Mai­or tra­gé­dia am­bi­en­tal do Bra­sil com­ple­ta dois anos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Amai­or tra­gé­dia am­bi­en­tal do Bra­sil - que com­ple­ta dois anos nes­te do­min­go (5/11) - dei­xou, no ras­tro do mar de la­ma que se es­pa­lhou por 650 quilô­me­tros en­tre Mi­nas Ge­rais e Es­pí­ri­to San­to, 19 mor­tos, a lo­ca­li­da­de de Ben­to Rodrigues (em Ma­ri­a­na) sub­mer­sa, as de Pa­ra­ca­tu de Bai­xo (tam­bém em Ma­ri­a­na) e Ges­tei­ra (em Bar­ra Lon­ga) des­truí­das e per­das ima­te­ri­ais que con­ti­nu­am do­en­do em seus mo­ra­do­res. Des­de en­tão, as fes­tas re­li­gi­o­sas, as par­ti­das de fu­te­bol des­com­pro­me­ti­das, o ba­te-pa­po com os vi­zi­nhos e o tra­ba­lho na ro­ça se es­vaí­ram. As cer­ca de 300 fa­mí­li­as de­sa­lo­ja­das pe­la la­ma que se alas­trou com o rom­pi­men­to da bar­ra­gem do Fun­dão, da mi­ne­ra­do­ra Sa­mar­co, vi­vem ago­ra na área ur­ba­na da Ma­ri­a­na, apar­ta­das umas das ou­tras, e en­fren­tam a hos­ti­li­da­de de mui­tos mo­ra­do­res da ci­da­de (que ga­nha­ram no­vos vi­zi­nhos de uma ho­ra pa­ra ou­tra) e seus pró­pri­os demô­ni­os.

A ce­na mais mar­can­te é o dis­tri­to de Ben­to Rodrigues: uma lo­ca­li­da­de fan­tas­ma, com es­com­bros e la­ma. Dos 19 mor­tos, 14 eram tra­ba­lha­do­res e 5, mo­ra­do­res lo­cais. Du­ran­te uma se­ma­na, a re­por­ta­gem per­cor­reu lo­cais cen­trais da tra­gé­dia em Mi­nas e no Es­pí­ri­to San­to e con­ver­sou com pes­so­as que fo­ram di­re­ta­men­te atin­gi­das pe­lo rom­pi­men­to.

Ape­sar do ris­co de des­mo­ro­na­men­to, ex-mo­ra­do­res vol­tam pe­ri­o­di­ca­men­te ao lo­cal. “Eu ve­nho quan­do que­ro e nin­guém me im­pe­de. Eles (De­fe­sa Ci­vil) sa­bem que, se eu achar al­go que era meu, vou pe­gar”, con­ta a agri­cul­to­ra Ma­ri­nal­va dos San­tos Sal­ga­do, de 45 anos, que te­ve a ca­sa so­ter­ra­da e con­ti­nua à pro- cu­ra de uma agen­da que o ma­ri­do dei­xou. “Ele vi­a­ja­va mui­to a tra­ba­lho. Es­ta­va do­en­te, mas não me con­ta­va pe­lo te­le­fo­ne, só es­cre­via. Ele me deu a agen­da e mor­reu três di­as de­pois.” O rom­pi­men­to da bar­ra­gem do Fun­dão em 5 de no­vem­bro de 2015 atin­giu mui­to mais gen­te que os mor­tos e su­as fa­mí­li­as: um to­tal de 500 mil pes­so­as.

Es­ti­ma-se que, com o rom­pi­men­to da bar­ra­gem, 39,2 mi­lhões de m³ de re­jei­tos de mi­né­rio te­nham per­cor­ri­do os Ri­os Gu­a­la­xo do Nor­te, Car­mo e Do­ce até de­sem­bo­car no Oce­a­no Atlân­ti­co. O tsu­na­mi de la­ma afetou di­ver­sas co­mu­ni­da­des ri­bei­ri­nhas mi­nei­ras e ca­pi­xa­bas pe­lo ca- mi­nho. Con­ta­mi­nou a água, ti­rou o tra­ba­lho de pes­ca­do­res que de­pen­di­am dos ri­os pa­ra so­bre­vi­ver, ma­tou ani­mais e plan­tas.

