa­pel de ví­ti­ma”.

“acre­di­tar que se po­de re­cu­pe­rar a po­pu­la­ri­da­de ex­ter­mi­nan­do em­pre­sas é uma apos­ta per­ver­sa.

Des­mon­tar o par­que em- pre­sa­ri­al bra­si­lei­ro de in­fra­es­tru­tu­ra co­mo se fe­char em­pre­sas fi­zes­se par­te de al­gu­ma po­lí­ti­ca de com­ba­te à cor­rup­ção é um er­ro fa­tal”, cri­ti­cou a em­pre­sa por meio de no­ta.

a En­ge­vix sus­ten­tou ter aten­di­do às exi­gên­ci­as da Trans­pa­rên­cia pa­ra o acor­do. “a em­pre­sa en­tre­gou far­to ma­te­ri­al pa­ra as au­to­ri­da­des, mo­ti­vo pe­lo qual o ór­gão che­gou ao es­tá­gio de cal­cu­lar a mul­ta. a má von­ta­de da AGU [ad­vo­ca­cia-ge­ral da União] e da CGU [Trans­pa­rên­cia] se cons­ta­ta pe­lo fa­to de a co­mis­são de aná­li­se ter si­do tro­ca­da na­da me­nos que três ve­zes.”

a En­ge­vix acres­cen­tou ter ado­ta­do “sé­rio e con­sis­ten­te” pro­gra­ma de com­pli­an­ce [ sis­te­ma in­ter­no de con­tro­le pa­ra coi­bir, identificar e tam­bém pu­nir even­tu­ais atos de cor­rup­ção que ve­nham a ser pra­ti­ca­dos por fun­ci­o­ná­ri­os].

“o apa­ren­te mo­ti­vo pa­ra as di­fi­cul­da­des no acer­to pa­re­ce ser fi­nan­cei­ro, o que re­ve­la uma pos­tu­ra que aca­ba be­ne­fi­ci­an­do em­pre­sas com mai­or po­der fi­nan­cei­ro, en­quan­to sa­cri­fi­ca as que não têm fô­le­go pa­ra ar­car com mul­tas des­pro­por­ci­o­nais e sem ló­gi­ca. o ór­gão cria um pur­ga­tó­rio dis­cri­ci­o­ná­rio em que os que co­me­te­ram mais cri­mes se sa­fam pa­gan­do”, acres­cen­tou a En­ge­vix.

Con­sul­ta­das no­va­men­te so­bre as crí­ti­cas da em­prei­tei­ra, AGU e CGU não qui­se­ram se ma­ni­fes­tar.

Gal­vão En­ge­nha­ria e SBM não co­men­ta­ram.

Fa­cha­da do Tri­bu­nal de Con­tas da União, ór­gão res­pon­sá­vel por mo­ni­to­rar prá­ti­cas no ser­vi­ço pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.