JOVEM MORTA AO DAR CARONA DIVIDIA TRAJETOS PARA VISITAR O NAMORADO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Era fim de tar­de de quar­ta-fei­ra (1º) quan­do a au­xi­li­ar ad­mi­nis­tra­ti­va Ma­ri­a­na Se­ra­fim, 22, mar­ca­va para es­te sá­ba­do (4) um en­con­tro com sua ami­ga de in­fân­cia Kelly Cris­ti­na Ca­da­mu­ro, 22. No dia se­guin­te, Ma­ri­a­na foi sur­pre­en­di­da pe­la no­tí­cia de que aque­las men­sa­gens se­ri­am as úl­ti­mas tro­ca­das com a co­le­ga, que co­nhe­cia ha­via 13 anos.

Na vés­pe­ra do fe­ri­a­do, Kelly saiu de São Jo­sé do rio pre­to (Sp) para visitar o namorado em Ita­pa­gi­pe (MG). Cer­ca de 120 km se­pa­ram as du­as ci­da­des. o re­la­ci­o­na­men­to à dis­tân­cia im­pu­nha que a vi­a­gem de du­as ho­ras fos­se fei­ta com frequên­cia –a jovem cos­tu­ma­va ofe­re­cer carona para di­mi­nuir os cus­tos do tra­je­to.

Na­que­la tar­de, o pe­drei­ro Jo­nathan pra­do, 33, sen­ta­ria no ban­co do pas­sa­gei­ro. os dois ha­vi­am com­bi­na­do a carona por meio de um gru­po no What­sapp. Jo­nathan dis­se a Kelly que uma mu­lher os acom­pa­nha­ria, mas che­gou so­zi­nho para a vi­a­gem.

À noi­te, a jovem pa­rou de res­pon­der ami­gos e fa­mi­li­a­res. da­do o de­sa­pa­re­ci­men­to, a po­lí­cia foi aci­o­na­da. Na tar­de de quin­ta-fei­ra (2), o cor­po de Kelly foi en­con­tra­do em um ri­a­cho pró­xi­mo a Fron­tal (MG). Já o car­ro foi acha­do sem ro­das, em uma es­tra­da ru­ral de São pau­lo.

Três sus­pei­tos fo­ram pre­sos pe­lo cri­me: Jo­nathan, que es­ta­va fo­ra­gi­do do sis­te­ma pri­si­o­nal des­de mar­ço de 2017, da­ni­el Te­o­do­ro, que já ti­nha pas­sa- gem por rou­bo, e Wan­der Cu­nha, pri­mo do carona.

os três con­ti­nu­am pre­sos pre­ven­ti­va­men­te en­quan­to as in­ves­ti­ga­ções pros­se­guem. Qu­es­ti­o­na­da so­bre os no­mes de even­tu­ais ad­vo­ga­dos dos sus­pei­tos, a po­lí­cia Ci­vil de Mi­nas Ge­rais não res­pon­deu até a con­clu­são des­ta edi­ção.

Jo­nathan, au­tu­a­do por la­tro­cí­nio, as­su­miu o cri­me em de­poi­men­to. ele dis­se que já ha­via uti­li­za­do o What­sapp para ob­ter ca­ro­nas, mas que, des­sa vez, de­ci­diu efe­tu­ar o as­sal­to.

Se­gun­do o cri­mi­no­so, a in­ten­ção era rou­bar o car­ro, mas Kelly ofe­re­ceu re­sis­tên­cia e, por is­so, foi morta. Ain­da de acor­do com ele, os ou­tros dois sus­pei­tos fo­ram res­pon­sá­veis por com­prar as pe­ças rou­ba­das. eles fo­ram au­tu­a­dos por re­cep­ta­ção.

A po­lí­cia Ci­vil de Fru­tal não en­ten­deu o cri­me co­mo um ca­so de fe­mi­ni­cí­dio. de acor­do com o de­le­ga­do Bru­no Gi­o­va­ni­ni de pau­la, se­ria pos­sí­vel fa­lar em fe­mi­ni­cí­dio ca­so ti­ves­se ocor­ri­do vi­o­lên­cia se­xu­al.

o lau­do do Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal in­for­mou que Kelly mor­reu por as­fi­xia. exa­mes com­ple­men­ta­res di­rão se a ví­ti­ma foi es­tu­pra­da. ela foi en­con­tra­da sem as cal­ças. o sus­pei­to dis­se à po­lí­cia que, ao dis­pen­sar o cor­po, se­gu­rou a jovem pe­las per­nas e, por is­so, a ves­ti­men­ta te­ria caí­do.

