AÉ­CIO DERRUBA TAS­SO E RECUPERA O PO­DER PA­RA AMARRAR O PSDB A TE­MER

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Tas­so Je­reis­sa­ti se apro­xi­ma dos jor­na­lis­tas e ini­cia sua en­tre­vis­ta co­le­ti­va di­zen­do, em tom de brin­ca­dei­ra: “es­tou de­sem­pre­ga­do”. Se­na­dor pe­lo Ce­a­rá, fa­zia pou­co mais de uma hora que ele ha­via si­do ofi­ci­al­men­te des­ti­tuí­do do car­go de pre­si­den­te in­te­ri­no do PSDB. Com uma sim­ples ca­ne­ta­da, Aé­cio Neves, se­na­dor por Mi­nas Ge­rais e pre­si­den­te que es­ta­va li­cen­ci­a­do da le­gen­da ha­via seis me­ses, ten­tou dar três gol­pes po­lí­ti­cos: 1) ame­ni­zar as crí­ti­cas que parte do tu­ca­na­to faz cons­tan­te­men­te contra o Go­ver­no Mi­chel Te­mer (PMDB); 2) in­ter­fe­rir no pro­ces­so su­ces­só­rio do par­ti­do, que em um mês ele­ge sua no­va di­re­to­ria e; 3) ga­ran­tir que ao me­nos dois dos qua­tro mi­nis­tros do par­ti­do si­gam em seus car­gos. Ele quer de­fen­der prin­ci­pal­men­te os mi­nis­tros Aloy­sio Nu­nes (Re­la­ções Ex­te­ri­o­res) e Bru­no Araú­jo (Ci­da­des).

Pres­si­o­na­do por Te­mer e pe­la fac­ção go­ver­nis­ta do PSDB, Aé­cio in­di­cou o ex­go­ver­na­dor de São Paulo Al­ber­to Gold­man pa­ra su­ce­der Tas­so. A jus­ti­fi­ca­ti­va ofi­ci­al pa­ra o afas­ta­men­to foi de que era ne­ces­sá­rio ha­ver um equi­lí­brio de ar­mas en­tre os dois can­di­da­tos ao car­go de pre­si­den­te da le­gen­da, Tas­so e o go­ver­na­dor de Goiás, Mar­co­ni Pe­ril­lo. A elei­ção in­ter­na ocor­re­rá no dia 9 de de­zem­bro. “O meu pa­pel se­rá exa­ta­men­te es­se, o de ga­ran­tir a iso­no­mia, o equi­lí­brio da dis­pu­ta”, dis­se Gold­man, re­pli­can­do o dis­cur­so de Aé­cio. O no­vo in­te­ri­no diz que foi sur­pre­en­di­do pe­la missão. Ba­se­a­do em São Paulo, ele veio às pres­sas na ma­nhã des­ta quin­ta-fei­ra pa­ra Bra­sí­lia pa­ra se reu­nir com Aé­cio e pre­pa­rar a vi­ra­da de me­sa na le­gen­da.

In­da­ga­do so­bre a ra­zão de ter si­do subs­ti­tuí­do, Tas­so diz que ha­via “di­ver­gên­ci­as pro­fun­das” en­tre ele e Aé­cio e que, cla­ra­men­te, o se­na­dor mi­nei­ro não é fa­vo­rá­vel à sua can­di­da­tu­ra. Tas­so também afir­mou que Aé­cio es­ta­va sen­do pres­si­o­na­do e que pe­diu pa­ra ele re­nun­ci­ar ao car­go in­te­ri­no. O que se ne­gou a fa­zer. “Ele não me quei­ra co­mo can­di­da­to. Por­tan­to, eu pre­fe­ria que ele me afas­tas­se, do que eu pe­dir, pa­ra fi­car bem ní­ti­da as nos­sas di­fe­ren­ças. Foi en­tão, que ele me man­dou o ofí­cio, me afas­tan­do”, afir­mou o se­na­dor ce­a­ren­se.

Tas­so as­su­miu in­te­ri­na­men­te o PSDB em maio por­que Aé­cio foi fla­gra­do em uma in­ves­ti­ga­ção em que ne­go­ci­a­va o re­ce­bi­men­to de 2 milhões de re­ais com o de­la­tor e réu con­fes­so do cri­me de cor­rup­ção, Jo­es­ley Ba­tis­ta, da JBS. O se­na­dor che­gou a ser afas­ta­do das fun­ções par­la­men­ta­res pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, mas con­se­guiu re­ver­ter es­sa de­ci­são. O cu­ri­o­so é que o pró­prio Tas­so foi um dos que se em­pe-

nha­ram no ple­ná­rio do Senado pa­ra aju­dar a sal­var o man­da­to de Aé­cio.

