Pro­pos­ta pró-mu­lher em pro­je­to an­ti­a­bor­to

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Uma pro­pos­ta que bus­ca­va am­pli­ar o direito de mu­lhe­res à li­cen­ça ma­ter­ni­da­de se trans­for­mou, após pas­sar por uma co­mis­são da Câ­ma­ra li­de­ra­da pe­la ban­ca­da evan­gé­li­ca, em uma pau­ta que po­de res­trin­gir o aces­so ao abor­to. A me­di­da apro­va­da pe­lo co­le­gi­a­do na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra foi ape­li­da­da de “Ca­va­lo de Troia” pe­los mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas, que mar­ca­ram pro­tes­tos. Ela quer in­tro­du­zir na Cons­ti­tui­ção a no­ção de que a vi­da co­me­ça na con­cep­ção. Is­so, se­gun­do os mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas, po­de le­var à re­vo­ga­ção do direito já pa­ci­fi­ca­do à in­ter­rup­ção da gra­vi­dez: em ca­sos de es­tu­pro, ris­co à ges­tan­te e quan­do o fe­to é anen­cé­fa­lo. A me­di­da se­gue pa­ra vo­ta­ção no Ple­ná­rio e, de­pois, ain­da te­rá que pas­sar pe­lo Senado e ser san­ci­o­na­da por Mi­chel Te­mer. A co­mis­são es­pe­ci­al foi for­ma­da há um ano, lo­go de­pois de o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral de­ci­dir que o abor­to du­ran­te o pri­mei­ro tri­mes­tre de ges­ta­ção não con­fi­gu­ra­va cri­me. Seu ob­je­ti­vo ofi­ci­al­men­te era ana­li­sar du­as pro­pos­tas de emen­da à Cons­ti­tui­ção, as PECS 181 e 58, am­bas an­ti­gas (a pri­mei­ra de 2015 e a se­gun­da de 2011). Elas pre­ten­di­am am­pli­ar de 120 pa­ra até 240 di­as a li­cen­ça ma­ter­ni­da­de de mães de be­bês pre­ma­tu­ros. Mas o tex­to do re­la­tor Ta­deu Mu­da­len (DEM-SP), mem­bro da Fren­te Par­la- men­tar Evan­gé­li­ca do Con­gres­so, in­tro­du­ziu no tex­to fi­nal, apro­va­do na quar­ta­fei­ra, ou­tras pro­pos­tas de mu­dan­ças cons­ti­tu­ci­o­nais. O in­ci­so III do ar­ti­go 1º da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral in­clui­rá en­tre os fun­da­men­tos do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Direito a “dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, des­de a con­cep­ção”. E ar­ti­go 5º pas­sa­rá a afir­mar que to­dos são iguais pe­ran­te a lei “des­de a con­cep­ção”. Atu­al­men­te, o “des­de a con­cep­ção” não apa­re­ce no tex­to em ne­nhum dos dois ca­sos. A ma­no­bra tem o mes­mo ob­je­ti­vo de pro­pos­tas co­mo o Es­ta­tu­to do Nas­ci­tu­ro, que também tra­mi­ta na Câ­ma­ra. Os mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas afir­mam que, se im­ple­men­ta­da, a mu­dan­ça se­rá o “pri­mei­ro pas­so pa­ra cri­mi­na­li­zar o abor­to em to­dos os ca­sos”. Res­sal­tam que, ape­sar de não mo­di­fi­car au­to­ma­ti­ca­men­te a le­gis­la­ção re­la­ci­o­na­da ao direito ao abor­to, abri­rá uma in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca por­que igua­la os di­rei­tos do em­brião, que não tem ati­vi­da­des ce­re­brais, ao da mu­lher. Is­so po­de­ria fa­zer com que se con­si­de­ras­se que, mes­mo em ca­sos de es­tu­pro, por exem­plo, ele te­ria direito à vi­da e es­se direito se so­bre­po­ria ao direito da mu­lher. “Em ca­so de aprovação, mu­lhe­res ví­ti­mas de es­tu­pro, in­de­pen­den­te­men­te da ida­de, ou com gra­vi­dez de fe­tos anen­cé­fa­los cor­rem o ris­co de não po­de­rem mais re­cor­rer aos ser­vi­ços de abor­to le­gal e se­gu­ro”, afir­mou a ONG Ca­tó­li­cas pe­lo Direito de De­ci­dir. “É inad­mis­sí­vel que 18 ho­mens que ale­gam fa­lar por Deus e por to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra de­ci­dam so­bre a vi­da e a au­to­no­mia de tan­tas mu­lhe­res”, com­ple­tou a en­ti­da­de, que con­vo­cou dois atos, um no Rio de Ja­nei­ro e ou­tro em São Paulo, pa­ra o pró­xi­mo dia 13, em pro­tes­to.

ROVENA RO­SA/AGÊN­CIA BRA­SIL

Ma­ni­fes­ta­ção pe­lo direito das mu­lhe­res ao abor­to em de­zem­bro de 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.