PERFIL

Ma­ri­a­na des­cre­ve a ami­ga co­mo uma pes­soa “mui­to tran­qui­la, sem­pre mui­to ‘aca­nha­di­nha’”. “Às

ve­zes ela ti­nha uma dú­vi­da e man­da­va eu per­gun­tar para o pro­fes­sor por­que fi­ca­va com ver­go­nha”, con­ta.

Kelly era aten­den­te em uma lo­ja de ócu­los e ha­via aca­ba­do de se for­mar em um cur­so de ra­di­o­lo­gia. “es­ta­va fi­na­li­zan­do as ho­ras de es­tá­gio. era uma me­ni­na de fa­mí­lia, ba­ta­lha­do­ra. Não fa­zia mal nem para uma for­mi­ga”, diz.

Ma­ri­a­na afir­ma que a ami­ga cos­tu­ma­va com­bi­nar ca­ro­nas –ge­ral­men­te com es­tu­dan­tes da re­gião de rio pre­to cu­ja fa­mí­lia mo­ra per­to de Ita­pa­gi­pe. “Não sei es­se gru­po do What­sapp co­mo fun­ci­o­na, qual era o cri­té­rio dos mem­bros. Acho que de­ve­ri­am pôr gen­te só da fa­cul­da­de.”

CARONA

A prá­ti­ca de carona com­par­ti­lha­da é co­mum em to­do o mun­do e é pos­sí­vel en­con­trar de­ze­nas de gru­pos nas re­des so­ci­ais para es­te fim.

em di­ver­sos de­les, a no­tí­cia da mor­te de Kelly cau­sou re­vol­ta e pre­o­cu­pa­ção, es­pe­ci­al­men­te en­tre as mu­lhe­res. “eu só dou carona para mu­lhe­res e vas­cu­lho a vi­da an­tes de pe­gá-la. e mes­mo as­sim sei dos ris­cos. Mas sem­pre dei sor­te de co­nhe­cer pes­so­as bo­as. Tris­te­za es­se acon­te­ci­men­to”, es­cre­ve uma usuá­ria.

em ou­tro gru­po, in­ter­nau­tas dão ori­en­ta­ções so­bre a prá­ti­ca da carona, co­mo nun­ca fa­zer uma vi­a­gem com so­men­te mais um pas­sa­gei­ro, man­ter con­ta­to com ami­gos e fa­mi­li­a­res e dei­xar um nú­me­ro de emer­gên­cia pron­to para ser dis­ca­do.

VIAJE SEGURO

Ve­ja co­mo se pro­te­ger ao vi­a­jar de carona

pro­cu­re o perfil do mo­to­ris­ta ou pas­sa­gei­ro em re­des so­ci­ais co­mo Fa­ce­bo­ok, ve­ja o nú­me­ro de ami­gos, fo­tos e in­for­ma­ções so­bre lo­cal de tra­ba­lho ou es­tu­do

dê pre­fe­rên­cia a usuá­ri­os ava­li­a­dos por vi­a­gens an­te­ri­o­res

pas­se os con­ta­tos do mo­to­ris­ta ou pas­sa­gei­ro e a pla­ca do car­ro a pes­so­as de con­fi­an­ça an­tes de pe­gar a carona

evi­te sair da ro­ta pro­gra­ma­da e dei­xar ou pe­gar a carona em lu­ga­res de­ser­tos

pe­ça uma có­pia do rg e de um com­pro­van­te de re­si­dên­cia e su­gi­ra ti­rar uma fo­to; des­con­fie se a pes­soa se opor

CONHEÇA ALGUNS APPS

Bla Bla Car

Pas­sa­gei­ro tem aces­so a lis­ta de mo­to­ris­tas que pre­ten­dem vi­a­jar em da­tas e ho­rá­ri­os pró­xi­mos

Carona Di­re­ta

App mos­tra mo­to­ris­tas em bus­ca de pes­so­as para di­vi­dir vi­a­gem

Be­epMe

Usuá­ri­os são ava­li­a­dos por cri­té­ri­os co­mo con­di­ção do car­ro e se­gu­ran­ça

Mo­o­vit Car­po­ol

Usuá­rio ca­das­tra iti­ne­rá­rio e app mos­tra mo­to­ris­tas que de­vem per­cor­rê-lo

Kelly de­sa­pa­re­ceu de­pois de vi­a­gem em que deu carona a des­co­nhe­ci­do

Re­pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.