Tom de ata­ques en­tre Do­nald Trump e CNN

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

En­quan­to uma ma­çã apa­re­ce na te­la, um lo­cu­tor diz: “Al­gu­mas pes­so­as po­dem lhe di­zer que is­to é uma ba­na­na. Po­dem gri­tar e até es­cre­ver em le­tras maiús­cu­las. Mas é uma ma­çã. Fa­tos em pri­mei­ro lu­gar”, en­cer­ra a re­de de TV CNN, acu­sa­da por Do­nald Trump de pro­pa­gar no­tí­ci­as fal­sas, em um co­mer­ci­al que al­fi­ne­ta o pre­si­den­te.

A pe­ça, lan­ça­da há du­as se­ma­nas e al­vo de res­pos­tas e sá­ti­ras de con­ser­va­do­res que vi­ra­li­za­ram o em­ba­te, é o pe­núl­ti­mo ca­pí­tu­lo do con­fron­to en­tre a re­de de TV e o pre­si­den­te, que nes­ta quar­ta (8) atin­giu um no­vo pa­ta­mar.

Se­gun­do a mí­dia ame­ri­ca­na e o “Fi­nan­ci­al Ti­mes”, o go­ver­no Trump te­ria su­ge­ri­do que, pa­ra a fu­são da gi­gan­te Ti­me War­ner com a te­lefô­ni­ca AT&T ocor­rer, se­ria pre­ci­so pôr à ven­da o ca­nal que ho­je per­ten­ce à pri­mei­ra.

Nes­ta quin­ta (9), po­rém, o pre­si­den­te da AT&T, Ran­dall Stephen­son, ne­gou que a ven­da te­nha si­do im­pos­ta co­mo con­di­ção pa­ra a fu­são. E afir­mou que “não tem ab­so­lu­ta­men­te ne­nhu­ma in­ten­ção” de ven­der a CNN. A jus­ti­fi­ca­ti­va é evi­tar mo­no­pó­li­os, se­gun­do o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça, ao qual ca­be apro­var a fu­são. Mas a lon­ga que­da de bra­ço en­tre a CNN e Trump atrai sus­pei­tas. Ain­da na campanha, Trump cri­ti­ca­va a CNN. A pou­cos di­as da elei­ção, afir­mou que seu go­ver­no não iria apro­var a com­pra da Ti­me War­ner pe­la AT&T por­que “é mui­ta con­cen­tra­ção de po­der nas mãos de pou­cos”. “Es­se é um exem­plo da es­tru­tu­ra de po­der que com­ba­to”, dis­se.

A de­cla­ra­ção foi de­pois mi­ni­mi­za­da pe­lo di­re­tor an­ti­trus­te do De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça, Ma­kan Del­rahim, que dis­se não crer que a fu­são re­pre­sen­tas­se “ques­tão gra­ve”.

Mas o pa­re­cer des­ta semana en­vol­ve em uma né­voa as mo­ti­va­ções do go­ver­no. Re­ser­va­da­men­te, ofi­ci­ais en­vol­vi­dos na ne­go­ci­a­ção afir­mam a veí­cu­los lo­cais que se pre­o­cu­pam com a con­cen­tra­ção de ser­vi­ços de te­le­fo­nia e mí­dia nas mãos do gru­po. His­to­ri­ca­men­te, po­rém, es­se ra­ra­men­te foi mo­ti­vo pa­ra bar­rar uma fu­são nos EUA.

ATRITO

Há pou­cos di­as, o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça es­ta­va em atrito com Trump. Veio de lá o in­di­ci­a­men­to do ex- che­fe de campanha do pre­si­den­te, Paul Ma- na­fort, por cri­mes co­mo la­va­gem de di­nhei­ro e frau­de tri­bu­tá­ria.

Na oca­sião, Trump quei­xou- se que a pas­ta se ocu­pas­se dis­so em vez de in­ves­ti­gar o en­vol­vi­men­to de sua ex- ad­ver­sá­ria Hil­lary Clin­ton em uma su­pos­ta frau­de nas pri­má­ri­as de­mo­cra­tas.

Tan­to a Ca­sa Bran­ca quan­to o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça ne­gam in­ter­fe­rên­cia ex­ter­na no ca­so da AT& T e War­ner.

Del­rahim, da di­vi­são an­ti­trus­te, dis­se que “ja­mais foi ori­en­ta­do pe­la Ca­sa Bran­ca nes­sa ou em qu­al­quer ou­tra tran­sa­ção” sob sua aná­li­se.

En­quan­to is­so, gru­pos que re­ver­be­ram as crí­ti­cas de Trump à CNN ata­cam o co­mer­ci­al da re­de de no­tí­ci­as.

Um de­les, da NRA, mai­or lobby pró- ar­mas dos EUA, usa o for­ma­to numa sá­ti­ra com um li­mão: “Al­gu­mas pes­so­as po­dem lhe di­zer que is­to é um jor­na­lis­ta im­par­ci­al. Po­dem gri­tar, es­cre­ver em le­tras maiús­cu­las. Mas é um li­mão. Um li­mão amar­go”.

REU­TERS

Car­taz que diz ‘CNN é uma por­ca­ria’ apa­re­ce ao la­do de fo­to de Trump em fei­ra de ar­mas na Pen­sil­vâ­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.