Im­pas­se em no­ta de re­da­ção pro­vo­ca in­se­gu­ran­ça no Enem

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

os 6,7 mi­lhões de ins­cri­tos do Enem po­de­rão fa­zer no do­min­go (5) o pri­mei­ro dia de pro­vas em um clima de in­se­gu­ran­ça e dú­vi­da. afi­nal, te­rão ou não as re­da­ções anu­la­das se, em seus tex­tos, hou­ver al­go con­si­de­ra­do co­mo um des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos? Nem o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção con­se­gue res­pon­der com segurança. Es­sa é uma re­gra pre­vis­ta nos cri­té­ri­os de ava­li­a­ção dos tex­tos des­de 2013. En­tre­tan­to, uma de­ci­são li­mi­nar (tem­po­rá­ria) do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal fe­de­ral da 1º Re­gião, di­vul­ga­da no dia 26, de­ter­mi­nou que o MEC não po­de cum­prir o pre­vis­to no edi­tal. Pa­ra o de­sem­bar­ga­dor fe­de­ral Carlos Mo­rei­ra al­ves, re­la­tor da ação ini­ci­a­da pe­la as­so­ci­a­ção Es­co­la Sem Par­ti­do, o res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos se­ria um “con­teú­do ide­o­ló­gi­co”, e não um cri­té­rio de cor­re­ção da pro­va.

o mi­nis­té­rio pro­me­te en­trar com re­cur­so pa­ra ten­tar re­ver­ter a me­di­da -mas, co­mo só foi no­ti­fi­ca­do da de­ci­são na noi­te de quar­ta-fei­ra (1), vés­pe­ra do fe­ri­a­do, só for­ma­li­za­rá is­so nes­ta sex­ta (3), a dois di­as do exa­me.

além de re­da­ção, os ins­cri­tos de­vem fa­zer nes­te do­min­go as pro­vas de ci­ên­ci­as hu­ma­nas e de lin­gua­gens. No do­min­go se­guin­te, dia 12, se­rá a vez de ma­te­má­ti­ca e de ci­ên­ci­as da na­tu­re­za.

EDI­TAL

Em no­ta, o MEC re­a­fir­mou que a ori­en­ta­ção é que to­dos si­gam o pre­vis­to no edi­tal, “es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção ao res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos no tex­to da re­da­ção”.

“Ca­be es­cla­re­cer que, in­de­pen­den­te­men­te da in­ti­ma­ção da au­tar­quia, tra­ta-se de de­ci­são de ca­rá­ter pre­cá­rio pas­sí­vel de ser re­for­ma­da”, diz o go­ver­no fe­de­ral.

“Não ca­be ao MEC e ao Inep [Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais, res­pon­sá­vel pe­lo exa­me] fa­zer ava­li­a­ção so­bre even­tu­al in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca oriun­da de de­ci­são ju­di­ci­al.”

Ca­so a ques­tão ju­rí­di­ca se ar­ras­te, o pla­no é man­ter o sis­te­ma de cor­re­ção da re­da­ção com os cri­té­ri­os já es­ta­be­le­ci­dos pe­lo mi­nis­té­rio. Re­da­ções que por ven­tu­ra fe­ri­rem os di­rei­tos hu­ma­nos se­rão se­gre­ga­das, o que per­mi­ti­rá anu­lar ou não es­ses tex­tos. a abor­da­gem de te­mas re­la­ci­o­na­dos aos di­rei­tos co­mo pro­pos­ta de re­da­ção é re­cor­ren­te no Enem. De 19 edi­ções, 11 tra­ta­vam de te­ma re­la­ci­o­na­do a es­sas ques­tões.

Em 2015, 9.942 tex­tos fo­ram anu­la­dos por des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos. o te­ma na­que­le ano era “vi­o­lên­cia con­tra a mulher”. No ano an­te­ri­or, fo­ram 955. o Enem exi­ge que os can­di­da- tos de­sen­vol­vam, den­tro de um tex­to dis­ser­ta­ti­vo, uma pro­pos­ta de in­ter­ven­ção ao te­ma. Es­sa pro­pos­ta con­fi­gu­ra um dos cin­co cri­té­ri­os de cor­re­ção da re­da­ção.

Na car­ti­lha so­bre a re­da­ção, pro­du­zi­da pe­lo Inep, são des­cri­tos po­si­ci­o­na­men­tos que po­dem ze­rar a re­da­ção, co­mo pre­gar o lin­cha­men­to pú­bli­co, mu­ti­la­ção e tor­tu­ra. No ano pas­sa­do, quan­do o te­ma foi li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, ti­ve­ram os tex­tos anu­la­dos par­ti­ci­pan­tes que es­cre­ve­ram coi­sas co­mo: “pa­ra com­ba­ter a in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, de­ve­ria aca­bar com a li­ber­da­de de ex­pres­são” ou “o go­ver­no de­ve­ria pu­nir e ba­nir es­sas ou­tras ‘cren­ças’, que não se­jam re­fe­ren­tes a Bí­blia”.

Em 2015, ao pro­por so­lu­ções pa­ra a vi­o­lên­cia con­tra a mulher, ti­ve­ram tex­tos anu­la­dos can­di­da­tos que es­cre­ve­ram, por exem­plo: “[quem co­me­te es­sa vi­o­lên­cia de­ve] ser mas­sa­cra­do na ca­deia”, “fa­zer so­frer da mes­ma for­ma a pes­soa que co­me­te es­se cri­me” ou “as mu­lhe­res fa­ze­rem jus­ti­ça com as pró­pri­as mãos”.

AR­QUI­VO

Mo­vi­men­ta­ção, fi­la e che­ga­da dos alu­nos que irão pres­tar o ENEM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.