Após o rom­pi­men­to da bar­ra­gem, um Ter­mo de Tran­sa­ção e Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (TTAC) as­si­na­do en­tre a Sa­mar­co e su­as con­tro­la­do­ras, Va­le e BHP, com a União e di­ver-

sas au­tar­qui­as fe­de­rais e es­ta­du­ais, cri­ou a Fun­da­ção Re­no­va, res­pon­sá­vel pe­la re­pa­ra­ção dos da­nos de­cor­ren­tes. As ações pas­sa­ram a ser de­fi­ni­das pe­lo Co­mi­tê In­ter­fe­de­ra­ti­vo, que reú­ne tam­bém ór­gãos co­mo o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Meio Am­bi­en­te e dos Re­cur­sos Na­tu­rais Re­no­vá­veis (Iba­ma), a Agên­cia Na­ci­o­nal de Água (ANA) e o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des de Con­ser­va­ção da Bi­o­di­ver­si­da­de (ICMBIO), do go­ver­no fe­de­ral.

À ES­PE­RA

Até ago­ra, pou­cos fo­ram in­de­ni­za­dos. Boa par­te dos pa­ga­men­tos - 70% a pes­ca­do­res - ain­da es­tá em ne­go­ci­a­ção. A Fun­da­ção en­tre­gou pou­co mais de 8 mil car­tões de au­xí­lio fi­nan­cei­ro, que é pa­go men­sal­men­te, a cer­ca de 20 mil pes­so­as. O re­as­sen­ta­men­to das vi­las es­tá mar­ca­do pa­ra 2019, mas as obras nem co­me­ça­ram.

Dos R$ 11,1 bi­lhões pre­vis­tos até 2030 no or­ça­men­to da Fun­da­ção, R$ 2,5 bi­lhões fo­ram gas­tos. Além de um pro­ces­so cri­mi­nal con­tra 22 pes­so­as, que es­tá pa­ra­li­sa­do por or­dem ju­di­ci­al, há ao me­nos ou­tros 74 mil em an­da­men­to, além de uma ação ci­vil pú­bli­ca que reú­ne os atin­gi­dos em Ben­to Rodrigues. A pre­vi­são de re­cu­pe­ra­ção to­tal dos es­tra­gos am­bi­en­tais é 2032.

Ain­da não há lau­dos de­fi­ni­ti­vos so­bre to­dos os im­pac­tos, e os ór­gãos mo­ni­to­ram a área afe­ta­da pa­ra ve­ri­fi­car se os pei­xes es­tão ou não ap­tos pa­ra o con­su­mo humano e co­mo a quan­ti­da­de de es­pé­ci­es foi im­pac­ta­da. Os es­tu­dos, de acor­do com a Re­no­va, de­vem ser fi­na­li­za­dos até o iní­cio do ano que vem e com­par­ti­lha­dos com os ór­gãos am­bi­en­tais.

A Re­no­va cer­cou 511 nas­cen­tes na Ba­cia do Rio Do­ce e promete re­cu­pe­rar em dez anos, con­for­me pra­zo fi­xa­do pe­lo TTAC, 5 mil nas­cen­tes. Ain­da há o de­ba­te so­bre o que se­rá fei­to com os re­jei­tos. Na bar­ra­gem, es­se ma­te­ri­al ti­nha areia e ar­gi­la. De­pois do rom­pi­men­to, is­so se jun­tou a so­lo, se­di­men­to, ár­vo­res e o que mais es­ta­va no fun­do do rio - o que di­fi­cul­ta a des­ti­na­ção des­sa mis­tu­ra. Após dois anos, ain­da há mui­tas per­gun­tas sem respostas, dú­vi­das e mui­to por fa­zer.

En­quan­to is­so, a mi­ne­ra­do­ra Sa­mar­co quer re­to­mar su­as ope­ra­ções. Com ati­vi­da­des pa­ra­li­sa­das, a em­pre­sa ten­ta pro­var às au­to­ri­da­des que é ca­paz de atu­ar em se­gu­ran­ça. Ho­je, so­bre­vi­ve de apor­tes de su­as con­tro­la­do­ras, que já des­ti­na­ram à em­pre­sa US$ 430 mi­lhões (cer­ca de R$ 1,41 bi­lhão). An­tes da tra­gé­dia, a Sa­mar­co em­pre­ga­va cer­ca de 6 mil fun­ci­o­ná­ri­os. Ho­je, são 1,8 mil, sen­do que 800 es­tão com o con­tra­to sus­pen­so. (AE)

Ras­tro de la­ma se es­pa­lhou por 650 quilô­me­tros

Me­ex­pli­ca.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.