Des­de que as­su­miu a di­re­ção in­te­ri­na­men­te em maio, Tas­so de­fen­dia o rom­pi­men­to do par­ti­do com o Go­ver­no Te­mer. Em mais de uma oca­sião, di­zia que o “PSDB des­ses ca­ras, não é o meu PSDB”. Em agos­to ele as­su­miu a pro­du­ção de um pro­gra­ma po­lí­ti­co em re­de de TV aber­ta no qual es­can­ca­rou as crí­ti­cas mos­tran­do que o Bra­sil vi­via um “pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­op­ta­ção”. Foi a pri­mei­ra fe­ri­da aber­ta en­tre os gru­pos pró e contra Te­mer.

De lá pa­ra cá os em­ba­tes se am­pli­a­ram. Hou­ve in­ter­fe­rên­cia nos di­re­tó­ri­os do PSDB de Per­nam­bu­co, do Ma­ra­nhão e da Bahia. Na Câ­ma­ra, o ra­cha se evi­den­ci­ou quan­do me­ta­de da ban­ca­da vo­tou a fa­vor da aber­tu­ra de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal contra Te­mer e a me­ta­de foi con­trá­ria. Is­so, em du­as vo­ta­ções.

Es­sa é a ter­cei­ra vez que o se­na­dor mi­nei­ro in­ter­fe­re no di­re­tó­rio na­ci­o­nal. Em de­zem­bro do ano pas­sa­do, ele con­se­guiu ob­ter vo­tos da Exe­cu­ti­va pa­ra pror­ro­gar o seu man­da­to na pre­si­dên­cia da le­gen­da até maio de 2018 – seu man­da­to aca­ba­ria em maio de 2017. A se­gun­da in­ter- ven­ção ocor­reu há seis me­ses, quan­do Aé­cio in­di­cou Tas­so pa­ra a fun­ção. Mem­bros de gru­pos que pre­gam o rom­pi­men­to com o Go­ver­no e são ape­li­da­dos de “ca­be­ças­pre­tas”, cri­ti­ca­ram Aé­cio e dis­se­ram que ele ce­deu ao fi­si­o­lo­gis­mo. “Ras­ga­ram e jo­ga­ram no li­xo a his­tó­ria do PSDB. Te­nho cer­te­za que ha­ve­rá re­sis­tên­ci­as in­ter­na e ex­ter­na”, afir­mou o de­pu­ta­do Da­ni­el Co­e­lho ( PSDB- PE). “Es­se par­ti­do foi cons­truí­do so­bre o le­ma: lon­ge das be­nes­ses do po­der e pró­xi­mo do pul­sar das ru­as. Ho­je com es­sa de­ci­são de Aé­cio e de Te­mer, o que se vê é lon­ge do pul­sar das ru­as, mas bem pró­xi­mo da ‘ nha­ca’ do po­der”.

Ali­a­dos de Aé­cio re­a­gi­ram. Um de­les, Mar­cus Pes­ta­na ( PSDB- MG), dis­se que se es­pe­ra­va que o se­na­dor Tas­so fos­se lí­der de to­dos os tu­ca­nos, não de uma fac­ção. “É to­tal­men­te le­gí­ti­ma a de­ci­são. Gold­man tem au­to­ri­da­de por du­ran­te 30 di­as co­or­de­nar a le­gí­ti­ma dis­pu­ta en­tre Mar­co­ni Pe­ril­lo e Tas­so Je­reis­sa­ti”. Ape­sar de ter pro­vo­ca­do um ter­re­mo­to en­tre seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os, Aé­cio se ne­gou a res­pon­der aos ques­ti­o­na­men­tos de jor­na­lis­tas. In­da­ga­do so­bre a de­ci­são, ele se li­mi­tou a fa­zer um pro­nun­ci­a­men­to no qual sin­te­ti­zou o ofí­cio que en­vi­ou a Tas­so o in­for­man­do so­bre o afas­ta­men­to de­le e a as­sun­ção de Gold­man.

SENADO

Os se­na­do­res Tas­so e Aé­cio, em 2016

PSDB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.